A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Eu não sou hipócrita – Hipócrita são os outros...será mesmo?

Eu não sou hipócrita – Hipócrita são os outros...será mesmo?

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 26 de janeiro de 2021 | 09:31



“Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão” (Mateus 7,1-5)

 

 

Nosso querido, venerável e saudoso Padre Leo, em uma de suas últimas aparições, partilhava com seus irmãos e membros da Comunidade Betânia, a realidade da vida comunitária, que tem suas graças e desafios próprios. Com muita verdade e humildade, tanto padre Leo como os membros partilhavam esta realidade, alguns chegando mesmo a dizer em lágrimas que existia uma enorme diferença entre o padre Leo dos palcos e pregações e o padre Leo humano, limitado e pecador do dia a dia. Padre Leo confessava também, e de certa forma até se redimindo e se desculpando por muitas vezes ter tornado difícil a vida comunitária. Até que a certa altura a conversa descambou para o tema da hipocrisia. E padre Leo falou com a sabedoria do alto dizendo:



“Quem não tem hipocrisias, não precisa mais se confessar, pois o que se dar neste sacramento por parte do confidente, se não a confissão de suas incoerências? E o que são nossas incoerências se não a manifestação descarada de nossas hipocrisias? Portanto, se você se confessa regularmente, é porque você reconhece suas hipocrisias..."




 

Por fim, padre Leo a certa altura da conversa faz este desabafo em forma de uma humilde confissão pública:

 

“Eu, este padre miserável e pecador, mesmo que por meus atos, palavras, omissões e contra testemunhos, feri e magoei alguém, e que por estas incoerências eu mereça o inferno, mas se os que eu feri ganhem o Céu, morro alegre e feliz por ter a certeza de que quem está no céu perdoa a todos que o feriram, pois no céu só entra santos provados e purificados, e lá não há lugar para mágoas e ressentimentos...”

 

 


Ora, a hipocrisia humana não pode ser usada como justificativa para ilicitudes e muito menos para minimizar a gravidade do aborto provocado. Além de que, contrariando o padre Roger, Cristo disse: "Deixai vir a mim as criancinhas, NÃO IMPEÇAIS..." e ainda: O que fizeres a um menor destes pequeninos, é a mim que o fazeis..."O aborto provocado é um impeditivo, portanto, usar o argumento de que Jesus condenou a hipocrisia e não o aborto, além de colocar o aborto como algo banal e inferior a hipocrisia, é querer justificar outras coisas as quais Jesus não falou, ou condenou explicitamente mas que os apóstolos, os santos e a Igreja se manifestaram, seria legitimar o abuso de mulheres e crianças, coisas que Jesus também, não falou explicitamente. E já me antecipando em responder a aqueles que dizem:

 

“Uma coisa é o que Cristo falou, outra é o que os apóstolos e magistério da Igreja determinaram ao longo da história da Igreja”.

 



Bom, quando Paulo (ainda Saulo) perseguia a Igreja, o próprio Jesus ao qual Paulo não conhecia e não era o alvo de sua perseguição, Jesus se identifica com esta Igreja e pessoas que Paulo perseguia dizendo:

 

 

 

“E Saulo, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote. E pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, se encontrasse alguns deste Caminho, quer homens quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém. E, indo no caminho, aconteceu que, chegando perto de Damasco, subitamente o cercou um resplendor de luz do céu. E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues...  (Atos 9,1-5)



Desde que foi promulgado, o Concílio Vaticano II tem suscitado dois tipos de hermenêuticas:

 

 

1ª)-A de continuidade, na qual ele é lido em consonância com os concílios que o precederam, não propondo uma "nova" Igreja, mas reforçando o que sempre fora ensinado, trazendo apenas uma nova roupagem de modo a atingir o homem hodierno.

 

 

2ª)-E a de ruptura, cujo nome já diz, propõe uma Igreja "pós-conciliar", que rompe com o que sempre foi ensinado por ela.

 

 

 

O Papa Bento XVI propõe a hermenêutica da continuidade, que nada mais é do que interpretar o Concílio numa continuidade eclesial e integral, desde Niceia até o Vaticano II para dele auferir seus verdadeiros frutos.

 

 

No ano 2011, o Papa Bento XVI publicou a constituição apostólica Porta fidei, lançando o Ano da Fé, na qual relembrou a hermenêutica da continuidade, dizendo:

 

 

 

"Sob alguns aspectos, o meu venerado Predecessor viu este Ano como uma «consequência e exigência pós-conciliar», bem ciente das graves dificuldades daquele tempo sobretudo no que se referia à profissão da verdadeira fé e da sua reta interpretação. Pareceu-me que fazer coincidir o início do Ano da Fé com o cinquentenário da abertura do Concílio Vaticano II poderia ser uma ocasião propícia para compreender que os textos deixados em herança pelos Padres Conciliares, segundo as palavras do Beato João Paulo II, «não perdem o seu valor nem a sua beleza. É necessário fazê-los ler de forma tal que possam ser conhecidos e assimilados como textos qualificados e normativos do Magistério, no âmbito da Tradição da Igreja. Sinto hoje ainda mais intensamente o dever de indicar o Concílio como a grande graça de que beneficiou a Igreja no século XX: nele se encontra uma bússola segura para nos orientar no caminho do século que começa» Quero aqui repetir com veemência as palavras que disse a propósito do Concílio poucos meses depois da minha eleição para Sucessor de Pedro: «Se o lermos e recebermos guiados por uma justa hermenêutica, o Concílio pode ser e tornar-se cada vez mais uma grande força para a renovação sempre necessária da Igreja»"

 

 

O tal chamado "espírito conciliar" reflete tão somente a vontade de um pequeno número de bispos pouco católicos e revolucionários, auxiliados pela grande mídia, os quais querem implantar uma mentalidade sectária dentro da Igreja, rejeitando o que é anterior ao CVII. Ocorre que os documentos emanados do CVII foram assinados pela maioria dos bispos e, portanto, lê-los de maneira diferente da original equivale a uma traição, aliás, tais documentos constituem uma bênção para a Igreja.

 

 


 

Conclusão:

 

Este deve ser o lema de todo Cristão que caminha para a pátria celeste, nossa morada definitiva:

 

“Perdoar quem nos feriu e levantar quem caiu”

 

 

__________________________

 

Apostolado Berakash – Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos, entre em contato conosco  pelo e-mail:

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

 

 

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger