A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , » Papa Francisco e sua estreita relação pessoal com o movimento Comunhão e Libertação

Papa Francisco e sua estreita relação pessoal com o movimento Comunhão e Libertação

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 13 de setembro de 2023 | 21:58

 


 


Comunhão e Libertação (CL) é um movimento católico eclesial, cujo objetivo é a madura educação cristã dos seus membros e a colaboração à missão da Igreja em todos os âmbitos da sociedade contemporânea. Nasceu na Itália, em 1954, quando padre Luigi Giussani deu início, no Colégio Estadual Liceu Berchet de Milão, a uma iniciativa de presença cristã chamada Juventude Estudantil (Gioventù Studentesca - GS). O nome atual, Comunhão e Libertação, apareceu pela primeira vez em 1969. Ela sintetiza a convicção que o acontecimento cristão, vivido em comunhão, é a base da verdadeira libertação do homem. Atualmente Comunhão e Libertação está presente em cerca de setenta países em todos os continentes e tem acerca de 100.000 membros. Não existe nenhum tipo de inscrição, mas somente a livre participação das pessoas. O instrumento fundamental de formação dos membros do Movimento é a catequese semanal denominada «Escola de Comunidade» junto a alguns gestos fundamentais do caminho. Actualmente o presidente da Fraternidade de Comunhão e Libertação é o padre espanhol Julián Carrón. A revista oficial do movimento é a publicação mensal «Passos - Litterae Communionis».





 

 






Bergoglio e Giussani, as sintonias profundas




Por Massimo Borghesi




Papa Francesco e o fundador do movimento Comunhão e Libertação nunca se conheceram. No entanto, no plano ideal, existiu uma unidade. Do homem “religioso” ao “encontro” cristão, eis o que os une.




O cardeal Jorge Mario Bergoglio jamais encontrou diretamente Monsenhor Luigi Giussani e, mesmo assim, é inegável que, no plano ideal, tenha havido entre eles um encontro. Em quatro ocasiões, Bergoglio apresentou, em Buenos Aires, livros de Giussani publicados em edição espanhola. Em 1999 El sentido religioso, em 2001 El atractivo Jesucristo, em 2005 Por qué la Iglesia, em 2008 Se puede vivir así. Como confessará, em 2001, duas razões o levavam a uma consonância com Giussani: 




“A primeira, mais pessoal, é o bem que nos últimos dez anos esse homem fez a mim, à minha vida de sacerdote, através da leitura dos seus livros e dos seus artigos. A segunda razão é que estou convencido de que o seu pensamento é profundamente humano e chega ao mais íntimo do anseio humano. Ousaria dizer que se trata da fenomenologia mais profunda e, ao mesmo tempo, mais compreensível da saudade como fato transcendental”. 





Nesse ponto, Bergoglio se referia à visão antropológica enucleada em "O senso religioso", texto de Giussani apresentado por ele em 1999. “Há muitos anos – afirmara naquela ocasião – os escritos de Monsenhor Giussani inspiraram a minha reflexão... O senso religioso não é um livro para uso exclusivo daqueles que fazem parte do Movimento; nem mesmo só para os cristãos ou para os que creem. É um livro para todos os homens que levam a sério a própria humanidade. 




"Ouso dizer que hoje a questão que devemos sobretudo enfrentar não é tanto o problema de Deus, a existência de Deus, o conhecimento de Deus, mas o problema do homem, o conhecimento do homem e encontrar no próprio homem a marca que Deus nele deixou para se encontrar com ele".




Para um homem que tenha esquecido ou censurado os seus ‘porquês’ fundamentais e o anseio do seu coração, o fato de lhe falarem de Deus se torna um discurso abstrato, exotérico ou um estímulo a uma devoção sem nenhuma incidência na vida. Não se pode iniciar uma conversa sobre Deus, se antes não forem sopradas pra longe as cinzas que sufocam a brasa ardente dos ‘porquês’ fundamentais. O primeiro passo é criar o senso dessas perguntas que estão escondidas, soterradas, talvez doentes, mas que existem”. Aqui a leitura de Bergoglio coincide, literalmente, com o que escreve Giussani: 




"O fator religioso representa a natureza do nosso eu enquanto se exprime em certas perguntas: qual é o significado último da existência? Por que existem a dor, a morte? Por que, no fundo, vale a pena viver?"




Para o então ainda cardeal de Buenos Aires, proveniente da escola jesuíta, essa saudade transcendental lhe recordava, indubitavelmente, a antropologia transcendental desenvolvida por Karl Rahner. 





As assonâncias, entre Giussani e Rahner, não tiravam, entretanto, as diferenças. Giussani tinha desenvolvido e articulado a sua noção de “senso religioso”, em 1958, seguindo a peculiar abordagem tomista dada pelo cardeal de Milão, Giovanni Battista Montini, em sua Carta pastoral de 1957 Sobre o senso religioso. 




Nesta Carta era indicada com precisão a dimensão religiosa como vis appetitiva, como exigência de verdade, não critério de verdade. Desse modo, evitava-se o risco anterior que está por trás da abordagem rahneriana, fortemente dependente do transcendentalismo kantiano. Isto explica o relevo que assume em Giussani a categoria de encontro. O encontro é a modalidade com a qual o Mistério alcança sensivelmente o homem, toca-o no espaço e no tempo com sinais que o provocam a uma resposta. 




"O encontro é a modalidade concreta mediante a qual o senso religioso passa da potência ao ato, de latente que era torna-se manifesto". 

 



A abordagem transcendental, a exigência inata de Deus inscrita a priori na nossa natureza, não elimina, de tal modo, a novidade do a posteriori, a modalidade imprevisível com a qual o agir de Deus, a graça, se manifesta. Por isso, Bergoglio, sempre comentando a noção giussaniana de senso religioso, escreve: 





“Por outro lado, para interrogar-se diante dos sinais, é necessária uma capacidade extremamente humana, a primeira que temos como homens e mulheres: o maravilhamento, a capacidade de maravilhar-se, como a denomina Giussani, em última instância um coração de criança. Só o maravilhamento conhece. O ópio cultural tende a anular, enfraquecer ou matar essa capacidade de maravilhamento. O princípio de qualquer filosofia é o maravilhamento. Há uma frase de papa Luciano que diz que o drama do cristianismo contemporâneo reside no fato de colocar categorias e normas no lugar do maravilhamento. O maravilhamento vem antes de todas as categorias, é o que me leva a procurar, a me abrir; é o que me torna possível a resposta, que não é nem uma resposta verbal, nem conceitual. Porque se o maravilhamento me abre como pergunta, a única resposta é o encontro: e somente no encontro se aplaca a sede”.

 




A antropologia religiosa, de um lado, e o encontro como modalidade com que a fé acontece, de outro, são os dois polos que, tanto para Giussani quanto para Bergoglio, indicam o ponto da questão cristã hoje. O cristianismo não se manifesta como um conjunto de preceitos ou de valores. 





“No início do ser cristão – escreve Francisco na Evangelii gaudium citando Bento XVI – não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo”. (EG, &7). 




Analogamente, na apresentação do texto de Giussani El atractivo Jesucristo, afirmará: “Tudo em nossa vida, hoje como no tempo de Jesus, começa com um encontro. O encontro com esse homem, o carpinteiro de Nazaré, um homem como todos e, ao mesmo tempo, diferente. Os primeiros – João, André, Simão – se descobrem olhados em profundidade, lidos em seu íntimo, e neles gerou-se uma surpresa, um maravilhamento que, imediatamente, os fazia se sentirem ligados a Ele, que os fazia se sentirem diferentes. [...] Não se pode entender essa dinâmica do encontro que suscita o maravilhamento e a adesão a não ser que ela tenha sido disparada – perdoem-me a palavra – pelo gatilho da misericórdia. Só quem encontrou a misericórdia, que foi acariciado pela ternura da misericórdia, se dá bem com o Senhor. [...] o lugar privilegiado do encontro é a carícia da misericórdia de Jesus Cristo sobre o meu pecado”. 




Sobre esse ponto, de total sintonia entre Bergoglio e Giussani, medem-se uma série de consequências de grande relevância:




-A primeira é que a Graça precede, vem antes. Na apresentação do livro L’attrattiva Gesù, Bergoglio afirma que “O encontro acontece. [...] Isso é pura graça. Pura graça. Na história, desde quando começou até hoje, sempre a graça primerea, sempre a graça vem primeiro, depois vem todo o resto”. Giussani, no livro, remetia a um artigo seu publicado em “30 Dias”: Algo que vem antes (4, 1993). Em El atractivo Jesucristo “o ‘algo que vem antes’ é o encontro com Cristo, mesmo que não seja claro, mesmo que não seja realmente consciente. Como para André e João: era uma coisa estupenda, mas não definível por eles. A coisa que vem antes, a graça, é o relacionamento com Cristo: é Cristo a graça, é essa Presença, e é o seu relacionamento com ela, o seu diálogo com ela, o seu modo de olhá-la, de pensar nela, de fixá-la” (p. 24).

 



-A segunda consequência é que se o encontro é a modalidade essencial com a qual a fé se comunica, ontem como hoje, então, num mundo que voltou a ser em grande escala pagão, o cristianismo deverá declinar-se na sua forma essencial e não, primariamente, nas suas consequências éticas cuja salvaguarda compete, em campo público, aos leigos cristãos empenhados no temporal. 




Giussani, que já no texto metodológico Riflessioni sopra un’esperienza (1959) convidava a um chamado cristão “simples e essencial” já que “a Igreja é discretíssima ao fixar os pontos obrigatórios”, escreverá, em 1982 (Uomini senza patria), que “Até quando o cristianismo sustentar dialética e também praticamente valores cristãos, encontrará espaço e acolhimento em toda parte”. Papa Francisco, por sua vez, dirá em sua entrevista a padre Antonio Spadaro: 





“Os ensinamentos, tanto dogmáticos como morais, não são todos equivalentes. Uma pastoral missionária não está obcecada pela transmissão desarticulada de uma multiplicidade de doutrinas a impor insistentemente. O anúncio de caráter missionário concentra-se no essencial, no necessário, que é também aquilo que mais apaixona e atrai, aquilo que faz arder o coração, como aos discípulos de Emaús. Devemos, pois, encontrar um novo equilíbrio; de outro modo, mesmo o edifício moral da Igreja corre o risco de cair como um castelo de cartas, de perder o frescor e o perfume do Evangelho. A proposta evangélica deve ser mais simples, profunda, irradiante. É desta proposta que vêm depois as consequências morais”. 










O fascínio de Jesus, termo retomado na Evangelii gaudium, §39, deve preceder a doutrina moral. E a precede enquanto procede do encontro, não se realiza fora deste. Posição esta que impede, na origem, o surgimento de qualquer possível fundamentalismo cristão.




-Terceira e última consequência é a similaridade dos juízos que aproxima Bergoglio a Giussani no que se refere aos riscos dos quais o cristianismo contemporâneo vai ao encontro: gnose e pelagianismo. Se o Cristianismo é um Acontecimento que se manifesta num encontro, histórico e sensível, se ele primerea em relação a cada ação ou intenção nossa, então o esvaziamento espiritualista do fato cristão, a negação do seu ser carne, assim como a pretensão moralista de poder construir por si só o mundo novo, surgem como desvios a serem corrigidos. 





Como escreve Bergoglio em 2001: “Essa concepção cristãmente autêntica da moral que Giussani apresenta não tem nada a ver com os quietismos espiritualóides dos quais estão repletas as prateleiras dos supermercados religiosos, hoje em dia. Nem com o pelagianismo tão em moda, em suas diversas e sofisticadas manifestações. O pelagianismo, no fundo, é reeditar a torre de Babel. Os quietismos espiritualóides são esforços de oração ou de espiritualidade imanente, que nunca saem de si mesmos”.










Trata-se, em ambos os casos, de um processo de mundanização da fé. Na Evangelii gaudium afirma-se que: 




 

“Este mundanismo pode alimentar-se sobretudo de duas maneiras profundamente relacionadas. Uma delas é o fascínio do gnosticismo, uma fé fechada no subjetivismo, onde apenas interessa uma determinada experiência ou uma série de raciocínios e conhecimentos que supostamente confortam e iluminam, mas, em última instância, a pessoa fica enclausurada na imanência da sua própria razão ou dos seus sentimentos. A outra maneira é o neopelagianismo autoreferencial e prometeico de quem, no fundo, só confia nas suas próprias forças e se sente superior aos outros por cumprir determinadas normas ou por ser irredutivelmente fiel a um certo estilo católico próprio do passado. É uma suposta segurança doutrinal ou disciplinar que dá lugar a um elitismo narcisista e autoritário, onde, em vez de evangelizar, se analisam e classificam os demais e, em vez de facilitar o acesso à graça, consomem-se as energias a controlar. Em ambos os casos, nem Jesus Cristo nem os outros interessam verdadeiramente. São manifestações dum imanentismo antropocêntrico. Não é possível imaginar que, destas formas desvirtuadas do cristianismo, possa brotar um autêntico dinamismo evangelizador” (EG § 94). 




Aí é interessante notar como a forma do neopelagianismo presente não é mais aquela predominante nos anos 70, própria da teologia política cristã influenciada pelo marxismo, mas uma forma nova, de direita, típica de certo tradicionalismo católico. Afinal, aquilo que é essencial para o encontro ideal Bergoglio-Giussani, também aqui é a sintonia de fundo. Gnose e pelagianismo são o perigo porque o cristianismo é um Evento real que continua na história e porque esse Evento é a fonte (gratuita) de humanidade nova que não pode ser gerada pelo homem. Aquilo que Giussani insistentemente sublinhou em todo o seu testemunho educativo encontra assim em Bergoglio a sua ideal continuação.

 



Fonte:texto do filósofo Massimo Borghesi, publicado no site www.terredamerica.com/


 


 

MOVIMENTO COMUNHÃO E LIBERTAÇÃO NO BRASIL

 









“A fé vivida em comunhão é o fundamento da autêntica libertação do homem”, é o que defende o movimento. Monstrasi sublinha que a comunhão é a origem da libertação, pois o homem precisa se relacionar. O homem, desde criança, desde os primeiros segundos de vida, depende do outro, constata. Depois, quando se torna adulto, acaba esquecendo que precisa do outro, que o outro é sempre um bem. “Toda pessoa, pelo fato de existir, pode contribuir para a minha humanidade, para a construção do meu ‘eu’, o ‘eu’ é o meu íntimo, aquilo que é mais forte e potente em mim, cresce na medida em que mais consigo me relacionar, criar vínculos e relações”, comenta. O italiano ressalta que muitos tentam convencer o homem de que sem vínculos ele fica mais livre, mais forte e pode crescer melhor. “É exatamente o contrário, por isso a comunhão: ‘eu sou um nós’. Eu preciso de um lugar, preciso pertencer a algum lugar para ser eu mesmo. Eu sozinho não consigo”, frisa. Educação Além da comunhão, da libertação e da paz, a educação é também uma proposta do movimento. De acordo com Montrasi, a educação é fator fundamental. “O movimento em si é uma experiência educativa, a Igreja é um lugar de educação. (…) A educação é uma experiência, é um fenômeno que ajuda algo que está dentro de você aparecer, florescer”, reflete. A partir de um encontro é possível educar, conclui Monstrasi.

 

 

 

DISCURSO DO PAPA FRANCISCO AO MOVIMENTO COMUNHÃO E LIBERTAÇÃO




Praça São Pedro - Sábado, 7 de Março de 2015




Prezados irmãos e irmãs, bom dia!



Dou as boas-vindas a todos vós e agradeço-vos o vosso carinho entusiasta! Dirijo uma saudação cordial aos Cardeais e Bispos. Saúdo o padre Julián Carrón, Presidente do vosso Movimento, e agradeço-lhe as palavras que me dirigiu em nome de todos; e agradeço-lhe também, padre Julián, a bonita carta que escreveu para convidar todos. Muito obrigado!



Dirijo o meu pensamento ao vosso Fundador, Mons. Luigi Giussani, recordando o décimo aniversário do seu nascimento para o Céu. Estou grato ao padre Giussani por vários motivos. O primeiro, mais pessoal, é o bem que este homem me fez, assim como à minha vida sacerdotal, através da leitura dos seus livros e artigos. O outro motivo é que o seu pensamento é profundamente humano e chega ao mais íntimo do anseio do homem. Vós sabeis como a experiência do encontro era importante para o padre Giussani: encontro não com uma ideia, mas com uma Pessoa, com Jesus Cristo. Foi assim que ele educou para a liberdade, guiando ao encontro com Cristo, porque é Cristo quem nos confere a liberdade autêntica. Falando sobre o encontro, vem-me ao pensamento «A vocação de Mateus», o quadro de Caravaggio que eu admirava prolongadamente em São Luís dos Franceses, cada vez que vinha a Roma. Nenhum daqueles que estavam ali, nem sequer Mateus, ávido de dinheiro, conseguia crer na mensagem do dedo que o indicava, na mensagem daqueles olhos que o fitavam com misericórdia e o escolhiam para o seguimento. Sentia o enlevo do encontro. É assim o encontro com Cristo que vem e nos convida.



Tudo na nossa vida, tanto hoje como na época de Jesus, começa com um encontro. Um encontro com este Homem, o carpinteiro de Nazaré, um homem como todos e, ao mesmo tempo, diferente. Pensemos no Evangelho de João, onde ele descreve o primeiro encontro dos discípulos com Jesus (cf. 1, 35-42). André, João e Simão: eles sentiram-se fitados até no seu íntimo, profundamente conhecidos, e isto gerou neles uma surpresa, uma admiração que, imediatamente, os levou a sentir-se ligados a Ele... Ou quando, depois da Ressurreição, Jesus pergunta a Pedro: «Amas-me?» (Jo 21, 15), e Pedro responde: «Sim»; aquele sim não era o resultado de uma força de vontade, não vinha somente da decisão do homem Simão: antes ainda, vinha da Graça, tratava-se daquele «primerear», daquele preceder da Graça. Foi esta a descoberta decisiva para são Paulo, para santo Agostinho, e para muitos outros santos: Jesus Cristo é sempre o primeiro, antecipa-nos, espera por nós, Jesus Cristo precede-nos sempre; e quando nós chegamos, Ele já está ali à nossa espera. É como a flor da amendoeira: é ela que floresce primeiro, anunciando a primavera.



E sem a misericórdia não se pode compreender esta dinâmica do encontro que suscita o enlevo e a adesão. Só quem foi acariciado pela ternura da misericórdia conhece verdadeiramente o Senhor. O lugar privilegiado do encontro é o afago da misericórdia de Jesus Cristo em relação aos meus pecados. E por isso, às vezes, vós ouvistes-me dizer que o lugar privilegiado do encontro com Jesus Cristo é o meu pecado. É graças a este abraço de misericórdia que surge em nós o desejo de responder e de mudar, e que pode nascer uma vida diferente. A moral cristã não é o esforço titânico, voluntarista de quem decide ser coerente e é bem sucedido, uma espécie de desafio solitário perante o mundo. Não! Esta não é a moral cristã, é outra coisa. A moral cristã é uma resposta, é a resposta comovida a uma misericórdia surpreendente, imprevisível e, segundo os critérios humanos, até «injusta», de Alguém que me conhece, conhece as minhas traições e que, no entanto, me ama, me estima, me abraça, me chama de novo, espera em mim, espera algo de mim. A moral cristã não consiste em nunca cair, mas em levantar-se sempre, graças à sua mão que nos resgata. E o caminho da Igreja é também este: deixar que se manifeste a grande misericórdia de Deus. Recentemente eu disse aos novos Cardeais: «O caminho da Igreja é não condenar eternamente ninguém; é derramar a misericórdia de Deus sobre todas as pessoas que a pedem com um coração sincero; o caminho da Igreja é precisamente sair do próprio recinto para ir à procura dos afastados, nas “periferias” essenciais da existência; é seguir integralmente a lógica de Deus», que consiste na misericórdia (Homilia, 15 de Fevereiro de 2015). Inclusive a Igreja deve sentir o impulso jubiloso de se tornar flor de amendoeira, ou seja, primavera como Jesus, para a humanidade inteira.



Hoje vós recordais também o sexagésimo aniversário do vosso Movimento, «que nasceu na Igreja — como vos disse Bento XVI— não de uma vontade organizativa da Hierarquia, mas originada por um encontro renovado com Cristo e assim, podemos dizer, por um impulso que em última análise derivou do Espírito Santo» (Discurso à peregrinação de Comunhão e libertação, 24 de Março de 2007, em: Insegnamenti III, 1 [2007], 557).



Depois de sessenta anos, o carisma originário nada perdeu do seu vigor e vitalidade. No entanto, recordai que o cerne não é o carisma, o centro é um só, é Jesus, Jesus Cristo! Quando insiro no âmago o meu método espiritual, o meu caminho espiritual, o meu modo de o pôr em prática, saio do caminho. Na Igreja toda a espiritualidade, todos os carismas devem ser «descentralizados»: no cerne só está o Senhor! Por isso, quando Paulo na primeira Carta aos Coríntios fala dos carismas, desta realidade tão bonita da Igreja, do Corpo Místico, acaba por falar do amor, ou seja, daquilo que provém de Deus, do que é próprio de Deus, e que nos permite imitá-lo. Nunca vos esqueçais disto, viver descentrados!



Além disso, o carisma não se conserva numa garrafa de água destilada! Fidelidade ao carisma não quer dizer «petrificá-lo» — é o diabo que «petrifica», não vos esqueçais disto! Fidelidade ao carisma não significa escrevê-lo num pergaminho e colocá-lo numa moldura. A referência à herança que o padre Giussani vos deixou não pode reduzir-se a um museu de lembranças, de decisões tomadas, de normas de conduta. Sem dúvida, exige fidelidade à tradição, mas fidelidade à tradição — dizia Mahler — «significa manter aceso o fogo e não adorar as cinzas». O padre Giussani nunca vos perdoaria se perdêsseis a liberdade e se vos transformásseis em guias de museu ou em adoradores de cinzas. Mantende aceso o fogo da memória daquele primeiro encontro e sede livres!



Assim, centrados em Cristo e no Evangelho, vós podeis ser braços, mãos, pés, mente e coração de uma Igreja «em saída». O caminho da Igreja consiste em sair, para ir à procura dos distantes nas periferias, para servir Jesus em cada pessoa marginalizada, abandonada e sem fé, decepcionada com a Igreja, prisioneira do seu próprio egoísmo.



«Sair» quer dizer também rejeitar a auto-referencialidade, em todas as suas formas, significa saber ouvir quantos não são como nós, aprendendo de todos, com humildade sincera. Quando somos escravos da auto-referencialidade acabamos por cultivar uma «espiritualidade de etiqueta»: «Eu sou CL». 



Esta é a etiqueta. Além disso, caímos nas armadilhas que nos são proporcionadas pela autocomplacência, quando nos admiramos ao espelho e isto nos leva a desnortear-nos, a transformar-nos em meros empresários de uma ONG.



Caros amigos, gostaria de concluir com duas citações muito significativas do padre Giussani, uma dos inícios e a outra do fim da sua vida.



A primeira: «O cristianismo nunca se realiza na história como fixidez de posições para defender, que se referem ao novo como pura antítese; o cristianismo é princípio de redenção, que assume o novo, salvando-o» (Porta la speranza. Primi scritti, Genova 1967, 119). Esta remonta mais ou menos a 1967.



A segunda, de 2004: «Não só nunca quis “fundar” nada, mas julgo que o génio do movimento que vi nascer consiste em ter sentido a urgência de proclamar a necessidade de voltar aos aspectos elementares do cristianismo, ou seja, a paixão pela verdade cristã como tal nos seus elementos originais; só isto!» (Carta a João Paulo II por ocasião do cinquentenário de Comunhão e libertação, 26 de Janeiro de 2004).




Que o Senhor vos abençoe e Nossa Senhora vos proteja. Por favor, não vos esqueçais de rezar por mim. Obrigado!

 

 

 Fonte: Vatican.va



 

DISCURSO DO PAPA FRANCISCO AOS MEMBROS DO MOVIMENTO COMUNHÃO E LIBERTAÇÃO 




Praça São Pedro - Sábado, 15 de outubro de 2022




Estimados irmãos e irmãs, bom dia e bem-vindos!




Viestes em grande número, da Itália e de vários países. O vosso movimento não perde a sua capacidade de reunir e mobilizar. Obrigado por terdes desejado manifestar a vossa comunhão com a Sé Apostólica e o vosso afeto pelo Papa. Agradeço ao Presidente da Fraternidade, prof. Davide Prosperi, assim como a Hassina e Rose, que compartilharam as suas experiências. Saúdo o Cardeal Prefeito, o Cardeal Farrell, bem como os Cardeais e Bispos presentes.




Estamos reunidos para comemorar o centenário do nascimento de mons. Luigi Giussani. E fazemo-lo com gratidão na alma, como ouvimos de Rose e Hassina. Expresso a minha gratidão pessoal pelo bem que me fez, como sacerdote, meditar alguns livros do padre Giussani — como jovem presbítero — e faço-o também como Pastor universal, por tudo o que ele soube semear e irradiar em toda a parte, para o bem da Igreja. E como poderiam deixar de o recordar com gratidão comovida quantos foram seus amigos, filhos e discípulos? Graças à sua paternidade sacerdotal apaixonada na comunicação de Cristo, eles cresceram na fé como dom que confere sentido, amplitude humana e esperança à vida. O padre Giussani foi pai e mestre, foi servo de todas as inquietações e situações humanas que encontrava na sua paixão educativa e missionária. A Igreja reconhece a sua genialidade pedagógica e teológica, desenvolvida a partir de um carisma que lhe foi conferido pelo Espírito Santo, para a “utilidade comum”. Não é uma mera nostalgia que nos leva a celebrar este centenário, mas é a grata memória da sua presença: não apenas nas nossas biografias e no nosso coração, mas na comunhão dos santos, de onde intercede por todos os seus.




Bem sei, caros amigos, irmãos e irmãs, que os períodos de transição não são nada fáceis, quando o pai fundador já não está fisicamente presente. Experimentaram-no muitas fundações católicas ao longo da história. É necessário agradecer ao padre Julian Carrón pelo seu serviço na orientação do movimento durante este período e por ter mantido firme o leme de comunhão com o pontificado. No entanto, não faltaram problemas graves, divisões e certamente também um empobrecimento na presença de um movimento eclesial tão importante como Comunhão e Libertação, do qual a Igreja, e eu mesmo, esperamos mais, muito mais. Os tempos de crise são tempos de recapitulação da vossa extraordinária história de caridade, cultura e missão; são tempos de discernimento crítico do que limitou a potencialidade fecunda do carisma do padre Giussani; são tempos de renovação e relançamento missionário, à luz do atual momento eclesial, bem como das necessidades, sofrimentos e esperanças da humanidade contemporânea. A crise faz crescer. Não deve ser reduzida ao conflito, que anula. A crise faz crescer!




Certamente o padre Giussani reza pela unidade em todas as articulações do vosso movimento, é claro! Bem sabeis que unidade não significa uniformidade. Não tenhais medo das diferentes sensibilidades e do confronto no caminho do movimento. Não pode ser de outra forma, num movimento em que todos os membros são chamados a viver pessoalmente e a partilhar de modo corresponsável o carisma recebido. Todos o vivem originalmente e também em comunidade. Isto é importante: que a unidade seja mais vigorosa do que as forças dispersivas ou o perdurar de antigas oposições. Unidade com quem e com quantos lideram o movimento, unidade com os Pastores, unidade no seguimento atento das indicações do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, e unidade com o Papa, que é o servo da comunhão na verdade e na caridade.



Não desperdiceis o vosso tempo precioso em tagarelices, desconfianças e oposições. Por favor! Não desperdiceis o tempo!Agora gostaria de recordar alguns aspetos da rica personalidade do padre Giussani: o seu carisma, a sua vocação de educador , o seu amor pela Igreja .




1. O padre Giussani, homem carismático. Foi certamente um homem de grande carisma pessoal, capaz de atrair milhares de jovens e de tocar o seu coração. Podemos perguntar-nos: de onde vinha o seu carisma? Provinha de algo que experimentara pessoalmente: quando era jovem, com apenas quinze anos, fora fulgurado pela descoberta do mistério de Cristo. Intuíra — não apenas com a mente mas com o coração — que Cristo é o centro unificador de toda a realidade, é a resposta a todas as interrogações humanas, é a realização de todos os desejos de felicidade, bem, amor e eternidade presentes no coração humano. A maravilha e o fascínio deste primeiro encontro com Cristo nunca o abandonaram. Como o então Cardeal Ratzinger disse nas suas exéquias: «O padre Giussani manteve sempre o olhar da sua vida e do seu coração fixo em Cristo. Deste modo compreendeu que o Cristianismo não é um sistema intelectual, um pacote de dogmas, um moralismo, mas que o Cristianismo é um encontro, uma história de amor, um acontecimento». Aqui está a raiz do seu carisma. O padre Giussani atraía, convencia e convertia os corações, porque transmitia aos outros o que trazia dentro de si depois da sua experiência fundamental: a paixão pelo homem e a paixão por Cristo como cumprimento do homem. Muitos jovens começaram a segui-lo porque os jovens têm um grande instinto. O que dizia vinha da sua vivência e do seu coração, por isso inspirava confiança, simpatia e interesse.O Presidente disse que vos empenhais a fim de que o carisma conferido ao padre Giussani para o bem de toda a Igreja dê sempre novos frutos. Esta é a sábia custódia do dom que vos foi transmitido, uma custódia que não só conserva o passado mas que, vivificada pelo Espírito Santo, sabe reconhecer e receber os novos rebentos desta árvore que é o vosso movimento, que vive no bom solo da comunhão eclesial.A este respeito, perguntar-vos-eis: como podemos responder às exigências de mudança do tempo presente, preservando o carisma? Antes de mais, é importante lembrar que não é o carisma que deve mudar: ele deve ser sempre acolhido de novo e feito frutificar no mundo de hoje. Os carismas crescem na medida em que crescem as verdades do dogma, da moral: crescem em plenitude. São as formas de o viver que podem constituir um obstáculo ou até uma traição da finalidade para a qual o carisma foi suscitado pelo Espírito Santo. Reconhecer e corrigir modalidades equívocas, quando é necessário, só é possível com uma atitude humilde e sob a sábia orientação da Igreja. E resumiria esta atitude de humildade com dois verbos: recordar, ou seja, restituir ao coração, recordar o encontro com o Mistério que nos conduziu até aqui; e gerar, olhando em frente com confiança, ouvindo os gemidos que o Espírito expressa novamente hoje. «O homem humilde, a mulher humilde tem a peito também o futuro, não apenas o passado, pois sabe olhar para a frente, sabe olhar para os rebentos, com a memória cheia de gratidão. O humilde gera, o humilde convida e impele para aquilo que não se conhece. Ao contrário, o soberbo repete, torna-se rígido [...] recua e fecha-se na sua repetição, sente-se seguro do que sabe e teme, receia sempre o novo porque não o pode controlar, sente-se desestabilizado por isto... porquê? Porque perdeu a memória»(Discurso ao Colégio Cardinalício e à Cúria Romana, 23 de dezembro de 2021). É preciso guardar a memória do fundador!Caríssimos, valorizai o precioso dom do vosso carisma e a Fraternidade que o conserva, porque ele ainda pode fazer “florescer” muitas vidas, como nos testemunharam Hassina e Rose. A potencialidade do vosso carisma ainda deve ser em grande parte descoberta; por isso, convido-vos a evitar qualquer fechamento em vós mesmos, o medo — o medo nunca vos conduzirá a um bom porto — e o cansaço espiritual, que vos leva à preguiça espiritual. Encorajo-vos a encontrar as formas e linguagens adequadas para que o carisma que o padre Giussani vos transmitiu chegue a novas pessoas e ambientes, a fim de que saiba falar ao mundo de hoje, que mudou em relação ao início do vosso movimento. Há tantos homens e mulheres que ainda não tiveram aquele encontro com o Senhor que mudou e tornou bela a vossa vida!




2. Segundo aspeto: o padre Giussani, educador. Desde os primeiros anos do seu ministério sacerdotal, confrontando-se com a confusão e ignorância religiosa de muitos jovens, o padre Giussani sentiu a urgência de lhes comunicar o encontro com a pessoa de Jesus que ele mesmo experimentara. O padre Luigi tinha uma capacidade única de desencadear a busca sincera do sentido da vida no coração dos jovens, de despertar o seu desejo de verdade. Como verdadeiro apóstolo, quando via brotar esta sede nos jovens, não tinha medo de lhes apresentar a fé cristã. Mas sem nunca impor nada. A sua abordagem gerou muitas personalidades livres, que aderiram ao Cristianismo com convicção e paixão; não por hábito, nem por conformismo, mas de modo pessoal e criativo. O padre Giussani tinha uma grande sensibilidade no respeito pela índole de cada um, pelo respeito da sua história, do seu temperamento, dos seus dons. Não queria pessoas todas iguais, e também não queria que todos o imitassem, mas que cada um fosse original, como Deus o fez. Com efeito, na medida em que cresciam, aqueles jovens tornavam-se, cada qual segundo a sua própria inclinação, presenças significativas em diferentes campos, tanto no jornalismo como na escola, na economia, em obras de caridade e de promoção social.Amigos, este é um grande legado espiritual que o padre Giussani vos deixou. Exorto-vos a alimentar em vós a sua paixão educativa, o seu amor pelos jovens, o seu amor pela liberdade e responsabilidade pessoal de cada um perante o próprio destino, o seu respeito pela singularidade irrepetível de cada homem e mulher.




3. E terceiro: Giussani filho da Igreja. O padre Giussani era um sacerdote que amava muito a Igreja. Até em tempos de confusão e de forte contestação das instituições, manteve sempre firmemente a sua fidelidade à Igreja, pela qual nutria grande afeto — amor! — quase uma ternura, e ao mesmo tempo uma grande reverência, pois acreditava que é a continuação de Cristo na história. Dizia: «Encontraste esta companhia: ela é a modalidade com que o mistério de Jesus [...] bateu à tua porta» (L. Giussani, Dal temperamento un metodo. I libri dello spirito cristiano: quasi Tischreden, 6, Milão 2002, p. 7). Usava esta bonita expressão: a “companhia”. Para ele, os grupos do movimento eram uma “companhia” de pessoas que tinham encontrado Cristo. E, em última análise, a própria Igreja é a “companhia” dos batizados, que mantém tudo unido, da qual tudo haure vida e que nos preserva no caminho reto.




O padre Giussani ensinou a ter respeito e amor filial pela Igreja e, com grande equilíbrio, soube manter sempre unidos o carisma e a autoridade, que são complementares, ambos necessários. Nos vossos encontros cantais frequentemente “A estrada”. Giussani, usando precisamente a metáfora da estrada, dizia: «A autoridade assegura o caminho reto, o carisma torna bela a estrada» (Id., Un avvenimento nella vita dell’uomo, Milão 2020, p. 249). Sem autoridade corre-se o risco de sair da estrada, de ir numa direção errada. Mas sem o carisma o caminho corre o risco de se tornar tedioso, não já atraente para as pessoas daquele particular momento histórico.




Inclusive entre vós, alguns têm uma tarefa de autoridade e governo, para servir todos os outros e indicar o caminho certo. Concretamente, isto consiste em orientar e representar o movimento, fomentar o seu desenvolvimento, realizar projetos apostólicos específicos, garantir a fidelidade ao carisma, tutelar os membros do movimento, promover o seu caminho cristão e a sua formação humana e espiritual. Mas além do serviço da autoridade, é essencial que, em todos os membros da Fraternidade, permaneça vivo o carisma, para que a vida cristã conserve sempre o fascínio do primeiro encontro. Nunca vos esqueçais daquela primeira Galileia da chamada, daquela primeira Galileia do encontro. Voltai sempre lá, àquela primeira Galileia que cada um de nós viveu. Isto dar-nos-á a força para ser sempre obedientes na Igreja. É isto que “torna bela a estrada”. Assim, os movimentos eclesiais contribuem, com os seus carismas, para mostrar o caráter atraente e novo do Cristianismo; e compete à autoridade da Igreja indicar com sabedoria e prudência o caminho que os movimentos devem seguir, para permanecer fiéis a si mesmos e à missão que Deus lhes confiou. Segundo as palavras do padre Giussani, podemos afirmar que «este intercâmbio contínuo entre instituição e carisma é uma exigência irrenunciável da encarnação. Esta relação entre graça e liberdade não pode de modo algum ser pensada como alternativa dialética, como se a instituição não fosse o carisma e o carisma não precisasse da instituição. O carisma deve ser institucionalizado. E a instituição deve manter a dimensão carismática. No final, eles são a única realidade da Igreja. Seria porventura possível pensar no organismo humano sem o esqueleto que o sustém? Assim, é impensável que a Igreja viva sem instituição» (Id., Suplemento a Litterae Communionis-LC, n. 11/1985).




Bem sabeis que a descoberta de um carisma passa sempre por um encontro com pessoas concretas. Estas pessoas são testemunhas que nos permitem abordar uma realidade maior, que é a comunidade cristã, a Igreja. É na Igreja que o encontro com Cristo permanece vivo. A Igreja é o lugar onde todos os carismas são preservados, cultivados e aprofundados. Pensemos, nos Atos dos Apóstolos, no episódio de Filipe e do eunuco, funcionário da rainha da Etiópia. Filipe foi determinante para a sua conversão, foi o mediador do encontro com Cristo para aquele homem em busca da verdade. Pois bem, como termina este episódio? Filipe batiza o eunuco e lê-se no texto: «Quando saíram da água, o Espírito do Senhor arrebatou Filipe ao olhar do eunuco» (At 8, 39). “Arrebatou ao olhar”! Depois de o ter conduzido a Cristo, Filipe desaparece da vida do eunuco! Mas a alegria do encontro com Cristo permanece — a alegria do encontro permanece sempre! — e com efeito a narração acrescenta: «E, cheio de alegria, seguiu o seu caminho». Somos todos chamados a isto: ser mediadores para os outros do encontro com Cristo, e depois deixá-los seguir o seu caminho, sem os vincular a nós.




E, para concluir, gostaria de vos pedir uma ajuda concreta para hoje, para este tempo. Convido-vos a acompanhar-me na profecia pela paz — Cristo, Senhor da paz! O mundo, cada vez mais violento e guerreiro, assusta-me! Digo-o verdadeiramente: assusta-me! Na profecia que indica a presença de Deus nos pobres, em quantos estão abandonados e são vulneráveis, condenados ou marginalizados na construção social; na profecia que anuncia a presença de Deus em cada nação e cultura, indo ao encontro das aspirações de amor e verdade, de justiça e felicidade que pertencem ao coração humano e que palpitam na vida dos povos. Arda no vosso coração esta santa inquietação profética e missionária. Não permaneçais parados!




Caríssimos, amai sempre a Igreja! Amai e preservai a unidade da vossa “companhia”. Não deixeis que a vossa Fraternidade seja ferida por divisões e oposições, que fazem o jogo do maligno; é a sua profissão: dividir, sempre. Até os momentos difíceis podem ser momentos de graça, momentos de renascimento! Comunhão e Libertação nasceu precisamente numa época de crise, como foi o ano de 1968. E mais tarde o padre Giussani não se assustou com os momentos de passagem e crescimento da Fraternidade, mas enfrentou-os com coragem evangélica, confiança em Cristo e em comunhão com a Mãe Igreja.




Hoje, juntos, demos graças ao Senhor pelo dom do padre Giussani. Invoquemos o Espírito Santo e a intercessão da Virgem Maria, para que todos vós possais continuar, unidos e alegres, ao longo do caminho que Ele vos indicou com liberdade, criatividade e coragem. Abençoo-vos de coração! E, por favor, não vos esqueçais de rezar por mim. Obrigado!







.............................................

 





 

APOSTOLADO BERAKASH - A serviço da Verdade: Este blog não segue o padrão comum, tem opinião própria, não querendo ser o dono da verdade, mas, mostrando outras perspectivas racionais para ver assuntos que interessam a todos. Trata basicamente de pessoas com opiniões e ideias inteligentes, para pessoas inteligentes. Ocupa-se de ideias aplicadas à política, a religião, economia, a filosofia, educação, e a ética. Ele constitui uma tentativa de manter um pensamento crítico e independente sobre literatura,  questões culturais, e em geral, focando numa discussão bem fundamentada sobre temas os mais relevantes em destaques no Brasil e no mundo. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. As notícias publicadas nesta página são repostadas a partir de fontes diferentes, e transcritas tal qual apresentadas em sua origem. Este blog não se responsabiliza e nem compactua com opiniões ou erros publicados nos textos originais. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com as fontes originais para as devidas correções, ou faça suas observações (com fontes) nos comentários abaixo para o devido esclarecimento aos internautas. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar de alguma forma:

 

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com



 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Todos os comentários publicados não significam a adesão às ideias nelas contidas por parte deste apostolado, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados. Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

TOTAL DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

ANUNCIE AQUI! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com
 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger