A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » » As duas grandes lições que aprendemos com a mulher hemorroíssa que foi curada de seu fluxo de sangue

As duas grandes lições que aprendemos com a mulher hemorroíssa que foi curada de seu fluxo de sangue

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 27 de fevereiro de 2022 | 18:12

 


 

Este episódio tornou-se basilar na economia sacramental, é tanto que a segunda parte do Catecismo é aberto com esta cena pintada em um afresco do início do Sec. IV das catacumbas de São Pedro e São Marcelino (figura abaixo).

 

 

 


 

O grandioso milagre da cura da mulher do fluxo de sangue é inserido por Marcos entre dois momentos da caminhada de Jesus. Ele foi procurado por Jairo, um dos principais da sinagoga, devido sua filha estar morrendo (Marcos 5,21-24). Jesus, atendendo ao pedido vai com Jairo para realizar o grande milagre narrado, em que Ele ressuscita a filha dele (Marcos 5,35-43). No meio desse caminho a mulher com o fluxo de sangue o tocou e foi curada.

 

 

 

Duas grandiosíssimas lições, aprendemos com a mulher hemorroíssa:

 


 


 

1ª)- Os evangelistas não revelam o nome dessa mulher. Ela é descrita como “certa mulher” por Marcos: “Aconteceu que certa mulher, que, havia doze anos, vinha sofrendo de uma hemorragia” (Marcos 5,25).Temos a revelação do tempo que ela sofria dessa doença (12 anos), mas não a doença em si, detalhadamente. Marcos nos revela o principal sintoma que a doença crônica provocava, que era a hemorragia.E esse detalhe irá nos ajudar a entender a grandeza dessa mulher.É bem possível que um sangramento desse tipo, tão longo, fosse algo relacionado a uma menstruação desregulada e frequente. Caso essa teoria esteja certa, além do desconforto físico e emocional, temos o desconforto social e espiritual que essa mulher sofria:

 

 

-Físico e emocional por conta da fraqueza e demais sintomas que essa doença trazia a ela. Um sangramento baixa a resistência do corpo, causa deficiências de ferro, trazendo possibilidade de anemia e outros tantos problemas físicos possíveis que a debilitavam para viver de forma plena a sua vida.

 

 

-Os fatores emocionais envolvidos aqui também saltam aos olhos. Viver uma situação grave por tanto tempo mexe com o emocional de uma pessoa.

 

 

-Social por conta da vergonha, talvez o mal cheiro exalado e toda a dificuldade de controlar esses sangramentos em uma época que não tínhamos tantos recursos médicos e higiênicos (como absorventes, por exemplo). Já imaginou como seria trocar a todo tempo roupas manchadas de sangue? Será que ela era casada? Não sabemos, mas se fosse, imagine a dificuldade desse casamento! Se não fosse, certamente não arrumaria marido nessas condições, já que a Lei proibia o homem de se deitar com mulher enferma (Leia Levítico 20,18).

 

 

 

-Espiritual porque a Lei de Moisés proibia que pessoas com fluxos, seja de sangue, seja de sêmen (no caso dos homens) cultuassem em público: “Também a mulher, quando manar fluxo do seu sangue, por muitos dias fora do tempo da sua menstruação ou quando tiver fluxo do sangue por mais tempo do que o costumado, todos os dias do fluxo será imunda, como nos dias da sua menstruação” (Levítico 15,25).Ser imunda nesse contexto significa ser inapropriada para cultuar. Ou seja, ela não poderia ir ao templo e realizar atividades de culto a Deus. Isso certamente trazia impactos espirituais grandes no coração dessa mulher. Mas a grande lição que aprendemos aqui com essa mulher é sua humildade, e quem se humilha é exaltado! - "Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que Ele no seu tempo oportuno vos exalte..."  (1 Pedro 5,6).

 

 


 

2ª)- Além de tudo isso, a mulher do fluxo de sangue, que aparentemente seria uma mulher com certas posses, viu seu dinheiro ser consumido por tratamentos médicos que não resolveram seu problema: “e muito padecera à mão de vários médicos, tendo despendido tudo quanto possuía, sem, contudo, nada aproveitar, antes, pelo contrário, indo a pior” (Marcos 5,26).Tudo isso nos pinta um quadro da profunda tristeza e sofrimento sobre o qual essa mulher vivia diariamente em todas as áreas de sua vida! Mas uma coisa no coração da mulher do fluxo de sangue salta aos olhos: mesmo enfrentando tão longa dor e intempéries de todos os tipos e em todas as áreas da vida, sua fé aparece na história como algo de precioso que ela não perdeu. Diante da presença de Jesus ela creu que nem precisaria conversar com Ele, ou pedir algo, mas apenas tocá-lo: “tendo ouvido a fama de Jesus, vindo por trás dele, por entre a multidão, tocou-lhe a veste. Porque, dizia: Se eu apenas lhe tocar as vestes, ficarei curada” (Marcos 5,27-28).Na sequência da história observamos a cura dela, observamos que Jesus sente que algo ocorreu e deseja saber quem o tocou: “Então, a mulher, atemorizada e tremendo, cônscia do que nela se operara, veio, prostrou-se diante dele e declarou-lhe toda a verdade” (Marcos 5,33).Por que ela tremia e sentia medo? Talvez ainda em êxtase pelo que ocorreu, tentando entender tudo que ocorreu com ela e agora tendo a atenção daquele que a curou.Alguns sugerem que ela não poderia tocar em um mestre religioso por conta da sua impureza (como citamos acima na Lei de Moisés) e sentiu medo de ser repreendida. O fato é que Jesus faz uma espécie de confirmação da plenitude do milagre na vida dela, trazendo ao coração dela, certamente, toda a paz para continuar sua vida, agora, totalmente liberta de todo aquele mal que a afligiu por mais de 12 anos. Talvez mesmo sem conhecer a Palavra esta mulher tenha vivido a realidade esponsal e confiante em Jesus quando este instruiu seus discípulos dizendo que se eles tivessem fé “como um grão de mostarda” poderiam dizer “a este monte: Passa daqui para acolá — e há de passar; e nada vos será impossível” (Mt 17,20). A fé que a movera a buscar o Senhor e tocar em suas vestes fez com que ela sentisse que instantaneamente havia estancado “a fonte do seu sangue”, isto é, ela “sentiu no seu corpo estar já curada daquele mal” (v.29). 

 

 






Tal como ela pensara lhe sucedeu! Deus para criar o mundo, pensou e visualizou antes! Como está o nosso "se"? Precisamos exercitar a nossa fé no "se", principalmente quando está conforme a vontade de Deus. Assim a promessa de Deus nos assegura em Marcos 11,24:



"Por isso vos digo: tudo quanto suplicardes e pedirdes, crede que já o recebestes, e assim será para vós!" (conforme trad. Bíblia de Jerusalém).




Jesus percebe que d’Ele “saíra” virtude!


 



 

Por sua vez, Jesus percebe claramente que dEle “saíra” virtude (v.30a), isto é, “força” ou “poder”. Tal virtude não lhe é apenas latente, mas evidente e conhecida dos escritores neotestamentários, pois ela não era um acessório, mas um instrumento a serviço do Pai no cumprimento do ministério terreno do Senhor (Lc 6,19). Ao discursar na casa de Cornélio, o apóstolo Pedro disse que Deus “ungiu Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude” e que por isso o Mestre “andou fazendo o bem e curando a todos os oprimidos do diabo” (At 10,38). O mesmo Lucas, referindo-se a Jesus, registra na narrativa paralela que trata da cura do paralítico de Cafarnaum, que “a virtude do Senhor estava com Ele para curar” (Lc 5,17b). Portanto, a virtude que a mulher “extraíra” de Jesus, não se caracteriza como um ato reprovável, antes deve ser vista como a apropriação legítima de um poder que se encontrava à disposição dos que dele tinham uma clara e real necessidade.

 

 

 

Uma pergunta que “ninguém” entendeu!

 

 

 




À pergunta do Mestre ― “Quem tocou nas minhas vestes?” (v.30b) ―, faltou sensibilidade e tato dos seus discípulos para entendê-la, pois eles observam que a multidão apertava o Senhor (como se Jesus fosse incapaz de perceber o quanto era comprimido) e admirados questionam como pode o Senhor querer saber quem o tocou (v.31). Evidentemente que a mulher, que ainda não havia se afastado suficientemente dali, ouvira o Senhor indagando e sabia que era a responsável por aquele toque. Ela transgredira a Lei e, desconhecendo a reação do Mestre, sabia o que isso poderia lhe causar. Jesus procura fazer contato visual com a pessoa responsável por tocá-lo com fé e propósito (v.32). Em muitas outras ocasiões é perceptível que Ele conhecia os pensamentos e intenções das pessoas (Mc 2,6-8; Jo 6,64). Assim, a pergunta do Mestre “Quem tocou nas minhas vestes?”, não sinaliza um desconhecimento, antes figura como uma oportunidade de a mulher revelar-se publicamente, alcançando visibilidade e espaço. Dessa forma, Jesus a restituía socialmente. Na realidade, como se pode perceber, a “procura” de Jesus é parte do processo da cura completa que Ele queria dar-lhe. O medo da mulher em revelar-se não era sem razão, pois ciente de sua condição, ela sabia que tudo em que tocasse, mesmo involuntariamente, ficaria impuro (conf. Lev 15,19-33). Seu receio poderia advir não apenas de ter tocado em Jesus, mas de ter esbarrado nas pessoas e estas se revoltarem por terem ficado cerimonialmente impuras, já que certamente para se aproximar do Senhor que estava comprimido pela multidão, ela deve ter “tocado” em muita gente que, ao saber de sua condição, poderia voltar-se contra ela (v.27). Ainda assim, observa Marcos, ela “aproximou-se, e prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade” (v.33). Tal “confissão” fez toda a diferença, pois oportunizou a Jesus, como já foi dito, restituí-la radical e completamente.A mulher que buscara a cura às escondidas, pelas razões já expostas e analisadas, agora tem a sua fé revelada publicamente e de forma explícita. Tal atitude do Senhor devolveu-lhe a dignidade perdida pelo estado de permanente impureza cerimonial e, não apenas isso, mas a fé que a moveu para ser curada transformou-se em “fé salvífica”, pois Jesus disse-lhe: “Filha, a tua fé te SALVOU!; vai em paz e sê curada deste teu mal” (v.34). Além de ter sua cura confirmada pelo Mestre, a mulher ainda obteve o maior bem que um ser humano pode alcançar de Deus: ― A SALVAÇÃO!  Ainda que seu nome próprio não seja conhecido, o Senhor dirige-se a ela chamando-a de “filha”. A despedida desejando- lhe “paz” também não é algo meramente formal e protocolar, mas designa um estado de espírito bem como descreve sua situação espiritual diante de Deus (Rm 5,1-2). A mulher que antes se aproximara, “temendo e tremendo”, e que caíra aos pés do Senhor, levanta-se como uma nova mulher. 







Depois desse fato não temos mais menção dessa mulher nos evangelhos. Será que ela se juntou a Jesus? Será que estava entre as várias mulheres que o serviam? Essas são perguntas que gostaríamos muito de saber sobre a mulher do fluxo de sangue, porém, os evangelistas não nos trouxeram detalhes sobre elas, mas saberemos desta e de tantas outras belas histórias no Céu!








-----------------------------------------------------




 

APOSTOLADO BERAKASHComo você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente, e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 



filhodedeusshalom@gmail.com

 

 

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger