A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » Os Protestantes dizem que Santo Agostinho negou o “PRIMADO” de Pedro – Qual a verdade ?

Os Protestantes dizem que Santo Agostinho negou o “PRIMADO” de Pedro – Qual a verdade ?

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 18 de abril de 2018 | 22:15




Onde está a afirmação, incompleta e fraudulenta:

http://www.monergismo.com/textos/comentarios/agostinho_pedra_pedro.htm

PARA JUSTIFICAR A MENTIRA ELES CITAM O SERMÃO 295 DE ST. AGOSTINHO:

Numa passagem neste livro, eu disse sobre o Apóstolo Pedro: ‘Sobre ele, como uma pedra, a Igreja foi construída'...Mas eu sei que mui freqüentemente em um tempo atrás, eu expliquei que o Senhor disse:


‘Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja', que é para ser entendido como construída sobre Ele, a quem Pedro confessou dizendo: ‘Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo', e assim Pedro, chamado depois esta pedra, representou a pessoa da Igreja que é construída sobre esta pedra, e recebeu ‘as chaves do reino do céu'. Porque, ‘Tu és Pedro' e não ‘Tu és a pedra' foi dito a ele. Mas ‘a pedra era Cristo', em quem confessando, como também toda a Igreja confessa, Simão foi chamado Pedro. Mas que o leitor decida qual dessas duas opiniões é a mais provável. (The Fathers of the Church (Washington D.C., Catholic University, 1968), Saint Augustine, The Retractations Capítulo 20.1).




E CONCLUEM OS MONERGENISTAS: O que se segue são declarações de suas Retratações que se referem a sua interpretação da pedra de Mateus 16,18 – onde ele deixa a interpretação aberta para os leitores decidirem qual era a mais provável interpretação. Assim, este discípulo é chamado Rochoso à partir da pedra, como Cristão à partir de Cristo. Por que eu quis fazer esta pequena introdução? Para te sugerir que em Pedro a Igreja é para ser reconhecida. Cristo, você vê, construiu sua Igreja não sobre um homem, mas sobre a confissão de Pedro. Qual é a confissão de Pedro? ‘Tu és Cristo, o Filho do Deus vivo'. Lá está a pedra para você, lá está a fundação, lá está onde a Igreja tem sido construída, sobre a qual as portas do inferno não podem prevalecer. Agostinho não poderia ter sido mais claro em sua interpretação da pedra de Mateus 16. Em sua visão, Pedro é representativo da Igreja toda.


O QUE DIZ A VERDADE DOCUMENTAL:


Para justificar a mentira os Sites enganadores usam o Sermão 295 de Santo Agostinho, utilizando de uma estratégia comum entre Protestantes, eles omitem o resto do Sermão e destacam o que lhe é de interesse (tirar o texto do contexto, para servir de pretexto). Primeiramente leiam a parte que destacamos no texto, e que os protestantes articulam o texto de Santo Agostinho com a seguinte sentença:


“Mas que o leitor decida qual dessas duas opiniões é a mais provável. Nessa frase o Santo já deixa explícito que a afirmação de que Pedro não é a pedra é uma questão que o leitor deve decidir...”


Utilizando deste sermão os manipuladores do texto criam uma imagem onde Santo Agostinho está no fim de sua vida e se arrepende de suas palavras, dizendo assim que Pedro não é a Pedra. Dessa forma articulam o texto inserindo uma “boa dose” de sentimentalismo, moldando um Santo Agostinho que já não é mais Católico e sim um “Santo Protestante”(e digamos de passagem santo protestante é algo que não existe).



Vejamos então agora, outra parte do mesmo Sermão, que claro, é omitida pelo autor da mentira:


“… São Pedro, o primeiro dos Apóstolos, que amava Cristo ardentemente, mereceu escutar: Por isto eu te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja. (…). Dentre os apóstolos, somente Pedro mereceu representar em toda parte a personalidade da Igreja toda. Porque sozinho representava a Igreja inteira, mereceu ouvir estas palavras: Eu te darei as chaves do Reino dos Céus. Na verdade, quem recebeu estas chaves não foi um único homem, mas a Igreja uma. Assim, manifesta-se a superioridade de Pedro, que representava a universalidade e a unidade da Igreja (…). A ele era atribuído pessoalmente o que a todos foi dado. (…) No mesmo sentido, também depois da Ressurreição, o Senhor entregou a Pedro a responsabilidade de apascentar Suas ovelhas. (…) E dirigiu-se a Pedro, de preferência aos outros, porque, dentre os apóstolos, Pedro é o primeiro…”








Na continuação do Sermão vemos claramente que o Santo Bispo de Hipona não só acreditava no Primado de Pedro, mas afirmava que este representa toda a Igreja:

“Dentre os apóstolos, somente Pedro mereceu representar em toda parte a personalidade da Igreja toda. Porque sozinho representava a Igreja inteira, mereceu ouvir estas palavras: Eu te darei as chaves do Reino dos Céus”.


Diante de tais afirmações fica difícil acreditar que Santo Agostinho negou o Primado de Pedro. O Santo ainda diz:

“Uma vez que devemos considerar a sucessão dos bispos, com maior razão, mais verdadeiramente e com maior segurança nós enumeramos os bispos de Roma a partir do próprio Pedro, a quem, como que representando a toda a Igreja, o Senhor disse: Sobre esta Pedra construirei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela?” (Letters 53:1:2 [A.D. 412] –http://www.catholic.com/library/Origins_of_Peter_as_Pope.asp)



Santo Agostinho não só acreditava no primado como afirmava que as “chaves do Reino” foram transmitidas não só a Pedro, mas a toda a Igreja através da sucessão apostólica. Isso fica explícito no Comentário ao Evangelho do III domingo da Páscoa feito pelo Santo Bispo de Hipona quando este combatia as heresias dos Montanistas e Novacianos que negavam o poder da Igreja de conceder o perdão dos pecados, segundo eles este poder era pessoal e teria desaparecido com a morte de Pedro. Eis o comentário de Santo Agostinho:


Comentário ao Evangelho do III domingo da Páscoa – ano C (Jo 21,1-19):


“Quando interrogava a Pedro, o Senhor interrogava também a nós. Quando ouves o Senhor dizendo: Pedro, tu me amas? (Jo 21,16), lembra-te de um espelho e procura ver-te nele. Pois que outra coisa Pedro aí fazia se não representar a Igreja? Por isso, quando interrogava a Pedro, o Senhor nos interrogava também a nós, interrogava a Igreja. Para saberes que Pedro era figura da Igreja, recorda aquela passagem do Evangelho: Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja e as portas do inferno não a vencerão. Eu te darei as chaves do Reino dos céus (Mt 16,18-19).É um homem só que as recebe. Quais sejam as chaves do Reino dos céus ele explicou assim: O que ligares na terra será ligado nos céus e o que desligares na terra será desligado nos céus (Mt 16,19).Mas, se apenas a Pedro é que isso se disse, somente Pedro é que fez isso: morreu e partiu. Quem, portanto, liga e quem desliga? Ouso afirmar que também nós (os bispos em unidade com Pedro), temos essas chaves.”


Vejamos ainda alguns textos que nos deixa claro a posição de Santo Agostinho em relação ao primado e ao Papado:


”Se a sucessão dos bispos for levada em conta, quanto mais certa e benéfica a Igreja que nós reconhecemos chegar até o próprio Pedro, aquele que portou a figura da Igreja inteira, a quem o Senhor disse: ‘Sobre esta pedra edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela’. O sucessor de Pedro foi Lino, e seus sucessores em ordem de sucessão ininterrupta foram estes: Clemente, Anacleto, Evaristo, Alexandre, Sisto, Telésforo, Higino, Aniceto, Pio, Sótero, Eleutério, Victor, Zeferino, Calisto, Urbano, Ponciano, Antero, Fabiano, Cornélio, Lúcio, Estêvão, Sisto, Dionísio, Félix, Eutiquiano, Caio, Marcelino, Marcelo, Eusébio, Miltíades, Silvestre, Marcos, Júlio, Libério, Dâmaso e Sirício, cujo sucessor é o presente bispo Anastácio. Nesta ordem de sucessão, nenhum bispo donatista é encontrado” (Santo Agostinho, Ep. 53,2).



Vemos então acima o Santo afirmar que Pedro “portou a figura da Igreja inteira” e ainda citar a ordem ininterrupta da sucessão apostólica a partir de São Pedro. O escrito acima foi feito pelo Santo Bispo de Hipona principalmente para combater os hereges donatistas .


Vejam mais um texto onde Santo Agostinho trata sobre o Primado:


“Ainda prescindindo da sincera e genuína sabedoria…, que em vossa opinião não se encontra na Igreja Católica, muitas outras razões me mantém em seu seio: o consentimento dos povos e das gentes; a autoridade, erigida com milagres, nutrida com a esperança, aumentada com a caridade, confirmada pela antigüidade; a sucessão dos bispos desde a própria Sé do Apóstolo Pedro, a quem o Senhor confiou, depois da ressurreição, o apascentamento de suas ovelhas até o episcopado de hoje; e, por fim, o próprio apelativo de ‘católica’, que não sem razão apenas a Igreja alcançou... Estes vínculos do nome cristão – tantos, grandiosos e dulcíssimos – mantêm o crente no seio da Igreja católica, apesar de que a verdade, por causa da torpeza de nossa mente e indignidade de nossa vida, ainda não se apresenta” (Santo Agostinho, C. ep. Man. 4,5).



Analisando as palavras do Santo, vemos novamente o mesmo falar sobre o apostolado de Pedro e a sucessão apostólica, deixando novamente claro sua opinião sobre o assunto.Assim mostramos rapidamente que Santo Agostinho não só acreditava no primado de Pedro, mas o defendia veemente. É claro que mesmo com toda evidencia que aqui deixamos sempre terá um protestante para contestar.Mas como falar que um homem que chamava a Igreja de Mãe escreveria contra a mesma?



“…Se a mãe viúva (de Naim) se alegrou com a ressurreição do jovem, nossa Mãe, a Igreja, alegra-se diariamente com a ressurreição espiritual dos homens.”[/blueSermo 98, 1-3(Patrologia Latina 38, 591-592)http://www.osb.org.br/lectio_10junho07.html



Prosseguimos com outro sermão do Santo:


“Eis que o Senhor, depois de sua ressurreição, aparece novamente aos discípulos. Interroga Pedro e o obriga a confessar três vezes seu amor, a ele que, por medo, três vezes o negara. Cristo ressuscitou na carne, e Pedro segundo o espírito; pois, enquanto o Senhor morria sofrendo, Pedro morria negando. Cristo Senhor ressuscitou dentre os mortos, e Pedro ressuscitou graças ao amor de Cristo para com ele. Àquele que agora o confessava, interrogou sobre seu amor, e lhe confiou suas ovelhas. Mas, o que Pedro dava a Cristo, pelo fato de amar a Cristo? Se Cristo te ama, o proveito é teu, não de Cristo. Se amas a Cristo, é ainda para proveito teu, não de Cristo. Entretanto, o Senhor, querendo mostrar como os homens devem provar que o amam, manifesta-o claramente, mencionando suas ovelhas: Tu me amas? – Eu te amo. Cuida das minhas ovelhas (Jo 21, 16.17). Perguntou uma, duas, três vezes. Pedro nada lhe respondeu a não ser que o amava. O Senhor nada lhe perguntou a não ser se ele o amava. Cristo não confia a Pedro coisa alguma senão o pastoreio de suas ovelhas. Amemo-nos, e estaremos amando a Cristo…” Sermo Guelferbytanus 16, 1-2 (Patrologiæ Latinæ Supplementum 2, 579-580).http://www.osb.org.br/lectio_22abril07.html



No sermão acima vemos mais uma ótima explicação a respeito do tema. Santo Agostinho diz :

“…Cristo não confia a Pedro coisa alguma senão o pastoreio de suas ovelhas. Amemo-nos, e estaremos amando a Cristo…”


Com isso vemos explicitamente a opinião do Santo Bispo a respeito da missão dada a Pedro de apascentar as ovelhas, ora Cristo não tinha ovelhas, ou seja, é dado a Pedro a missão de ser a Pedra.E em diversos sermões podemos ver a opinião de Santo Agostinho sobre o Primado e o poder concedido sobre Pedro e conseqüentemente sobre a Igreja através da sucessão apostólica, por isso Santo Agostinho afirmava que A Igreja era a Esposa de Cristo:


“…Traje de festa recebe-se em honra da união do esposo e da esposa. Conheceis o esposo: é Cristo. Conheceis a esposa: é a Igreja. Honrai a esposa, honrai o esposo. Se os honrardes dignamente, sereis seus filhos. Portanto, procurai crescer no amor.” Sermo 90, 1.5.6(Patrologia Latina 38, 559.561.563)-http://www.osb.org.br/lectio_09outubro.html



Como ele poderia negar o poder dado a Igreja? Se para Santo Agostinho a Igreja é a Barca que transporta os discípulos:


“…A barca que transporta os discípulos, isto é, a Igreja, navega, e a tempestade das provações a tomam de assalto. O vento contrário, ou seja, o demônio que faz oposição à Igreja, não se acalma, esforçando-se por impedi-la de chegar ao repouso do porto. Grande é, porém, aquele que intercede por nós. Com efeito, durante a tumultuosa navegação em que nos debatemos, ele nos inspira confiança, vem a nós e nos reconforta, a fim de que, sacudidos pela barca, não nos deixemos abater e não nos lancemos ao mar. Porque, mesmo se a barca é sacudida pelas ondas, é apesar de tudo uma barca, e somente esta barca transporta os discípulos e acolhe Cristo. Ela corre um grande risco no mar, mas, fora dela, imediatamente perecemos. Conserva-te, pois, na barca e clama por Deus. Todos os conselhos podem falhar, o leme pode tornar-se insuficiente, as velas abertas mais perigosas que úteis – quando todos os socorros humanos falharem, só resta aos marinheiros rezar e elevar a Deus seus corações. Aquele que concede aos navegantes a graça de chegar ao porto, iria acaso abandonar a sua Igreja, em vez de reconduzi-la ao repouso? Sermo 75 (Patrologia Latina 38, 475-476)http://www.osb.org.br/lectio_25junho06.html



No sermão acima Santo Agostinho trata a Igreja como “A barca” uma alusão a “barca de Pedro” e diz que o vento contrário a Igreja é o demônio e é este que vem atacando a barca, sempre tentado derrubá-la com mentiras e calúnias e no final o Santo fala “Conserva-te, pois, na barca…”. Mostrando-nos o caminho para escaparmos da “tempestade” , pois quem está fora da barca conscientemente por puro orgulho revanchista não se salva (diferente da condição dos que estão na “ignorância invencível”, que podem salvar-se).


Diante te todos os argumentos ainda pode vir um protestante alegar que o Santo negou o primado na obra “Retratações” esta que ele escreveu ao fim da vida, mas o que podemos perceber é que o Santo, não nega suas antigas afirmações de que Pedro é a Pedra, mas afirma que a Pedra era a fé de Pedro e que esta é uma questão em que o leitor deve decidir (vide trecho destacado em negrito no início do artigo) portanto, ele aceita o primado na própria obra “Retratações”. Santo Agostinho, de fato, propagou durante sua vida as duas interpretações citadas pelo protestante sobre o Primado de Pedro: a de que a pedra é a confissão de Pedro, e a de que a pedra é o próprio Pedro. E de fato, nas Retractationes, o santo apontou as duas interpretações como sendo plausíveis. Até aqui o protestante copiou bem. Mas faltou terminar de copiar, pois Santo Agostinho, depois de mostrar as duas fórmulas, termina com a seguinte frase  “esquecida”,  pelos protestantes:



“Que o leitor escolha das duas interpretações aquela que lhe pareça a mais provável” (Que le lecteur choisisse de ces deux interprétations celle qui lui semblera la plus probable.)


Note bem o que escreveu o santo: escolha o leitor – das duas interpretações – a que parecer mais provável. Ou seja: Santo Agostinho reconhece sua incapacidade em interpretar uma passagem bíblica, e propõe a seus leitores que escolham a que lhes pareça mais provável. O que faz o protestante? Recorta o trecho indesejado para eles e simplesmente apresenta as suas interpretações – insinuando que a segunda é que vale – e recorta estrategicamente a conclusão do santo, justamente o trecho que esclarece a questão. E para finalizar ficaremos com a célebre frase de Santo Agostinho que desmorona qualquer tentativa protestante que queira alegar que Agostinho era contra o Primado de Pedro sobre os demais apóstolos, e sobre a Igreja, ou que o tenha negado:


“ROMA LOCUTA CAUSA FINITA EST. – Roma falou, encerrada a questão” (Santo Agostinho Sermão 131,10)


Diante de tudo que foi exposto, temos evidencias suficientes para acreditar não só que Santo Agostinho acreditava no Primado de Pedro, mas que este também era um árduo defensor do Papado Romano, de onde começou a sucessão Petrina, pois foi lá em Roma, onde Pedro foi martirizado, e que foi eleito o seu sucessor: São Lino. Vemos assim o argumento protestante ir vergonhosamente por água abaixo mais uma vez, e deixamos este alerta do Santo doutor:


“Devemos, sobretudo, reter na memória aqueles textos mais decisivos no combate aos hereges, cujas ciladas não cessam de armar contra os que são mais fracos ou mais negligentes.” Santo Agostinho- In I Epistolam Ioannis, Tractatus 2, 1 (Sources Chrétiennes 75, 151-152)



CONCLUSÃO


Novamente desmascaramos aqui mais uma das inúmeras mentiras de sites e pastores protestantes, e vemos que o protestantismo em si infelizmente, foi erguido em cima de mentiras e mais mentiras e não sobre a Petrus e a fé de Pedro.Mentir é dar uma informação falsa, é dizer o que não é verdade, é enganar, é intencional, diferente do erro que é acidental. Proferir ou contar uma mentira consiste em falar algo que não é verdade para alguém, no intuito em que tal pessoa acredite. Mentir é enganar, além de ser uma das ações de quem possui intenções maliciosas em relação à outros. Portanto, a mentira é considerada um ato imoral e até criminal, quando prejudica a outros.


Normalmente, a mentira nasce da necessidade do mentiroso em obter algum proveito ou em livrar-se de alguma situação que o incomode. O mentiroso usa a mentira como uma ferramenta de consolo, pois assim sente-se mais satisfeito e calmo consigo mesmo, fantasiando ou mascarando as suas angústias, e seu mundo de fantasias. No meio religioso, a mentira consiste em pecado gravíssimo e é inserida nos 10 mandamentos como calúnia, sendo relacionada ao maligno, representada pela figura do diablos (adversário), sendo este, o "pai das mentiras" desde o princípio.



Aristóteles (384-322 a.C), pensador grego, só aceitava duas maneiras de mentir: diminuindo ou aumentando uma verdade. Santo Agostinho, no segundo capítulo do seu utilíssimo livro Sobre a Mentira, ao classificar as mentiras distingue o mentiroso (mendax) do embusteiro (mentiens). Embusteiro, de acordo com o Bispo de Hipona, é o que mente na maioria dos casos por fraqueza, enquanto o mentiroso, propriamente dito, é o sujeito a quem apetece mentir, e que se utiliza da mentira com um sardônico prazer interior, a ponto de sofisticá-la mais e mais, chegando ao cúmulo de mentir com pedaços soltos de verdade ordenados de forma tal, que, aos olhos da maioria, pareçam ser alguma verdade fundamental, mas que na prática compõem uma grande mentira. E, definido o mentiroso quanto ao caráter, Agostinho passa a definir as mentiras quanto aos graus. E especifica oito, sendo o mais nefasto o da mentira em matéria religiosa, pois afasta as pessoas da verdade fundamental revelada por Cristo e defendida pelo Magistério da Igreja em todos os tempos.








Esse tipo de mentiroso, ou seja: o autor de mentiras religiosas, que, como ensina Santo Agostinho, é o mais abominável, muitas vezes é um inimigo da Cruz infiltrado. Desse tipo, ou melhor, desse arquétipo, vários Papas trataram em incontáveis Encíclicas, entre os séculos XIX e XX. Se é pessoa de alguma erudição ou conhecimento do Magistério, então, torna-se altamente daninho, pela capacidade de propagar mentiras sofisticadamente, ou melhor: “sofisticamente”. Chega a ser capaz de citar trechos de Encíclicas, de estudiosos, e da bíblia, descontextualizando-os, para prosseguir em seu ofício mendaz. Como na verdade ele não defende a fé apostólica, incomoda-se com quem o faça, e sobretudo com quem o faça seguindo à risca a doutrina da Igreja. Para vermos quão daninha ela é, lembremo-nos do que diz Santo Agostinho em outro livro, desta vez, no tratado Contra a Mentira:


 “Não devemos mentir nem mesmo para salvar um homem do castigo eterno”.


São palavras duras de um Doutor universal da Igreja (respeitado por Católicos, Ortodoxos, protestantes e até não Cristãos), e obviamente só mesmo com o auxílio da Graça e iluminação divina, alguém pode chegar a esta reflexão, pois apenas com nossas forças humanas, e com o apoio de nossa frágil consciência individual, de fato não podemos. A propósito, essas palavras de Agostinho já não podem sequer ser entendidas por muitos católicos, que hoje naturalizaram tudo, ou seja: perderam a noção do sobrenatural. Para estes, o homem santo é apenas um sujeito bom, moralmente cumpridor dos seus deveres, timorato e às vezes até piedoso. Quem pensa assim, tem uma ideia pelagiana, e meramente kantiana de moral e de religião. Um Cristão assim jamais poderia sequer ter um vislumbre de entendimento do que Santo Agostinho quer dizer, quando pergunta:



“Por que há homens justos que se perdem eternamente, enquanto que há lodos humanos que se salvam no último instante?”


“Que vossa caridade se enriqueça cada vez mais no conhecimento e em todo tipo de discernimento, para que possais eleger o melhor...”(Filipenses I, 9)


“Roma Locuta Causa Finita Est”

Adaptado de: Jefferson Nóbrega – Site Cai a Farsa

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger