A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » » Criança questiona: "se a eucaristia tem o gosto de Deus, então Deus tem um gosto muito ruim!” - o que dizer?

Criança questiona: "se a eucaristia tem o gosto de Deus, então Deus tem um gosto muito ruim!” - o que dizer?

Written By Beraká - o blog da família on segunda-feira, 23 de outubro de 2023 | 12:09

 

(foto reprodução meramente ilustrativa)

 


Resolvi fazer esta postagem por testemunhar pessoalmente a partilha/desabafo, de certa forma negativa, de uma criança que fez recentemente a primeira comunhão (Abril/2023) e sente-se constrangida em ir a missa "porque não gosta do sabor da Hóstia". Essa postagem não visa fechar o assunto, mas despertar soluções e adaptações de linguagem para melhor entendimento, entre os Coordenadores e catequistas de crianças. O Sacramento da Eucaristia é o sinal da unidade, o banquete pascal onde Jesus se faz presente de TRÊS FORMAS: pela assembleia reunida em seu nome (cf. Mateus 18,20), na proclamação e escuta da palavra(cf 1 João 3,24; Luc 10,16) e está presente, por excelência, nas espécies consagradas (cf. Mc 14,22;1 Cor.11,27-29), onde nossa alma comunga e se enche do próprio autor da graça (Jesus), nos dando o penhor da vida eterna. O ritual da missa é memorial ordenado por Jesus (cf. Lucas 22,19) o qual atualiza o sacrifício que Jesus ofereceu ao Pai na cruz, em favor DE TODOS OS PECADORES (e não apenas por uma classe social), mas, a presença na espécie consagrada é REAL (cf. Mc 14,22; 1 Cor.11,27-29;João 6,50-66) porém, é insensível a natureza e sentidos humanos, pois é um "mistério sobrenatural". 









Claro que "ninguém explica plenamente", mas apenas parcialmente,  um mistério, pois se explicasse plenamente já não seria mais mistério! Mas ficam aqui as perguntas: será que nossas crianças tem esse mínimo entendimento? Será que nossos catequistas tem esse mínimo  entendimento de tão grande mistério para poder adaptar na linguagem das crianças? Será que nossos catequistas conseguem explicar que a presença eucarística não é por TRANSFORMAÇÃO DA MATÉRIA, (como nas bodas de Caná da Galileia) mas a mudança atua na substância, os acidentes permanecem, por isso TRANSUBSTANCIAÇÃO por Conversão, ou ANTONOMÁSIA (ocupação), como diz o nosso catecismo no Nº 1373-1377.1413 ? Será que entendem que o mistério da Transubstanciação e presença real de Jesus na eucaristia, está em plena conexão com o mistério da ENCARNAÇÃO? Pois como explicar e entender "um Deus que não pode habitar ou limitar-se  a espaços e templos" (cf. Jeremias 29, 14), vir habitar e limitar-se a um corpo? O corpo de Cristo? Como entender que Jesus ao encarnar-se não abandonou a Trindade, pois Ele mesmo revelou em João 14,19-20:




"Dentro de pouco tempo o mundo não me verá mais; entretanto, vós me vereis. Porque Eu vivo, e vós da mesma forma vivereis. E naquele dia, entendereis que Eu estou no meu Pai, e vós, em mim, e Eu, em vós"




Como entender esse grandioso "mistério da presença?" Como entender e explicar que quando Jesus morreu, ressuscitou e elevou-se ao Céu, "sua presença continua entre nós", conforme Ele mesmo revelou em Mateus 28,20:




"...e eis que Eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos"




Diante de tão grande mistério, só podemos nos render e aceitar pela fé que nos assegura: " para Deus nada é impossível (cf. Luc 1,37)" e o justo vive pela fé (cf. Hebreus 10,38).




 






Por que a "matéria da Hóstia Eucarística (pão)" é sem gosto e sem fermento?




Na Bíblia, o fermento é apresentado como um símbolo da propagação do pecado. Como o fermento que permeia todo o amontoado de massa, o pecado se espalha em uma pessoa, igreja, comunidade, ou uma nação, por isso o alerta das sagradas escrituras:





-Mateus 16,5-12: "Indo os discípulos para o outro lado do mar, esqueceram-se de levar pão. Disse-lhes Jesus: Estejam atentos e tenham cuidado com o fermento dos fariseus e dos saduceus. E eles discutiam entre si, dizendo: É porque não trouxemos pão.  Percebendo a discussão, Jesus lhes perguntou: Homens de pequena fé, por que vocês estão discutindo entre si sobre não terem pão?  Ainda não compreendem? Não se lembram dos cinco pães para os cinco mil e de quantos cestos vocês recolheram? Nem dos sete pães para os quatro mil e de quantos cestos recolheram? Como é que vocês não entendem que não era de pão que eu estava lhes falando? Tomem cuidado com o fermento dos fariseus e dos saduceus. Então entenderam que Jesus não estava lhes dizendo que tomassem cuidado com o fermento de pão, mas com o ensino dos fariseus e dos saduceus".



-Gálatas 5, 8-9: "Quem vos convenceu a agir assim, não procede daquele que vos chama. Por acaso não sabeis que apenas um pouco de fermento leveda toda a massa?"





PARA ILUSTRAR E NOS AJUDAR, um fato baseado numa história real




Estava eu no carro conversando com minha afilhada a caminho do colégio, quando ela me perguntou "Tio, por que sempre que passamos em frente a uma igreja o Sr faz o sinal da cruz?" - Expliquei que faço aquele gesto, acima de qualquer outra crença, em sinal de respeito por saber que Jesus se encontra lá dentro no Sacrário da Igreja. Bom...Começaram a vir as perguntas... Resumo dessa história: fui obrigado a parar o carro e tentar explicar pra ela o que era “aquele pãozinho redondo (hóstia) que o padre dá para pessoas no meio da Missa" - nas palavras dela. No meu limitado conhecimento, tentei explicar que “Aquele pãozinho” era Jesus Cristo. Conversei, expliquei, demonstrei, nos mínimos detalhes tudo isso, pra ela não pensar que estaria “mastigando Jesus” somente por mastigar como se fosse apenas um simples biscoito.





Daí surgiu mais uma pergunta: "Tio, e por que não é doce ou salgado? mas tão ruim e sem gosto?..."




A princípio, respondi o que muitas vezes eu já ouvira: "Não é para ter gosto algum! Não é para ter gosto de nada!” - Porém, parei uns segundos e voltei atrás...




Falei com ela que a hóstia tinha o gosto que cada pessoa gostaria de sentir quando está na intimidade com Deus. Falei que cada pessoa sente um gosto diferente dependendo de quanto acredita que aquilo “É” o próprio Papai do Céu ali escondido. Algumas pessoas simplesmente acham que é um pão e mais nada, por isso não sentem nada além do gosto de farinha. Outras, acreditam tanto que é Jesus, que dizem ter o gosto mais gostoso que já provaram! Pois tem o gosto de Deus, e é o pão dos anjos!




Foi ai que minha sobrinha, como toda criança em sua "escandalosa sinceridade" me disse a queima roupa:





"Tio, a minha catequista também dizia que a hóstia tem o gosto de Deus, mas, nossa tio! Se Deus tem esse gosto, então o gosto de Deus é muito ruim..."





Tentei mostrar pra ela que independente do que você sinta a primeiro momento, acreditando ou não, um dia, aquele pequeno pedaço de pão, terá o verdadeiro sabor e significados em nossas vidas! Todos irão buscá-lo e quando não o tiverem fará muita falta, por enquanto basta tomarmos desse pão pela fé, mesmo sem entender direito, pois o "justo vive pela fé" (cf. Hebreus 10,38). Quando cheguei em casa me perguntei: 




-Será que estamos colocando toda responsabilidade sobre os ombros dos nossos catequistas? Até que ponto toda comunidade é responsável por essa catequese? Todos: pais, padrinhos, catequistas, lideranças, e os padres da Comunidade?...




-Como ajudar, e auxiliar nossos catequistas a dar uma melhor explicação sobre o "mistério Central da nossa fé Católica?" 




*Sugestão: Os catequistas, e os próprios pais junto ao pessoal da liturgia, já próximo a celebração da primeira eucaristia, fazer não apenas uma vez, mas no mínimo TRÊS VEZES (pois sempre tem os que faltam, como essa criança, que só provou o sabor do pão eucarístico no dia da primeira eucaristia, e nada falaram pra ela que não tinha gosto algum, e que o essencial não é o gosto, mas a PRESENÇA) as crianças já experimentarem o gosto (sabor) da "espécie pão" (ainda não consagrado, explicando que o paladar será o mesmo, tanto para as espécies consagradas, ou não) fazendo isso nos últimos encontros da catequese infantil, esclarecendo o porque das espécies eucarísticas não terem gosto (doce ou salgado), e serem sem fermento (analogia a pascoa dos judeus, comida às pressas durante a libertação do Egito).Os momentos que precedem a primeira eucaristia, podem também, serem utilizados em orientar como se receber devidamente, com todo respeito e dignidade a sagrada eucaristia na fila da comunhão:







 



-Evitar conversas e cumprimentos na ida ou na volta da fila da Comunhão.



-Na fila da comunhão (na ida), ir repetindo mentalmente: "Sr Jesus que essa Eucaristia não se torne para mim causa de juízo e condenação, mas cura, libertação e salvação de minha alma, pois comungo não porque mereça, pois não sou dígno(a), mas porque necessito".




-Antes de receber a comunhão, fazer a devida reverência com a Vênia (encurvando ligeiramente para frente o tronco) diante do ministro. Lembrando que, "quem decide a forma de receber a eucaristia, se na boca, nas mãos, de pé ou joelhos é o comungante, e não o ministro". Se for receber na boca, colocar as mãos para trás, ou manter os dedos cruzados e fechados sobre  a barriga, ou umbigo, para que o ministro entenda que você deseja receber diretamente na boca. Abrir a boca, inclinar-se um pouco para frente com a língua ligeiramente para fora para que o ministro ponha sobre ela. Quando o ministro disser: Corpo de Cristo! Diga Amém, e receba a comunhão.



-Na volta, após comungar, repita mentalmente: "Obrigado meu amado e bom Sr Jesus por me teres permitido comungar de teu corpo e sangue, mesmo indignamente! Sr Jesus eu creio, vos amo, vos adoro, e vos espero, e peço-vos perdão por aqueles que não creem, não vos amam, não vos adoram e nem vos esperam. Quero partilhar Sr da graça e dos frutos dessa santa comunhão com aqueles que me pediram orações, pela salvação minha e de minha família, e pela almas mais necessitadas do purgatório". Fique em silencio e deixe Deus falar ao seu coração.





O que podemos tirar como lição desse episódio? O que podemos aprender, corrigir, e melhorar na nossa catequese com as crianças?


 

 

A eucaristia Cristã, nos remete a páscoa Judaica. A Páscoa é uma festa religiosa celebrada todos os anos entre judeus e cristãos do mundo inteiro. É a festa da vida nova! A palavra páscoa vem do hebraico pêssah e significa pular, passar, passagem. Sua origem é muito antiga, ao longo da história foi ressignificada de acordo com a experiência de fé do povo do Antigo e do Novo Testamento. As primeiras notícias que temos sobre a Páscoa vêm da tradição dos pastores que faziam um ritual para pedir proteção divina ao seu rebanho de ovelhas. Os hebreus celebravam a festa da Páscoa comendo o cordeiro pascal, os pães ázimos, as ervas amargas e bebendo quatro copos de vinho. O cordeiro lembrava que Deus poupou a casa dos hebreus, que estava marcada com o sangue, e passou adiante, quando feriu os primogênitos dos egípcios e livrou os filhos de Israel. Os pães ázimos (sem fermento e sem gosto), lembravam a pressa da saída do Egito. Na noite da libertação, eles não tiveram nem tempo de deixar levedar o pão. As ervas amargas lembravam como os egípcios haviam tornado amarga a vida dos hebreus, com os duros trabalhos (Ex 1,14). Para os judeus, a Páscoa é memória; é passagem da escravidão para a liberdade; passagem do Egito para a Terra Prometida. Os cristãos deram à Páscoa judaica um novo sentido. Cristo é o Cordeiro de Deus imolado na cruz e o pão e o vinho se transformam REALMENTE em seu Corpo e Sangue. Por seu sacrifício, Cristo é o verdadeiro cordeiro pascal (Jo 19,36). Ele destruiu o antigo fermento do pecado e tornou possível uma nova vida – santa e pura – simbolizada na Eucaristia, pão sem fermento, SEM MISTURAS. Com a sua ressurreição, a Páscoa se torna a passagem para a vida nova. Para os cristãos, a Páscoa é passagem da cruz para a ressurreição; passagem da morte para a vida; passagem da escravidão para a liberdade dos filhos de Deus. Cristo é a Páscoa definitiva que nos convida à nova vida (cf. 1Cor 5,9-10).

 

     

 

 

Bento XVI explica a Eucaristia às crianças










“A minha catequista, ao preparar-me para o dia da minha primeira Comunhão, disse-me que Jesus está presente na Eucaristia. Mas, como? Eu não O vejo...




Encontro do Papa Bento XVI com mais de cem mil crianças da primeira Comunhão, 15-10-2005 - algumas das perguntas das crianças e as respostas do Papa:




1)-André: Querido Papa, que recordação tens do dia da tua Primeira Comunhão?




-Recordo-me bem do dia da minha Primeira Comunhão. Era um lindo domingo de Março de 1936, portanto, há 69 anos. Era um dia de sol, a igreja muito bonita, a música, eram muitas coisas bonitas das quais me lembro. Éramos cerca de trinta crianças, meninos e meninas, da nossa pequena cidade com não mais de 500 habitantes. Mas, no centro das minhas recordações alegres e bonitas está o pensamento o mesmo já foi dito pelo vosso porta-voz que compreendi que Jesus tinha entrado no meu coração, tinha feito visita justamente a mim. E com Jesus, Deus mesmo está comigo. Isto é um dom de amor que realmente vale mais do que tudo que pode ser dado pela vida; e assim estava realmente cheio de uma grande alegria porque Jesus tinha vindo até mim. E entendi que então começava uma nova etapa da minha vida, tinha 9 anos, e que então era importante permanecer fiel a este encontro, a esta Comunhão. Prometi ao Senhor, por quanto podia: "Gostaria de estar sempre contigo" e pedi-lhe: "Mas, sobretudo permanece comigo". E assim fui em frente na minha vida. Graças a Deus, o Senhor tomou-me sempre pela mão, guiou-me também nas situações difíceis. E dessa forma, a alegria da Primeira Comunhão foi o início de um caminho realizado juntos. Espero que, também para todos vós, a Primeira Comunhão que recebestes neste Ano da Eucaristia seja o início de uma amizade com Jesus para toda a vida. Início de um caminho juntos, porque caminhando com Jesus vamos bem e a vida se torna boa.





2)-André: A minha catequista, ao preparar-me para o dia da minha Primeira Comunhão, disse-me que Jesus está presente na Eucaristia. Mas como? Eu não O vejo!




-Sim, não o vemos, mas existem tantas coisas que não vemos e que existem e são essenciais. Por exemplo, não vemos a nossa razão, contudo temos a razão. Não vemos a nossa inteligência e temo-la. Não vemos, numa palavra, a nossa alma e todavia ela existe e vemos os seus efeitos, pois podemos falar, pensar, decidir, etc... Assim também não vemos, por exemplo, a corrente eléctrica, mas sabemos que existe, vemos este microfone como funciona; vemos as luzes. Numa palavra, precisamente, as coisas mais profundas, que sustentam realmente a vida e o mundo, não as vemos, mas podemos ver, sentir os efeitos. A electricidade, a corrente não as vemos, mas a luz sim. E assim por diante. Desse modo, também o Senhor ressuscitado não o vemos com os nossos olhos, mas vemos que onde está Jesus, os homens mudam, tornam-se melhores. Cria-se uma maior capacidade de paz, de reconciliação, etc... Portanto, não vemos o próprio Senhor, mas vemos os efeitos: assim podemos entender que Jesus está presente. Como disse, precisamente as coisas invisíveis são as mais profundas e importantes. Vamos, então, ao encontro deste Senhor invisível, mas forte, que nos ajuda a viver bem.




3)-Júlia: Santidade, dizem-nos que é importante ir à Missa aos domingos. Nós iríamos com gosto mas, frequentemente, os nossos pais não nos acompanham porque aos domingos dormem, o pai e a mãe de um amigo meu trabalham numa loja e nós, geralmente, vamos fora da cidade visitar os avós. Podes dizer-lhes uma palavra para que entendam que é importante ir à Missa juntos, todos os domingos?



-Claro que sim, naturalmente, com grande amor, com grande respeito pelos pais que, certamente, têm muitas coisas a fazer. Contudo, com o respeito e o amor de uma filha, pode-se dizer: querida mãe, querido pai, seria tão importante para todos nós, também para ti, encontrarmo-nos com Jesus. Isto enriquece-nos, traz um elemento importante para a nossa vida. Juntos encontramos um pouco de tempo, podemos encontrar uma possibilidade. Talvez até onde mora a avó há uma possibilidade. Numa palavra diria, com grande amor e respeito pelos pais, diria-lhes: "Entendei que isto não é importante só para mim, não o dizem somente os catequistas, é importante para todos nós; e será uma luz do domingo para toda a nossa família".




4)-Alexandre: Para que serve ir à Santa Missa e receber a Comunhão...?




-Serve para encontrar o centro da vida! Nós vivemos entre tantas coisas. E as pessoas que não vão à igreja não sabem que lhes falta precisamente Jesus. Sentem, contudo, que falta algo na sua vida. Se Deus permanece ausente na minha vida, se Jesus não faz parte da minha vida, falta-me um guia, falta-me uma amizade essencial, falta-me também uma alegria que é importante para a vida. A força também de crescer como homem, de superar os meus vícios e de amadurecer humanamente. Portanto, não vemos imediatamente o efeito de estar com Jesus quando vamos à Comunhão; vê-se com o tempo. Assim como, no decorrer das semanas, dos anos, se sente cada vez mais a ausência de Deus, a ausência de Jesus. É uma lacuna fundamental e destrutiva. Poderia falar agora facilmente dos países onde o ateísmo governou por anos; como as almas foram destruídas, e também a terra; e assim podemos ver que é importante, aliás, diria, fundamental, nutrir-se de Jesus na comunhão. É Ele que nos dá a luz, nos oferece a guia para a nossa vida, uma guia da qual temos necessidade.




5)-Ana: Caro Papa, poderias explicar-nos o que Jesus queria dizer quando disse ao povo que o seguia: "Eu sou o pão da vida"?



-Então deveríamos talvez, antes de tudo, esclarecer o que é o pão. Hoje nós temos uma cozinha requintada e rica de diversíssimos pratos, mas nas situações mais simples o pão é o fundamento da nutrição e se Jesus se chama o pão da vida, o pão é, digamos, a sigla, uma abreviação para todo o nutrimento. E como temos necessidade de nos nutrir corporalmente para viver, assim como o espírito, a alma em nós, a vontade, tem necessidade de se nutrir. Nós, como pessoas humanas, não temos somente um corpo, mas também uma alma; somos seres pensantes com uma vontade, uma inteligência, e devemos nutrir também o espírito, a alma, para que possa amadurecer, para que possa alcançar realmente a sua plenitude. E, por conseguinte, se Jesus diz eu sou o pão da vida, quer dizer que Jesus próprio é este nutrimento da nossa alma, do homem interior do qual temos necessidade, porque também a alma deve nutrir-se. E não bastam as coisas técnicas, embora sejam muito importantes. Temos necessidade precisamente desta amizade de Deus, que nos ajuda a tomar decisões justas. Temos necessidade de amadurecer humanamente. Por outras palavras, Jesus nutre-nos a fim de que nos tornemos realmente pessoas maduras e a nossa vida se torne boa.




6)-Adriano: Santo Padre, disseram-nos que hoje faremos a Adoração Eucarística. O que é? Como se faz? Poderias explicar-nos isto? Obrigado.




Então, o que é a adoração, como se faz, veremos imediatamente, porque tudo está bem preparado: faremos algumas orações, cânticos, a genuflexão e estamos assim diante de Jesus. Mas, naturalmente, a tua pergunta exige uma resposta mais profunda: não só como fazer, mas o que é a adoração. Eu diria: adoração é reconhecer que Jesus é meu Senhor, que Jesus me mostra o caminho a tomar, me faz entender que vivo bem somente se conheço a estrada indicada por Ele, somente se sigo a via que Ele me mostra. Portanto, adorar é dizer: "Jesus, eu sou teu e sigo-te na minha vida, nunca gostaria de perder esta amizade, esta comunhão contigo". Poderia também dizer que a adoração na sua essência é um abraço com Jesus, no qual eu digo: "Eu sou teu e peço-te que estejas também tu sempre comigo".





Lívia: Santo Padre, antes do dia da minha Primeira Comunhão confessei-me. Depois, confessei-me outras vezes. Mas, gostaria de te perguntar: devo confessar-me cada vez que recebo a Comunhão? Mesmo quando cometo os mesmos pecados? Porque eu sei que são sempre os mesmos.




-Diria duas coisas: a primeira, naturalmente, é que não te deves confessar sempre antes da Comunhão, se não cometeste pecados graves que necessitam ser confessados. Portanto, não é preciso confessar-te antes de cada Comunhão eucarística. Este é o primeiro ponto. É necessário somente no caso em que cometes um pecado realmente grave, que ofendes profundamente Jesus, de forma que a amizade é destruída e deves começar novamente. Apenas neste caso, quando se está em pecado "mortal", isto é, grave, é necessário confessar-se antes da Comunhão. Este é o primeiro ponto. O segundo: embora, como disse, não é necessário confessar-se antes de cada Comunhão, é muito útil confessar-se com uma certa regularidade. É verdade, geralmente, os nossos pecados são sempre os mesmos, mas fazemos limpeza das nossas habitações, dos nossos quartos, pelo menos uma vez por semana, embora a sujidade é sempre a mesma. Para viver na limpeza, para recomeçar; se não, talvez a sujeira não possa ser vista, mas se acumula. O mesmo vale para a alma, por mim mesmo, se não me confesso a alma permanece descuidada e, no fim, fico satisfeito comigo mesmo e não compreendo que me devo esforçar para ser melhor, que devo ir em frente. E esta limpeza da alma, que Jesus nos dá no Sacramento da Confissão, ajuda-nos a ter uma consciência mais ágil, mais aberta e também de amadurecer espiritualmente e como pessoa humana. Portanto, duas coisas: confessar é necessário somente em caso de pecado grave, mas é muito útil confessar regularmente para cultivar a pureza, a beleza da alma e ir aos poucos amadurecendo na vida.




No fim do Encontro o Santo Padre dirigiu estas palavras:









Queridos meninos e meninas, irmãos e irmãs, no fim deste belo encontro, só mais uma palavra: obrigado! Obrigado por esta festa de fé. Obrigado por este encontro entre nós e com Jesus. E obrigado, é claro, a quantos fizeram com que esta festa fosse possível: os catequistas, os sacerdotes, as religiosas, a todos vós. Repito no final, as palavras do início de todas as liturgias e digo-vos: "A paz esteja convosco", isto é, o Senhor esteja convosco e, assim, a vida seja boa. Bom domingo, boa noite e até à próxima com o Senhor. Muito obrigado!



Roma, 15 de Outubro de 2005




Fonte: https://opusdei.org/pt-br/article/bento-xvi-explica-a-eucaristia-as-criancas/

 




 

PONTIFICIUM OPUS A SANCTA INFANTIA - A EUCARISTIA E AS CRIANÇAS










De Sua Eminência o Senhor CARDEAL DARÍO CASTRILLÓN HOYOS, Prefeito da Congregação para o Clero, publicamos a seguir alguns parágrafos da sua videoconferência proferida no dia 8 de janeiro de 2005, na esperança que sejam úteis sobretudo para os sacerdotes comprometidos no serviço pastoral em prol das crianças:




«O tempo de Natal foi um período dedicado especialmente às crianças. Com efeito, o Deus encarnado, o Emanuel, manifesta-se-nos com o um rosto de Criança; e Jesus, quando se torna adulto, nos diz que o caminho para entrar no Reino dos Céus passa pelo coração de uma criança: “Se... não vos tornardes como crianças, nunca entrareis no Reino dos Céus” (Mat 18, 3).





Precisamente no “Angelus” do passado dia 6 de janeiro, solenidade da Epifania do Senhor, uma vez mais o Santo Padre confirmou a importância dos mais pequeninos na vida da Igreja, dizendo que «as crianças constituem o presente e o futuro da Igreja. Elas têm um papel ativo a desempenhar na evangelização do mundo e, mediante as suas orações, contribuem para salvá-lo e para melhorá-lo”. Como deixar de pensar, de modo especial neste Ano da Eucaristia, nas crianças: elas que frequentam as nossas paróquias e que são os primeiros destinatários da catequese. Recebemos as crianças, em primeiro lugar, na Pia batismal, quando são acompanhadas pela sua própria família; depois, encontramo-nos com elas frequentemente na paróquia, aonde vêm para participar nos cursos de catecismo, em preparação para a Primeira Comunhão!




Um grande Papa canonizado pela Igreja, São Pio X, dedicou precisamente às crianças não pouca atenção e esforço pastoral. No dia 8 de agosto de 1910 emanava-se o Decreto “Quam singulari”, através do qual o Santo Padre Pio X estabelecia que se podia admitir as crianças à Primeira Comunhão já a partir da idade de sete anos.




Tratou-se de um acontecimento muito importante para a pastoral das crianças, pois sem a necessidade de esperar mais tempo, elas podiam assim aproximar-se da Comunhão Eucarística, depois de terem recebido nas respectivas paróquias a devida preparação que lhes permitia aprender os primeiros elementos fundamentais da fé cristã. Com efeito, já naquela época a idade da discrição tinha sido estabelecida por volta dos sete anos, quando a criança já consegue distinguir o pão comum do Pão eucarístico, verdadeiro Corpo de Cristo.



Juntamente com São Pio X, muitos de nós estão convencidos de que esta prática de permitir que as crianças recebam a Primeira Comunhão já a partir dos sete anos de idae confere à Igreja copiosas graças do Céu. Além disso, não se pode esquecer que na Igreja primitiva o sacramento da Eucaristia se administrava até aos recém-nascidos, imediatamente depois do Batismo, sob as espécies de umas poucas gotas de vinho.





Permitir que as crianças possam receber Jesus Eucarístico quanto antes possível representou, durante muitos séculos, um dos alicerces mais firmes da pastoral destinada aos mais pequeninos no seio da Igreja; este hábito foi restabelecido por São Pio X na sua época, tendo por isso sido elogiado pelos seus Sucessores e, ainda mais vezes, pelo nosso Santo Padre João Paulo II.





O cânone 914 do Código de Direito Canônico acolheu plenamente o pensamento do Sumo Pontífice: “Os pais, em primeiro lugar, e aqueles que fazem as suas vezes, assim como o pároco, têm a obrigação de procurar fazer com que as crianças que já alcançaram o uso da razão se preparem convenientemente e se nutram quanto antes, depois da Confissão sacramental, com este alimento divino”.




Recentemente, o Santo Padre João Paulo II voltou a refletir sobre aquela decisão de São Pio X, com palavras de admiração; e fê-lo no seu livro intitulado: “Levantai-vos, vamos!”: “Um testemunho comovedor de amor pastoral pelas crianças foi dado pelo meu predecessor São Pio X, com a sua decisão acerca da Primeira Comunhão. Ele não somente reduziu a idade necessária para aproximar-se da Mesa do Senhor, fruto este de que eu mesmo gozei em maio de 1929, mas ofereceu também a possibilidade de receber a Comunhão até mesmo antes de ter completado sete anos de idade, caso a criança em questão demonstre um discernimento que se possa considerar suficiente. A Sagrada Comunhão antecipada foi uma decisão pastoral que merece ser recordada e elogiada. Ela produziu muitos frutos de santidade e de apostolado entre as crianças, favorecendo o surgimento de mais vocações sacerdotais” (João Paulo II, “¡Levantaos! ¡Vamos!”, Plaza Janés, Barcelona 2004, pág. 97).





Nós sacerdotes, chamados por Deus a conservar o Santo Sacramento do altar em união com os nossos Bispos, podemos e devemos cuidar que sobretudo as crianças sejam os primeiros destinatários deste imenso dom: a Eucaristia, que Deus depositou nas nossas frágeis mãos de argila, nas nossas mãos consagradas.









Acredito que é uma das maiores alegrias para o pároco, ouvir a Primeira Confissão das crianças e, em seguida, levá-las a receber a Primeira Comunhão; e vem espontaneamente ao nosso pensamento a certeza de que quanto menores elas são, tanto mais digno será o acolhimento de Cristo sacramentado no seu coração. Com efeito, quando a mente da criança alcança a idade em que começa a raciocinar – e hoje em dia esta idade chega depressa – está aberta e disponível à recepção da luz divina, que as leva a penetrar até à medida do possível no mistério do amor de Deus pelo homem. Assim, a fé impõe-se sobre a razão e esta mesma fé – que muitas vezes pudemos experimentar precisamente no âmbito das nossas paróquias – é tão viva nas crianças que elas são capazes, às vezes mais do que nós próprios, de expressar com a oração imediata a sua proximidade ao Senhor. Portanto, formulamos votos a fim de que este santo hábito, recordado por todos os últimos Pontífices, de levar as crianças a aproximarem-se da Sagrada Eucaristia depois de terem feito a Primeira Confissão, seja cada vez mais apreciado, e na medida do possível seguido, particularmente ao longo deste Ano da Eucaristia. Oremos a fim para que a caridade pastoral constitua a força de todo o pároco ávido de animar a pastoral paroquial, em união com o seu Bispo, em sintonia e em colaboração com as famílias e os educadores das crianças; para que o amor pela Santíssima Eucaristia seja transmitido desde a mais tenra idade e o desejo de receber o Corpo de Cristo se transforme no caminho mais seguro para garantir um futuro de paz e de santidade, não apenas aos fiéis, mas também à comunidade cristã no seu conjunto».





Fonte:https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cevang/p_missionary_works/infantia/documents/rc_ic_infantia_doc_20090324_boletin13p7_po.html






GOSTOU Do APOSTOLADO berakash?  QUER SER UM (A) SEGUIDOR (a) E RECEBER AS ATUALIZÇÕES EM SEU CELULAR, OU, E-MAIL?

 


 

Segue no link abaixo o “PASSO-A-PASSO” para se tornar um(a) seguidor(a) - (basta clicar):

 

 

https://berakash.blogspot.com/2023/10/como-ser-um-ser-um-seguidor-e-ou.html

 

 

Shalom!





------------------------------------------------------







 

APOSTOLADO BERAKASHComo você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicadosInfelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente, e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 



filhodedeusshalom@gmail.com


Curta este artigo :

Postar um comentário

Todos os comentários publicados não significam a adesão às ideias nelas contidas por parte deste apostolado, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados. Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

TOTAL DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

ANUNCIE AQUI! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com
 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger