A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Tecnologia do Blogger.
ÚLTIMAS POSTAGENS

Trocar a ideia de uma Igreja triunfalista por um partido triunfalista ? Não é trocar seis por meia dúzia?

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 22 de maio de 2019 | 23:00






IGREJA TRIFUNFALISTA OU DA TRIBULAÇÃO ?





Segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, a palavra “triunfalismo” surgiu em nosso idioma em 1965, com o significado de “atitude, crença ou doutrina de que determinado credo religioso é superior a todos os outros”. Mas, em 1980, adquiriu novo significado, a saber, “atitude excessivamente triunfante; sentimento exagerado de triunfo”. Já na própria história da palavra, vemos como é recente a sua infiltração no meio do povo de Deus e como se teve uma distorção dos corretos ensinos provenientes das Escrituras Sagradas. A palavra “triunfalismo” advém de “triunfo”, palavra de origem latina, “triumphus”, que era o nome que recebia “a entrada solene em Roma de um general vitorioso”, e que, por extensão, passou a significar “vitória”. Em Roma, além da entrada solene em Roma, era costumeiro construir “arcos do triunfo”, ou seja, “um tipo de monumento introduzido pela arquitetura romana originalmente utilizado como um símbolo da vitória em uma determinada batalha. Cada arco do triunfo romano, portanto, remete-se a uma batalha e a um imperador específicos na história romana, e sua memória era celebrada através desta construção…”




De onde vem a eficácia da Água benta (abençoada, ou ungida) ?

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 9 de maio de 2019 | 22:40













“O Senhor disse a Moisés o seguinte: Toma os levitas do meio dos israelitas e purifica-os. Eis como farás para purificá-los: asperge-os com a água da expiação e eles passem uma navalha sobre todo o corpo, lavem as suas vestes e purifiquem-se a si mesmos. ” (Números 8,5-7).







“Derramarei sobre vós águas puras, que vos purificarão de todas as vossas imundícies e de todas as vossas abominações. ” (Ezequiel 36,25)



Quando Deus precisa fazer as necessárias “podas” em nossa vida

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 7 de maio de 2019 | 18:31










“Quando Deus estiver nos podando, não coloque pontos finais, onde Ele está colocando apenas uma vírgula...”











Você já experimentou podar alguma planta em sua casa? Já experimentou podar uma roseira, um arbusto ou uma aceroleira? Esta é uma experiência bem interessante. Todos deveriam fazer e aprender a observá-la.Veja bem, as podas nos vegetais são fundamentais para sua conservação, seja ela de vegetação nativa, ornamental ou de grandes áreas cultivadas. São essenciais para manter a planta saudável e com um desempenho adequado às suas características.




Discurso de Dom Mariano na UERN: Ruptura ou continuidade evolutiva da práxis pedagógica verdadeiramente “libertadora”?

Written By Beraká - o blog da família on segunda-feira, 6 de maio de 2019 | 18:21


(D. Mariano e D. José Freire: Ruptura ou continuidade?)






O famoso escritor francês Victor Hugo (1802-1885) observou: "resistimos à invasão dos exércitos, porém, não resistimos à invasão das ideias"...e o pintor americano William McGregor Paxton (1869 – 1941) arrematou: “As ideias são mais poderosas do que os exércitos. ”



Como teólogo e filho da “academia local”, pois sou bacharel em teologia pela Faculdade Católica de Mossoró-RN, tomo a liberdade de intervir neste debate, relativo a publicação do livro: "EDUCAÇÃO LIBERTADORA E CATEQUESE - Viabilidade do método Psicossocial de Paulo Freire em uma catequese antropológica". Tudo isto claro, sem intencionar ser detentor da verdade e nem muito menos colocar um ponto final, muito pelo contrário, a intenção é abrir e contribuir para um salutar debate. Dito isto, venho para dar-lhes a conhecer minhas reflexões no tocante à hermenêutica das práxis educadoras na visão de nossos dois últimos bispos diocesanos Dom José e Dom Mariano respectivamente. Ruptura ou continuidade? Em relação a que práxis e tradição educadora? Pergunto-me se a tradição educativa anterior a Dom José, é um fato unívoco ou se não é acima de tudo uma pluralidade de tradições em sua mais que secular diacronia. Agora, na minha opinião pessoal, foi ao mesmo tempo, fruto de uma releitura (termo muito usado nos tempos de meu bacharelado) intencionalmente, tanto de continuidade como de uma necessária ruptura, como veremos adiante no discurso de Dom Mariano feito na UERN, durante sua legítima e honrosa homenagem, da qual eu compactuo congratulando-o.

Você sabia que os 10 mandamentos são a espinha dorsal das escrituras, e tudo mais é releitura adaptativa aos homens em cada tempo ?

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 2 de maio de 2019 | 20:01






A Bíblia é “Alguém” dentro de um evento salvífico-libertador, por isso, ela é lida, interpretada, atualizada e celebrada ao mesmo tempo. O centro da Sagrada Escritura é Cristo; por isso, tudo deve ser lido sob o olhar de Cristo e buscando n’Ele seu pleno cumprimento. Cristo é a chave interpretativa da Sagrada Escritura. Nunca achar que somos os primeiros que leram a Santa Escritura. Muitos, muitíssimos, através dos séculos, a leram, meditaram, viveram e a transmitiram. Os melhores intérpretes da Bíblia são os santos. A Escritura é o livro da comunidade eclesial. Nossa leitura, ainda que seja em solidão, jamais poderá ser solitária. Para lê-la com proveito, é preciso inserir-se na grande corrente eclesial que é conduzida e guiada pelo Espírito Santo, na marcha ascendente da revelação.Há no decálogo a base e a estrutura social e política do Estado. É inegável a sua contribuição na legislação de todos os povos da terra, daí a sua influência tanto no Estado como na Igreja.Jesus disse que veio dar pleno cumprimento a lei e aos profetas (Mat. 5,17-20). O verbo grego para cumprir é “pleroo” e significa “cumprir, completar, encher”. Devemos recordar o sentido de torah, como instrução revelada no Sinai em seus aspectos teológico e ético do Decálogo. O Antigo Testamento contém a instrução e doutrina sobre Deus, o mundo e um plano imanente de libertação, mas sua revelação em relação a libertação salvífica é parcial. Somente a partir da manifestação do Filho de Deus, Jesus o Cristo, é que se tornou explícito o que antes estava implícito, e assim o Senhor completou a plenitude da revelação (Hb 1,1-2).A provisão do Antigo Testamento sobre a obra redentora de Deus em Cristo é rica em detalhes. Os escritores do Novo Testamento reconhecem a presença de Cristo na história da redenção velho e neo-testamentária. O Espírito Santo conduziu a Revelação na vida do povo israelita de tal maneira que os apóstolos puderam observar cada pormenor na vida e no ministério terreno do Senhor Jesus Cristo. A centralidade cristológica está completamente embutida na lei e nos profetas. Todo o pensamento bíblico gira em torno de Jesus (Rm 1,2; 10,4). Todo o Antigo Testamento converge para o Senhor Jesus, e Ele mesmo reconhecia isso (Lc 24,44).O Senhor Jesus cumpriu o sistema cerimonial da lei na sua morte (Mat 27,50-51; Lc 24,46). As instituições de Israel com suas festas, os holocaustos e os diversos tipos de sacrifícios da lei de Moisés eram tipos e figuras que se cumpriram em Cristo (Heb 5,4-5; 1Cor 5,7). Assim, as cerimônias cessaram, mas o significado foi confirmado (Col 2,17).




O que é mais essencial? A inteligência da fé, ou a experiência afetiva da fé?

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 1 de maio de 2019 | 09:38









Deus é cognoscível?



Está escrito em Romanos 1,19-22:


"Pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens (os incrédulos) são indesculpáveis; porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e os seus corações insensatos se obscureceram. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos...”



Nossa fé não é puro sentimento ou apenas a invenção de um grupo de homens mal intencionados e manipuladores. Existe a racionalidade da fé. E no Catolicismo esta inteligência da fé possui uma densidade tal, que seria um pecado de omissão não conhecer e estudar.A Fé é um ato da inteligência; portanto não é um sentimento vago, mas é expressão da mais nobre faculdade que o homem tem: o intelecto,que tenta aplicar-se ao objeto mais nobre que possa ser concebido, ou seja, a Deus.Esse ato do intelecto é movido pela vontade, pois o objeto da fé transcende os limites do intelecto humano (a verdade é mais ampla do que o alcance do nosso intelecto). Sendo assim, o objeto da fé não obriga a um assentimento, não é tão evidente que force a adesão de quem o contempla.A vontade, portanto, deve mover o intelecto para que diga Sim ou Não.A vontade, porém, só move o intelecto depois do exame das credenciais sobre as quais se apoia cada proposição de fé. Cabe então ao intelecto humano averiguar as razões em virtude das quais o indivíduo pode e deve crer: estude o Evangelho, a história, a paleografia… e chegue eventualmente à conclusão: “Não é absurdo crer; não é infantilismo ter fé”. Há razões suficientemente fortes para que o homem diga Sim ao objeto de fé, sem trair sua dignidade de homem adulto. Portanto o homem crê inteligentemente. E a própria razão sadiamente crítica que aponta o caminho da fé.





Idiomas para ver o blog:

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

CATECISMO da ICAR

PESQUISE NA BÍBLIA CATÓLICA

PERGUNTE e RESPONDEREMOS

Acessos

Curta a nossa página!

Postagens mais lidas

COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger