A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » O Mito da Espada de Dâmocles e seu significado

O Mito da Espada de Dâmocles e seu significado

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 21 de agosto de 2018 | 00:19






Dâmocles é o protagonista de uma anedota moral que figurou originalmente na história perdida da Sicília por Timeu de Tauromênio (c. 356 - 260 a.C.). Cícero pode tê-la lido em Diodoro Sículo. Ele fez uso dela em suas Tusculan Disputationes V.61 - 62. Dâmocles era um cortesão bastante bajulador na corte do tirano Dionísio, de Siracusa, do qual se tornou amigo.Ele dizia que, como um grande homem de poder e autoridade, Dionísio era verdadeiramente um homem afortunado. Dionísio ofereceu-se para trocar de lugar com ele por um dia, para que ele também pudesse sentir o gosto de toda esta suposta sorte, sendo servido em ouro e prata, atendido por mulheres de extraordinária beleza, e servido com as melhores comidas. No meio de todo o luxo, Dionísio ordenou que uma espada fosse pendurada sobre o pescoço de Dâmocles, presa apenas por um fio de rabo de cavalo. Ao ver a espada afiada suspensa diretamente sobre sua cabeça, Dâmocles perdeu o interesse pela excelente comida e pelas belas mulheres, e abdicou de seu posto, dizendo que não queria mais ser tão afortunado. A espada de Dâmocles é uma alusão frequentemente usada, representando a insegurança daqueles que são chamados a exercerem o poder e a autoridade sobre os demais (devido à possibilidade das responsabilidades deste poder lhes ser precipitado de forma iminente). Entalhes em madeira da espada de Dâmocles aparecem como símbolo em manuais europeus dos séculos XVI e XVII.




O MITO:


Havia um rei chamado Dionysius que governava Siracusa, a cidade mais rica da Sicília. Vivia em um belo palácio onde havia muitas coisas belas e caras, e um numeroso grupo de empregados que estavam sempre prontos para lhe servir. Naturalmente, por causa da riqueza e do poder de Dionysius, muitos em Siracusa invejavam sua posição e fortuna. Damocles era um destes, e como era um dos melhores amigos do rei Dionysius, estava sempre a lhe dizer:

- Como eis afortunado Dionysius! Você tem tudo que qualquer um poderia desejar. Você deve ser o homem o mais feliz do mundo!



Um dia o rei Dionysius amanheceu cansado de sempre ouvir tal conversa  de Damocles, e disse-lhe:


- Venha aqui. Você realmente acredita que eu sou o homem mais feliz de todos?

Respondeu Damocles:

- Mas é claro que você é! Veja a posição que ocupa e os tesouros que você possui, além do poder que você detém. Você não tem uma única preocupação. Como a sua vida poderia ainda melhorar?


Disse o rei Dionysius:


- Imagino que você ficaria satisfeito ao trocar de lugar comigo?...

Responde imediatamente Damocles:




- Oh, isso seria um sonho! Se eu pudesse ter suas riquezas, poder e prazeres por somente um dia, seria a maior felicidade de minha vida!

 Disse-lhe o rei Dionysius:

- Muito bem. Troquemos os lugares por apenas um dia.



E assim, no dia seguinte, Damocles foi conduzido ao palácio, e todos os empregados foram instruídos para tratá-lo doravante como seu rei. Vestiram-no com vestes reais, e colocaram-lhe uma coroa do ouro. Sentou-se à mesa no salão de banquetes, e fartos alimentos foram-lhe ofertados. Havia vinhos caros, flores bonitas, perfumes raros, e uma música deliciosa. Descansou-se entre macias almofadas, e sentindo-se o homem mais feliz em todo o mundo, disse ao antigo rei Dionysius, que estava sentado no extremo oposto da grande mesa:



- Ah! isso sim é que é vida! Eu nunca me imaginei mais feliz assim!!!



E quando Damocles levou um copo aos lábios, levantou seus olhos para o teto, e imediatamente Damocles endureceu-se. O sorriso desvaneceu-se de seus lábios, sua face empalideceu, suas mãos tremeram. Não quis mais comida, nem vinho e nem música. Queria somente sair do palácio, pois viu que diretamente acima de sua cabeça havia uma espada pendurada, presa ao teto somente por um único fio de cabelo. Sua lâmina afiada resplandecia apontada para entre seus olhos. Congelou-se petrificado sobre a cadeira ocupada pelo rei. Perguntou-lhe então, o rei Dionysius:





- Qual o problema, meu amigo? Você parece ter perdido o apetite?...

Damocles sussurrou:

 - Essa espada! Essa espada!...Você não a vê?

 Respondeu Dionysius:

- Naturalmente eu a vejo !!! Eu a vejo todos os dias, sempre pendurada sobre minha cabeça, e há sempre a possibilidade de alguém ou algum tremor cortar a fina linha. Talvez um de meus próprios conselheiros passe a ter inveja de meu poder e tentará matar-me. Ou alguém pode espalhar mentiras sobre mim, para virar todo o povo contra mim. Pode ser que um reino vizinho envie um exército para conquistar este trono. Ou eu posso tomar uma decisão estúpida que trouxesse a minha queda. Se você quiser ser um líder, você deve estar disposto a aceitar estes riscos. Vêm naturalmente com o poder. Você entende?...


Respondeu Damocles, já não mais tão entusiasmado:


- Sim, eu entendo meu rei Dionysius...Eu vejo agora que eu estava errado, e que você tem muito a pensar além de sua riqueza e fama. Tome de volta o seu lugar e deixe-me ir de volta para a minha própria casa, não nasci para isto!



E por todo tempo, enquanto viveu, Damocles nunca quis outra vez mudar de lugar com o rei, ou com qualquer um de seus conterrâneos que exercia liderança, passando a ser feliz com sua função, e dando agora o melhor de si.






Moral do mito:



“Não existe bônus, sem um ônus que pese sobre ele”


-----------------------------------------------------




Apostolado Berakash – Trazendo a Verdade: Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:



filhodedeusshalom@gmail.com

Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 3 Comentário. Deixe o seu!

14 de fevereiro de 2019 15:21

Perfeito!!!!

14 de dezembro de 2019 10:13

Esclarecedor.

24 de dezembro de 2019 23:20

Grandes poderes; vêm com grades resonsabilidades.

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger