A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , , » A causa do Mártir e seu martírio é seu amor e sua fé em Cristo, e não a ideologias

A causa do Mártir e seu martírio é seu amor e sua fé em Cristo, e não a ideologias

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 3 de novembro de 2019 | 18:34








A liturgia romana afirma que o sacrifício do Filho de Deus é "princípio e modelo" de todo martírio (cfr. Missal Romano: oração sobre as oferendas, na memória dos Santos Cosme e Damião). É "princípio" porque Jesus disse a seus discípulos que seriam perseguidos por causa de seu nome. Declarando-se Filho de Yahweh, Cristo não aboliu mas que deu cumprimento à concepção judia do martírio: a morte durante a perseguição se produz por causa do nome de Deus. Este equivale a consumir a vida para que no mundo reine a justiça; e isso só é possível se se reconhece a primazia de Deus.





Com efeito, os mártires não buscam  o martírio enquanto tal, senão a santificação do nome de Deus, princípio de toda justiça no mundo.



O sacrifício do Filho de Deus é também modelo de martírio. O fato de que Jesus seja Deus vindo ao mundo é a verdade original que os cristãos devem testemunhar e isso inclui, de modo escandaloso, o amor aos inimigos e a benevolência para com os perseguidores. Com efeito, que justiça, poderia estabelecer-se no mundo sem a conversão dos perseguidores e dos inimigos?



O sangue de Cristo e, por meio dele, o dos cristãos constitui seu selo. O mundo não conheceu a Deus, nos lembrou são João. Essa é a razão pela qual o mundo persegue a Igreja. A perseguição do mundo se encarniça contra seus membros, culpados de proclamar e testemunhar como deveria ser o mundo para poder viver nEle. A Igreja, com efeito, se apresenta como o mundo já ressuscitado. Nas páginas dos dos mil anos de sua história, aquelas marcadas com cor vermelha de sangue são muito mais numerosas que as tingidas de branco, quando a Igreja viveu em paz, e do que as negras, quando esteve particularmente ofuscada pelo pecado de seus membros; porque a Igreja, como Jesus profetizou, tem que seguir nisso, e sobre tudo nisso, a seu Mestre.



O mártir realiza en seu corpo o que falta à paixão de Cristo, e isso favorece a ressurreição, do crescimento e da vida da Igreja. Com efeito, o cristão,  está disposto a sofrer a injustiça em vez de cometê-la, portanto a morrer. A fé, deste modo, dá lugar à caridade que não teá nunca fim (cfr N.Bux, "Porque os cristãos não temem o martírio", ed.Piemme 2000, p 147-148).




São Paulo traçou sumamente as linhas da teologia da perseguição, em particular quando afirma na Primeira carta aos Coríntios: "Se nos difamam, respondemos com bondade. Viemos a ser, até agora, como o lixo do mundo e o desprezo de todos" (4,13). Como Cristo, esteve e deve estar disposta a pagar o preço, não da perda de identidade, mas da perda da vida, isto é, o martírio.


 
A Congregação para a Evangelização dos Povos documenta cada ano o número de missionários católicos que dão tal supremo testemunho, pelo diálogo salvador com os povos do mundo. Que se me permita dizer que necessitaríamos, mais do que de uma teologia da libertação, e sim de uma "teologia da perseguição”, que reflita a condição normal do cristianismo no mundo.Porém ela já está admiravelmente encerrada na teologia crucis. O caminho da perseguição é um caminho obrigatório; sem o sacrifício não há para o cristianismo - dizia Solsenitzin - possibilidade de desenvolvimento (cfr. N.Bux, "O Quinto selo", Librería Editorial Vaticana 1997, p 163).. Que seja cruenta ou menos cruenta, a perseguição constitui o estatuto ordinário da Igreja.





O Martirológio é pois o necessário vade mecum do cristão e de todo aquele que busque a unidade e trabalhe pela paz. Desde a primeira vinda de Cristo até a sua volta, a suprema bem aventurança continua sendo a perseguição.




A defesa da paz é doutrina inquestionável da Igreja, ao passo que o pacifismo não o é.


Hoje, voltamo-nos, ainda mais uma vez, sobre alguns temas que são necessários para o esclarecimento das pessoas de bem quanto à doutrina católica e aos pacifistas.Começamos lembrando que a defesa da paz é doutrina inquestionável da Igreja, ao passo que o pacifismo não o é. O Cardeal Giacomo Biffi assegurou, no Retiro pregado ao Papa Bento XVI e à Cúria Romana, em 2007, que “a guerra é certamente um mal, mas devemos lembrar que tanto na vida das pessoas como na vida das nações, por vezes, há situações em que não se pode responder com conselhos ou boas palavras à violência má”. Mais: “enquanto os ideais de paz e fraternidade são valores cristãos indiscutíveis e vinculantes, o pacifismo ou a não violência não são a mesma coisa, pois acabam por se tornarem, muitas vezes, uma capitulação social à prevaricação e um abandono dos pequenos e dos fracos sem defesa, à mercê de iníquos e prepotentes” (Monsenhor J. C. Sanahuja. Poder global e religião universal. Campinas: Ecclesiae, 2012, p. 126). Há, pois, o direito natural e moral à legítima defesa e à guerra justa (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 2263-2266 e n. 2309). Daí já se vê que o martírio é fruto de uma graça divina especial, e não exigência primeira da moral (cf. Evangelium Vitae n. 55).







O mártir não é, portanto, um covarde a preferir morrer para não lutar, mas, ao contrário, é alguém que luta de outro modo, ou seja, ele, com sua oferta, dá testemunho (daí o termo mártir) do Senhor por meio do chamado “Batismo de sangue” pelo qual se assemelha a Cristo. Requer-se especial graça de Deus para isso. No Apocalipse 6,9, temos a descrição do conceito de mártir nos seguintes termos: “Vi sob o altar as vidas dos que tinham sido imolados por causa da Palavra de Deus e do testemunho que dela tinham prestado”. Ver também: Ap 1,13; 17,16 e At 22,20. Embora os judeus já valorizassem muito quem escolhia morrer para não trair sua fé. Daí, os elogios a Eleazar (2Mc 5,18-31) e também aos irmãos macabeus (2Mc 7,1-42), martirizados por preferirem obedecer antes a Deus que aos homens (cf. At 5,29).



No entanto, é na fé cristã que o martírio ganhou contornos novos ao ser apresentado como o desdobramento dos sacramentos do Batismo e da Eucaristia. Ambos levam, de um modo muito especial, à participação ritual na morte e na ressurreição do Senhor Jesus (cf. Rm 6,1-11; 1Cor 11,26); participação que precisa se desenvolver ou desabrochar na vida do fiel como um holocausto agradável a Deus e culminar com a entrega da própria vida, se preciso for (cf. Fl 2,17; 3,3; 4,18; Rm 1,9; 15,16; At 13,2; 2Tm 1,3; 4,6; Hb 9,14; 12,28; 13,15;1Pd 2,5). Quem morre mártir realiza, portanto, plenamente em si, o que viveu – de modo ritual – nos sacramentos do Batismo e da Eucaristia. O martírio é o ato supremo de amor ao Pai despertado e nutrido pela participação sacramental no sacrifício de Cristo, Nosso Senhor, na Cruz do Calvário.



Isto posto, vale a pena transcrever um trecho elucidativo da recensão que Antônio Carlos Santini elaborou da revista La Civiltá Catolica (15/07/00). Aí se lê que, para existir o verdadeiro martírio na Igreja “além da passagem pela morte, o motivo deve ser o ódio à fé cristã ou às verdades e virtudes do cristianismo. Mais: a morte deve ser sofrida como testemunho de fé com um ato exterior de aceitação livre e consciente, recusando toda oportunidade oferecida para evitá-la, abandonando a fé. E a mesma morte deveria ser aceita em espírito de fé e de amor a Jesus Cristo”.





“Para S. Agostinho, ‘martyres non facit poena sed causa’.



O que conta é a motivação da morte, não o sofrimento em si mesmo. Logo, não se considera mártir o cristão que foi morto por motivos políticos ou ideológicos, por razões raciais ou por outros motivos que não são, estreitamente, conexos com a reta fé, por mais nobres que possam ser. A essência do martírio está no motivo pelo qual ocorreu a morte do fiel. Como se tudo isso fosse ainda pouco, espera-se do mártir a disposição de perdoar os agressores e a capacidade de amar ao extremo. ‘Sine charitate non valet’ (S. Tomás. Suma Theol. II-II, q. 124, a2. ad. 2). O martírio não tem valor sem a caridade. Sem o amor extremado de Estêvão que perdoa seus lapidadores, a exemplo de Cristo no Calvário” (Atualização, n. 290, março/abril de 2000, p. 143. Belo Horizonte: O Lutador; cf. Bento XVI. Catequese de 11/08/2010).

Apostolado Berakash


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger