A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Que o louvor não saia de nossos lábios, pois existe um louvor que só se dar na cruz

Que o louvor não saia de nossos lábios, pois existe um louvor que só se dar na cruz

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 28 de novembro de 2018 | 21:15





Gálatas 6,14: “Se eu tiver de gloriar-me, que eu me glorie senão, na cruz de Cristo."


A igreja nossa mãe e mestra nos diz: “É nosso dever e salvação darmos graças em todo tempo e lugar” – Moysés o fundador da Comunidade Católica Shalom exorta sempre: “Que o louvor não saia de nossos lábios!”





O louvor é a proclamação das virtudes divinas por meio de nossas vozes e da música. Todo nosso ser é uma expressão de e para o louvor”. O louvor é a exaltação que os anjos e os homens remidos e alcançados pelo amor de Deus prestam a Ele em gratidão. O louvor a Deus é o propósito para o qual todas as coisas foram criadas (Efésios 1,11). O universo inteiro celebra louvor ao Deus criador. Na consumação dos séculos, quando as cortinas da história se fecharem, todos os seres viventes no céu, na terra e debaixo da terra renderão louvor ao Deus soberano e ao Cordeiro que foi morto, mas está vivo pelo século dos séculos.




O louvor é uma ordenança divina ao seu povo. O louvor deve ser oferecido a Deus com alegria e no poder do Espírito, que se torna brasa viva. O louvor deve ser motivado por Deus, oferecido a Deus, e de acordo com a Palavra de Deus. Deus habita no meio dos louvores (Sl22,3), e fica-lhe bem o cântico de louvor. O trono de Deus está cercado do louvor dos serafins. O céu será para sempre o palco da mais excelsa manifestação de louvor dos remidos. O louvor, desde agora, porém, já traz para nós a libertação, entusiasmo, restauração, cura, além, de produzir o impacto de rendição no coração dos pecadores, levando-os a confiar no Senhor. Contudo, é preciso ressaltar que não é o louvor em si mesmo que liberta, é Deus quem liberta através do louvor. O louvor é apenas o instrumento, Deus é quem é o agente libertador. A cura não vem da terra, mas do céu; não é obra do homem, é operação de Deus. Quando Judá, no reinado de Josafá, foi ameaçado por inimigos insolentes, em vez de reforçar seus recursos bélicos, começou a cantar e a dar louvores a Deus. O resultado é que o inimigo foi desbaratado. Porém, não foi o louvor que derrotou o inimigo, mas Deus através do louvor. O louvor confiante aciona a mão do Deus onipotente. Quando Paulo e Silas estavam presos em Filipos, à meia noite cantaram louvores a Deus e, um terremoto abalou a cadeia e abriu as portas da prisão. O terremoto não foi produzido pelo louvor, mas por Deus através do louvor. O louvor demonstra uma confiança inabalável no Deus que age miraculosamente, a despeito das circunstâncias adversas. O louvor toma posse das graças antecipadamente, como Maria fez nas bodas de Caná, confiando na ação de seu filho antecipadamente. O louvor é o brado de triunfo não apenas depois da conquista, mas no próprio fragor da luta, aquilo que no Shalom, nós chamamos de louvor de combate, pois o louvor comunitário embora aconteça na terra, seus resultados vêm do céu; embora flua dos lábios dos santos, dos anjos e dos remidos, seus efeitos jorram do trono de Deus. Ao afirmarmos que não é o louvor que liberta, mas Deus que liberta através do louvor, não estamos subestimando o louvor, mas dando toda a glória a Deus!


Não é simplesmente o louvor que liberta por si mesmo, mas é Deus que opera e liberta através do louvor. Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus o sacrifício de louvor, isto é, O FRUTO dos lábios que apesar de todas as circunstâncias, o louvam por aquilo que Ele, é, por aquilo que Ele fez, e por aquilo que Ele ainda nos fará, pois Deus não abandona incompleto a obra de suas mãos (Salmo 8).Repare que o louvor é o fruto ou consequência, não a causa da bênção, ou consolação divina:

Isa 25,1 O SENHOR, tu és o meu Deus; exaltar-te-ei, e louvarei o teu nome, porque fizeste maravilhas!

Sl 139,14 Eu te louvarei, porque de um modo assombroso, e tão maravilhoso fui feito; maravilhosas são as tuas obras!

Sl 138,2 Inclinar-me-ei para o teu santo templo, e louvarei o teu nome pela tua benignidade, e pela tua verdade!

Sl 118,29 Louvai ao SENHOR, porque ele é bom; porque a sua benignidade dura para sempre!

Sl 59,16 Eu, porém, cantarei a tua força; pela manhã louvarei com alegria a tua misericórdia; porquanto tu foste o meu alto refúgio, e proteção no dia da minha angústia!

Eclesiastes9, 1-2: Sim! Refleti sobre todos esses temas e cheguei à conclusão de que os justos e os sábios, e as obras de suas mãos, estão sob o controle total de Deus. O que os aguarda, seja amor ou ódio, ninguém pode saber. Assim, todos caminham rumo a um mesmo destino, tanto o justo quanto o ímpio, o bom e o mau, o puro e o impuro, o que consagra sacrifícios e louvores, e o que não os oferece...


Veja que em todas estas passagens (e muitas outras) o louvor é o fruto de lábios que reconhecem a Deus pelo que ele é ou por algo que tenha feito. Nunca é uma forma de buscar o favor de Deus, porque se assim o fosse já não seria louvor, seria oração. Quando oramos pedimos a Deus por libertação, cura, suprimento das necessidades etc. Quando louvamos reconhecemos e damos a Deus o crédito por todo o que Ele é, fez e ainda fará. Basta ler a primeira vez em que aparece um cântico de louvor na Bíblia em Êxodo 15,1-21:



“Então cantou Moisés e os filhos de Israel este cântico ao SENHOR, e falaram, dizendo: Cantarei ao SENHOR, porque gloriosamente triunfou; lançou no mar o cavalo e o seu cavaleiro.O Senhor é a minha força, e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus, portanto lhe farei uma habitação; ele é o Deus de meu pai, por isso o exaltarei.O Senhor é homem de guerra; o Senhor é o seu nome.Lançou no mar os carros de Faraó e o seu exército; e os seus escolhidos príncipes afogaram-se no Mar Vermelho.Os abismos os cobriram; desceram às profundezas como pedra.A tua destra, óSenhor, se tem glorificado em poder, a tua destra, ó Senhor, tem despedaçado o inimigo;E com a grandeza da tua excelência derrubaste aos que se levantaram contra ti; enviaste o teu furor, que os consumiu como o restolho.E com o sopro de tuas narinas amontoaram-se as águas, as correntes pararam como montão; os abismos coalharam-se no coração do mar.O inimigo dizia: Perseguirei, alcançarei, repartirei os despojos; fartar-se-á a minha alma deles, arrancarei a minha espada, a minha mão os destruirá.Sopraste com o teu vento, o mar os cobriu; afundaram-se como chumbo em veementes águas.Ó Senhor, quem é como tu entre os deuses? Quem é como tu glorificado em santidade, admirável em louvores, realizando maravilhas?Estendeste a tua mão direita; a terra os tragou.Tu, com a tua beneficência, guiaste a este povo, que salvaste; com a tua força o levaste à habitação da tua santidade.Os povos o ouviram, eles estremeceram, uma dor apoderou-se dos habitantes da Filístia.Então os príncipes de Edom se pasmaram; dos poderosos dos moabitas apoderou-se um tremor; derreteram-se todos os habitantes de Canaã.Espanto e pavor caiu sobre eles; pela grandeza do teu braço emudeceram como pedra; até que o teu povo houvesse passado, ó Senhor, até que passasse este povo que adquiriste.Tu os introduzirás, e os plantarás no monte da tua herança, no lugar que tu, ó Senhor, aparelhaste para a tua habitação, no santuário, ó Senhor, que as tuas mãos estabeleceram.O Senhor reinará eterna e perpetuamente;Porque os cavalos de Faraó, com os seus carros e com os seus cavaleiros, entraram no mar, e o Senhor fez tornar as águas do mar sobre eles; mas os filhos de Israel passaram em seco pelo meio do mar.Então Miriã, a profetisa, a irmã de Arão, tomou o tamboril na sua mão, e todas as mulheres saíram atrás dela com tamboris e com danças.E Miriã lhes respondia: Cantai ao Senhor, porque gloriosamente triunfou; e lançou no mar o cavalo com o seu cavaleiro !!!”



Por tudo isto, entendemos que o louvor é uma expressão de gratidão, não uma forma de se obter benefícios como pregam as seitas, de onde se louva a Deus e saem vazios, como costumamos dizer: “entram secos e saem rachados”, pois se cumpre aquilo que Jesus disse:


Mateus 15,7-9: “Hipócritas! Bem profetizou Isaías sobre vós, denunciando: Este povo me honra com os lábios, mas seu coração está longe de mim. Em vão me adoram; pois ensinam doutrinas que não passam de regras criadas por homens...”



SALMO 46,1-5

“Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.Portanto não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares.Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza.

Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário da morada do Altíssimo.Deus está no meio dela; não se abalará. Deus a ajudará, já ao romper da manhã...”

O Salmo 46, um cântico endereçado ao mestre de canto, e que nos ensina algo maravilhoso sobre a adoração que prestamos a Deus. O cântico descrito no Salmo 46 pode ser dividido em 2 partes que nos revelam um único ensinamento: O foco da nossa adoração deve ser Deus, mas por que?




1)- Em primeiro lugar, porque Deus é:




Deus é o nosso refúgio, Deus é a nossa fortaleza e Deus é o nosso socorro sempre presente nas tribulações. Ainda que tudo ao redor possa dizer o contrário, ainda que a minha vida esteja mergulhada na mais profunda angústia e escuridão, será que eu acredito sem sombra de dúvidas, que Deus é o meu socorro e o motivo central do meu louvor e da minha adoração? Para minha adoração fazer sentido, eu preciso crer e confiar que Deus é tudo aquilo que Ele diz que é em Sua Palavra:




“O amor (Deus), é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta, tudo perdoa...”(I Cor13,4-7)





2)-Em Segundo lugar, Deus sempre está...



“...Deus está no meio dela; jamais será abalada; Deus a ajudará desde a manhã. Bramam nações, reinos se abalam; Ele faz ouvir a sua voz, e a terra se dissolve. O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio...” (Salmo 46,5-6).



Depois do salmista no Salmo 46, nos dizer que Deus é, agora ele vai nos ensinar que Deus está. Deus está conosco. Deus está presente, e essa convicção deve motivar o nosso coração a adorá-lo. Deus não se ausenta, ainda que Ele se cale, ou não percebamos sua presença. Deus sempre está. Por isso Ele é Deus, e deve ser o foco da nossa adoração, de nosso louvor e de nossa vida. Por último, o salmista termina o salmo nos convidando para contemplar e a adorar a esse Deus que é o nosso refúgio e fortaleza, e que está sempre presente:



“Vinde, contemplai as obras do SENHOR ...Aquietai-vos e sabei que Eu sou Deus; sou exaltado entre as nações, sou exaltado na terra. O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio...” (Salmo 46,8-11).


Deus não precisa de nossa adoração e louvor, pois nada do que fazemos lhe diminui ou lhe acrescenta algo à sua grandeza. A Adoração é o resultado daquele que ama a Deus verdadeiramente. Toda ação corresponde a uma reação. Se temos amor verdadeiro a Deus, a adoração é a uma reação natural a este amor. Paulo disse isto a este respeito:


“[Deus] Nem é servido por mãos humanas como se de alguma coisa precisasse” (At 17,25).


Isto não é admirável? Deus não precisa de meu mísero louvor e de minha imperfeita adoração. E certamente não precisa de mim para muitas outras coisas. Ele não precisa de nossos louvores para ser plenamente perfeito e feliz como Ele já é na eternidade. Não podemos pensar assim, como se Deus ansiasse chegar o Domingo pensando com Ele mesmo:




“Mal posso esperar até domingo, quando meu povo vai vir a missa e ao culto para me escutar, me louvar, adorar e bendizer-me mais intensamente, pois estou me sentindo tão sozinho...Preciso ser mais estimulado e motivado pelo louvor, adoração e elogios a mim, senão, não vou suportar esta tristeza e solidão que estou sentindo...”





Ele não precisa de nossa adoração. Não precisa de nosso dinheiro. Deus simplesmente não precisa de nós para nada. Na eternidade, antes de ter nos criado, bem como aos anjos, ou qualquer outra coisa, Deus já estava lá; e Ele era totalmente cheio de gozo, plenitude e perfeição infinita. Mesmo antes de qualquer coisa criada, Ela já era um Deus amoroso, porque na unicidade e perfeição da trindade divina, o Pai já amava o Filho e o Espírito reciprocamente, e se doavam plenamente neste mesmo Espírito Santo. Deus não criou os homens porque estava sozinho, ou se sentindo triste. O fato de Deus não precisar de nós, não significa que Ele não nos corresponda, que não se deleite em nós, que não se satisfaça em nós. Ele nos corresponde, mas faz isso não motivado por alguma necessidade intrínseca em seu ser, ou caráter, e sim por total determinação de suas perfeições e de sua livre e soberana vontade. Como cristão, temos que ter consciência disso, de que Deus não precisa da nossa adoração ou do nosso louvor, e que em nada essa devoção mudará quem Ele é, mas como Senhor, Ele apenas permite tal ato em nosso favor, porque somos os maiores beneficiados, e não Ele.




Mas se Deus é Deus, e não precisa de nossa adoração, porque então o louvamos? 


A resposta é muito simples: Como criador do universo, sustentador, e verdadeiro Salvador, Ele não precisa que seres humanos o adorem, mesmo que sejam seus filhos. Ele é sublime e excelso, e tudo o que fizermos não chegará nem perto de quem Ele é, e em nada o deixará mais forte, poderoso, justo e amoroso, mas por nos amar tanto, Ele se permite, pois sabe que fará bem para nós mesmos. Ele permite que o adoremos, pois sabe da nossa necessidade, pois só através dessa comunhão, podemos entender a sua vontade, os propósitos e direções do Espírito Santo em nossas vidas. Ou seja, o Senhor nos ama tanto que quer gerar relacionamento com Ele através do nosso louvor, oração e adoração humana, imperfeita, pois jamais será plenamente digna d’Ele.



Louvamos ao Senhor, pois sem nossa fonte de água viva não teríamos vida, viveríamos um dia após o outro em uma vida sem sentido, sem amor verdadeiro, e principalmente, sem a esperança da salvação. É por tudo isto que o adoramos, não porque Ele precise, mas porque nós precisamos d’Ele. Estar na presença de um Deus que é Abba (Pai), é permitir que Ele se relacione conosco pessoalmente. O nosso Deus é um Deus vivo, e não um deus mitológico da Grécia antiga que precisa de louvores, e sacrifícios para ficar calminho. Ele não é um homem que precisa de fãs e prestígio para ser popular. Ele é absoluto e supremo; permite o nosso louvor e nossa imperfeita adoração, e nos instrui para isto, para que possamos permanecer n’Ele, e para que Ele permaneça sempre em nós.





Deus é o OUTRO por excelência, ao qual devemos direcionar todo nosso amor, louvor e adoração, porém, ainda neste plano terreno, somos convidados pelo próprio Deus a olhar para os outros ao nosso redor e dar-lhes o nosso amor. Porém, na eternidade, nos juntaremos com todos os anjos e santos, e nos voltaremos para aquele OUTRO definitivo, que é o próprio Deus, quando  nosso louvor e adoração adquirirão significação plena de sentido. Deus é o motivo do nosso louvor; Ele é o centro de nossa adoração. Ele é o grande EU SOU. Diante d’Ele nós só podemos nos prostrar em adoração, nos silenciar e reconhecer que Ele é o nosso refúgio, a nossa fortaleza, o nosso Socorro, e que Ele está sempre presente e disposto a nos socorrer. Ele é Deus, exaltado entre as nações, exaltado na terra, nos céus e infernos, e deve ser exaltado também, em nossas vidas. Diante da grandeza e da majestade desse Deus, resta-nos apenas adorá-lo em todo tempo e lugar, por tudo que Ele é, fez, faz e ainda fará, mesmo que as circunstâncias pareçam contrarias e não tenhamos motivos aparentes para adorar e louvar. Deus é o sentido, o motivo e a razão da nossa adoração e louvor por todos os séculos dos séculos.



“Dar-te-ei graças, Senhor, Deus meu, de todo o coração, e glorificarei para sempre o teu nome...” (Salmo 86,12).


Apostolado Berakash

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger