A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Críticas a Maquiavel - desconstruindo sua utopia

Críticas a Maquiavel - desconstruindo sua utopia

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 12 de março de 2021 | 11:13

  


 

Olavo de Carvalho, em seu livro Maquiavel ou A Confusão Demoníaca, apontou severas críticas. A principal delas consiste na demonstração de que Maquiavel incorreu em uma paralaxe cognitiva (para entender exatamente o que é paralaxe cognitiva, leia o artigo específico sobre este assunto). Segundo o professor Olavo, Maquiavel não sabia quais seriam os meios para chegar ao poder, mas discursava como se soubesse. Sua verdadeira história aponta que ele sempre apostou no lado perdedor. Maquiavel nunca conseguiu estar ao lado dos que efetivamente venceram. Escrevendo em particular sobre O Príncipe, Maquiavel disse:

 

 

“Não digo jamais aquilo em que creio, nem creio naquilo que digo – e, se descubro algum pedacinho da verdade, trato logo de escondê-lo sob tantas mentiras que se torna impossível encontrá-lo”.

 

 

 

Ele não é, entretanto, nem um simples imoralista vulgar, nem um realista científico, como pensam seus admiradores modernos. Nem pode ser considerado um límpido patriota, como os intérpretes italianos o celebram. Ao longo do século XVI, a obra-prima de Maquiavel, O Príncipe, tornou-se extraordinariamente popular. No entanto, seu autor passou a ser visto como um exemplo imoral. Maquiavel e o adjetivo maquiavélico tornaram-se sinônimos de ações ruins, que fundamentam a tirania estatal. Para esta defesa, a justificativa era a necessidade de manter a ordem, a segurança e a prosperidade. Em 1564, no Concílio de Trento, O Príncipe foi até mesmo incluído na lista dos livros proibidos pela Igreja Católica.

 

 

Maquiavel era apenas um “realista?”



No final do século XVI, Maquiavel passou a ser visto como um filósofo com qualidades intelectuais admiráveis. Os leitores procuraram ver na obra uma descrição da tirania dos Estados em vez de um incentivo à mesma.O Príncipe de Maquiavel é um clássico que provocou diferentes reações e interpretações.Mas deve ser entendido que Maquiavel levou em consideração apenas o comportamento eventual de governantes da época. Usou isto como um modelo ao escrever e, por esta razão, sua obra não é um retrato integral da realidade. Seus escritos influenciaram governos posteriores. Ditadores modernos se inspiraram em Maquiavel. Três exemplos notórios foram Mussolini, Hitler e Stalin.

 

Todos sustentaram uma ditadura em seus países, mas exacerbaram o nacionalismo, a defesa e o fortalecimento de seus estados e também adotaram uma conduta imoral e tirania para permanecer no poder.

 

 


O Príncipe é um discurso, não uma descrição da realidade

 

 

 

O Príncipe consiste em um projeto sem meios políticos para sua concretização. Impossível de ser realizado, a única forma de se propagar era através da escrita.Nas palavras do Professor Olavo de Carvalho:

 

 

“O que este [Maquiavel] lança nas águas do futuro é apenas o anzol do discurso, para trazer à tona a nova era que jaz no fundo do mar das possibilidades”.

 

 

 

De acordo com Eric Voegelin, Maquiavel era um realista honesto. Não disfarçava a realidade do poder e tirania dos estados usando uma nova doutrina que buscava uma nova realidade. Olavo de Carvalho, entretanto, entendeu que Maquiavel não encobria de fato a realidade da tirania dos estados, mas queria outra realidade. Esta seria a prosperidade e a segurança dos principados através de ações de repressão reformuladas. Portanto, discorreu sobre possíveis práticas que os governantes deveriam adotar. Por exemplo:

 

 

-Acentuação do poder armado.

-Simulação dos fatos perante o povo;

-Controle e defesa dos territórios vizinhos;

-Treinamento de exércitos.

 

 

Devido a estas instruções, Olavo de Carvalho considera Maquiavel como um pseudo-realista. Maquiavel critica duramente os governos italianos e usou seus escritos para tentar influenciar o curso dos acontecimentos políticos. Ele não sabia quais seriam as formas de governos que estariam em vigor no futuro, mas escreveu dois livros abordando dois sistemas diferentes:

 

 

-O Príncipe dirige-se aos principados.

 

-Discurso Sobre a Primeira Década de Tito Lívio dirige-se às repúblicas.

 

 

Olavo de Carvalho entendeu que Maquiavel os usou para dar instruções e fomentar uma Terceira Roma, julgada por ele como mais adequada. Maquiavel dividiu a história de Roma em três períodos:

1)-A primeira Roma diz respeito ao antigo Império Romano, que entrou em decadência porque o povo e os governantes teriam permitido o crescimento da religião cristã.

 

 

2)-A segunda Roma, por ser religiosa, estava condenada ao fracasso. Por causa do papa e dos cristãos, ela não estava propensa à guerra. A consequência é que não conquistou ordem territorial e poder.

 

 

3)-A terceira Roma, idealizada por Maquiavel, seria capaz de conquistar, mesmo que precisasse instrumentalizar a religião para o Estado. Visando estas conquistas, ele deu instruções para que os príncipes governassem, treinassem seus exércitos, investissem em armas e leis, e tratassem seus governados.

 

 

 

“Maquiavel foi também um idealista utópico, e isto não só no seu pensamento político, mas na ausência quase completa de ligação consciente entre esse pensamento e a sua experiência pessoal mais direta e visível. O aparente realismo com que ele aceita as limitações da ação humana e descreve as misérias da política encobre não só o utopismo profético da Terceira Roma mas a absoluta incapacidade que o inventor dela tem de examinar sua invenção desde o ponto de vista da sua própria posição real na existência”.

 

 

 

A contradição de Maquiavel

 

 

Maquiavel instruiu os cidadãos comuns e civis a se tornarem governantes. Obviamente, ele mesmo não praticou o que recomendou, porque não chegou ao poder. E caso tenha tentado, não teve êxito, o que mostra que seu ensinamento é falho. Maquiavel levou uma vida como um funcionário público de baixo escalão que perdeu seu posto por causa da publicação e suas obras, e também foi exilado. Outra contradição notória está em uma de suas instruções. Ela envolve o problema da paralaxe cognitiva (A paralaxe cognitiva é um conceito estudado Olavo de carvalho. De acordo com o jornalista brasileiro, a paralaxe cognitiva é “o afastamento entre o eixo da construção teórica e o eixo da experiência real anunciado pelo indivíduo”). Os príncipes deveriam matar aliados-chave que os tivessem ajudado a chegar ao poder para evitar traições, já que eles poderiam fazer o mesmo por outros. Ora, o próprio Maquiavel é o autor do plano que ajuda o príncipe a governar e, de acordo com o que ele mesmo escreveu, deveria ter sido um dos primeiros a morrer se o príncipe levasse a sério seus conselhos.

 

 

Anticristianismo em Maquiavel

 

 

 

Maquiavel pode ser considerado um anticristão. Em O Príncipe ele ignora a inspiração divina de Moisés, atribuindo sua vitória contra o faraó e a conquista da Terra Prometida à força das armas que possuía, ignorando o armamento superior do exército egípcio.  Maquiavel também trata o cristianismo como um obstáculo para o desenvolvimento da Itália e de sua chamada Terceira Roma. Esta é mais uma razão pela qual ele não é apenas um realista, um observador, mas um patriota. Toda ciência política que partiu de Maquiavel é essencialmente a negação do conhecimento clássico, que via o Estado como instrumento do bem comum e a figura do governante como o primeiro servidor deste princípio, comprometido com a ordem justa, à luz da lei natural.

 

 

É imoral por causa da forma como ensina os governantes a se manterem no poder por meio da repressão, assassinato, dissimulação, crueldade e malícia.

 

 

 

No entanto, ele não deixa de ser um cientista político, pois relaciona fatos históricos com o presente e ideias de realidade futura.

 

 

“Consciente do caráter radicalmente anticristão de sua utopia, Maquiavel, nos últimos instantes, confessa seus pecados, recebe o sacramento e morre no seio da Igreja, mas sem ter desmentido publicamente uma só de suas palavras”.

 

 

De acordo com Olavo, os escritos de Maquiavel visam conduzir a uma transição política, sendo esta uma transição “para o mal consciente, refletido, planejado e transfigurado em obra de arte”.

 

 

 

Maquiavel adaptado ao marxismo cultural

 

 

 

Em sua crítica, Olavo considera que Gramsci foi quem melhor compreendeu Maquiavel.

 

 

Ele viu claramente que “o Príncipe” não era um indivíduo, mas uma elite revolucionária capaz de controlar e conquistar seus adversários impotentes. O maquiavelismo está presente em jornais e canais de TV de todo o país, não apenas glorificando os ídolos da revolução comunista, mas demonizando seus adversários.

 

 

 

Um exemplo notório foi o Foro de São Paulo, que foi ocultado a fim de passar despercebido. As atrocidades genocidas dos regimes comunistas deixaram de ser noticiadas sistematicamente. No mesmo período, os marxistas deram total apoio a todas as iniciativas de “revolução cultural” politicamente correta: abortismo, gayzismo, cotas raciais, liberação de drogas, etc.

 

 


Se gostou, comente e compartilhe. Quem você acha que gostaria de ler este resumo de O Príncipe de Maquiavel?

 

 

Fonte: Brasil Paralelo

 

 

APOSTOLADO BERAKASH: “A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.”

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger