A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , » Lava Jato: Erros e acertos – Quem ganha e quem perde com seu fim?

Lava Jato: Erros e acertos – Quem ganha e quem perde com seu fim?

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 23 de setembro de 2021 | 09:57

 


 

Acabou!!! A força-tarefa Operação Lava Jato do Paraná, criada para apurar as denúncias de corrupção na Petrobras e que ditou os rumos do país ao longo de sete anos, foi dissolvida pela Procuradoria-Geral da República (PGR), passando a integrar o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Federal (MPF). Acusada de parcialidade e de adesão ao bolsonarismo, a Lava Jato chega a um fim melancólico, sem pessoas ocupando as ruas ou batendo panelas em protesto. Aquele imenso apoio público, que funcionou como motor da operação, se dispersou. Está nas mãos do Supremo Tribunal Federal (STF) decidir qual será, agora, o legado da Lava Jato e como ela entrará para os livros de história.

 

 

 

O Legado da Lava Jato


 

 


 

Na nota em que anuncia o fim da força-tarefa da Lava Jato, o MPF do Paraná listou o que considera ser o legado da operação:

 

 

-Até o fim de janeiro, explica o organismo, foram 79 fases.

 

 

-1.450 mandados de busca e apreensão.

 

 

-211 conduções coercitivas.

 

 

-132 mandados de prisão preventiva e 163 de temporária, sendo colhidos materiais e provas que embasaram 130 denúncias contra 533 acusados, gerando 278 condenações (sendo 174 nomes únicos) chegando a um total de 2.611 anos de pena.

 

 

-O MPF também menciona 38 ações civis públicas, incluindo ações de improbidade administrativa contra três partidos políticos (PSB, MDB e PP) e um termo de ajuste de conduta firmado, além de 735 pedidos de cooperação internacional.

 

 

-Ainda de acordo com o organismo, mais de 4,3 bilhões de reais já foram devolvidos por meio de 209 acordos de colaboração e 17 acordos de leniência, nos quais se ajustou a devolução de quase 15 bilhões de reais. Do valor recuperado, três bilhões foram destinados à Petrobras e 416,5 milhões aos cofres da União.

 

 

 

 

O legado da Força-Tarefa Lava Jato é inegável e louvável considerando os avanços que tivemos em discutir temas tão importantes e caros à sociedade brasileira, afirmou Alessandro José de Oliveira, que comandava a força-tarefa e, agora, coordenará as investigações no Gaeco. Porém, ainda há muito trabalho que, nos sendo permitido, oportunizará que a luta de combate à corrupção seja efetivamente revertida em prol da sociedade, afirmou.

 

 

A partir de 2019, a Lava Jato sofreu uma série de reveses

 

 


 

A força-tarefa de Curitiba teve de compartilhar todos os seus dados de investigação com a Procuradoria-Geral da República, e passou a ter cada vez menos respaldo logístico dentro da instituição. As investigações e ações envolvendo crimes eleitorais passaram a ser julgadas, nos termos do Código de Processo Penal, pela Justiça Eleitoral. Isso fez com que todas as investigações envolvendo doações de campanha saíssem das mãos da Justiça Federal e, portanto, da Lava Jato. Foram anuladas algumas das condenações nas quais Moro não havia reconhecido a garantia adequada de ampla defesa a réus delatados. O Supremo chegou a reconhecer a parcialidade de Moro ao juntar a delação de Palocci ao processo de Lula.

 

 

 

A Lava Jato que morreu é aquela que se notabilizou por estabelecer um clima de frenesi incessante: a qualquer dia ou hora, alguém importante poderia sofrer uma busca e apreensão ou ser preso preventivamente. Esse foi o método – conscientemente escolhido – pelo qual a operação conquistou o imaginário social: o senso de impunidade das pessoas mais poderosas foi profundamente abalado. A força da Lava Jato se intensificou na esperança de que os detentores de amplo poder político ou financeiro não estivessem mais acima da lei; uma façanha que só poderia ser realizada por um grupo de pessoas sem vínculos com esses poderosos.

 

 

No entanto, supõe-se que o golpe mais pesado contra a Lava Jato foi desferido por seus próprios membros!

 

 


Em junho de 2019, o site diga-se de passagem, suspeito, com interesses escusos e ideologizado, The Intercept Brasil passou a divulgar mensagens privadas trocadas por membros da força-tarefa de Curitiba, com especial destaque para diálogos entre Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol. Em alguns desses diálogos, agentes da acusação acertavam detalhes para deflagrar atos de investigação. Em outros momentos, Moro dava diretrizes diretas à equipe ou reclamava de decisões tomadas pelos procuradores (como recorrer em determinadas ações). A sequência de mensagens foi chamada de “Vaza Jato”. A repercussão foi intensa e perene. Comprovada a veracidade do conteúdo, seria quase impossível defender, na esfera pública, a imparcialidade de Moro à frente da operação.




A defesa da conduta do ex-juiz precisou se arvorar no conceito de que os fins justificam os meios, ou que a excepcionalidade dos crimes e dos réus demandava a flexibilização das exigências legais de imparcialidade.

 

 

 

Há algo de profundamente ambíguo nesse julgamento sobre a suspeição de Moro:

 



 


A Lava Jato defrontou o Brasil com a desigualdade na aplicação da lei, colocando pessoas que antes estavam acima da Justiça na mesma situação dos invisíveis e demonizados que se viam abaixo dela. A operação nos apresentou a promessa de cumprir a lei punindo poderosos, mesmo que, para isso, tenha violado garantias de investigados e réus ao longo do caminho. Nisso, a Lava Jato e o STF foram parceiros: fizeram sua parte para que o devido processo legal fosse tratado no debate público.

 

 

 

Em parte é uma oportunidade de reafirmar a relevância do devido processo legal e reafirmar que o combate à corrupção, quando feito com justiçamento, traz mais malefícios do que benefícios a longo prazo.

 

 

É uma oportunidade para reafirmar o “pacto civilizatório” segundo o qual o modo pelo qual a punição é alcançada importa tanto quanto o resultado.

 

 

O tempo que estamos vivendo parece sombrio. Não só na ordem social, política e econômica. Mas também na civilizatória!





O que torna o ser humano um ser social? A lei. O homem das cavernas só conhecia uma lei: a da natureza, a lei do mais forte. Se um outro tem a comida, o fogo, a fêmea que eu quero e sou mais forte vou eliminá-lo e me apossar do que quero. Mas há um problema aí: se o outro for mais forte que eu, serei eu o eliminado. O pacto civilizatório se dá em torno de um consenso: eu tenho que abrir mão de algumas coisas que quero desde que o outro também o faça. Serei protegido por um grande pai, por uma lei, por uma regra. Preciso abdicar da realização de alguns desejos, mas em troca tenho uma "proteção". 




A eficácia desse “acordo” tem variado muito ao longo dos tempos e dos lugares - A  afirmação, “todos são iguais perante a lei” nunca foi de fato realizada!




Mas há gradações desse respeito em cada lugar e época. Embora parcelas da camada menos favorecida, em certos lugares, tenham tido um período de ascensão, ou de expectativa disso, para muitos veio a desilusão. O pacto civilizatório, segundo o qual troco a realização de determinados desejos pela segurança da proteção está rompido. Esse pacto que começa a se estruturar  e se estabelecer ao longo da vida, quando a criancinha troca o prazer de fazer cocô onde quer pelo outro prazer de agradar mamãe ao fazê-lo no peniquinho, do adolescente que, embora esteja furioso, não vai bater no pai ou na mãe porque os ama e quer também, ser amado e protegido. Esse pacto está sendo rompido socialmente. A família menos favorecida já não pode dar a proteção necessária. Pior é quando se vai para o âmbito social. Educação, saúde, proteção do ambiente, delinquência, amparo na velhice, clareza de regras no mundo econômico – quem se sente seguro no Brasil de hoje? O que esse desamparo, esse medo, essa impotência geram? Raiva, angústia, busca de culpados e de grandes "salvadores da Pátria", quer seja de direita ou esquerda, que expressem sem limitações esse ódio e nos motivem a fazer o mesmo.

 

 



É uma oportunidade de declarar a relevância de não sacrificarmos a aplicação das regras da nossa comunidade política em nome de alguma necessidade conjuntural qualquer. Porém, supor que esse será um grande momento de virada soa ingênuo. Possivelmente será apenas um momento de derrota para a Lava Jato e um retorno ao, digamos, “velho normal.


 


 


O trem da impunidade voltou – Ebaaaa! (sqn)

 

 

 

Em 2017, procurador federal Paulo Roberto Galvão, que integrou a força-tarefa do Ministério Público na Lava jato, já dizia que o Brasil perde anualmente cerca de R$ 200 bilhões com esquemas de corrupção. Infelizmente, a operação Lava Jato, que representou o maior banho de justiça visto no Brasil, hoje, depois de muitos ataques, não passa de um sonho de verão.Com a sinalização enviada pelo Supremo Tribunal Federal, de que a impunidade estaria de volta, autoridades de todas instâncias perderam a vergonha e voltaram a suas antigas práticas.



Produto recente destas decisões equivocadas tem nome, chama-se COVID-19

 

 


 

Roubar e deixar roubar, já não é tão perigoso assim, afinal, nossa corte constitucional trabalha favorecendo antigas práticas e nosso estado paquidérmico, ineficiente e corrupto mostra sua cara na gestão da Pandemia.O enredo não é uma ficção, com a desculpa de "salvando vidas" assistimos a toda sorte de malandragem, de máscaras custando 20 vezes mais, ao sumiço das vacinas, dia após dia, passamos vergonha no noticiário, e as verbas distribuídas ao custo de muito endividamento já visitam, cuecas e malas das ratazanas de plantão.

 

 

 

Sim, ao certo não faltou dinheiro!

 

 

Abastecidos com verbas generosas desde o início da crise, os Estados e Municípios que deveriam estruturar sistemas de saúde, modernizando toda rede para o enfrentamento dos desafios da Pandemia, não entregaram, em sua maioria, nada que foi proposto. As desculpas não existem, já que não houve restrições nem economias, os insumos poderiam ser comprados com superfaturamento sem critério, e ainda com salvo conduto de legislações lenientes, afinal, vidas deveriam ser salvas.

 

 

Atônitos, descobrimos que não foi isso que aconteceu!

 

 

Cadê o dinheiro que estava aqui? Ninguém sabe, ninguém viu, ao que tudo indica, só veio a nota fiscal, e a reestruturação do sistema de saúde dos estados, vai ficar para a próxima. A coisa toda é muito complexa, pois contar mortos ao final do dia, é o premio diário da torcida organizada do Coronavírus. E assim, a dobradinha guerra política x impunidade, prosperou, e fizeram germinar uma das maiores vergonhas da nossa historia recente.

 

 

 

Isso tudo é o retrato do fracasso civilizatório de nossa sociedade brasileira!

 

 

 

Imagine uma pessoa numa casa no bosque com seus filhos. Ela intui que há um perigo lá fora mas acha que não pode fazer nada em relação a ele. Então o ignora. Só que ele está lá, e pode atacar a qualquer momento. Talvez sozinha não possa fazer nada realmente. Mas se se unir a outros, se puderem detectar onde está a ameaça talvez possam desenvolver recursos para enfrentá-la. As redes sociais como poder paralelo popular ao meio informativo “oficoso”, tem tido um papel importante nesse movimento. A sociedade civil vem começando a se estruturar muito lentamente.

 


Cada um de nós pode acender uma pequena lanterna nessas sombras. Conversando com pessoas próximas, refletindo, partilhando, esclarecendo e motivando. Teremos supostamente ELEIÇÕES LIMPAS E SEM FRAUDES em 2022. Queremos que essa situação continue?

 

 

Deve-se reconhecer, na Constituição de 1988, um pacto social, econômico, político e jurídico suscetível de dar instrumentos ao desenvolvimento brasileiro. Mas não se deve deixar de criticar o que, na prática, continua a restar fora dessa moldura, impossibilitando que se alcance a dignidade da pessoa humana, e suas liberdades, norma-fim da Carta Política. Basta-nos continuar a perseguir os ideais que a Constituição Federal, naquelas "quatro linhas básicas", nos assegura!

 

 


 


BIBLIOGRAFIA:

 

 

-https://piaui.folha.uol.com.br/394859-2/

 

 

-https://brasil.elpais.com/brasil/2021-02-04/lava-jato-sai-de-cena-sob-um-brasil-em-silencio.html

 

 

-https://administradores.com.br/artigos/a-falta-de-oxig%C3%AAnio-e-o-pacto-civilizat%C3%B3rio-que-n%C3%A3o-aconteceu-1

 

 

-https://ninguemcrescesozinho.com.br/2019/08/26/por-que-educacao-e-fundamental-nos-tempos-atuais/

 


------------------------------------------------------

 

 

APOSTOLADO BERAKASHComo você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger