A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » » Origem da Campanha da Fraternidade no Brasil e seus três objetivos permanentes

Origem da Campanha da Fraternidade no Brasil e seus três objetivos permanentes

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 23 de março de 2022 | 09:08

 



A Campanha da Fraternidade é sinônimo de comunhão, conversão e partilha. Idealizada por Dom Eugênio de Araújo Sales, de Natal (RN), hoje é um movimento nacional, abraçado pelas Igrejas Particulares da Igreja no Brasil.  

 



(foto reprodução - Cardeal D. Eugênio)

 

 

Os seus “objetivos permanentes” são três:

 

 

1)-Com base na justiça e no amor, educar para a vida fraterna.

 

 

2)-Comprometer cristãos com a busca pelo bem comum.

 

 

3)-Relembrar a responsabilidade de todos em relação à evangelização.  

 


 


 

Desde seu início, o poder da coleta realizada durante a quaresma tem transformado a vida de inúmeras pessoas que não têm acesso a bens materiais básicos.  O cuidado com os pobres é mencionado repetidamente no Evangelho, e é um dos pilares da vida cristã, e o itinerário da Campanha contribui para que possamos seguir no caminho de Cristo – o único possível.     A primeira Campanha foi realizada na arquidiocese de Natal em abril de 1962, por iniciativa do então administrador apostólico, dom Eugênio de Araújo Sales. O objetivo era fazer uma coleta em favor das obras sociais e apostólicas da arquidiocese. A comunidade rural de Timbó, no município de Nísia Floresta (RN), foi o lugar onde a campanha ocorreu, pela primeira vez. O lançamento foi feito oficialmente numa entrevista do administrador apostólico da arquidiocese às Rádios Rural de Natal e Poty. Dizia, então, dom Eugênio: “Não vai lhe ser pedida uma esmola, mas uma coisa que lhe custe; não se aceitará uma contribuição como favor, mas se espera uma característica do cumprimento do dever; um dever elementar do cristão. Aqui está lançada a Campanha em favor da grande coleta do dia 8 de abril, primeiro domingo da Paixão”. A experiência foi adotada, logo a seguir em 1963, por 19 dioceses do Regional Nordeste 2, nos estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Alagoas. Em 1964, a CNBB assumiu a Campanha da Fraternidade.  

 

 

 

Fonte: http://www.cnbb.org.br/site/campanhas/fraternidade/11121-campanha-da-fraternidade-sera-lancada-no-dia-13-de-fevereiro




Dom Eugênio na fundação das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs)

  

 


Amigo pessoal de São João Paulo II, que confessou a D. Eugênio gostar muito do mamão papaia (brasileiro). O papa encontrando mamão papaia no café da manhã, São João Paulo II dizia a quem estava próximo: “Dom Eugenio está em Roma!”




Memórias de dom Eugenio



 

 


 


 

 

Por Luiz Paulo Horta - 10/07/2012

 

 

 

“Tenho quase certeza de que ele e seu amigo Helder Câmara — tão diferentes, sob alguns aspectos — teriam terminado governando um estado do Nordeste (de onde eles vinham) se não tivessem seguido a carreira eclesiástica”, diz Luiz Paulo Horta

 

 

 

 

A primeira impressão que ele (D. Eugênio) passava era de força contida. Aquele homem alto, magro, ainda atlético quando eu o conheci, evidentemente não estava na vida para brincar de sacerdote!. Em seguida a impressão se atenuava, porque ele era bem humorado e tinha o toque envolvente de um político. Tenho quase certeza de que ele e seu amigo Helder Câmara — tão diferentes, sob alguns aspectos — teriam terminado governando um estado do Nordeste (de onde eles vinham) se não tivessem seguido a carreira eclesiástica. Como bispo muito jovem em Natal, Rio Grande do Norte, dom Eugenio ganhou reputação de “comunista” — porque tinha obsessão pela questão social, ajudou a fundar sindicatos. Subindo sempre na “carreira”, foi arcebispo em Salvador e primaz do Brasil. Ele chega ao Rio de Janeiro, como arcebispo, em 1971, auge da repressão. Aí já tinha fama de “conservador”, porque não batia de frente com o regime, como faziam os cardeais Arns e Lorscheider. Agora se sabe, por reportagens como a de José Casado, que esse método “low profile” permitiu-lhe agir muitas vezes em defesa de perseguidos políticos — por exemplo, localizando prisioneiros ou abrigando uma quantidade enorme de asilados políticos que vinham do Chile, da Argentina, do Uruguai (chegou a alugar apartamentos para abrigar essas pessoas).A grande história da sua vida começa em 1979, com a eleição de Karol Wojtyla para o trono de São Pedro. Com o Papa polonês, ele desenvolveu uma ligação quase simbiótica (ainda por cima, tinham a mesma idade). Dom Eugenio tornou-se íntimo do Vaticano. Por causa do temperamento discreto, não chegou a ser um “papabile” como foram Lorscheider e D. Lucas Moreira Neves. Mas exerceu, no Vaticano, os cargos mais diversos. Encontrando mamão papaia (brasileiro) no café da manhã, João Paulo II dizia a quem estava próximo: “Dom Eugenio está em Roma!”. Juntos, Wojtyla e Eugenio Sales cortaram as asas da Teologia da Libertação em suas variantes mais próximas do marxismo. O papa polonês tinha experiência direta do que era o marxismo no poder e foi duro ao lidar com o assunto. Dom Eugenio também. Um dos capítulos desse enredo foi o caso Boff, do qual se encarregou um certo Ratzinger. Duro na teologia, dom Eugenio nunca perdeu de vista a questão social. Desenvolveu pastorais importantes como a das favelas, a do menor, tendo colaboradores incansáveis como Maria Christina Sá. A esta senhora da sociedade também coube a coordenação das duas visitas papais que são a cereja do bolo no longo arcebispado de dom Eugenio. Sobretudo a primeira foi uma coisa épica.Muitos outros trabalhos específicos se poderia atribuir a dom Eugenio. Lembro os encontros no Sumaré, onde o cardeal reunia pessoas importantes na comunidade carioca — das elites às bases — para seminários onde se discutia de tudo. O cardeal abria o encontro. Depois, sentava-se a um canto e ficava ouvindo, até chegar a hora da oração final. Assim procurava diminuir as discrepâncias de uma sociedade onde a “classe C” ainda era uma manchinha no mapa.Acho que muita coisa boa foi gerada ali. Obra da figura longilínea, sempre de preto, que gostava de fazer política. Também nisso, em comunicação direta com o Papa polonês.

 

 

 

Fonte:https://oglobo.globo.com/rio/memorias-de-dom-eugenio-5443457

 



As comunidades Eclesiais de Base surgiram para criar e fomentar o espírito cristão de amor a Deus e ao próximo tendo como característica de sua identidade – como o próprio nome indica - a "Eclesialidade!"








Nas palavras de João Paulo II, “sua base é de caráter nitidamente eclesial e não meramente sociológico ou outro”.1 Assim, elas “brotam e desenvolvem-se no interior da Igreja, são solidárias com a vida da mesma Igreja, alimentadas pela sua doutrina e conservam-se unidas aos seus pastores” (EN, n.58).A partir de uma análise das iniciativas pioneiras do Movimento de Natal, pode-se constatar que os fundamentos das conhecidas Comunidades de Base, crescente nos anos 50 e 60, já estavam presentes nos fins da década de 40. Naquela época, os padres Eugenio Sales e Nivaldo Monte, ambos assistentes espirituais da Juventude Masculina Católica e Juventude Feminina Católica, respectivamente, desenvolviam uma vasta atividade nos bairros da periferia da cidade de Natal.2 Com o auxílio de dezenas de leigos desses grupos, a preocupação principal, segundo Dom Eugenio, era a de “instalar núcleos de evangelização que fossem também núcleos de irradiação religiosa”.3A mesma preocupação da cidade se relacionava ao meio rural, ou seja, o primeiro passo situou-se no plano religioso, mas, depois, voltou-se para os problemas sociais do campo. Essa idéia se concretizou com a fundação do S.A.R. (Serviço de Assistência Rural) em 1949. “Desde o início, a equipe que atuava junto ao ‘binômio escola-paróquia’, procurou estimular e auxiliar os vigários e seus auxiliares a elaborar planos tanto de ação social como de ação pastoral. Visou não só treinar pessoal para o trabalho social, mas, também formar apóstolos para o desempenho de uma missão ao mesmo tempo religiosa e temporal. Destes treinamentos, surgiram os primeiros líderes do movimento social nas comunidades do interior e os missionários leigos”. O primeiro treinamento de líderes foi realizado em janeiro de 1952 e sua abordagem girava em torno dos temas: família, escola, paróquia, comunidade.4Em seu livro “Homenagem ao Pastor”, sobre a vida e a obra de Dom Eugenio Sales, Monsenhor Raimundo Meneses Brasil descreve o testemunho de Dom Nivaldo Monte sobre o trabalho desenvolvido: A criação das Comunidades Eclesiais de Base, na periferia de Natal, precedeu a outras atividades quando “rapazes e moças da JFC e JMC, com a autorização de Dom Eugenio, realizavam serviços naquela época permitidos pela Igreja, junto a localidades de difícil acesso, ficando ao Sacerdote apenas o Ministério do Sacramento da Penitência e o da Celebração Eucarística. Estes agentes pastorais Leigos, prévia e cuidadosamente treinados, recebiam formação que incluía normas de vida interior, direção espiritual mensal, assiduidade aos sacramentos, adoração ao Santíssimo Sacramento e devoção ao Terço”. 




Duas ações marcaram a evolução das Comunidades de Base na Diocese de Natal: a realizada em São Paulo do Potengi e as “Escolas Radiofônicas”!

 

 



1ª)- Ações em São Paulo do Potengi-RN

 

 


(o grande Arauto das CEB's)

 



Ainda na década de 50, destaca-se a cidade de São Paulo do Potengi, interior do Rio Grande do Norte, com suas inúmeras iniciativas. Tendo à frente seu zeloso pároco, Monsenhor Expedito, a paróquia desencadeou um processo de ação com avanços significativos relacionados à conquista de direitos, participação laical e organização coletiva. Suas práticas pastorais acarretaram uma projeção mundial. Ressalte-se que Monsenhor Expedito foi um dos membros do grupo liderado por Dom Eugenio que se reunia para planejar ações que culminaram no Movimento de Natal. Naquela paróquia, um dos grandes pontos de atuação da Igreja era o Centro Social, fundado em 1952. A partir dele, muitas ações religiosas e sociais se concretizaram e outras foram implantadas.O caso do Centro Social, cita Alceu Ferrari, “mostra tanto o fato de sua influência, quanto o da evolução havida. Inicialmente o Centro desenvolvia atividades de ordem religiosa, como a promoção de cursos de catequese e, entre seus Departamentos, não faltava o da Defesa da Fé e da Moral. Os cursos de catequese passaram logo para o Secretariado Paroquial de Pastoral. Na medida em que a Paróquia organizou seu Setor de Pastoral, as obras e atividades passaram a gozar de maior autonomia com relação aos objetivos especificamente religiosos”. Monsenhor Expedito contava, em sua paróquia, com aproximadamente 150 líderes engajados em atividades apostólicas e colocava em prática a dinâmica dos padres Eugenio e Nivaldo nos fins dos anos 40 e do S.A.R.: a de constituir na paróquia “núcleos ou comunidades de leigos que, sob a coordenação de um animador especialmente formado, cultivassem a sua vida cristã através da oração, culto dominical, leitura da Bíblia, reflexão, apoio mútuo e solidariedade. A experiência iniciada em São Paulo do Potengi foi transplantada para outros pontos do país e do exterior, principalmente para as zonas rurais. É o que escreve Dom Estevão Bettencourt ao referir-se à esta respectiva paróquia como lugar de origem das experiências de Comunidades Eclesiais Base.5 Monsenhor Brasil recorda as palavras de Dom Nivaldo a esse respeito:




“Lideres preparados, atentos às exigências do Apostolado, em plena atividade, experimentavam ainda mais a agradável sensação ao constatar que os visitantes reconheciam ali existir uma Igreja mais familiar e mais atuante, sempre pronta a enfrentar todos os desafios, comuns à Região e ao nosso Brasil”.6

 

 

 

 

2ª)-As Escolas Radiofônicas

 



 


 

 

A idéia da utilização do rádio para "programas de educação de base das populações rurais" data de 1948, mas, somente em 1958 foi concedida ao S.A.R. a autorização para a obtenção de um canal. No dia 10 de agosto do mesmo ano foram organizadas as chamadas “Escolas Radiofônicas”, dando-se início à primeira experiência de educação pelo rádio.7 O papel das escolas radiofônicas para a alfabetização e formação da comunidade foi fundamental além de se tornarem “veículos de educação e conscientização, sementes de Igreja”. Segundo Pe. Marins, “um esforço de resposta efetiva da Igreja, como comunidade comprometida com o homem e suas lutas.Então se catequizava pelo rádio! Aos domingos as comunidades se reuniam em torno do aparelho de rádio para responder à missa que o bispo celebrava e para escutar a sua palavra (...).8Em 1960, por exemplo, o Centro Social de São Paulo do Potengi colocou 62 rádios cativos em capelas e fazendas da paróquia atingindo cerca de 700 alunos. No ano seguinte, 121 novos aparelhos foram levados para outras regiões. Um Convênio assinado entre a Presidência da República e a CNBB, em 1961, fundou o Movimento de Educação de Base (MEB) e estendeu a experiência a outras áreas do Brasil.Este modelo de educação de base levou à formação de pequenas comunidades e “constituíam uma rede fundamental de promoção humana e de evangelização. Eram comunidades que se evangelizavam e eram evangelizadoras. Em 1963 eram 1.410 escolas radiofônicas na Diocese de Natal”.9A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) abordou o assunto no Plano de Emergência aprovado na V Assembléia Ordinária (1962). O texto afirmava: “Urge vitalizar de dinamizar nossas paróquias tornando-as instrumentos aptos a responder à premência das circunstâncias e da realidade em que nos encontramos”. Um dos caminhos propostos era fazer da paróquia “uma comunidade de fé, de culto e de caridade”.10 - No posterior Plano de Pastoral de Conjunto (1966): “Faz-se urgente suscitar e dinamizar, dentro do território paroquial, ‘comunidades de base’ onde os cristãos sintam-se acolhidos e responsáveis, e delas façam parte integrante, em comunhão de vida com Cristo e com todos os seus irmãos”.11 A II Conferência do Episcopado Latino Americano em Medellín (1968) tratou do tema denominando a comunidade de base como “o primeiro e fundamental núcleo eclesial, que deve, em seu próprio nível, responsabilizar-se pela riqueza e expansão da fé, como também pelo culto que é sua expressão. É, portanto, célula inicial de estruturação eclesial e foco de evangelização e fator primordial de promoção humana e desenvolvimento”.12 No decorrer do Sínodo dos Bispos de 1974, as comunidades de base foram objeto de atenção e na Exortação Apostólica Pós-Sinodal, “Evangelii Nuntiandi”, dedicou-se um parágrafo significativo no qual estão elencadas as características e condições para corresponderem à sua vocação fundamental de ouvintes, destinatárias e anunciadoras do Evangelho. Deverão atuar, portanto, como “lugar de evangelização; esperança para a Igreja, à medida que procurem o seu alimento na Palavra de Deus e não na polarização política ou ideologias; ligadas à Igreja local e à universal; em comunhão com os Pastores que o Senhor dá à sua Igreja e com o Magistério; sem se considerarem únicas destinatárias, agentes ou depositárias do Evangelho e progredindo na consciência do zelo, aplicação, irradiação e dever missionário”.13 - “Na sua experiência já amadurecida, as CEBs querem ser Igreja como o Concílio Vaticano II desejou: uma Igreja toda ministerial a serviço do Reino de Deus”.14

 

 

 

 

REFERÊNCIAS:

 

 

 

[1]JOÃO PAULO II, Mensagem aos líderes das Comunidades de Base no Brasil, 1980, n.3.< https://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/messages/pont_messages/1980/documents/hf_jp-ii_mes_1980810_comunita-base-brasile_po.html>. Acesso em: 2 de maio de 2010.



[2]FERRARI, Alceu, Igreja e Desenvolvimento – O Movimento de Natal, Natal, Fundação José Augusto, 1968, p.60-63.



[3]FERRARI, Alceu, Igreja e Desenvolvimento – O Movimento de Natal, Natal, Fundação José Augusto, 1968, p.222



[4]FERRARI, Alceu, Igreja e Desenvolvimento – O Movimento de Natal, Natal, Fundação José Augusto, 1968, 79; 236s.



[5]Estevão, Bettencourt, Revista “Pergunte e Responderemos”, 251/1980 pp. 461-468



[6]Menezes Brasil, R., Homenagem ao Pastor: cinqüenta anos de serviço à Igreja, RJ, Forense, 1996, p. 102



[7]FERRARI, Alceu, Igreja e Desenvolvimento – O Movimento de Natal, Natal, Fundação José Augusto, 1968, p. 85



[8]MARINS, JOSÉ, Revista “Concilium” 1975/4, p.408.



[9]Idem.



[10]CNBB, Plano de Emergência, n.2, 1962.



[11]CNBB, Plano de Pastoral de Conjunto, 1966.



[12]MEDELLÍN, Pastoral de Conjunto, 11.



[13]PAULO VI, Exortação Apostólica Pós-sinodal “Evangelii Nuntiandi”, n.58



[14]CNBB, Mensagem sobre as CEBs, 48ª Assembleia Geral, 2010

 


Fonte:https://domeugeniosales.webnode.com.br/comunidades-eclesiais-de-base/





Quem foi Dom Eugênio Sales?  

 



 

(foto reprodução: Papa São João Paulo II e D. Eugênio)



Dom Eugênio Sales, ao completar 90 anos, recebeu na ocasião uma justa homenagem do Senado Federal. Dom Eugênio ficou conhecido como o idealizador das comunidades eclesiais de base e da Campanha da Fraternidade, destacando-se também a sua atuação na ajuda aos perseguidos políticos durante o regime militar. Dom Eugênio nasceu na Fazenda Catuana, em Acari (RN), no dia 8 de novembro de 1920, em uma família católica. Realizou seus primeiros estudos em Natal (RN), indo, posteriormente, para Fortaleza (CE), onde cursou Filosofia e Teologia. Foi ordenado sacerdote em 1943 em Natal.  Ordenado bispo ainda muito jovem, aos 33 anos, assumiu como bispo auxiliar de Natal em 1954, e em 1962 tornou-se administrador apostólico dessa mesma arquidiocese. Em 1964 tomou posse como administrador apostólico de Salvador, sendo elevado a arcebispo dessa sede em 1968, tornando-se, assim, primaz do Brasil (isto é, titular da diocese mais antiga do país).  Em 1969, Dom Eugênio Sales foi feito cardeal pelo papa Paulo VI. Em 1971 tornou-se arcebispo do Rio de Janeiro, função em que permaneceu até 2001, quando se aposentou (se tornando bispo emérito). Entre 1972 e 2001 acumulou também a função de bispo dos fiéis de Rito Oriental do Brasil. Foi também membro de 11 congregações na Cúria Romana.    








Sua vida apostólica foi marcada pela defesa da ortodoxia católica e pela oposição à Teologia da Libertação (aquela de linha Marxista e Revolucionária Armada, não à aquela Teologia da Libertação Cristã e evangélica também, defendida por seu grande amigo pessoal, São João Paulo II como justa e necessária). 







Dom Eugênio ficou conhecido também pela atuação em defesa dos refugiados políticos do Brasil e de outros países latino-americanos no período entre 1976 e 1982. 







Dom Eugênio montou, nessa época, uma rede de apoio a esses refugiados, abrigando-os, primeiramente, na sé episcopal (Palácio São Joaquim) e depois em apartamentos alugados com essa finalidade. Contou com apoio da Cáritas Brasileira e do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados para financiar essa estadia, até conseguir asilo político a essas pessoas em países europeus.

 

 

Fonte: Agência Senado




------------------------------------------------------

 

 

 

APOSTOLADO BERAKASHComo você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicadosInfelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente, e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 





filhodedeusshalom@gmail.com

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger