A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Pe. Gustavo Gutiérrez - O pai da Teologia da Libertação: a teologia da libertação hoje ?

Pe. Gustavo Gutiérrez - O pai da Teologia da Libertação: a teologia da libertação hoje ?

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 13 de maio de 2015 | 09:09






“Depois de vinte anos de casamento, se você escreve uma carta para a sua esposa, não escreve a mesma coisa que teria escrito no namoro...” (Pe.Gustavo Gutiérrez).



A declaração é do teólogo e sacerdote Gustavo Gutiérrez, um dos “pais” da teologia da libertação. Sim, houve um diálogo com a Congregação para a Doutrina da Fé – e foi um diálogo muito crítico em alguns momentos; mas nunca houve uma condenação, reitera ele, respondendo à pergunta de um jornalista durante a apresentação da Assembleia Geral da Cáritas Internacional, da qual participará como expoente.




O teólogo disse que a noção central da teologia da libertação é o que chamamos de “opção preferencial pelos pobres”(Não exclusiva e nem excludente): isto “é 90% da teologia da libertação”, asseverou.


Gutiérrez declarou que esta opção é agora mais clara com o testemunho do papa Francisco, para quem “a opção preferencial pelos pobres”(Não exclusiva e não excludente), é uma questão teológica. “Se você abre a Bíblia, o tema dos pobres está lá”, completou o teólogo peruano.


“Acho que foi dado um passo muito importante nesta relação, mas, ao mesmo tempo, repito que a teologia é um ato secundário. Nós dissemos isto desde o princípio. Não é secundário em sentido pejorativo. Eu, pessoalmente, aos 40 anos não falava de teologia e acho que eu era cristão. Sim, foi possível, para mim, ser cristão antes da teologia e espero ser cristão depois da teologia”.


A questão não é, para Gutiérrez, afastar-se da teologia:


“É uma parte da minha vida e eu gosto muito de fazer teologia. Mas é uma parte da vida da Igreja, da vida das pessoas também, e tivemos aquele diálogo que, em certos momentos, foi difícil, mas nunca uma condenação. Isto não existiu”.


Por outro lado, um jornalista lhe perguntou se escreveria de novo o que já escreveu sobre teologia. O padre Gutiérrez disse que:


“antes não sabia responder a esta questão ,porque se dissesse que sim, esta não seria a resposta certa, mas, se dissesse que não, tampouco estaria certo. E contou que, em uma entrevista, encontrou o matiz adequado: a sua relação com a teologia sendo comparada com a de um casal. “Depois de vinte anos de casamento, se você escreve uma carta para a sua esposa, não escreve a mesma coisa que teria escrito no namoro. Bom, aqui seria igual. O amor é o mesmo, mas a forma de escrever muda. Para mim, fazer teologia é escrever uma carta de amor ao Deus da minha fé, à Igreja a que eu pertenço e ao meu povo. A teologia, finalizou, é a hermenêutica da esperança.”



Perguntado por ZENIT sobre a sua interpretação teológica quanto à necessidade de fazer os pobres entrarem no mundo do bem-estar ou fazer com que a sociedade adote um sistema de vida mais austero, Gutiérrez respondeu que não é possível ter solidariedade para com os pobres sem viver certa pobreza:


"Não são dois caminhos diferentes; eles seguem juntos. A solidariedade com os pobres tem a condição de viver perto deles; não seríamos solidários para com os pobres se não fôssemos amigos dos pobres.”


O teólogo constatou que existe hoje a maior distância já registrada na história entre riqueza e pobreza. Por isto, a "noção de amizade é muito importante e exige certa proximidade dessas pessoas".


Ele reconheceu, no entanto, que "tem consequências políticas e econômicas falar assim".

Fonte Zenit - Roma, 12 de Maio de 2015

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger