A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , , » Atenção! A missa se divide em dois momentos: liturgia da palavra (voltada para o povo) e liturgia eucarística (direcionada para Deus)!

Atenção! A missa se divide em dois momentos: liturgia da palavra (voltada para o povo) e liturgia eucarística (direcionada para Deus)!

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 24 de agosto de 2023 | 17:12


 


 

Por *Francisco José Barros Araújo

 


Esclarecimento inicial: não quero aqui com este artigo defender a volta da Missa em Latim, de forma alguma!(nunca assisti presencialmente até o fechamento dessa matéria, a nenhuma). Sou grato e me sinto orgulhosamente, fruto do Santo Concilio Vaticano II, e só assisto a missa no Rito Romano de Paulo VI. Agora é preciso separar alhos de bugalhos! Tenho visto e ouvido padres, bispos, diáconos, lideranças cristãs, e leigos em geral, repetindo que nem "papagaio-de-pirata" (sem saber nem ao menos o que estão dizendo), que na missa em Latim, ou seja, no rito Tridentino, o padre DAVA AS COSTAS PARA O POVO! Completamente equivocada, deturpada e incompleta essa explicação, que de certa forma denigre a imagem da igreja e debocha os católicos desse período! E é justamente um santo e grande doutor da Igreja: São Francisco de Sales (Castelo de Sales, 21 de agosto de 1567 ─ Lyon, 28 de dezembro de 1622), sacerdote católico saboiano),  que faz a belíssima defesa da missa Tridentina dizendo:






"Na liturgia Eucarística (oferecida e direcionada para Deus, e não para o povo), o sacerdote não dá de forma desrespeitosa as costas para a assembleia, mas, ele juntamente com todos participantes da missa, voltados para o Oriente, onde nasceu o verdadeiro Sol da Justiça (Malaquias 4,2), Nosso Senhor Jesus Cristo, dão assim as suas faces para Deus"

 











E Bento XVI nos recorda que: 





"A liturgia não deve ser para os homens para que continuem no nível dos homens. Ela deve ser para Deus elevando os homens até Deus. A maneira com a qual o culto deve ser dado não está entre as coisas que se podem resolver por meios políticos; a liturgia tem sua própria medida, ou seja, só pode ordenar-se conforme a medida da revelação, de Deus mesmo" (Cardeal Ratzinger, O espírito da liturgia, in Obras completas, vol. XI, Biblioteca de Autores Cristianos, Madrid, 2012, p. 9). 





No rito Tridentino, antes do sacerdote rezar a coleta ele beija o altar, saúda os fiéis e os convida a rezar, dizendo: "Oremus". Isto mostra, por si só, a importância da coleta na liturgia. Esta saudação tem o valor de chamar a atenção dos fiéis para algo importante que se seguirá. O sacerdote convida todos os que estão presentes para prestar atenção à oração que ele rezará em nome de todos. Ao rezá-la o sacerdote adota a posição normal do orante: de pé, com os braços abertos e olhando para o Oriente, juntamente com os fiéis, onde o sol nasce. 





"A direção comum para o oriente não era celebração 'de frente para a parede', não significava que o sacerdote 'desse as costas ao povo', não se dava tanta importância ao sacerdote [nota nossa: no sentido daquilo que o mesmo Cardeal Ratzinger dissera algumas linhas antes, na mesma página: "Agora o sacerdote - o presidente da celebração, como doravante é tratado - se converte no verdadeiro ponto de referência do conjunto..."]. Assim como na sinagoga todos olhavam para Jerusalém, assim aqui todos olham para o Senhor" (Cardeal Ratzinger, O espírito da liturgia, in Obras completas, vol. XI, Biblioteca de Autores Cristianos, Madrid, 2012, p. 46). 




Também, no rito Tridentino, o sacerdote junta as mãos quando diz, para concluir a oração, "Per Dominum nostrum Iesus Christum...", no momento mesmo em que diz o nome de Jesus. Não sabemos o motivo desta mudança de postura. Se os padres o fazem, como já dissemos, é porque simplesmente recebem o que lhes foi transmitido. Porém, é possível que este gesto de unir as duas mãos aos se falar o nome de Jesus simbolize que em Jesus estão unidas as duas naturezas, divina e humana, na única pessoa do Verbo. Até o século X não se dizia mais que uma coleta em Roma. Algum tempo antes os francos começaram o costume de rezar várias. Um erudito da época, Amalário, escreveu contra esta multiplicação de orações, dizendo que ia contra o costume de Roma. Porém o movimento introduzido não pode ser parado. O número de orações cresceu, mas sempre foi limitado a um número ímpar. O argumento era que, parafraseando Virgílio (Eglog. VIII, 75), "numero Deus impari gaudet" - Deus se alegra com o número ímpar (reporta a Trindade). Evidentemente esta afirmação não deve ser tomada de modo primário e infantil, como se as pessoas da Antiguidade e da Idade Média fossem superficiais. Esta afirmação de Virgílio, graciosa no modo como é expressa, possui implícita vários princípios filosóficos importantes  cuja explicação fugiria do propósito deste artigo, mas que se os nosso leitores acharem oportuno, podemos posteriormente tratar do mesmo.





Uma pergunta que todo católico precisa saber responder: "Por que sempre há um crucifixo nos altares?"








No centro da ação litúrgica da Igreja, está Cristo e seu mistério pascal! Portanto, a celebração litúrgica deve tornar evidente esta verdade teológica! E, desde quase sempre, o símbolo escolhido pela Igreja para a orientação do coração e da mente do cristão durante a missa ou a liturgia é a representação de Jesus crucificado. O crucifixo é o principal elemento sobre o altar, porque a missa é o santo sacrifício, memorial da paixão, morte e ressurreição do Senhor. Antigamente, a liturgia prescrevia o costume de que tanto o sacerdote quanto os fiéis se posicionassem na direção do crucifixo durante a missa. O crucifixo era colocado no centro do altar (que naquela época ficava ligado à parede). Isso nos dá a entender a centralidade do crucifixo na celebração do culto divino, e era muito mais destacado no passado. De fato, a presença da cruz na celebração da missa está certificada desde o século V. O crucifixo fica sobre o altar para recordar à assembleia e ao ministro celebrante que a vítima que se oferece sobre o altar é a mesma que se ofereceu na cruz. Portanto, nunca podemos perder de vista que a missa é um sacrifício – aspecto este que pode se perder quando a celebração se converte em uma festa que só leva em consideração a ressurreição do Senhor, esquecendo-se do seu sacrifício expiatório. Não podemos nos esquecer de que não há ressurreição sem cruz. O crucifixo no centro do altar nos indica que o sacerdote celebra a missa frente a Deus, e não como um protagonista diante do povo. A cruz tira o protagonismo do padre e o dá a Cristo; assim, tanto fiéis como sacerdotes vivem a missa olhando para Deus. A liturgia não é um diálogo entre sacerdote e assembleia. Sacerdote e povo não dirigem um ao outro sua oração, senão que, juntos, a dirigem ao único Senhor. Olhar para o crucifixo é uma oportunidade para caminhar com o olhar dirigido a Jesus. O crucifixo sempre deve estar sobre o altar, salvo duas exceções: quando o Santíssimo Sacramento é exposto na custódia e quando a crucificação é a imagem central da pintura ou retábulo atrás do altar. Alguns poderiam dizer que a cruz no centro do altar não deve ser permitida, pois impede a visão dos fiéis. Mas, na verdade, a cruz sobre o altar não é um obstáculo, e sim um ponto de referência comum!












*Francisco José Barros Araújo – Bacharel em Teologia pela Faculdade Católica do RN, conforme diploma Nº 31.636 do Processo Nº  003/17





.............................................

 

 




APOSTOLADO BERAKASH - A serviço da Verdade: A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. As notícias publicadas nesta página são repostadas a partir de fontes diferentes, e transcritas tal qual apresentadas em sua origem. Este blog não se responsabiliza e nem compactua com opiniões ou erros publicados nos textos originais. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com as fontes originais para as devidas correções, ou faça suas observações (com fontes) nos comentários abaixo para o devido esclarecimento aos internautas.Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar de alguma forma:

 

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com


Curta este artigo :

Postar um comentário

Todos os comentários publicados não significam a adesão às ideias nelas contidas por parte deste apostolado, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados. Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

TOTAL DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

ANUNCIE AQUI! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com

SÓ FALTA VOCÊ! Contato:filhodedeusshalom@gmail.com
 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger