A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » » As reações humanas diante da verdadeira e falsa arte

As reações humanas diante da verdadeira e falsa arte

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 9 de agosto de 2017 | 22:20





Comentários do Blog Beraká: Antigamente para uma pessoa ser reconhecida como artista tinha que se esforçar muito. Eram necessários anos de estudos, realizar estágios no exterior, conhecer grandes artistas, ler milhares de livros, ter domínio de teorias sobre estética, história da arte e outros temas para, só assim, uma pessoa ser publicamente chamada de artista. Hoje em dia a coisa mudou muito. Hoje qualquer loucura (e a arte é um tipo de manifestação da loucura, do exótico, etc) ou qualquer bobagem é reconhecido como arte. Vejamos alguns exemplos: hoje uma pessoa tira fotos do próprio anus e é chamada de artista, um sujeito expõe as próprias fezes e isso é reconhecido como arte, um grupo de mulheres fazem xixi na própria roupa e isso é visto como arte, um sujeito tira fotos do lixo da sua própria casa e isso é visto como arte, outro faz um vídeo dizendo palavrões e isso é uma performance artística, um sujeito tira a roupa, fica nu na frente de outras pessoas e isso é um ato artístico, outra pessoa se masturba e isso é visto como performance artística. Por esses exemplos pode-se ver que, hoje em dia, qualquer coisa (fezes, lixo, xixi, etc) é considerada uma obra de arte.É necessário ver que, de um lado, vivemos uma era de profundas crises. Existe a crise do Estado, a crise da democracia, a crise do Ocidente, a crise dos valores morais e muitas outras. No Brasil, além dessas crises de conteúdo mais universal, tem-se a crise da economia e as crises institucionais. Do outro lado, a arte não é inume ao sistema de crises que atravessa a sociedade contemporânea. Ora, se quase tudo está em crise, a arte, enquanto produto da vida humana, também está em crise.De certa forma a arte sempre esteve em crise. Ela sempre foi uma espécie de “estrada de passagem” onde se canalizou o que existe de melhor na natureza humana e, ao mesmo tempo, se desenvolveu uma reflexão sobre os dramas e angústias humanas. O problema é que na sociedade contemporânea parece que a crise da arte extrapolou os limites da histórica crise da arte. Sem rumo, parece que sobrou a arte contemporânea lidar apenas com o que, por essência, na natureza humana deve ficar escondido (fezes, xixi, masturbação, anus, etc). Freud, que pode ser até acusado de defender uma arte para a alta cultura, já demonstrou que as fezes e outros dejetos humanos devem ficar na profundeza da civilização.Trazer esse material átona não é melhorar a espécie humana, mas apenas reforçar os laços de brutalidade e de animalidade do homem. Não existe uma saída fácil para a crise da arte contemporânea. No entanto, insistir que fezes, xixi, anus e coisas semelhantes são obras de arte é apenas reforçar a crise da arte. Na sociedade contemporânea para se produzir uma arte de mais qualidade é necessário ter coragem de afirmar que nem toda bobagem é arte, expor fezes, xixi, masturbação e coisas semelhantes é tudo, menos uma obra de arte. É necessário resgatar a ideia que a obra de arte é algo exterior ao homem e, ao mesmo tempo, fruto dos mais elevados esforços culturais da humanidade.





Do soneto de RAINER MARIA RILKE: “O TORSO ARCAICO DE APOLO”




O reconhecimento interior não é só um exercício de memória, mas um esforço sério para ampliar a imaginação de modo que ela possa abarcar mesmo as possibilidades mais extremas e inusitadas.









Você não pode fazer isso se não se dispõe a descobrir na sua alma monstros, heróis e santos que jamais suspeitaria encontrar lá. Compreensivelmente, os monstros são mais fáceis de descobrir do que os heróis e santos.





O medo, o nojo, a raiva e o desprezo são emoções comuns diante de uma obra artística, e eles bastam para tornar verossímil o que quer que nos pareça ser pior do que nós mesmos.





Já aquilo que é nobre nos humaniza e traz imediatamente consigo um sentimento de dever e de obrigação, quando contemplamos por exemplo, uma obra de arte autêntica e verdadeira, como uma obra de Caravágio, que transcende a mera contemplação estética e convoca o observador a mudar de vida, a tornar-se melhor.







A impressão de não estar à altura desse apelo que a obra produz, provoca-nos  quase que automaticamente uma reação positiva, e não negativa, como é próprio da falsa arte.A arte pode ser sacra e profana (Prós fanus= Pró belo), mas não se identifica e nem produz mudanças para a melhor quando é mundana. O mundo será salvo pelo belo !!!






Adaptado do soneto de RAINER MARIA RILKE: “O TORSO ARCAICO DE APOLO”
Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 2 Comentário. Deixe o seu!

13 de novembro de 2019 12:08

Raso, fatalista e vazio.

13 de novembro de 2019 21:02

Profundo,indiferente e cheio de nada prof Paulo...

Antigamente para uma pessoa ser reconhecida como artista tinha que se esforçar muito. Eram necessários anos de estudos, realizar estágios no exterior, conhecer grandes artistas, ler milhares de livros, ter domínio de teorias sobre estética, história da arte e outros temas para, só assim, uma pessoa ser publicamente chamada de artista. Hoje em dia a coisa mudou muito. Hoje qualquer loucura (e a arte é um tipo de manifestação da loucura, do exótico, etc) ou qualquer bobagem é reconhecido como arte. Vejamos alguns exemplos: hoje uma pessoa tira fotos do próprio anus e é chamada de artista, um sujeito expõe as próprias fezes e isso é reconhecido como arte, um grupo de mulheres fazem xixi na própria roupa e isso é visto como arte, um sujeito tira fotos do lixo da sua própria casa e isso é visto como arte, outro faz um vídeo dizendo palavrões e isso é uma performance artística, um sujeito tira a roupa, fica nu na frente de outras pessoas e isso é um ato artístico, outra pessoa se masturba e isso é visto como performance artística. Por esses exemplos pode-se ver que, hoje em dia, qualquer coisa (fezes, lixo, xixi, etc) é considerada uma obra de arte.É necessário ver que, de um lado, vivemos uma era de profundas crises. Existe a crise do Estado, a crise da democracia, a crise do Ocidente, a crise dos valores morais e muitas outras. No Brasil, além dessas crises de conteúdo mais universal, tem-se a crise da economia e as crises institucionais. Do outro lado, a arte não é inume ao sistema de crises que atravessa a sociedade contemporânea. Ora, se quase tudo está em crise, a arte, enquanto produto da vida humana, também está em crise.



De certa forma a arte sempre esteve em crise. Ela sempre foi uma espécie de “estrada de passagem” onde se canalizou o que existe de melhor na natureza humana e, ao mesmo tempo, se desenvolveu uma reflexão sobre os dramas e angústias humanas. O problema é que na sociedade contemporânea parece que a crise da arte extrapolou os limites da histórica crise da arte. Sem rumo, parece que sobrou a arte contemporânea lidar apenas com o que, por essência, na natureza humana deve ficar escondido (fezes, xixi, masturbação, anus, etc). Freud, que pode ser até acusado de defender uma arte para a alta cultura, já demonstrou que as fezes e outros dejetos humanos devem ficar na profundeza da civilização.Trazer esse material átona não é melhorar a espécie humana, mas apenas reforçar os laços de brutalidade e de animalidade do homem. Não existe uma saída fácil para a crise da arte contemporânea. No entanto, insistir que fezes, xixi, anus e coisas semelhantes são obras de arte é apenas reforçar a crise da arte. Na sociedade contemporânea para se produzir uma arte de mais qualidade é necessário ter coragem de afirmar que nem toda bobagem é arte, expor fezes, xixi, masturbação e coisas semelhantes é tudo, menos uma obra de arte. É necessário resgatar a ideia que a obra de arte é algo exterior ao homem e, ao mesmo tempo, fruto dos mais elevados esforços culturais da humanidade.

Shalom !!!

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger