A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » PSICOLOGIA DA RELIGIÃO : “Uma análise psiquiátrica do terrorismo dos muçulmanos”

PSICOLOGIA DA RELIGIÃO : “Uma análise psiquiátrica do terrorismo dos muçulmanos”

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 21 de janeiro de 2015 | 18:26





Para entendermos a raiva que estes muçulmanos têm do mundo ocidental, temos de remontar no tempo. É preciso considerar que a civilização semítica (berço do Islã) tem paradigmas muito diferentes da civilização indo-europeia (berço do Ocidente) .


Os semitas (judeus, muçulmanos) são povos que têm uma adoração pelo monoteísmo, pelo poder, força e autoridade de seu Deus único e tremendo. Já os indo-europeus sempre foram anarquistas, revoltados com a autoridade de Deus, tanto é que sempre oscilaram entre um deus antropomórfico (deus com características de homem) e o politeísmo (vários deuses para diluírem o poder de um só).


Os muçulmanos captaram que a revista Charlie-Hebdo é o cúmulo do anarquismo anti-deísta: por exemplo, recentemente publicaram charges com Maria de pernas abertas dando à luz a um messias chorão ou uma outra onde Deus, Jesus e o Espírito Santo fazem uma suruba de trenzinho, um engatando o outro. É o cúmulo do desrespeito, mas a sociedade ocidental tolera isso, pois é uma sociedade cujo anarquismo permite o ataque a si mesma. Isso pode parecer algo de mau gosto, mas não podemos nos esquecer que a base do pensamento científico é a conduta autocrítica, ou seja, o ataque a si mesmo.




É justamente por atacar-se a si mesmo que a França e o Ocidente têm de engolir os imigrantes muçulmanos


Se ela os expulsasse, estaria adotando uma política centralista, autoritária, despótica, que o antiautoritarismo que o Ocidente repudia. O anarquismo, no entanto, apesar de ter de conviver com uma tolerância forçada, não gera amor. Muçulmanos não são integrados à “civilização ocidental europeia”, pelo contrário, são odiados. O liberalismo europeu, anarquismo político, é o fruto de uma liberdade que todo bárbaro (civilização indoeuropeia) quer ter.


Essa liberdade, no entanto, é egoística, não é solidária. Aliás, egoísmo (“quero ser livre”) é o contrário de amor (“misturemo-nos todos, o que é meu eu te dou”, etc). A liberdade anárquica gera um contra-senso para o europeu : obriga-o a conviver com quem não quer. Os muçulmanos ressentem isso, sobretudo os jovens, que têm mais “hormônio agressivo” – testosterona – nas veias. As famílias muçulmanas também costumam ter muitos filhos, uma certa bagunça intrafamiliar, sobretudo porque o pai costuma ser ou ausente, ou frio, indiferente, ou mulherengo, ou “aproveitador” (usa de muitos filhos para retirar seu sustento deles). Apesar deste pai ser pouco afetivo (isso tudo é em geral, há muitas exceções para o que estou dizendo), o pai muçulmano não abre mão de sua autoridade, ou seja, mantém a tradição paternal-autoritária dos semitas. Com um pai de carne e osso pouco afetivo, frio, autoritário, com muitos filhos para cuidar, mulherengo, os muçulmanos tendem a aferrar-se ainda mais a um Deus compassivo, afetivo, caloroso e bom. Buscam em Deus o calor humano que não encontraram no pai.



Sem muita intimidade com este pai autoritário e distante, os adolescentes e jovens muçulmanos tendem a unir-se fortemente entre si, criando uma espécie de Clube do Bolinha, ou turma dos Meninos Perdidos na Terra do Nunca (Peter Pan), ou ainda a trupe dos meninos isolados na ilha do Senhor das Moscas. Estes grupos adolescentes são paradoxais : ao mesmo tempo que têm um forte pendor para seu Deus único e forte, têm também uma forte resistência a toda autoridade que não é este seu Deus. Os Meninos Perdidos Muçulmanos fazem uma clivagem, uma cisão, mental: de um lado, a boa autoridade de Deus, de outro, à má-autoridade do resto.


Tais “Meninos Muçulmanos” veem no Ocidente retratos, projeções mentais, do tipo de subjugação autoritária que querem combater. Recentemente, na França, na “revolta dos subúrbios”, milhares de jovens descentes de imigrantes africanos atacaram o Estado Francês. Agora atacam a França que escarnece (Charlie-Hebdo) de seu Deus. Os cartunistas não são propriamente uma figura de autoridade, pelo contrário, são uns “palhaços”. Mas são palhaços que escarnecem da frágil estrutura psicológica destes jovens, uma estrutura que, por falta de integração entre amor e autoridade (algo que só um “pai suficientemente bom” pode fazer), escora-se na pura autoridade e força de um Deus imenso e tremendo. Este Deus imenso e tremendo faz parte de seu ego, pois na juventude todas as forças internas são fortes, tremendas, radicais, agressivas, orgulhosas de si mesmas, cheias de si mesmas.


O jovem muçulmano não sofre uma “castração psíquica” adequada, pois esta só pode ser feita com um pai presente, amoroso, cuidador, e ao mesmo tempo, detentor de uma autoridade, detentor de um falo. Os muçulmanos – tudo isto é de “um modo geral”, repito, há exceções – não são “castrados”, eles curto-circuitam a castração, passam por cima da castração. Eles cindem, clivam, a autoridade em duas : uma boa, que é a de Deus (na verdade uma projeção de seu próprio ego forte e em busca de força) , e uma ruim, que é o poder que ressentem que o Ocidente joga sobre eles, o poder econômico, científico, militar, humilhante, segregatório, preconceituoso, racista, discriminatório, escarnecedor.


Então, por isto atacam o Ocidente:


ora no plano da força militar sob o qual se sentem esmagados, ora no plano do escárnio, que eles sentem como um atentado pessoal ao Deus que trazem misturado a seu ego que quer ser forte, que precisa ser forte. Um ego se sustenta ou pelo amor, ou pela realização no trabalho, ou pela força. Alijados de um mercado de trabalho muito competitivo – pois detentor de uma exigência científico-tecnológica a qual eles não conseguem ascender – e sem o amor adequado dos pais (famílias numerosas, pobres, pai frio-ausente, etc), só sobra ao ego-muçulmano-jovem o recurso à força.


Daí o gosto que demonstram pela violência inconsequente. A violência é o “último orgasmo da força”, e um passaporte (a morte) para unirem-se ao seu ideal de Força Absoluta.

(Por Marcelo Caixeta -  Psiquiatra)


Fonte:http://www.dm.com.br/opiniao/2015/01/uma-analise-psiquiatrica-do-terrorismo-dos-muculmanos.html

*Caso queira saber mais e participar de nosso apostolado, bem como agendar palestras e cursos em sua paróquia, cidade,pastoral, e ou movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:  


filhodedeusshalom@gmail.com

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger