A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » » Padre João Medeiros Filho: “A urgência da credibilidade”

Padre João Medeiros Filho: “A urgência da credibilidade”

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 10 de agosto de 2021 | 19:40


 



Comentário do Blog Berakash: O jornalismo hoje em dia, não serve mais como meio de transmissão de informações, mas sim como construtor de narrativas militantes politicamente engajadas, ou fomentando o assassinato de reputações.Na segunda metade de 2000, um executivo da revista VEJA demitiu um de seus repórteres por ele ter publicado um erro em uma nota de poucas linhas. Diante do subordinado desconcertado, o chefe disse: “Você é pago para fazer três coisas. 1º apurar, 2º escrever e 3º checar. Uma delas você não fez direito”. A checagem tem um limite natural. Uma pergunta clássica dos checadores resume isso: “Não acho a informação em lugar nenhum”. Este é o momento crucial no qual os três pilares (apuração, redação e checagem) precisam estar bem alinhados. Esse limite natural dos checadores pode ser exemplificado com casos de nossa história recente. As informações apresentadas pelo então presidente do PTB Roberto Jefferson em uma entrevista que revelou a existência do Mensalão, em 2005, era algo impossível de ser verificado. Mas o caso ganhou corpo. Virou o tema principal de uma CPI e levou à condenação de 40 envolvidos naquele que chegou a ser o maior escândalo de corrupção do país. O mesmo critério se aplica à reportagem que apresentou aos brasileiros o sítio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Atibaia. O excelente trabalho dos repórteres “colocou de pé” uma história a partir do zero. Algo que ninguém sem ter tido o acesso as informações que eles tiveram, poderia dizer se tratar de mentira ou verdade. A Polícia Federal e o Ministério Público entraram no caso e o ex-presidente se transformou em réu. Há, ainda, casos nos quais reportagens são desprovidas de qualquer fonte verificável ou documentação. Uma delas, sem dúvida, se tornou a mais importante do segundo turno da eleição presidencial de 2018: a denúncia de que o então candidato Jair Bolsonaro teria se beneficiado de financiamento irregular de campanha para a distribuição em massa de mensagens de WhatsApp, em matéria de Patrícia Campos Mello para a Folha de S.Paulo. Não há documentos. Não há provas que sustentem a narrativa. Não há fontes identificadas que possam ser inqueridas de forma independente. A sua repercussão se deu no calor da campanha pelo potencial de dano que tinha em relação ao candidato líder nas pesquisas. Nenhum jornalista foi capaz de comprovar, ou, pelo menos, verificar o que foi dito. Tudo se limitou à convicção. De um lado ficaram aqueles que acreditaram na reportagem. De outros os incrédulos que se dividiram entre aqueles que ficaram em silêncio e aqueles que partiram para um tipo de violência intolerável perseguindo e atacando os autores. A checagem é uma atividade do jornalismo. Fundamental e complementar. Em tempos de crise de credibilidade e da invasão de falsas notícias no mundo online, é imperativo que a atividade seja apoiada e fortalecida. Mas deve ser compreendida e dimensionada. A tentação de sobrepô-la à reportagem, como algo com credibilidade ou validade superiores, é um equívoco que pode levar o jornalismo a estar contra o jornalismo. Vejam essa excelente análise desse nosso momento, feita pelo padre João Medeiros.

 

 

 

“A urgência da credibilidade”

 

 

*Por: Padre João Medeiros Filho

 

 

 

Atualmente, uma das perguntas frequentes é a seguinte: “Em quem posso acreditar? Oxalá, houvesse a mesma certeza do apóstolo Paulo, quando se dirigiu a seu discípulo Timóteo: “Sei em quem acreditei.” (2Tm 1, 12). Diante de tantas notícias veiculadas nas redes sociais e na mídia tradicional, é cada vez mais difícil identificar palavras credíveis. No entanto, trata-se de uma urgência, diante de inúmeras inverdades que circulam em vários setores da sociedade brasileira contemporânea.



 


 

É raro ter conhecimento de relatos que inspirem credibilidade, sem embustes. Necessita-se de pronunciamentos que efetivamente sejam alicerçados na confiabilidade. Deve-se nutrir a sociedade com debates verdadeiros, indispensáveis à recomposição do tecido sociopolítico. Não basta somente dizer o que se pensa, nem opinar a partir de visões parciais, atreladas a grupos e ideologias. É imprescindível revitalizar o protagonismo de discursos críveis. Isto é uma obrigação cidadã e um dever cristão, impreteríveis para que se possa responder a opiniões polarizadas e falas que desagregam. Uma cidadania verdadeiramente qualificada sabe reconhecer a coerência e veracidade do que é propagado. Portanto, representa uma necessidade para o autêntico diálogo, capaz de edificar uma nação. Infelizmente, há um entendimento equivocado por parte de certos políticos e dignitários brasileiros, impondo cerceamento e distorções, subjugando e atrasando inadiáveis transformações civilizatórias. Tais imposições são fortalecidas por equívocos partidários e contextos ideológicos.

 

 





Estes são responsáveis pela inadequada concepção do bem-estar social e vêm neutralizando a configuração de uma cidadania propiciadora de novos rumos ao Brasil. É mister que tal aconteça, desde o âmbito da representatividade parlamentar e governamental à consciência participativa dos cidadãos, necessária ao bem coletivo.

 

 

Urge reconstruir a civilização, a partir do impostergável compromisso de se promover a credibilidade!

 

 

 

Na Encíclica “Fratelli tutti”, o Papa Francisco insiste sobre a urgência da inegociável cultura do encontro para superar dialéticas que resultam em desavenças, inimizades e divisões. Note-se que no Brasil de hoje certos líderes políticos e autoridades dos diferentes poderes agem como promotores de polarizações, bloqueando e anulando possíveis avanços que dependem da capacidade de diálogo.Por isso mesmo, é necessário priorizar a confiabilidade, “deixando de lado toda mentira e dizendo somente a verdade”, como recomenda o apostolo Paulo (cf. Ef 4, 25). Por mais que se fale hoje em direitos, liberdade, democracia, diversidade e pluralidade, a prática e os resultados sociais mostram-se cada vez mais unilaterais, desrespeitosos, impositivos e radicais.

 

 



Deseja-se um estilo de vida, em que as autênticas diferenças humanas possam conviver integradas, iluminadas e enriquecidas reciprocamente!

 

 



A fragmentação da sociedade é altamente deletéria. No Brasil hodierno, contaminado por tantos arrogantes e presunçosos, pressiona-se o trânsito da mentira ou meia verdade. Há os que deliram, como se deuses fossem, ditando normas e regras, à base de sofismas e equívocos. A consequência é o descrédito e a recusa. E não falta quem lute para impingir o falso como verdade, o desonesto ou “jeitinho”, como padrão ético. Torna-se urgente uma cultura renovada, fruto de dinâmicas oriundas de diálogos autênticos.

 

 

Estes devem buscar alternativas e respostas inovadoras, qualificando escolhas!

 

 

Importa renunciar à sede de querer impor ideias e opiniões obsoletas. Estas resultam, não raro, de cristalizações subjetivas ou interesses balizados na mesquinhez e ganância. Nesse importante processo de reconstrução social, necessita-se de posturas confiáveis, capazes de promover a paz, superando radicalismos delineados em contendas partidárias com interesses escusos. Certa feita, ouvimos do senador Affonso Arinos, falando à comunidade do Colégio Santo Inácio de Loyola (RJ):“Se os partidos políticos carregarem em suas entranhas interesses mesquinhos, as campanhas eleitorais tornar-se-ão falaciosas e patranheiros ou ilusórios serão os parlamentos e governos.”  

 

 



As manifestações sinceras e transparentes são indissociáveis da capacidade de dialogar!

 

 


Deve-se exigir no trato social a confiabilidade e a verdade, bem diferentes dos discursos populistas e manipuladores. Vale ainda lembrar o eminente acadêmico pernambucano, Dom José Pereira Alves, terceiro bispo diocesano de Natal, em sermão proferido, na antiga catedral, perorando com estas palavras:

 



“Usemos as armas do diálogo e da verdade. Se somos discípulos de Cristo – e Ele é a Verdade – nosso caminho de cristãos consiste em ser verdadeiros e probos!”



 



 

*Padre João Medeiros Filho: É natural de  Jucurutu – RN, foi ordenado em 25/08/1965 – Atualmente exerce seu ministério na Arquidiocese de Natal-RN. É membro da Academia Norte-Riograndense de Letras, é uma referência no Estado quando falamos em intelectualidade e educação. Padre João tem mestrado e doutorado nas áreas de Teologia, Filosofia e Comunicação, tendo mais de vinte obras publicadas, além de artigos para jornais e revistas.

 

 

------------------------------------------------------

 

 



APOSTOLADO BERAKASH: Como você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 




filhodedeusshalom@gmail.com

 

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger