A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » E por que não se fala mais nas REFORMAS DE BASE ?

E por que não se fala mais nas REFORMAS DE BASE ?

Written By Beraká - o blog da família on segunda-feira, 21 de novembro de 2011 | 15:14




A reforma fiscal do lulismo

(Por Lara)

Quem tem um mínimo de percepção crítica, além de determinado limite, sabe que as tão badaladas reformas são um esqueminha sub-reptício para aprofundar a exploração dos assalariados, a concentração de renda e os cortes em direitos adquiridos.

Hoje fala-se pouco sobre estas tão famigeradas reformas (com exceção da Reforma Política, uma vez que esta tem uma certa urgência para os interesses da direita e do centrismo, petista ou não, devido à proximidade das próximas eleições gerais).



As outras reformas estão “paradas”. Parou por que? Por que parou?


Por conta dos efeitos colaterais da recente crise cíclica do capitalismo global ?


Ou será que, em tempos de caça aos votos, pega mal aprovar propostas que penalizem ainda mais os assalariados e os pobres? Não é mesmo ?.


Quando o assunto é reforma fiscal, o governo Lula pouco ou nada faz para alterar o caráter profundamente injusto da tributação no Brasil, que decorre, como se sabe, do peso da tributação indireta (contida no preço dos produtos), da baixa progressividade nos impostos diretos, da inexpressividade dos impostos patrimoniais, da fragilidade do aparelho arrecadador (ausência de maior combate à evasão e à sonegação), da pouca seletividade nos produtos da cesta básica, e da profusão de isenções e incentivos para a grande burguesia.



Tradicionalmente, quem mais arca com o pagamento de tributos no Brasil são, sobretudo, os assalariados de classe média, que não têm como fugir da retenção do imposto de renda na fonte, e os consumidores em geral, principalmente os das classes mais baixas, que suportam a maior parte da pesada tributação indireta (contida no preço dos produtos), sendo esta o peso maior na balança tributária.


Ao estimar a taxação efetiva sobre o consumo, o trabalho e o capital, comparando-a com a que se observa nos sete países mais ricos (G7), verifica-se que, no Brasil, o capital é sub-tributado, tanto em comparação com o consumo e o trabalho, como em comparação com as alíquotas efetivas praticadas nesses países mais desenvolvidos.


Portanto, é preciso tornar o sistema tributário progressivo, no geral, isto é, fazê-lo tributar mais os que têm renda e riqueza maiores, proporcionalmente. Atualmente, no Brasil, os impostos (no total) chegam a algo em torno de 36% do PIB.


Cinicamente, os grandes burgueses reclamam do “custo Brasil”, sofismando; pois o problema maior não é a porcentagem em si mesma, mas sim a ausência de progressividade na arrecadação (nos países nórdicos, essa porcentagem gira em torno de 37% do PIB, ou até mais, porém a progressividade e os ganhos sociais são uma realidade palpável nestes referidos países).


Outro grande problema, no Brasil, diz respeito a como fazer para que o dinheiro arrecadado chegue até os estratos mais baixos da sociedade, à base da pirâmide social, uma vez que essa grana precisaria sair das garras da elite e atravessar as burocracias dos estratos médios (com a sua corrupção endêmica). Aí o bicho pode pegar. Mas isso já é outro papo.


Quanto às novas faixas do IRPF, estas não escondem uma falsa ou uma inexpressiva progressividade. Ainda é alta, por exemplo, uma alíquota de 22,5% para um salário de R$ 2.900,00.


Ou seja: o sentido geral dessas novas faixas permanece o de arrochar e apertar o cinto da classe média baixa, enquanto os grandes, na maioria dos casos, sonegam e, proporcionalmente, pagam uma parte menor em relação ao que pagam os salários (na fonte) e o consumo da população em geral (impostos contidos no preço dos produtos).


Que justiça tributária existe numa mesma alíquota de 27,5% aplicada sobre um salário de R$ 3.600,00 e sobre um outro de R$ 36.000,00 ?

E então?

Fonte:http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:fAxyP3MRzAoJ:www.interpoetica.com/site/index.php%3F/Lara/A-reforma-fiscal-do-lulismo.html+lulismo+e+as+reformas+de+base&cd=2&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger