A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » A Igreja deve pedir perdão aos gays? “Não só a eles”, responde o Papa Francisco

A Igreja deve pedir perdão aos gays? “Não só a eles”, responde o Papa Francisco

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 28 de junho de 2016 | 16:50






(ROMA, 27/06/2016 - ACI)


No voo que o levou de volta da Armênia para Roma, o Papa Francisco foi perguntado sobre recentes afirmações do Cardeal alemão Reinhard Marx, o qual disse que a Igreja Católica deve pedir desculpas à comunidade gay por ter marginalizado essas pessoas. O Pontífice afirmou que a Igreja não só deve lhes pedir desculpas, mas sim “perdão”, não só a eles como também a qualquer que possa ter se sentido dessa forma.




O Santo Padre respondeu de maneira semelhante à coletiva de imprensa que deu quando voltou do Rio de Janeiro a Roma depois de ter participado da Jornada Mundial da Juventude, em 2013.Naquela ocasião, o Pontífice afirmou o seguinte:


“Se uma pessoa for gay e busca o Senhor e está disposta a isso, quem sou eu para julgá-la? O Catecismo da Igreja Católica o explica de uma bela maneira. Diz que estas pessoas não devem ser marginalizadas por isso. Deverá integrá-las na sociedade. O problema não é ter esta tendência”.



Na coletiva de imprensa de ontem, o Papa repetiu o argumento e disse o seguinte:

“Vou repetir o mesmo que eu disse na primeira viagem e repito também o que diz o Catecismo da Igreja Católica: que não devem ser discriminados, que devem ser respeitados e acompanhados pastoralmente”.



A seguir, a pergunta e a resposta completa do Papa Francisco na coletiva de imprensa de ontem, durante o voo da Armênia a Roma.Pergunta:


Santidade, nos últimos dias, o Cardeal alemão Marx, falando durante uma grande conferência muito importante em Dublin sobre a Igreja no mundo moderno, disse que a Igreja Católica deve pedir desculpas à comunidade gay por ter marginalizado essas pessoas. Nos dias seguintes ao massacre de Orlando, muitos disseram que a comunidade cristã tem algo a ver com este ódio contra essas pessoas. O que o senhor acha disso?


Resposta: “Vou repetir o mesmo que eu disse na primeira viagem e repito também o que diz o Catecismo da Igreja Católica: que não devem ser discriminados, que devem ser respeitados, acompanhados pastoralmente. Se podem condenar, não por razões ideológicas, mas por motivos – digamos – de comportamento político, certas manifestações um pouco muito ofensivas para os outros. Mas essas coisas não têm nada a ver com o problema. Se o problema for uma pessoa que tem essa condição, que tem boa vontade e que busca Deus, quem somos nós para julgá-la? Devemos acompanhar bem, de acordo com o que diz o Catecismo, o Catecismo é claro. Depois, há tradições em alguns países, em algumas culturas que têm uma mentalidade diferente sobre este problema. Eu creio que a Igreja não só deve pedir desculpas – como disse aquele cardeal “marxista”... [risos] – a essa pessoa que é gay, que ofendeu, mas também deve pedir desculpas aos pobres, às mulheres e às crianças exploradas no trabalho; deve pedir desculpas por ter abençoado tantas armas. A Igreja deve pedir desculpas por não ter se comportado tantas e tantas vezes – e quando digo “Igreja” entendo os cristãos; a Igreja é santa, os pecadores somos nós! – os cristãos devem pedir desculpas por ter acompanhado tantas escolhas...Lembro-me quando era criança da cultura de Buenos Aires, a cultura católica fechada: Eu venho de lá... em uma família divorciada não se podia entrar na casa: eu estou falando cerca de 80 anos atrás. A cultura mudou e graças a Deus, como cristãos, devemos pedir tantas desculpas, não só sobre isso: o perdão e não apenas desculpas! “Perdão Senhor”! É uma palavra que nos esquecemos. Isso é verdade! Muitas vezes o “padre patrão” e não o “padre pai”: o padre que bate e não o padre que abraça, perdoa, consola. Mas há muitos, muitos capelães de hospitais, capelães de prisioneiros: tantos santos, hein! Mas esses não são vistos, porque a santidade é “pudorosa” [tem pudor], está escondida. Muitas organizações com pessoas boas e não tão boas: ou pessoas às quais você dá uma “bolsa” um pouco grande e olha para o outro lado, como as potências internacionais com os três genocídios. Também nós, cristãos – sacerdotes, bispos – fizemos isso: mas nós cristãos temos também uma Teresa de Calcutá e muitas Teresas de Calcutá; temos muitas irmãs na África, muitos leigos, muitos matrimônios santos. O trigo e o joio; o trigo e o joio... não devemos nos escandalizar de sermos assim. Devemos rezar para que o Senhor possa fazer que esse joio acabe e que haja mais trigo. Recordemos que todos nós somos pecadores. Eu por primeiro. De acordo? Obrigado. Eu não sei se respondi... não só desculpa, mas perdão!”







O que o Catecismo diz sobre a homossexualidade:



O ensinamento católico em relação à homossexualidade está resumido em três artigos do Catecismo da Igreja Católica (2357, 2358 e 2359). Nestes artigos a Igreja ensina que:



CIC 2357 CASTIDADE E HOMOSSEXUALIDADE :A homossexualidade designa as relações entre homens e mulheres que sentem atração sexual, exclusiva ou predominante, por pessoas do mesmo sexo. A homossexualidade se reveste de formas muito variáveis ao longo dos séculos e das culturas. Sua gênese psíquica continua amplamente inexplicada. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves, a tradição sempre declarou que "os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados". São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados.


CIC 2358: Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição.



CIC 2359: As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.


Fonte: ACI digital
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger