A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » » O pecado é perdoado mesmo quando caímos muitas vezes no mesmo pecado, e tentamos evitá-lo, mas caímos mesmo assim ?

O pecado é perdoado mesmo quando caímos muitas vezes no mesmo pecado, e tentamos evitá-lo, mas caímos mesmo assim ?

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 11 de janeiro de 2014 | 15:27



(Pergunta enviada ao site Cristão: Aleteia) 




Mateus 18,21-22 : “Então Pedro, aproximando-se dele, lhe perguntou: Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu hei de perdoar? Até sete?Respondeu-lhe Jesus: Não te digo que até sete; mas até setenta vezes sete...”
 


Ora será que um Deus que nos pede para perdoarmos aos outros desta forma, não faria o mesmo com nós ? Ou Seria nosso Deus partidário do faça o que digo, mas não o que eu faço ?


Deus sempre perdoa o pecador arrependido. Se o arrependimento é sincero, não há limite no número de vezes que se pode receber o perdão divino no sacramento da Confissão. E isso não muda, ainda que a pessoa repita o tipo de pecado. Com isso, parece que podemos considerar a pergunta respondida, mas convém fazer alguns esclarecimentos:


O primeiro aspecto consiste em mostrar que, na realidade, não existe pecado “sem querer”. Sempre há uma intervenção da vontade, consentido com o pecado; do contrário, não poderíamos falar de “pecado”.


O que acontece, na verdade, é que o ser humano depende muito (mais do que estamos acostumados a reconhecer) dos hábitos. Estes, conforme forem bons ou ruins, facilitam ou dificultam o bom comportamento. Quando são moralmente bons, são chamados de “virtudes”; caso contrário, são “vícios”.


A reiteração no pecado produz vícios


O vício enfraquece a vontade, de forma que inclina à repetição do pecado; e debilita a capacidade de opor-se a ele. E a reiteração reforça o vício. Daí a expressão “círculo vicioso”.



No entanto, é possível sair desse círculo, quando se conta com a graça divina, incluindo, certamente, a recepção do sacramento da Confissão. É uma luta interior na qual costuma haver altos e baixos, mas, quando há uma vontade de colocar os meios e a paciência necessária, a pessoa acaba saindo vitoriosa. Isso sim, é preciso contar com o tempo.


Todo confessor com um mínimo de experiência sabe disso, e sabe distinguir bem entre a falta de propósito de emenda (que invalidaria a confissão) e a previsão de que, ainda que a pessoa realmente queira melhorar, pode haver recaídas. O penitente também precisa entender isso. E precisa entender também outras duas coisas: a primeira é que não é a confissão propriamente dita que propicia o perdão dos pecados, mas a contrição da pessoa, manifestada na acusação.


Em segundo lugar, a contrição não é incompatível com a fraqueza de vontade produzida pelo vício nem com o prognóstico pouco favorável devido a ela.


Talvez se poderia acrescentar que, para evitar o autoengano e o desespero em situações desse tipo (às vezes pode nos faltar objetividade), é muito recomendável ter um confessor fixo, que verdadeiramente possa nos ajudar.



Pode acontecer de um vício, ao invés de só enfraquecer a vontade, chegar a anulá-la?



Sim, poderia acontecer, mas aqui já entramos no campo da patologia, e seria preciso contar com ajuda especializada, sobretudo médica, para superar o problema.


O alcoolismo e o vício em jogos são exemplos disso. Se as coisas chegam a este extremo, o desejo sincero de superação exige buscar e aceitar esta ajuda.





Jeremias 3,21-24: “Quero trazer à memória o que me pode dar esperança. As misericórdias do SENHOR são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade. A minha porção é o SENHOR, diz a minha alma; portanto, esperarei nele...”
 


Fonte: Aleteia
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger