A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » 50 anos da Humanae Vitae de Paulo VI – Uma reflexão sobre a Paternidade responsável

50 anos da Humanae Vitae de Paulo VI – Uma reflexão sobre a Paternidade responsável

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 4 de julho de 2018 | 19:57






UMA DAS MAIS IMPORTANTES Encíclicas papais de todos os tempos completará 50 anos julho de 2018, e podemos dizer que o papa Paulo VI foi profético em alguns pontos, principalmente no seguinte:


“Graves consequências dos métodos de regulação artificial da natalidade: Os homens retos poderão convencer-se ainda mais da fundamentação da doutrina da Igreja neste campo, se quiserem refletir nas consequências dos métodos da regulação artificial da natalidade. Considerem, antes de mais, o caminho amplo e fácil que tais métodos abririam à infidelidade conjugal e à degradação da moralidade. Não é preciso ter muita experiência para conhecer a fraqueza humana e para compreender que os homens, os jovens especialmente, tão vulneráveis neste ponto, precisam de estímulo para serem fiéis à lei moral e não se lhes deve proporcionar qualquer meio fácil para eles eludirem a sua observância. É ainda de recear que o homem, habituando-se ao uso das práticas anticoncepcionais, acabe por perder o respeito pela mulher e, sem se preocupar mais com o equilíbrio físico e psicológico dela, chegue a considerá-la como simples instrumento de prazer egoísta e não mais como a sua companheira, respeitada e amada.”




Sobre aquele “não” à contracepção, há meio século, houve uma discordância imediata por parte de 49 Conferências Episcopais. O coração do documento reitera – sem ambiguidade - a ligação inseparável entre o valor unitivo e procriativo no ato conjugal, condenando o aborto, a contracepção e a esterilização como métodos de regulação dos nascimentos, mas com abertura aos naturais: reconhecimento dos períodos férteis ou inférteis do ciclo menstrual .


Uma reflexão atual sobre a paternidade responsável


O objetivo do encontro no Vaticano sobre os 50 anos deste documento balizador na Igreja, com a participação de palestrantes leigos, católicos e de outras confissões, é desenvolver uma reflexão atualizada sobre a paternidade responsável, sem esquecer as verdades não modificáveis da 'Humanae Vitae'.


"Paulo VI, explica Palma Sgreccia, presidente do Camillianum, Instituto da Pastoral da Saúde, nos ensinou que o amor conjugal faz parte do grande mistério da Criação que torna os homens partícipes do plano criador de Deus e deve ser aberto ao dom da vida. O princípio da paternidade responsável não pode ser confiado à técnica, que subleva o indivíduo do exercício da responsabilidade. É por isso que o aborto, a contracepção e a esterilização são inconciliáveis com a cultura da vida. A cultura contemporânea tem dificuldade de entender que em nossa natureza humana é reconhecida essa lei natural”



Dialogar também com aqueles que se opõem à Encíclica


Imediatamente após a publicação, em 25 de julho de 1968, a Encíclica provocou fortes reações de contrariedade em todo o mundo. Mesmo dentro do mundo católico. É fato histórico. Meio século depois, o eco desses protestos ainda não diminuiu. Às vezes parece voltar a tomar vigor. E aqui, então, a necessidade de uma convenção para reiterar, com a linguagem de hoje, a bondade dos pronunciamentos de Paulo VI.Isto é explicado por Palma Sgreccia:


"Queremos mais uma vez enfatizar a verdade antropológica da ligação inseparável entre sexualidade e geração. O homem é capaz de regulá-la, mas com métodos naturais. Mas não só... Com esta conferência também queremos dialogar com aqueles que não concordam com nossas posições, a partir dos pontos que nos unem".


A questão havia agitado o Concílio com insanáveis contrastes, e Paulo VI advogou a matéria para si. A Comissão de Peritos, depois de quatro anos, ofereceu duas respostas: uma forte maioria no rastro da Gaudium et spes em favor da escolha de consciência dos cônjuges pelo “sim” também aos contraceptivos não abortivos. Contrária, uma estreita minoria, resguardando os chamados métodos naturais, proibidos até a Casti connubii de Pio XI (1931), mas depois declarados lícitos por Pio XII em novembro de 1951. Essa foi uma verdadeira mudança de doutrina não de caráter dogmático, mas do magistério autêntico.A dupla resposta da Comissão e o risco de que Paulo VI acolhesse o parecer da maioria desencadearam a oposição da Cúria. Um pequeno grupo de cardeais, liderados por Ottaviani e Ciappi, expressou ao papa a sua objeção total: abrir aos anticoncepcionais seria um escândalo absoluto e desmentiria séculos de magistério. Assim, Paulo VI, embora com uma abordagem personalista que justificaria também uma conclusão diferente, escolheu o “não”, mas, em consciência, não quis fechar nenhuma alternativa e pediu que a encíclica não fosse entendida como afirmação doutrinal definitiva. Para apresentá-la, encarregou o Mons. Ferdinando Lambruschini, professor de Teologia Moral na Lateranense, para explicar em seu nome que não se tratava de magistério nem infalível nem irreformável. Com a publicação, o clamor foi enorme: protestos de episcopados, dissenso de teólogos e comunidades eclesiais. O ano de 1968 também afetou a Igreja. Mas aqui deve-se lembrar que, embora entristecido, Paulo VI quis esclarecer que não condenava todas as objeções e concluiu a primeira audiência após a publicação dizendo que, de sua parte, abençoava quem a “acolhera” e também quem a “criticara”.


O que dizer depois de 50 anos?


Deve-se lembrar a contribuição altíssima feita à possível “evolução” também, da interpretação e explicitação do “dogma”, por parte do bem-aventurado Henry Newman. Para a moral social, a evolução histórica é evidente, mas isso também se verificou na moral da sexualidade. Durante séculos, sobre o assunto, pesou muito “a sombra longa” do grandíssimo Santo Agostinho, e pouco, a lúcida e serena visão de São Tomás, várias vezes citado por Francisco na Amoris laetitia. Parece-me necessário, em termos de sexualidade, citar, por exemplo, a doutrina da “superioridade da virgindade sobre o matrimônio”. Pio XII, na Sacra virginitas (1954, nn. 21 e 28) definia como “verdade e dogma de fé a doutrina que afirma a superioridade da virgindade e do celibato sobre o matrimônio”.Neste atual contexto, percebemos a visão profética sobre o tema que o Papa Paulo VI, iluminado pelo Espírito Santo e assessorado por excelentes médicos, decidiu empreender este caminho de resgate da lei natural e especialmente a participação da matéria conjugal, que neste caso é a Teologia do Matrimônio.


“A Humanae Vitae tanto hoje, como há cinquenta anos, teve uma vital importância para compreender, não o simples regulamento da natalidade como alguns querem fazer dela, mas sim a beleza da Teologia do matrimônio em relação à vida conjugal e ao desenvolvimento sexual dos casais, e principalmente a paternidade responsável. Por isso a Humanae Vitae muito mais que uma Encíclica para indicar a regularidade ou o espaçamento da vida conjugal e sexual é uma Encíclica que traz consigo a luz de uma verdade que foi revelada por Cristo aos apóstolos e à Igreja no seu Magistério e tem a possibilidade cada vez mais de aprofundar a grandeza e a beleza da lei natural”, explica Padre Rafael Solano.Sobre a questão da regulação da natalidade, abordada na Encíclica, padre Rafael diz que não é esse o problema, como alguns pretendem fazer pensar; o problema é contracepção artificial que desemboca na paternidade irresponsável e a instrumentalização da sexualidade.Segundo ele, a regulação da natalidade hoje e sempre, tem sido um dom na vida dos casais.


É sempre bom lembrar que os filhos, não são um direito do casal, mas é um dom de Deus (Que não é concedido como podemos observar pelos insondáveis desígnios de Deus a todos os casais).Como também, os filhos não podem ser instrumentalismo para satisfação do próprio egoísmo do casal como se fossem um investimento com retorno garantido, companhia na solidão, suprir carências pessoais, vanguardas ideológicas e amparos na velhice, etc...Não geramos filhos para arquitetar nossos objetivos pessoais, mas para os objetivos do grande arquiteto do mundo: Deus. Geramos filhos não para nós mesmos, mas para ofertá-los ao bem comum da humanidade. Estes casais poderiam ajudar a PATERNIDADE RESPONSÁVEL, contribuindo ou apadrinhando casais com filhos numerosos e em dificuldades financeiras e educacionais, bem como colaborando com lares de crianças abandonadas pelos pais.” “É injusto não dar à criança adotada por casais homossexuais o direito a riqueza da PATERNIDADE MASCULINA (caso de uniões femininas) e ou, a MATERNIDADE FEMININA (caso das uniões masculinas), oferecidas somente por um casal normal. Nestas uniões moralmente e naturalmente ilegítimas, sempre uma das duas dimensões (Paternidade e ou Maternidade) irá faltar à criança no seu desenvolvimento integral. A quem a criança por direito natural vai chamar de Pai e Mãe? Isto é extremamente conflituoso e traumático para uma criança, que deveria ser por direito natural, preservada e protegida destes conflitos pré-impostos a ela.



E ainda pior ficam a criar novas culturas, contrárias a lei natural, quando depois de criarem o problema, querem acabar com a justa homenagens aos pais acabando com este dia, que pode ter o apelo consumista, mas não para somente nele. Não é porque uma parcela de crianças que deveriam ter sido educadas a lidar com estes conflitos (díga-se de passagem,não criados pela sociedade, mas por uma vanguarda ideológica), que venham agora nos obrigar a abolir um dia de merecida gratidão, e homenagens a maioria das nossas queridas mães e pais. A escola, e as famílias é que deveriam ensinar as pessoas a aprenderem a lidar com as suas frustrações, traumas, e perdas, e não tentando priva-las dessas realidades. A vida, é feita de alegrias e frustrações, e nem todo mundo tem tudo o que quer e como gostaria de ser. O sofrimento faz parte do amadurecimento da criança como pessoa, e o fato de não ter pai, ou mãe, é uma realidade que pode acontecer com qualquer um. O tudo politicamente correto, sem causar ansiedade alguma não ajuda uma pessoa a amadurecer em nada, muito pelo contrário, apenas a deixa mais despreparada para enfrentar os desafios da vida. Poupar estas crianças de sua própria realidade, estamos ajudando-as em que? Vamos criar adultos que não suportarão nada que lhes contrarie? Dentro deste raciocínio, acabemos também com o dia dos namorados, pois tem tanta gente sem namorado (a) que fica também frustrado(a) com sua própria solidão. Eliminar a alegria de outras crianças não é solução, e não estaremos proporcionando uma sociedade mais alegre, mas sim, mais frustrada. É assim, que se fabrica um imaturo: livrando-o da frustração, e super protegendo-o de todo o sofrimento possível e até necessário, que de uma forma ou de outra, cedo, ou tarde, vai nos alcançar.


CONCLUSÃO:


“O Método Billings amparado pela Encíclica Humanae Vitae procura ser uma espécie de GPS na vida das famílias que descobrem a beleza e a grandeza da sua sexualidade, razão pela qual quando um casal decide iniciar o método natural encontra um caminho de santificação na experiência da sua sexualidade e especialmente na alegria de saber que os filhos são um dom de Deus. Então a importância está muito mais na grandeza do método, na grandeza do processo e ao mesmo tempo na descoberta que o casal faz neste caminho de santidade.”


Já existe, na Igreja no Brasil, um grande trabalho de formação através do Método de Ovulação Billings. No Posto Médico Padre Pio, em Cachoeira Paulista (SP), o Centro de Formação Famílias Novas oferece atendimento ao público. O serviço é oferecido para que as pessoas possam conhecer a sua fertilidade e, a partir desse reconhecimento, acolhê-la como um dom, e acolhendo-a, viver a sua sexualidade ordenada para o amor, como explica Fabiana Azambuja da Comunidade Canção Nova:



“Ensinamos através do método de Ovulação Billing, pessoas que nos procuram sejam elas solteiras, casadas, enfim, homens e mulheres que vêm para conhecer, com o objetivo de alcançar uma gravidez, ou espaçar uma gestação. Para aqueles que não são casados, vêm para monitorar sua saúde reprodutiva, uma vez que o Método de Ovulação Billings confere a essa pessoa um auto-conhecimento das suas funções reprodutivas”.


A Comunidade Católica Shalom, também, em todo o Brasil, através do PLAFAM atende, orienta e acompanha casais, paróquias, dioceses, pastorais, Comunidades Novas e movimentos, interessadas em conhecer e aplicar o método.


Por: Apostolado Berakash

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger