A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Beata Laura Vicunã, uma jovem oferta agradável a Deus

Beata Laura Vicunã, uma jovem oferta agradável a Deus

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 22 de julho de 2016 | 23:44




(Memória: 22 DE JANEIRO)


Corria o ano de 1891 e a cidade de Santiago, capital do Chile, estava sendo o palco da sangrenta e terrível guerra civil.Foi, justamente, neste cenário que veio ao mundo uma bela menina, filha do soldado José Domingos Vicuña e de Mercedes Pinto, era o dia 05 de abril de 1891, exatamente a 3 meses do início da guerra.


O pai de Laura estava nos campos de batalha quando sua esposa foi obrigada a fugir do Chile, indo se alojar no outro lado dos Andes em La Lajas na Argentina. Lá, no outro lado, a mãe e filha estariam protegidas.Em pouco tempo, dona Mercedes receberia a triste notícia da morte de seu esposo. A notícia veio acompanhada de preocupações, afinal, como sobreviveriam? Não se sabe por que razão, talvez pela necessidade ou outro motivo qualquer, o fato é que dona Mercedes torna-se amante de um argentino chamado Manuel Mora.




No ano de 1900 a pequena Laura inicia os seus estudos no colégio das irmãs Salesianas, filhas de Maria Auxiliadora. Foi com certeza, o tempo mais feliz de sua vida.Foi com a mesma felicidade que no dia 02 de junho de 1901, recebeu Jesus Eucarístico pela primeira vez. O dia de sua primeira comunhão marcou de tal forma a sua vida que escreveu, em um pequeno caderno, o seu propósito de vida: “Oh meu Jesus, eu quero te amar e te servir por toda a minha vida.”Quando completou 10 anos de idade manifestou, para as filhas de Maria Auxiliadora, o desejo de se tornar uma religiosa, uma irmã Salesiana. Feito o pedido, o senhor Bispo pediu que ela aguardasse um pouco mais.



Laura era uma menina meiga e graciosa, e numa de suas férias em casa da mãe e do padrasto, percebe o olhar malicioso do mesmo e por várias vezes teve que repelir suas investidas.Com o tempo percebe que sua mãe sofre maus tratos do padrasto e cada vez mais deseja se tornar religiosa e servir e amar unicamente a Jesus.Na solenidade da Imaculada Conceição, em 08 de dezembro de 1901, recebe a fita de admissão como Filha de Maria. Estava a um passo de entrar para a congregação Salesiana. Quando a pequena Laura percebeu que sua mãe, que ela amava muito, vivia em situação de pecado, ofereceu-se a Deus pela conversão dela, Intensificou sua vida de oração e suas penitencias.



Já no final do ano de 1903, Laura é obrigada a voltar para a casa pois estava muito doente, sua mãe era só cuidados com a filha.No dia 14 de janeiro de 1904, Manuel Mora, chegou bêbado em casa e com palavrões e ofensas parte para cima da mãe e da filha. Apesar da fraqueza, Laura tentou fugir de casa, porém seu padrasto a agarrou e começou a espancá-la, sem dó nem piedade, Laura caiu inconsciente.



A jovem Laura Vicuña, vendo que seus dias estavam para terminar, chama a sua mãe, e segurando em suas mãos; exclama: “Mãe, eu estou morrendo! Pedi a Jesus e faz tempo, oferecendo-lhe a minha vida por ti, para obter a tua conversão e a tua volta para Deus... mamãe, antes da morte não terei a alegria de ver-te arrependida?”Dona Mercedes, em lágrimas, beija as mãos da filha e promete mudar de vida, e voltar para Deus.Com esta alegria entregou sua alma ao Senhor, era a noite de 22 de Janeiro de 1904, Laura estava com 13 anos.Laura Vicunã, carta de amor e de sacrifício, ternura de Deus e modelo para os nossos adolescentes e jovens. A filha que ofereceu a vida para salvar a mãe, é um exemplo para os dias permissivos de hoje.



Em 1900 Laura entra como interna no Colégio das Irmãs Salesianas de Maria Auxiliadora em Junin de los Andes.Ali, na aula de religião, ao ouvir a explicação da professora de que desagradam muito a Deus os que vivem em união livre sem se casar, a menina cai desmaiada de espanto. Na aula seguinte, quando a professora volta ao assunto, Laura começou a empalidecer. A professora muda de tema e consulta a irmã diretora do Colégio. Não sabiam porque Laura se assusta tanto quando se trata da questão. A superiora aconselha a voltar ao tema, mas dependendo da reação da menina, deveria mudar de assunto. E assim foi feito.



Laura se tinha dado conta de um gravíssimo mal: sua mãe, o ser que ela mais ama no mundo, depois de Deus e da Virgem, vive em pecado mortal e está em grave perigo de condenação eterna. É terrível.E Laura faz um plano: oferecerá sua vida a Deus contanto que sua mãe abandone a esse homem com quem vive em pecado. Comunica o plano ao confessor Pe. Crestanello. Ele lhe diz: 'Veja que isso é muito sério. Deus pode aceitar sua proposta como alma vítima, e a morte pode chegar muito cedo a você'. Mas a menina está firmemente resolvida a salvar a alma de sua mãe a qualquer custo, e oferece sua vida ao Senhor, em sacrifício para salvar a alma de sua própria mãe.



No Colégio é admirada pelas alunas como a melhor companheira, a mais amável e serviçal . Dava atenção a todos, dos mais simples aos mais destacados. Em todos via a imagem e semelhança de Deus, e portanto, não podia ficar indiferente a ninguém.As superioras admiravam sua obediência e o enorme amor por Jesus Sacramentado e por Nossa Senhora Auxiliadora.



Quando foi passar as férias na casa de sua mãe, Manuel Mora, esse era o nome do homem que vivia com a senhora Mercedes, tenta desrespeitá-la, mas ela não permite. Prefere ser esbofeteada e açoitada brutalmente por ele. Manuel acabou por aprender a respeitá-la.



Em uma grande inundação que invade o colégio, Laura passou várias horas da noite nas águas geladas para salvar a vida das meninas menores e adquiriu uma dolorosa enfermidade nos rins. Deus começa a aceitar o sacrifício que ofereceu para salvar a alma de sua mãe. Laura começa a empalidecer e debilitar-se. Sente enorme tristeza ao ouvir dos superiores que não poderão aceitá-la como religiosa, porque sua mãe vive em concubinato. Segue rezando por ela. Cai doente, com dores muito intensas e vômitos contínuos. Contorce-se de dor. Sua vida está se apagando. 'Senhor, que eu sofra tudo o que Vos pareça bem, mas que minha mãe se converta e se salve'.






Quando está próxima a entrar em agonia, sua mãe se acerca. Ela se dirige a mãe com estas palavras: 'Mãe, há dois anos ofereci minha vida a Deus em sacrifício para obter que não vivas mais em união livre. Você deve separar-se deste homem e viver santamente. Antes de morrer terei a alegria de seu arrependimento e seu pedido de perdão a Deus e que comeces a viver santamente? '. Sua mãe jurou ali mesmo a partir daquele momento não viver mais com aquele homem e mudar de vida. Laura então chamou o Pe. confessor e diz a ele: 'Padre, minha mãe promete solenemente a Deus abandonar hoje mesmo aquele homem'. Mãe e filha se abraçam chorando.Desde aquele momento o rosto de Laura se tornou sereno e alegre. Sente que nada mais a retém nesta terra. A Divina Misericórdia triunfou no coração de sua mãe. Sua missão nesse mundo está cumprida. Deus a chama ao Paraíso. Recebe a unção dos enfermos e sua última comunhão. Beija repetidamente ao crucifixo. À sua amiga que reza junto a seu leito de morte lhe diz: 'Como se sente contente a alma na hora da morte quando se ama a Jesus Cristo e à Maria Santíssima! ' Lançou um último olhar para a imagem que está na frente de sua cama e exclama: 'Obrigada Jesus, obrigada Maria!', e morre docemente. Era 22 de janeiro de 1904, ia completar 13 anos.A mãe teve que mudar de nome e sair disfarçada daquela região para ver-se livre daquele homem. E viveu santamente o resto de sua vida.



Heroísmo na simplicidade



Laura cultivou uma piedade simples, sincera, alegre e sem afetação, fruto da educação salesiana ministrada no Colégio de Junin. Algumas de suas penitências são no entanto, superiores à sua idade e constituição física e para os nossos tempos um tanto exageradas.Após oferecer a vida pela mudança espiritual da mãe, servia-se de todos os acontecimentos para sacrificar-se naquela intenção. Os biógrafos nos oferecem alguns exemplos dos sacrifícios enfrentados pela heróica filha dos Andes chilenos:


• Durante a época de calor tomava água o menos possível (O que provavelmente debilitou seus rins).


• Oferecia-se para executar os serviços mais humildes.

• Nos tempos do frio patagônico, quase siberiano, prestava-se para varrer o pórtico, embora suas mãos sangrassem frequentemente por causa dos horríveis «sabañones» nos dedos.

• Nas aulas ou no estudo de corte e costura procurava as posições mais incômodas, ficando praticamente imóvel.

• Usava de grande simplicidade nas roupas e perfumes.

• Procurava se alimentar das comidas mais insípidas, deixando as mais saborosas para as colegas.

• Foi vista a colocar cinzas na sua sopa.

• Frequentemente usava pedrinhas nos sapatos.

• Por vezes ajoelhava-se no pórtico diante da diretora ou das colegas pedindo perdão por pequenas faltas que cometera.

• Laura era por natureza de índole facilmente irritável, explosiva, notava-se o esforço que fazia para conter-se em certas ocasiões.

• Não falava de si e odiava a mentira.

• Enrubescia quando recebia elogios, dizendo que só havia feito o próprio dever.

• Não se lamentava quando submetida aos banhos gelados.


 Bondade e obediência



Ao observarmos superficialmente a Filha de Maria, Laura Vicuña, diremos que ela era tão somente uma boa aluna, obediente, cumpridora de seus deveres normais. Na realidade porém, seu dia a dia era admirável e ela fazia do quotidiano algo de extraordinário, como afirmou Pio XI. Bento XV, dirá em 1920, referindo-se a Laura: «a santidade consiste propriamente só na conformidade com a vontade divina, expressa em um contínuo e exato cumprimento dos deveres do próprio estado».


Todos se admiravam ao observá-la alegre e sorridente, lutando contra o grave mal. Jamais pedia algo para minorar os sofrimentos. Quando lhe perguntavam como estava, respondia sempre: «um pouco melhor». Todavia conversando com Pe. Crestanello confessava:



«sei que não estou doente por preguiça. Todavia, se penso nos sofrimentos de Cristo por mim, compreendo que sou bastante mesquinha ao sofrer de boa vontade estes meus pequenos achaques. Assistida como sou, temo que os cuidados dos outros terminem por habituar-me a comodidades excessivas».



Embora pressentisse que estava próxima sua viagem ao Paraíso, não lhe atemorizava o medo da morte. Ao contrário, seu jovem coração sofredor sentia-se feliz por se encontrar a poucos passos do oásis definitivo.A mãe na esperança que um repouso absoluto em Quilquihué lhe fizesse bem, levou-a àquela estância. Sobre este novo retorno à casa do Mora, Laura dirá que todos os seus incômodos somados, não lhe pesaram tanto, como aquela ausência de Junin, onde desejava passar seus últimos dias. E acrescentava: «Se Jesus quer também este meu sacrifício, seja feita sua amável vontade».



Seu maior tormento era sobretudo pela presença do algoz de sua genitora, por observar a desventurada condição daquela por quem ela própria se imolava e desejava infinitamente vê-la convertida. É verdade que Mercês Pinho nos últimos dias havia pensado em fugir, como Laura já havia sugerido. Faltava-lhe porém a coragem. Para onde? E a filha Júlia Amanda, que crescia e vivia como uma indiazinha?Não suportava observar a genitora sendo um joguete nas mãos do algoz que a escravizava. Por outro lado a mãe que assistia melancólica e paulatinamente o declinar da filha, nem sequer suspeitava, pelo menos na aparência, o motivo real daquele holocausto, guardado secretamente no coração de Laura, do confessor, de madre Piai e a irmã Azócar.



Já são quase dois meses que estão na fazenda e a enferma não melhora. Passa os dias e noites rezando e sofrendo, imolando-se conscientemente, sacrificando a própria vida pelo resgate de outra vida. Ninguém tem maior amor do que aquele que entrega sua vida pelo seu semelhante, dissera o Mestre de Nazaré. E é maravilhoso, divino, oferecer a vida pela pessoa amada. Cada dia mais o Homem da Cruz a fazia compreender melhor aquela verdade. Em Junin, no entanto havia melhores condições de assistência. Da. Mercês retoma o caminho de volta ao povoado. Passa a residir com as filhas, em uma casa alugada, nas imediações do Colégio das Irmãs.Daquela tarde em diante, abatida pelo acontecido e pelos maus tratos recebidos, a enferma não mais se reabilitou. No entanto, seus lábios continuavam sem nenhuma palavra de lamento.


Em 21 de janeiro (1904), a enferma foi envolta por uma grande prostração. Febre alta e vômitos incessantes impediam-na de receber a Comunhão, fazendo pensar que morreria sem o Viático.Naquele dia, usando da maior lucidez, Laura chama a irmã Júlia Amanda, fazendo-lhe as últimas recomendações:



«Minha irmã, peço-te que uses de muita caridade e paciência para com a mamãe. Procura não dar-lhe desgosto e trata-a sempre com grande respeito. Sê humilde e obediente com ela e não a abandones nas suas necessidades.Sê caridosa para com o próximo. Não desprezes os pobres, não olhes para ninguém com indiferença. Cara Júlia não esqueças estas recomendações de tua irmã, que está próxima a separar-se de ti! Voltaremos a nos reunir no Paraíso».



O biógrafo Pe. Crestanello escreve que o diálogo não pode continuar, dada a emoção e o choro que envolvia a ambas.Um dia após, a mártir recebeu o Viático. Está reduzida «a pele e osso, parecendo um esqueleto». As visitas não cessam, ela não se levanta, mas pode ainda balbuciar algumas palavras, aconselhando aos que a visitam.Às 17h00 faz um aceno ao Pe. Z. Genghini, a fim de que ele se aproximasse de seu leito. Pede-lhe então que chame sua mãe no quarto ao lado. Da. Mercês, agitadíssima, pensando que eram os últimos instantes de Laura, precipita-se, gritando:


«Filha, minha filha!.Deixas-me assim tão sozinha...»?


O momento que se seguiu deixou a todos transtornados e cada vez mais admirados pela grandeza e santidade de uma menina santa que estava prestes a deixar o tempo e entrar na eternidade.Pe. Genghini se afasta discretamente, enquanto Mercedinha e Maria Vera como que petrificadas, junto à porta, ouviam pela primeira vez o segredo de Laura: a oferta de sua vida pela conversão da mãe.



«Laura superando a impressão que lhe causara a dor de sua mãe, com a voz entrecortada, mas cheia de amor e ternura, disse: "Sim mamãe, eu morro. Eu mesma pedi a Jesus. São quase dois anos que lhe ofereci minha vida pela senhora, para alcançar-lhe a graça de sua conversão. Ah, mamãe, não terei a alegria de vê-la arrependida"»?


A declaração de Laura desencadeou um vulcão de emoções e lágrimas no coração e na alma da amargurada genitora chilena. De joelhos e abraçada à filha, respondeu soluçando convulsamente:



«Sou eu então, minha filha, a causa de teus longos sofrimentos e agora de tua morte. Oh, infeliz de mim! Minha cara Laura, neste momento, juro-te que farei quanto me pedes».Após rápidos instantes acrescenta: «Sim minha filha, amanhã irei com Amandinha, à Igreja para me confessar».



Uma infinita paz resplandecia do rosto de Laura, observaram os presentes. Nada mais lhe preocupava neste mundo. Havia comprido sua missão. A misericórdia divina, através dela havia triunfado no coração de Dona Vicuña. Beija constantemente o Crucifixo que apertava entre as mãos de uma lividez cadavérica. Enquanto a torturada Mercês soluçava sobre seu peito, a santinha dos pampas patagônicos exclamou: «obrigado Jesus, obrigado Maria! Agora morro feliz».Foi sua última prece nesta terra. Júlia Cifuentes, então presente, diz que Laura morreu falando. Era o dia 22 de janeiro de 1904, sexta-feira. A jovem santa salesiana estava com 12 anos, nove meses e alguns dias.

Dona Mercês mãe de Laura



Da. Mercês, após a morte da filha, ajudada por um casal amigo foge para o Chile, onde pretendia recomeçar a vida. No entanto, retorna a Junin para junto de Júlia Amanda, que se casa com apenas 12 anos.Em 1911, ambas passam definitivamente à terra Natal. Mercês esposa um ferroviário de nome Parra. Seus últimos anos são vividos cristãmente nas vizinhanças de Temuco. Falece aos 17 de novembro de 1929 com 59 anos de idade. Amandinha toma conta do negócio que ela havia recomeçado.



O fim de Manoel Mora


O manda-chuva de Quilquihué continuou a perseguir Da. Mercês e ameaçá-la de morte, mesmo após a partida de Laura. Certa vez, portando um revolver, irrompeu no casebre onde ela passara a viver com a segunda filha. Nada aconteceu, pois para surpresa do casaca de couro, encontravam-se ali outras pessoas. Destilando ódio retirou-se, dizendo que só estaria tranquilo, após ver a mulher morta. O chefe de polícia de Junin teve que destacar um policial para proteger Da. Mercês. Alguns dia depois deste fato, Mora era preso pelo agente.Entre 1906 e 1907, a viúva começou finalmente a viver tranquila. O estancieiro, em uma corrida de cavalos, inicia uma rixa, atingindo com uma rebengada um dos dois irmãos que se achavam presentes na festa. Na contenda Manoel Mora foi apunhalado e morto. Os dois fugiam para o Chile.




A notícia da morte de Laura espalhou-se às rápidas por Junin. Suas colegas colocaram-na a par com Domingos Sávio, chamando-a a santinha. Em poucos anos sua fama de santidade alcançou os Colégios argentinos e chilenos e a Casa Geral das Filhas de Maria Auxiliadora na Itália.Em 1925 celebrou-se o cinquentenário das Missões salesianas da Patagônia, iniciadas pelo bispo Dom João Cagliero. Desencadeou-se na época (de ’25 a ’27) uma cascata de opúsculos biográficos, artigos e imagens exaltando a Serva de Deus. Rapidamente tornou-se com D. Sávio ideal e modelo de santidade juvenil.



As curas corporais e graças espirituais apareciam cada vez mais frequentes obtidas pela intercessão da santa dos Andes patagônicos. Em 1931 D. Rinaldi, terceiro sucessor de D. Bosco afirmava:



«Eu darei duas palmas a Laura, a palma da pureza e a do amor filial. Penso que logo (se conhecida) Laura Vicuña poderá ser uma das glórias mais belas da juventude, recolhida nas casas salesianas».



Em 19 de setembro de 1955 na cidade argentina de Viedma foi introduzida sua causa de beatificação e canonização. Depuseram 19 testemunhas, entre as quais Júlia Amanda. O processo continuou com a intervenção de Cardeais, Arcebispos, bispos da Itália, Espanha e América.O Papa João Paulo II beatificou-a em 3 de setembro de 1988, durante o «Confronto ’88». Diante de milhares de jóvens, reunidos na «Colina das beatitudes juvenis» (Colle don Bosco), o Santo Padre declarou-a:  



“Modelo de coerência evangélica para os jovens de todo o mundo. Uma coerência que levou até às últimas consequências uma missão que era a de reintegrar a mãe nos caminhos do Senhor. Foi este um dos milagres, operados pela moça santiaguenha-patagônica.”



Seus restos mortais encontram-se na Capela das Filhas de Maria Auxiliadora em Bahia Blanca na Argentina.Laura Vicuña é invocada como padroeira das pessoas que são vítimas de maus tratos pelos parentes.


“Beata Laura Vicunã, rogai por nós !”


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger