A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , , » Confundido Memorial com Presença Real Leonardo Boff equivale a Eucaristia a um reles toco de cigarro

Confundido Memorial com Presença Real Leonardo Boff equivale a Eucaristia a um reles toco de cigarro

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 5 de março de 2022 | 17:44

 

 


 

 

O SACRAMENTO DO “TOCO DE CIGARRO” (Leonardo Boff)

 

 

Capítulo I. Porta de entrada do edifício sacramental.

 

 

 


 

O homem está no mundo. Ele “é capaz de ler a mensagem do mundo” (p. 9) através das realidades que, em suma, são sinais de outra realidade. E assim chegamos a Deus, a “realidade fundante de todas as coisas” (p. 10). O homem pode “fazer de um objeto um símbolo e de uma ação um rito” (p. 11). Quando essa ação e esse objeto apontam para outra coisa maior, então chamamos de sacramento. Para o cristianismo a matéria é sacramental. Esta chegou à sua máxima densidade em Jesus Cristo, Sacramento Primordial do Pai. Este deixou a Igreja que é (COMO QUE...) sacramento universal de salvação. Ela se concretiza nas várias situações da vida e funda a estrutura sacramental centrada especialmente nos sete sacramentos (p. 12).

 

 

 

O Sacramento da Caneca e do toco de cigarro!?

 

 

 

A Igreja sempre percebeu que tudo pode ser sinal sacramental da graça divina. Sacramentos segundo Boff, são “sinais que contém, exibem, rememoram, visualizam e comunicam uma outra realidade diferente deles, mas presente neles” (p. 18). A linguagem da religião e do sacramento nunca é apenas descritiva, mas principalmente evocativa: de um passado e de um futuro vividos no presente (p. 18). O exemplo da caneca que traz Boff, evoca muito bem isso. Quem olha de fora com um olhar científico não enxerga o mesmo que quem olha de dentro com um olhara sacramental. Nesse sentido, o toco de cigarro do pai lembra ao autor, o pai que viveu e vive com ele. Ele remota à fé, que “ilumina e exorciza o absurdo da morte” (p. 22). Quando mais profundamente o homem se relaciona com o mundo e com as coisas do seu mundo, mas encontra a sacramentalidade (p.23).

 

 

 

Recordemos também, a ilustração do pão que uma mãe faz para os filhos na história contada por Boff

 

 

 

 

Esse pão é “diferente porque recorda e traz presente por si mesmo (in-manência) e através de si mesmo (trans-parência) algo que vai além de si mesmo (trans-cendência)” (p. 29). E essa é a dimensão sacramental daquele gesto que a mãe zelosamente repete. Esse gesto depende também de quem observa. Isso pode ser alargado ao mundo. No capítulo II, Boff fala da caneca. Aquele utensílio doméstico que nos remete a épocas tão antigas, e a diversas situações com ela vividas. Diz que a caneca vista de fora, com os óculos do cientista, é tão-somente um objeto de louça ou de ferro, porém, com os olhos da fé sacramental, a mesma caneca adquire uma importância inefável: "A caneca fala da história da família que ela sempre acompanhou, na vida e na morte. Ela foi entrando cada vez mais na família. No final era um filho a mais cercado de carinho. E hoje está lá ainda a falar e a relembrar na fidelidade e na humanidade de servir a água que agora ficou doce, fresca e boa por causa da caneca...Essa é a visão interior da caneca. Foi o relacionamento havido com ela que a fez ser um sacramento familiar." (p. 19). No capítulo III, o autor discorre sobre o sacramento do toco de cigarro. Nos soa estranho, banal e reducionista referir-se a tão grande mistério dessa forma, comparando a Eucaristia, o Sacramento por excelência a um simples toco de cigarro. Principalmente hoje em dia, onde temos campanha contra o fumo, despersuadindo os tabagistas de continuarem no vício que já ceifou tantas vidas, talvez até de alguém bem próximo(a) a nós. Nesta parte do livro, Boff narra uma experiência pessoal, para fazer essa analogia: "Era o dia 11 de agosto de 1965. Munique, na Alemanha. Lembro-me bem: lá fora as casas aplaudiam o sol vigoroso do verão europeu; flores multicores explodiam nos parques e acenavam ridentes das janelas. São duas horas da tarde. O carteiro me traz a primeira carta da pátria. Ela vem carregada de saudade deixada pelo caminho percorrido. Sofregamente abro-a. Todos de casa escreveram. Parece quase um jornal. Paira um mistério: "Já deves estar em Munique quando leres estas linhas. Iguais a todas as outras, esta carta, embora diferente das demais, te traz uma bela mensagem, uma notícia que, vista sob o ângulo da fé, é deveras alvissareira. Deus exigiu de nós, há poucos dias, um tributo de amor, de fé e de penhorado agradecimento. Ele desceu no seio da nossa família. Olhou-nos um a um e escolheu para si o mais perfeito, o mais santo, o mais maduro, o melhor de todos, o mais próximo d'Ele, o nosso querido papai. Querido, Deus não o tirou de nós, mas deixou-o mais ainda entre nós. Deus não levou papai só para si, mas deixou-o mais ainda para nós. Ele não arrancou papai da alegria de nossas férias, mas plantou-o mais fundo na memória de todos nós. Deus não furtou papai da nossa presença, mas deu-o mais presente. Ele não o levou, mas o deixou. Papai não partiu, mas chegou. Papai não foi, mas veio para que papai fosse mais pai ainda, para que papai estivesse presente hoje e sempre, aqui no Brasil com todos nós, contigo na Alemanha, com o Ruy e o Clodovis em Lovaina e com o Waldemar nos Estados Unidos." (p. 22, negritos meus).

 

 

 

Realmente, é um lindo e comovente relato! No dia seguinte, Boff examina melhor o envelope da missiva e observa a presença de um toco de cigarro.

 

 

 

"Fora o último que havia fumado, momentos antes de um enfarte do miocárdio o haver libertado definitivamente desta cansada existência." (p. 22). E Boff define sacramento: "Toda vez que uma realidade do mundo, sem deixar o mundo, evoca uma outra realidade diferente dela, ela assume uma função sacramental. Deixa de ser coisa para se tornar um sinal ou um símbolo. Todo sinal é sinal de alguma coisa ou de algum valor para alguém. Como coisa pode ser absolutamente irrelevante. Como sinal pode ganhar uma valoração inestimável e preciosa. Tal o toco de cigarro de palha que, como coisa, é lançado ao lixo. Como símbolo é guardado qual tesouro inapreciável." (p. 23).

 

 

 

CRÍTICAS “A TEOLOGIA SACRAMENTAL DO TOCO DE CIGARRO” DE LEONARDO BOFF:

 

 


 

Essencial é, assim compreender qual é o sentido que o teólogo Boff empresta a este termo análogo, a partir de sua obra: Igreja Carisma e Poder: "A Igreja é aquela parte do mundo que, na força do Espírito, acolheu o Reino de forma explícita na pessoa de Jesus Cristo, o Filho de Deus encarnado na opressão, guarda a permanente memória e a consciência do Reino, celebra sua presença no mundo e em si mesma detém a gramática do seu anúncio, a serviço do mundo" (p.16).

 

 

(a igreja boffenta e protestante precisam aprender o básico)



A definição é longa e precisa de explicação! O mundo é, para Boff:

 

 

"O lugar da realização histórica do Reino" (idem). E o Reino - "que engloba mundo e Igreja" - "é o fim bom da totalidade da criação em Deus finalmente liberta totalmente de toda imperfeição e penetrada pelo Divino que a realiza absolutamente" (idem).Assim, o Reino - tão estranhamente formulado particularmente por Boff - se realiza no mundo e a Igreja é mediadora dele - mas não exclusiva mediadora (pp.84 e 139) - mas um de seus sinais, segundo Boff, não o único sinal.

 

 



Boff abandona, desta forma, dois conceitos fundamentais do catolicismo!

 

 

 

 

1)-Um, expresso diretamente por Nosso Senhor Jesus Cristo ao dizer: "Meu Reino não é deste mundo".

 

 

2)-E outro, decorrente do "quem crer e for batizado será salvo, quem não crer será condenado". (Mc 16,16),complementado por: "quem vos ouve a mim ouve " (Lc 10,16), e sintetizado na fórmula "extra Ecclesiam nulla salus".

 

 



O que Boff prega é pois uma outra igreja que conduz a um Reino meramente terreno, sem transcendência!

 

 

 

 

Uma igreja que é cósmica, igualitária e pneumática. Diz Boff: "Se porém o Cristo pneumático (ressuscitado) não conhece mais limitações e limites estanques então Seu corpo que é a Igreja não pode também se encapsular dentro dos limites de sua dogmática, de sua liturgia e de seu direito canônico. A Igreja possui as mesmas dimensões do Cristo ressuscitado. E essas dimensões são cósmicas. Suas funções e mistérios, suas estruturas e serviços que existem e devem existir, devem contudo manter-se sempre abertos ao Espírito que sopra onde quer e que é uma permanente força dinâmica no mundo. Todos os homens agraciados e que estão com o Espírito Santo deveriam por isso mesmo sentir-se membros da Igreja e encontrar um lugar para si dentro de suas estruturas visíveis. Ninguém está fora da Igreja, porque não existe mais um "fora", porque ninguém está fora da realidade de Deus e do Cristo ressuscitado. O homem pode contudo negar-se à cobertura; pode subjetivamente recursar-se a aceitar semelhante realidade. Mas nem por isso ele deixará de estar dentro" (p.232).

 

 

 

Boff deseja pois uma Igreja sem definições dogmáticas, litúrgicas ou canônicas – Uma Igreja “Casa-da-mãe-Joana!”

 

 



 

(pasmem! isso é uma missa!)

 



Não é de estranhar assim que Boff considere "importante" a afirmação de T. Bruneau: "A desintegração institucional é, a meu ver, a condição “sine qua non” da participação do leigo na Igreja do Brasil". É, aliás, sobre a Igreja enquanto instituição que ele descarrega o mais pesado de suas críticas, acusando-a de ser não acidental, mas essencialmente, uma violadora dos direitos humanos (pp.58 e ss.). De acordo com Boff, na Igreja "a desigualdade estrutural produzida pela detenção dos meios de produção simbólica por parte de um grupo gera uma situação de permanente conflito com os direitos humanos". Os "detentores dos meios de produção simbólica" são os membros da hierarquia eclesiástica, encarregada por Cristo de ensinar a Verdade e de conduzir os homens à salvação. Para Boff, enquanto perdurar uma "compreensão dogmática e doutrinária da revelação e da salvação de Jesus Cristo dever-se-á contar irretorquivelmente com a repressão da liberdade do pensamento divergente dentro da Igreja" (p.75). Para afastar-nos de tal perigo o zeloso teólogo recomenda-nos um estudo seu publicado na REB 35. Mas, como realizar esse benéfico trabalho de destruição da estrutura eclesiástica?

 

 

 

Serão suficientes os estudos e as palavras de tão inefável, INERRANTE e INFALÍVEL teólogo, em comparação com a Tradição e Magistério Milenar da Igreja?

 

 

 


Não! Em primeiro lugar, convém exorcizar a tentação idealista de que basta um recurso à modificação das consciências para produzir uma mudança estrutural na Igreja. Mais do que as novas idéias são as práticas diferentes,mas carregadas de verdade e não de achologia, que fazem não mudar-por-mudar, mas evoluir a prática eclesial. Certamente devemos reconhecer Marx e Antonio Gramsci ao tratassem deste assunto, não o diriam melhor. Santo Agostinho humildemente recinheceu erros em sua teologia e fez uma RETRATAÇÃO. Boff é inerrante, quem tem que se retratar é a Igreja mesmo que ela seja a Coluna e sustentáculo da verdade(1 Tim 3,15). Não se pense, entretanto, que Boff defenda essas sublimes teorias sem apoiar-se nas suas autoridades supostamente competentes da matéria. Longe disso! Ao comentar, por exemplo, a "patologia" da "compreensão dicotômica" da Ecclesia docens e discens, depois de rejeitar a autoridade do Papa S. Pio X, que ele cita em segunda mão e numa tradução falseada (cfr. p. 218), apoia-se numa autoridade surpreendente em matéria eclesiástica: O pedagogo marxista Paulo Freire, o qual "mostrou o caráter patológico desse tipo de relação" - o tipo de relação defendido por S. Pio X - "que desumaniza um polo e o outro". Mereceriam também comentário os textos de Boff sobre a natureza do Corpo de Cristo Ressuscitado - que ele identifica com o Espírito - sobre a unidade, santidade, catolicidade e apostolicidade da Igreja, sobre os sacramentos, sobre a Fé e - resumindo - sobre praticamente todos os temas por ele tratados. Uma pessoa ingênua que lesse este livro de Boff poderia pensar que se enganou julgando comprar um livro católico. A religião professada em suas páginas é outra. A Igreja é outra, outro é o Evangelho, outra a Fé, outros os Sacramentos, outro o seu Deus, que não é o revelado por Jesus nos evangelhos.

 

 

 

A Santa Sé pediu o Silêncio Obsequioso (conf. Rom 14,22) a Boff. Ele a princípio se calou. Por que? Ele mesmo o explica:

 

 

 

 

Romanos 14,22: “Assim, seja qual for o seu modo de crer a respeito destas coisas, que isso permaneça entre você e Deus. Feliz é o homem que não se condena naquilo que aprova!”




O problema é quando queremos sair do particular para o universal se achando o supra-sumo da Teologia!

 

 

 

 

"Evidentemente a velha Igreja olhará com certa desconfiança para a nova Igreja na periferia e para as liberdades evangélicas que ela se toma(?). Poderá ver nela uma concorrente; gritará em termos de Igreja paralela; magistério paralelo, falta de obediência e lealdade para com o Centro! A Igreja nova deverá saber usar de uma inteligente estratégia e tática: não deverá entrar no esquema de condenações e suspeitas como o Centro poderá fazer. Deverá ser evangélica, compreender que a instituição enquanto é poder somente poderá usar a linguagem que não ponha em risco o próprio poder, que sempre temerá qualquer afastamento do comportamento ditado pelo Centro e verá isto como deslealdade. Apesar de poder compreender tudo isso, a Igreja nova deverá ser lealmente desobediente. Explico-me: deverá buscar uma profunda lealdade para com as exigências do Evangelho; deverá ouvir a voz do Centro para se questionar da verdade de sua interpretação evangélica; caso estiver crítica e profundamente convencida de seu caminho, deverá ter a coragem de ser desobediente no Senhor e no Evangelho às imposições do Centro, sem rancor nem lamúria, mas numa profunda adesão à mesma vontade de ser fiel ao Espírito que presumimos existir também no Centro. Salva-se, portanto, a comunhão básica. Esta pureza evangélica é provocação para o Centro para ele mesmo despertar para o Espírito que não pode ser canalizado segundo os interesses humanos. A abertura à comunhão com o todo, a exclusão sequer da possibilidade de uma ruptura que destruísse a unidade e a caridade, mesmo que isso signifique isolamento, perseguição e condenação por parte do Centro constitui a garantia de autenticidade cristã e zelo de inspiração evangélica" (p.107).

 

 

 

Ou seja, para Boff a Igreja nova deve compreender que o Centro, porque é poder, não pode falar senão pelos poderosos, sendo sua palavra no mínimo suspeita; deve, além disso, sem se submeter, não romper nunca com Roma, embora a comunhão essencial - a da Fé - já esteja rompida. A grande verdade por trás de tudo isso que Boff apregoa é que já não se trata, na realidade, de manter a unidade pela caridade, mas de dissimular hipocritamente o rompimento. Esse procedimento foi comum a muitas heresias, de modo especial às mais perigosas dentre elas. Repetindo-o, a nova Igreja, da qual Boff é um dos mentores, segue o caminho daqueles que através da história, quiseram utilizar a Arca da Salvação para propagar o erro e a mentira, talvez até de forma sincera, mas sinceramente equivocada.

 

 

 

 

CONCLUSÃO

 

 





A heresia de Leonardo Boff não é Cristológica e nem Trinitária, mas eclesiológica! Ou seja, Boff está apegado a um conceito pessoal e equivocado da Igreja, mas quer tornar esse erro universal. Para ele toda a Igreja hierárquica está errada, mas apenas ele está certo! Com esse seu malabarismo achológico e sentimentalóide em querer comparar os Sacramentos e por conseguinte, a eucaristia como mero simbolismo memorial, confunde a ordem de Cristo para fazer memória de seu sacrifício, com a presença real dentro deste mesmo memorial, que é a eucaristia, ou seja:“A celebração da Santa Missa é realmente memorial, porém, a presença de Cristo nas espécies consagradas é Real” (conf. Lucas 22,19).Do contrário, seria negar o que Jesus disse e São Paulo RATIFICOU:1 Cor 11,28-29: “Examine, pois, cada um a si próprio, e dessa maneira coma do pão e beba do cálice. Pois quem come e bebe sem ter consciência do corpo do Senhor, come e bebe para sua própria condenação.”Boff, seus familiares e fanáticos seguidores, não serão condenados se darem um “trago no toco de cigarro de seu pai, considerando-o apenas um reles toco de cigarro”, já com as espécies consagradas (já não mais possíveis pelas mãos de Boff), os resultados seriam catastróficos. Portanto, comparar o toco de cigarro com a eucaristia, pode até se aplicar ao memorial da missa, porém, jamais com a presença real de Jesus na Eucaristia, a qual pode operar maravilhas que com todo respeito ao seu falecido genitor, "o toco de cigarro do pai de Boff" jamais vão poder operar!

 



 






------------------------------------------------------

 

 

APOSTOLADO BERAKASH: Como você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger