A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » O verdadeiro entendimento para o Relacionamento Esponsal com Jesus: O amado de nossas almas

O verdadeiro entendimento para o Relacionamento Esponsal com Jesus: O amado de nossas almas

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 5 de agosto de 2020 | 13:00






O precioso segredo do Amor Esponsal



“Eu te desposarei para sempre, Eu te desposarei na justiça e no direito, no amor e na ternura. Eu te desposarei na fidelidade” (Os 2, 21-22).



Existe um amor que sobrepuja todos os outros, de beleza indescritível, forte e dominante, que o autor de Cântico dos cânticos louva:



“Quão formosa e quão aprazível és, ó amor em delícias” (Cant 7, 7)



É este o amor que Jesus concede à alma esposa, e é este o amor da alma sincera por Jesus. É inacreditável e maravilhoso que haja tal amor, que Jesus possa nos amar tanto!


Esposo de almas tão pecadoras



Fica além de nossa compreensão, porém, que Ele queira ser não apenas Rei, Senhor, Redentor e Salvador, mas Esposo de almas tão pecadoras. Está além da nossa imaginação que Ele mesmo queira atar os elos de amor com a alma ferida pelo pecado, como fazia com Israel, o seu povo escolhido, ao dizer:



“Eu te desposarei para sempre, Eu te desposarei na justiça e no direito, no amor e na ternura. Eu te desposarei na fidelidade” (Os 2, 21-22).



Jesus, o Cordeiro, quer unir-se à sua Esposa, à Noiva do Cordeiro. Ele quer firmar os laços de amor com cada uma daquelas almas por quem Ele mesmo como esposo se entregou. Este elo, no entanto, pressupõe amor total e mútuo. Aquele que nos amou e nos ama tanto, quer possuir-nos completamente, e agora o seu amor pede que nos rendamos a Ele, junto com tudo que somos e temos, para que Ele possa ser o nosso “primeiro amor”.



Se lhe oferecermos algo menor do que este “primeiro amor”, que comporta dar-se inteiramente, se lhe oferecermos algo secundário e não o amor que tem prioridade sobre todos os outros interesses da nossa vida, Ele não se dará por satisfeito.



Enquanto o nosso amor por Ele estiver dividido, enquanto permanecermos presos às criaturas, Ele tudo fará para sermos totalmente Dele, uma vez que o único amor de almas verdadeiramente apaixonadas, é aquele que se entrega plenamente, sem medidas, até a última consequência.



Um amor exclusivo



O amor que o Amado espera de sua esposa é aquele representado pelo relacionamento de uma noiva com seu noivo, isto é, um amor afetivo, atencioso, fiel, verdadeiro e terno.




Um amor exclusivo, que coloca o Amado sobre todos os outros amores e interesses, que lhe dá o primeiro lugar e que está sempre em busca de demonstrar este amor com incansáveis manifestações de carinho e afeto. Jesus tem o direito de fazer essa exigência, porque não há outro como Ele. Ninguém é tão cheio de glória, de beleza real, de semblante encantador, como Ele. Ninguém deu a vida por nós, a não ser Ele. Seu amor é tão dominante, tão carinhoso, tão íntimo, tão vivo e forte, que nenhum outro amor lhe pode ser comparado. Ninguém ama tão exclusivamente e se dá com tanta fidelidade e cuidado como Jesus. Ele sabe o que nos pode conceder com o seu amor, Ele sabe como pode tornar feliz uma alma humana, e é por isso que Ele tem mil vezes mais direito para dizer:



“Quero tudo, quero seu corpo e seu afeto, quero seu sorriso e sua vida, quero todo o seu amor, quero o seu primeiro amor, pelo qual você deixaria para trás todas as criaturas e coisas terrenas, da mesma forma que um casal de noivos apaixonados deixam de lado todos os outros desejos, o amor e o conforto da casa paterna, e se for necessário, sua terra natal, para unir-se completamente ao seu esposo”.



Jesus, em seu amor por nós, mostra-nos o caminho e o próprio tesouro como Ele mostrou-se ao jovem rico!



Para alcançar o bem precioso do amor esponsal, da união íntima com o Amado, da vida eterna, é preciso vender alguma coisa, ceder alguma coisa, na realidade é necessário vender tudo. Isto é inevitável, porque o amor divino é amor total, não se entrega pela metade, se entrega até a morte. O jovem rico saiu triste porque possuía muitos bens, seu coração era pesado e por mais que fosse “obediente” aos mandamentos, nele não existia espaço para o amor, que é uma realidade exigente. E até hoje, nós que cremos somos, muitas vezes, tristonhos e deprimidos, incapazes de conhecer a Sua grande alegria, porque nosso apego às coisas terrenas, às pessoas, à honra, a nós mesmos, impede que amemos a Jesus com um amor total. Pois o Noivo é dono de toda a alegria, pois foi ungido com o óleo da felicidade como nenhum outro (Cf. Sal 45,7).




Jesus está diante de nós como alguém que suplica: Tenho sede!




Ele exige o nosso amor, quer ter domínio total sobre nós. Quer receber de nós o amor que na cruz Ele nos deu. Não porque o seu amor não seja gratuito, mas porque sabe que nada pode nos dar mais felicidade que amá-lo dessa forma. Uma noiva não sente-se feliz e realizada ao render-se completamente, entregando seu corpo e sua vida, àquele que ama? Então, como não se sentirá uma alma que se deu completamente a este Amor que queima até as entranhas e que é mais forte que a morte? Seu amor é zeloso, porque é imenso e muito forte (cf. Exo 34, 14).



Possessão divina – que expressão bendita de esponsalidade!


Jeremias 20,7-13: Seduziste-me, ó Senhor, e deixei-me seduzir; mais forte foste do que eu, e não resisti; sirvo de escárnio o dia todo; cada um deles zomba de mim. Pois sempre que falo, grito, clamo: Violência e destruição; porque se tornou a palavra do Senhor um opróbrio para mim, e um ludíbrio o dia todo. Se eu disser: Não farei menção dele, e não falarei mais no seu nome, então há no meu coração um como fogo ardente, encerrado nos meus ossos, e estou fatigado de contê-lo, e não posso mais. Pois ouço a difamação de muitos, terror por todos os lados! Denunciai-o! Denunciemo-lo! dizem todos os meus íntimos amigos, aguardando o meu manquejar; bem pode ser que se deixe enganar; então prevaleceremos contra ele e nos vingaremos dele. Mas o Senhor está comigo como um guerreiro valente; por isso tropeçarão os meus perseguidores, e não prevalecerão; ficarão muito confundidos, porque não alcançarão êxito, sim, terão uma confusão perpétua que nunca será esquecida. Tu pois, ó Senhor dos exércitos, que provas o justo, e vês os pensamentos e o coração, permite que eu veja a tua vingança sobre eles; porque te confiei a minha causa. Cantai ao Senhor, louvai ao Senhor; pois livrou a alma do necessitado da mão dos malfeitores”.



Deus tomou posse de mim, dominou-me por completo, conquistou-me por inteiro, amando-me tanto que não se deu por satisfeito até que eu me desse total e completamente a Ele. Pode existir felicidade maior que esta? Entre os vários escritos velho testamentário, o amado do cânticos dos cânticos não teme em afirmar que “os amores” do Amado são mais deliciosos que o vinho dos prazeres.

Deus se revela como Esposo



A imagem do amor esponsal foi sendo adotada ao longo da história da salvação para expressar o amor de Deus para com o povo e também do povo para com seu Deus. Tomando a iniciativa, o próprio Senhor que nos amou primeiro (cf. 1 Jo 4,19) utilizou-se da imagem do amor humano entre homem e mulher para ilustrar seu amor pelo ser humano. É o que podemos ler em profeta Ezequiel:


“Passando junto a ti Eu te vi: estavas na idade dos amores. Estendi sobre ti meu manto e cobri tua nudez; Eu te fiz um juramento e estabeleci aliança contigo – oráculo do Senhor Deus. Então ficaste sendo minha” (Ez 16,8).


Como vemos na passagem, o Senhor ama seu povo, é atraído por sua fragilidade a qual Ele cobre com sua misericórdia e estabelece uma aliança. Aliás, o próprio termo aliança utilizado pelo próprio Senhor no Antigo Testamento já indica uma relação de amor esponsal.

Vale observar que esta linguagem esponsal não é extinta no Novo Testamento.


De fato, podemos constatar que Nosso Senhor Jesus Cristo, o verbo encarnado e imagem do Deus invisível (Cf. Cl 1,15), afirmou que realizaria uma nova aliança em seu corpo e em seu sangue (cf. Mc 14,22s), ou seja, ele sustenta a linguagem íntima. Além disso, ele comparou o Reino a um banquete nupcial em Mt 22,1-13. Ainda mais, ele declarou que a vinda do Reino é semelhante à vinda do esposo em Mt 25,1-12. Em outras palavras, o amor esponsal é sinal do que viveremos na eternidade com o Senhor, nas núpcias do Cordeiro (Cf. Ap 19,7-9).Deste modo, compreendemos que a legitimidade da expressão esponsal começa na decisão bondosa do próprio Senhor de utilizar de uma imagem humana para expressar seu amor sobrenatural para com a humanidade.

 A humanidade da esposa


Por outro lado, ao longo da história, o povo assimila esta linguagem esponsal e se relaciona com o Senhor como sendo seu amado.É o que expressa profeta Isaías:

 “Eu sou entusiasta, sim, estou entusiasmada por causa do Senhor, minha alma exulta por causa do meu Deus, pois ele me vestiu do traje da salvação, ele me envolveu no manto da justiça, qual o noivo que, como um sacerdote, cinge o diadema, qual noiva prometida se enfeita com seus adornos” (Is 61,10).

É nítido, nesta passagem, que o povo agradecido pela bondade do Senhor que se debruça sobre ele, assume a linguagem esponsal para expressar sua gratidão.Em João Batista, aquele que aponta para o Cristo e prepara seu caminho, a humanidade reconhece Jesus como noivo (cf. Jo 3,29). Num casamento em Caná (cf. Jo 2,1-11), a Virgem Santíssima pede a Jesus que aja em favor dos noivos cuja festa está condenada pela falta de vinho. Jesus chama a Virgem de ‘mulher’ e não de mãe. De fato, neste casamento a Santíssima Virgem está como a nova Eva, ou seja, a humanidade que pede ao Esposo o dom da salvação. Ele atende seu pedido agindo como noivo, transformando água em vinho. Mais tarde, aos pés da Cruz (Cf. Jo 19,25), lá está de novo a humanidade representada na Virgem, agora acolhendo o dom da salvação feito pelo Esposo, o novo Adão na Cruz.Assim, compreendemos que a resposta de acolhida ao dom total do Senhor em favor da salvação da humanidade parece legitimar que o chamemos de esposo de nossas almas.

Oséias e Paulo: prefiguração e confirmação de Jesus esposo


O profeta da esposa infiel parece prefigurar em sua vida a obra de Cristo esposo. Já o apóstolo das nações parece atestar e incentivar a expressão esponsal na relação com Cristo.O Senhor pede a Oséias que se case com uma prostituta para que ele lhe ensine a fidelidade:

“Vai, toma para ti uma mulher que se entrega à prostituição e filhos de prostituição, pois a terra se prostitui continuamente, afastando-se do Senhor” (Os 1,2).

A mulher é tomada em casamento, mas mesmo casada custa a se desprender de seus amores:

“Ela dizia: ‘Quero seguir meus amantes, os que me dão o pão e a água, a lã e o linho, o azeite e as bebidas’” (Os 2,7).

Contudo, o Senhor convida o profeta a não desistir dela, mesmo que tenha que prendê-la e feri-la:

“Eis porque fecharei o teu caminho com espinheiros; eu lhe oporei uma barreira e ela já não encontrará as suas veredas. Ela irá ao encalço dos seus amantes sem os alcançar; ela os procurará sem os encontrar; e dirá: ‘Voltarei para o primeiro esposo, pois então eu era mais feliz do que agora’” (Os 2,8-9).

Desta forma, o profeta encarna na vida dele o amor esponsal de Deus pela humanidade:

“Pois então vou seduzi-la. Eu a levarei ao deserto e falar-lhe-ei ao coração. “Tu me chamarás meu marido’. Eu a noivarei contigo para sempre, eu noivarei contigo pela justiça e pelo direito, pelo amor e pela ternura. Eu noivarei contigo pela fidelidade e tu conhecerás o Senhor” (Os 2, 16).

Ele é prefiguração de Cristo que ‘se casa’ com a humanidade, tomando-a para sempre, libertando-a de suas infidelidades na cruz e introduzindo-a nos céus em sua Ascensão.

Paulo afirma na carta aos Efésios que a relação de Cristo com sua Igreja é uma relação esponsal:

“Maridos, amais vossas mulheres como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela; ele quis com isto torná-la santa, purificando-a com a água que lava, e isto pela Palavra; ele quis apresentá-la a si mesmo esplêndida, sem mancha nem ruga, nem defeito algum; quis a sua Igreja santa e irrepreensível” (Ef 5,25s).

Ora, trata-se da relação da Igreja como todo e não de um membro específico.Desta forma, entendemos que o batismo nos insere todos os batizados nesta relação esponsal com Cristo, somos suas esposas.








Conclusões



Com esta breve retomada bíblica, concluímos que a expressão esposo da alma evoca o amor exclusivo e total que o Senhor tem por nós a ponto de dar sua vida para nos resgatar do pecado e da morte.Em seguida, deduzimos que afirmar que Cristo é o esposo de nossas almas é totalmente legítimo. De fato, o Senhor mesmo utilizou esta imagem na antiga e na nova aliança e São Paulo afirma que esta imagem é a imagem do amor misterioso com o qual o Senhor ama a Igreja.Consequentemente, a imagem traz uma realidade da fé e não carnal. De fato, estamos falando da Igreja, realidade espiritual daqueles que foram resgatados pelo sangue do cordeiro. Sendo assim, não se trata de uma relação com Cristo somente com as mulheres, trata-se de uma relação de Cristo com todas as almas conquistadas e resgatadas por ele. Em outras palavras, mesmo os homens podem viver com Cristo um relacionamento esponsal pela fé. Com isso, podemos deduzir também que, ainda que aqueles que não se casam pelo reino, os chamados celibatários consagrados, são um anúncio explícito desta realidade para toda Igreja, esta realidade não está restringida a eles. Eles apontam aquilo que todos devem buscar espiritualmente nesta terra e que todos viverão um dia no céu. Porque, realmente, o Senhor afirmou que “na ressurreição, as pessoas não casam nem são dadas em casamento” (Mt 22,30).Caso você ainda não tenha experimentado, busque relacionar-se com Cristo com uma espiritualidade esponsal, dedicando-se a Ele não somente como sendo seu servo, mas dando a ele todo o seu coração, Experimente rezar com estas duas orações mais belas da esponsalidade da alma esposa:



Sou Vossa


(Santa Teresa de Jesus – Doutora da Igreja)


Vossa sou, para Vós nasci,
Que quereis fazer de mim?

Soberana Majestade,
Eterna Sabedoria,
Bondade tão boa para a minha alma,
Vós, Deus, Alteza, Ser Único, Bondade,
Olhai para a minha baixeza,
Para mim que hoje Vos canto o meu amor.
Que quereis fazer de mim?

Vossa sou, pois me criastes,
Vossa, pois me resgatastes,
Vossa, pois me suportais,
Vossa, pois me chamastes,
Vossa, pois me esperais,
Vossa, pois não estou perdida,
Que quereis fazer de mim?

Que quereis então,
Senhor tão bom,
Que faça tão vil servidor?
Que missão destes a este escravo pecador?
Eis-me aqui, meu doce amor,
Meu doce amor, eis-me aqui.
Que quereis fazer de mim?

Eis o meu coração,
Que coloco em Vossas mãos,
Com o meu corpo, minha vida, minha alma,
Minhas entranhas e todo o meu amor.
Doce Esposo, meu Redentor,
Para ser Vossa, me ofereci,
Que quereis fazer de mim?

Dai-me a morte, dai-me a vida,
A saúde ou a doença
Dai-me honra ou desonra
A guerra, ou a maior paz,
A fraqueza ou a paz plena,
A tudo isso, digo sim:
Que quereis fazer de mim?

Vossa sou, para Vós nasci,
Que quereis fazer de mim?






“Tarde Te amei!” - De Santo Agostinho, uma das  mais arrebatadoras oração esponsal de todos os tempos!


“Et ecce intus eras et ego foris et ibi te  esquaerebam, et in ista formosa quae fecisti deformis irruebam…”


1.Tarde Te amei, ó Beleza tão antiga e tão nova… Tarde Te amei! Trinta anos estive longe de Deus. Mas, durante esse tempo, algo se movia dentro do meu coração… Eu era inquieto, alguém que buscava a felicidade, buscava algo que não achava… Mas Tu Te compadeceste de mim e tudo mudou, porque Tu me deixaste conhecer-Te. Entrei no meu íntimo sob a Tua Guia e consegui, porque Tu Te fizeste meu auxílio.


2. Tu estavas dentro de mim e eu fora… “Os homens saem para fazer passeios, a fim de admirar o alto dos montes, o ruído incessante dos mares, o belo e ininterrupto curso dos rios, os majestosos movimentos dos astros. E, no entanto, passam ao largo de si mesmos. Não se arriscam na aventura de um passeio interior”. Durante os anos de minha juventude, pus meu coração em coisas exteriores que só faziam me afastar cada vez mais d’Aquele a Quem meu coração, sem saber, desejava… Eis que estavas dentro e eu fora! Seguravam-me longe de Ti as coisas que não existiriam senão em Ti. Estavas comigo e não eu Contigo…


3. Mas Tu me chamaste, clamaste por mim e Teu grito rompeu a minha surdez… “Fizeste-me entrar em mim mesmo… Para não olhar para dentro de mim, eu tinha me escondido. Mas Tu me arrancaste do meu esconderijo e me puseste diante de mim mesmo, a fim de que eu enxergasse o indigno que era, o quão deformado, manchado e sujo eu estava”. Em meio à luta, recorri a meu grande amigo Alípio e lhe disse: “Os ignorantes nos arrebatam o céu e nós, com toda a nossa ciência, nos debatemos em nossa carne”. Assim me encontrava, chorando desconsolado, enquanto perguntava a mim mesmo quando deixaria de dizer “Amanhã, amanhã”… Foi então que escutei uma voz que vinha da casa vizinha… Uma voz que dizia: “Pega e lê. Pega e lê!”.


4. Brilhaste, resplandeceste sobre mim e afugentaste a minha cegueira. Então corri à Bíblia, abri-a e li o primeiro capítulo sobre o qual caiu o meu olhar. Pertencia à carta de São Paulo aos Romanos e dizia assim: “Não em orgias e bebedeiras, nem na devassidão e libertinagem, nem nas rixas e ciúmes. Mas revesti-vos do Senhor Jesus Cristo” (Rm 13,13s). Aquelas Palavras ressoaram dentro de mim. Pareciam escritas por uma pessoa que me conhecia, que sabia da minha vida.


5. Exalaste Teu Perfume e respirei. Agora suspiro por Ti, anseio por Ti! Deus… de Quem separar-se é morrer, de Quem aproximar-se é ressuscitar, com Quem habitar é viver. Deus… de Quem fugir é cair, a Quem voltar é levantar-se, em Quem apoiar-se é estar seguro. Deus… a Quem esquecer é perecer, a Quem buscar é renascer, a Quem conhecer é possuir. Foi assim que descobri a Deus e me dei conta de que, no fundo, era a Ele, mesmo sem saber, a Quem buscava ardentemente o meu coração.



6. Provei-Te, e, agora, tenho fome e sede de Ti. Tocaste-me, e agora ardo por Tua Paz. “Deus começa a habitar em ti quando tu começas a amá-Lo”. Vi dentro de mim a Luz Imutável, Forte e Brilhante! Quem conhece a Verdade conhece esta Luz. Ó Eterna Verdade! Verdadeira Caridade! Tu és o meu Deus! Por Ti suspiro dia e noite desde que Te conheci. E mostraste-me então Quem eras. E irradiaste sobre mim a Tua Força dando-me o Teu Amor!


7. E agora, Senhor, só amo a Ti! Só sigo a Ti! Só busco a Ti! Só ardo por Ti!…


8. Tarde te amei! Tarde Te amei, ó Beleza tão antiga e tão nova! Tarde demais eu Te amei! Eis que estavas dentro, e eu, fora – e fora Te buscava, e me lançava, disforme e nada belo, perante a beleza de tudo e de todos que criaste. Estavas comigo, e eu não estava Contigo… Seguravam-me longe de Ti as coisas que não existiriam senão em Ti. Chamaste, clamaste por mim e rompeste a minha surdez. Brilhaste, resplandeceste, e a Tua Luz afugentou minha cegueira. Exalaste o Teu Perfume e, respirando-o, suspirei por Ti, Te desejei. Eu Te provei, Te saboreei e, agora, tenho fome e sede de Ti. Tocaste-me e agora ardo em desejos por Tua Paz!


(Santo Agostinho - Confissões 10, 27-29)






FONTES CONSULTADAS:




-https://pantokrator.org.br/po/artigos-pantokrator/jesus-o-esposo-da-minha-alma/


-https://comshalom.org/o-precioso-segredo-do-amor-esponsal/


-Agostinho de Hipona - Confissões


-----------------------------------------------------






Apostolado Berakash – Trazendo a Verdade: Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:



filhodedeusshalom@gmail.com



Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger