A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » PT vai criar sua própria versão do impeachment

PT vai criar sua própria versão do impeachment

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 13 de agosto de 2016 | 11:36




(Por Thiago Bronzatto)


Petistas vislumbram em projeto de documentário a oportunidade de registrar para a posteridade sua versão do processo contra Dilma.Roteiro: os petistas querem deixar registrado que foram vítimas de uma conspiração (Cristiano Mariz/VEJA).




Pouco antes da meia-noite da terça-feira 9 de Agosto, o ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo subiu à tribuna do plenário do Senado. Como das vezes anteriores, defendeu a volta da presidente afastada Dilma Rousseff ao Palácio do Planalto. Falando num tom acima do habitual, rebateu as acusações contra a sua cliente e criticou a celeridade do processo de impeachment, classificado como um “golpe” contra a democracia. A tese foi repetida por senadores da tropa de choque do PT, um após o outro, ao longo das quase dezessete horas da sessão que transformou a presidente em ré por 59 votos contra 21, num resultado previsível. A veemência dos discursos, além de defender o mandato de Dilma, atendia a outro propósito: a construção de uma narrativa.


Se nada mudar até o próximo dia 25, data marcada para o início do julgamento, a cassação de Dilma deve ser confirmada por ampla maioria dos senadores. O PT reconhece que não há muito que fazer. A presidente afastada, que aguarda o desfecho do processo praticamente reclusa no Palácio da Alvorada, também tem clareza de que seu destino está traçado. Até o ex-presidente Lula, mentor, criador e oficialmente o maior defensor de Dilma, já jogou a toalha faz tempo.


Mas a história, do ponto de vista do PT, não deve terminar com um tom melancólico e derrotista. Como ocorre desde a votação do impeachment na Câmara, na sessão da semana passada os passos de cada petista no Congresso foram acompanhados de perto por uma equipe de filmagem que se dedica a produzir um documentário sobre os bastidores do processo. Cientes de que eram os personagens principais do dia, os parlamentares contrários à cassação se esmeraram nos microfones e nas performances. Eles estavam sob as lentes de um projeto intitulado “Impeachment”, conduzido pela cineasta Petra Costa, da produtora Busca Vida Filmes e diretora do premiado documentário Elena, em que retrata a morte precoce de sua irmã.




Desde 13 de março, quando ocorreu a maior manifestação política da história do Brasil, Petra contabiliza cerca de 500 horas de gravação com mais de cinquenta parlamentares, de diferentes partidos, além de manifestantes e líderes de movimentos contra e a favor do impeachment. “A ideia é que o filme mostre as diversas etapas dessa crise, seus aspectos shakespearianos, maquiavélicos e épicos”, diz a cineasta. Entre os principais entrevistados está a presidente afastada, que relata, em sua perspectiva, o drama de quem foi apeado do poder. “Gostaríamos também de filmar Temer. Já entramos em contato com a assessoria algumas vezes, mas não obtivemos resposta”, afirma Petra, que ganhou apoio financeiro do Festival de Veneza.



Os petistas vislumbraram na produção a oportunidade de registrar para a posteridade o resultado de uma conspiração, de um golpe


Nesse contexto, Lula emerge como um dos principais personagens da história, que deverá ser exibida no Brasil e no exterior em 2017. Nos últimos meses, o ex-presi-dente tem montado uma agenda pensada com o objetivo de produzir imagens que se encaixam no enredo. VEJA acompanhou os bastidores das gravações realizadas em julho no Recife e no interior de Pernambuco. Ali, tudo parecia uma encenação. Enquanto criticava o presidente interino Michel Temer e o juiz Sergio Moro, Lula olhava para as câmeras, gesticulava, abraçava crianças, acariciava trabalhadores. Durante uma visita a um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST), um drone filmava o ex-presidente caminhando no meio de uma plantação. Num dado momento em que o aparelho se aproxima, ele ergue para o céu um punhado de mandiocas que haviam sido colhidas e faz uma breve saudação, sorrindo para a câmera.




Na tentativa de criarem sua versão da história, naturalmente suavizando os próprios pecados, deputados do partido também recorreram à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, vinculada à Organização dos Estados Americanos (OEA), contra o processo de impeachment de Dilma. Antes disso, o próprio Lula havia protocolado uma representação na Organização das Nações Unidas (ONU) contra o juiz Sergio Moro, apresentando-se como vítima de perseguição da Justiça. As chances de que tais iniciativas tenham sucesso jurídico são praticamente nulas, mas o movimento saiu nos jornais e sites de mais de oitenta países, o que ajuda na construção da narrativa petista.


Longe das câmeras, o ex-presidente se reuniu em Brasília com líderes do partido horas depois da votação no Senado. No encontro, Lula disse que o “impeachment é jogo jogado” — ou seja, será aprovado com folga. Ele cobrou dos oito senadores e 36 deputados presentes maior engajamento nas lutas que serão travadas a partir de agora, quando o PT voltará a ser oposição, e destacou que só isso garantirá uma volta por cima em 2018.


O ex-presidente tem dito que será candidato na próxima corrida presidencial. O tablado eleitoral há tempos deixou de ser a prioridade de Lula, acossado pela Operação Lava-Jato e pelo risco de ser preso por corrupção. O resto, na verdade, está mais para jogo de cena — literalmente.


Fonte: Veja
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger