A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » O grande beneficiado pelo capitalismo foi o cidadão comum, e não somente os ricos e poderosos

O grande beneficiado pelo capitalismo foi o cidadão comum, e não somente os ricos e poderosos

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 10 de março de 2021 | 22:11

 



 

Seguindo a linha de raciocínio do texto abaixo se poderia perguntar: 

 

“E se o trabalhador cruzar os braços, onde os ricos irão tirar o dinheiro?”

 

Resposta:No extremo, eles próprios teriam de ir trabalhar, utilizando seus bens de capital, e ou, apelariam para o mercado especulativo. Além de que entraria em cena a lei da Oferta e procura, ou seja, se você cruzar os braços hoje, amanhã já tem alguém mais qualificado que você querendo o seu lugar”.

 

 

Agora, a pergunta que não quer calar é:  

 

“Sem os ricos para fornecer empregos, bens de capital e salários, como os pobres sobreviveriam?”  

 

 

Para criar pobreza os governos socialistas desperdiçam com financiamento de entidades e ONG’s que com raríssimas exceções não sanguessugas e meras recebedoras de fundos que em nada contribuem para a difusão da riqueza, mas muito pelo contrário, querendo viver exclusivamente da renda oriunda dos impostos cobrados de quem realmente produz. Quer queiramos ou não, e seja duro de admitir para alguns, mas um favelado que hoje mora em um barraco se beneficia do capitalismo. Porque o capitalismo gerou tanta abundância de produtos que permite o descarte e até o desperdício.  Sem querer justificar esta condição, mas usando apenas como ilustração, o barraco de um favelado é feito de quê? Tábuas, latas, telhas, papelão, etc, sim ou não? Nada disso estaria disponível de graça duzentos anos atrás. Uma tábua serrada exigia um bocado de trabalho manual, ninguém jogava no lixo uma tábua ou um pedaço de metal. Papelão nem sequer existia.  O capitalismo e o progresso trouxeram tanta fartura que os mais pobres podem viver apenas com as sobras dos outros. Estas sobras não existiam antes do capitalismo. É inegável que uma grande parcela dos favelados de hoje são obesos, tem celulares e moram em barracos com TV a cabo e luz elétrica, coisas que nem os ricos tinham há dois séculos atrás.

 

 

Os ricos e poderosos nunca precisaram do capitalismo

 

 

 

Responda rápido: quem realmente foi o grande beneficiado pelo capitalismo?

 

 

Se você respondeu "os ricos", você nunca estudou a fundo a história, mas apenas parcialmente.

 

 

 

A história nos mostra que todo o progresso industrial, todos os aperfeiçoamentos mecânicos e elétricos, todas as grandes maravilhas tecnológicas da era moderna, e todas as grandes conveniências e facilidades que hoje nos são disponíveis teriam significado relativamente pouco para os ricos e poderosos em qualquer época da história. Por exemplo:

 

1)-Um sistema moderno de saneamento básico, com rede de esgoto e água encanada, teria trazido benefícios adicionais para os ricos da Grécia Antiga?

 

Dificilmente, pois eles tinham servos para lhes garantir todas essas comodidades. Os servos faziam o papel da água corrente.

 

 

2)-Os nobres da Roma Antiga teriam maior qualidade de vida caso houvesse televisão e rádio?

 

 

Improvável, pois eles podiam ter os principais músicos e atores da época fazendo apresentações exclusivas em suas mansões, como se fossem seus serventes.

 

 

3)-Roupas manufaturadas, máquinas de lavar, microondas e supermercados?

 

 

Os ricos e poderosos nunca precisaram se preocupar com essas coisas. Roupas e alimentos eram feitos e mantidos por seus serventes, que lhes entregavam tudo em mãos.

 

 

 

4)-Que tal coisas mais modernas, como máquinas fotográficas ou mesmo smartphones para fazer selfies?

 

 

Isso teria trazido pouquíssimos benefícios adicionais para os aristocratas da antiga, pois eles podiam simplesmente ordenar que os melhores e mais talentosos artistas do reino pintassem quadros com seus retratos e os retratos de outros membros da realeza.

 

 


 

Avancemos as comparações agora para o mundo moderno

 

 

Hoje, no smartphone de cada cidadão comum há inúmeros aplicativos que trazem grandes comodidades. Irei destacar dois: o GPS e os serviços de transporte, como Uber, Cabify e Lyft.

 

 

Pergunta: como exatamente os ricos e poderosos são beneficiados por um GPS e pelo Uber?

 

 

Eles dificilmente precisam dessas duas comodidades, pois raramente dirigem por conta própria e ainda mais raramente pegam um taxi. Além de terem motoristas particulares, eles andam de limusines próprias e viajam de jatinhos, e possuem toda uma equipe de funcionários para esquematizar e cuidar de todos os detalhes de suas viagens.

 

 

Por outro lado, pense nos enormes benefícios que o GPS, a Uber e o Cabify trouxeram para o cidadão comum, que agora não apenas pode ir a qualquer lugar com seu próprio carro como também pode se deslocar de forma barata e luxuosa em sua própria cidade. E sem precisar de toda uma equipe de funcionários para fazer os preparativos e arranjos.



Os exemplos são inúmeros e podem ser expandidos infinitamente:

 

 

Desde toda a enciclopédia de informações trazidas pela internet ao cidadão comum (os ricos e poderosos nunca tiveram dificuldade de acesso à informação), passando pelas facilidades de lazer, entretenimento e cultura (hoje, você lê todos os livros em seu smartphone e assiste a todos os filmes na comodidade de sua casa, sob demanda; acesso a livros e filmes nunca foi problema para os ricos e poderosos), e culminando na fartura e na facilidade de acesso à alimentação e moradia.

 

 

 

Nada disso nunca foi problema para os ricos e poderosos. Já o capitalismo disponibilizou tudo para o cidadão comum.Por isso, Ludwig von Mises sempre dizia que:

 

 

“O capitalismo não é simplesmente produção em massa, mas sim produção em massa para satisfazer as necessidades das massas. No capitalismo, os grandes inovadores não produzem artigos caros, acessíveis apenas às classes mais altas: produzem bens baratos, que podem satisfazer as necessidades de todos. Ao passo que, séculos atrás, toda a produção funcionava a serviço da gente abastada das cidades, existindo quase que exclusivamente para corresponder às demandas dessas classes privilegiadas, o surgimento e a expansão do capitalismo geraram a produção de artigos acessíveis a toda a população. Produção em massa para satisfazer às necessidades das massas.Por isso, todas as grandes conquistas do capitalismo resultaram primordialmente no benefício do cidadão comum. Essas conquistas disponibilizaram para as massas confortos, luxos e conveniências que, antes, eram prerrogativa exclusiva dos ricos e poderosos.Uma porção desproporcional dos benefícios do capitalismo, do livre mercado, da inovação, da invenção de novos produtos, do comércio e dos avanços tecnológicos vai para o cidadão comum, e não para os ricos e poderosos”.

 

 

Eis o que disse Joseph Schumpeter sobre o poder do capitalismo em aprimorar o padrão de vida dos comuns:

 

 

“O motor do capitalismo é, acima de tudo, um motor de produção em massa, o que inevitavelmente também significa produção para as massas...”

 

 

Verificar isso é fácil. Sem dúvidas, há bens e serviços disponíveis hoje ao cidadão comum atual que o próprio Luis XIV adoraria ter: por exemplo, a odontologia moderna. Por outro lado, a luz elétrica não representaria um grande conforto ou dádiva para uma pessoa poderosa o suficiente para comprar um grande número de velas e ter servos para mantê-las constantemente acesas. Até mesmo a velocidade com que se viajava à época não deve ter sido objeto de grande consideração para um cavalheiro tão distinto.Roupas fartas e baratas, fábricas de seda e algodão, sapatos, automóveis e vários outros bens são as típicas façanhas da produção capitalista. Por si sós, elas não representam aprimoramentos que mudariam enormemente a vida do homem rico e poderoso.

 

 

A Rainha Elizabeth sempre teve meias de seda. A façanha do capitalismo não consiste em fornecer mais meias de seda para as rainhas, mas sim em disponibilizá-las para as mulheres trabalhadoras em troca de quantidades de esforço continuamente decrescentes.

 

 

Apenas leia esse último parágrafo de novo. Deveríamos estar ensinando isso para as nossas crianças. No entanto, o que elas estão sendo ensinadas neste exato momento é que, sob o capitalismo, os ricos ficam cada vez mais ricos e os pobres, cada vez mais pobres. O exato oposto da realidade.

 

 



 

Progressistas que dizem que todos os ganhos de uma economia de mercado vão para os ricos são ignorantes da realidade que os cerca. Apenas pense no tanto que essas pessoas estão erradas da próxima vez que você usar seu laptop, tablet, smartphone, GPS, Spotify, ou se deslocar utilizando Uber, Lyft ou Cabify. A única entidade que pode afetar, atrasar e atrapalhar todo esse progresso incrível, dificultando o acesso do cidadão comum a essas comodidades que melhoram seu padrão de vida, é um governo intervencionista e suas políticas que destroçam a economia e o poder de compra das pessoas.

 

 

Fonte: https://mises.org.br/Article.aspx?id=2646



Dados indicam que até 2015, metade dos pobres do mundo estava concentrada em cinco países: Índia, Nigéria, República Democrática do Congo, Etiópia e Bangladesh.

 

 

"Na última década, mais ou menos, o mundo está se movendo em duas velocidades", resume Carolina Sánchez-Páramo, diretora de Prática Global de Pobreza e Equidade do Banco Mundial.

 

 

“O aumento da desigualdade é o maior desafio que enfrentamos, em termos de progresso, contra a pobreza e o progresso social mais amplo. Sánchez-Paramos destaca que a igualdade não se refere apenas à renda. O mais importante é a igualdade de oportunidades, o que significa que uma pessoa, seja pobre ou não, pode tirar proveito de novos empregos e novos investimentos", afirma. Acreditamos que, na verdade, a desigualdade de oportunidades é o fator mais prejudicial quando se trata de reduzir a pobreza."

 

 

 

"Quando os países não crescem, é muito difícil reduzir a pobreza, porque qualquer progresso teria de vir de uma redistribuição de riqueza bastante dramática, e isso é muito difícil de fazer. O trabalho é a principal fonte de renda para os pobres. Portanto, se não houver mais oportunidades para os trabalhadores, é improvável haver uma redução da pobreza", diz Sánchez-Páramo.

 

As economias prosperam quando as pessoas não apenas têm um aumento de renda, mas também maior acesso a educação, financiamento e boa infraestrutura. Sem essas condições, diz Sánchez-Páramo:

 

"O grau de inclusão do crescimento sai prejudicado. Nos últimos anos, conflitos políticos e violentos eliminaram o progresso obtido em alguns países. A pobreza está se concentrando em países afetados por conflitos, enquanto alguns outros países conseguiram progredir", diz Sánchez-Páramo.

 

 

De 1820 a 2015, o número de pessoas em extrema pobreza caiu de mais de 1 bilhão para 700 milhões, enquanto o número de pessoas em melhor situação do que isso aumentou de meros 60 milhões para 6,6 bilhões. (Novamente, de acordo com o Banco Mundial: US $ 1,90 por dia, ajustado pela inflação e diferenças no poder de compra).

 

 

Globalmente, a pobreza é cerca de um quarto do que era em 1990

 

Segundo dados no livro de Johan Norberg, Progress: Ten Reasons to Look Forward to the Future, mostram como o declínio da pobreza extrema elevou os padrões de vida e trouxe outras melhorias tangíveis. À medida que a pobreza diminui, o mesmo ocorre com a mortalidade infantil, o analfabetismo e até a poluição nos países ricos. Nesse sentido, a fome também se tornou muito mais rara.

 

Assim, se o progresso continuar em sua trajetória atual, segundo estimativas da Brookings Institution de 2013, a pobreza extrema, – desta vez definida como vivendo com US $ 1,25 por dia -, desaparecerá até 2030, afetando apenas 5% da população global.

 

 

Isso é o que eles consideraram a “linha de base” ou o cenário mais provável. No melhor caso, eles previram que até 2030 a pobreza diminuirá para um nível verdadeiramente “insignificante”, afetando apenas 1,4% da população do planeta. Portanto, os fatos são inequívocos:

 

Apesar das percepções do público referirem-se ao contrário, a pobreza extrema diminuiu significativamente, a ponto de seu fim estar realmente à vista. Portanto, da próxima vez que ouvir alguém lamentando um suposto aumento da pobreza mundial, incentive-o a dar uma olhada nas evidências por si mesmo.

 


_________________________________________



APOSTOLADO BERAKASH: “A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.”

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger