A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , » Dom Mariano Manzana: "Os pobres são os preferidos de Deus, mas os humildes são os seus prediletos"

Dom Mariano Manzana: "Os pobres são os preferidos de Deus, mas os humildes são os seus prediletos"

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 14 de novembro de 2021 | 14:03

 


 

 

A minha filha mais velha, sempre foi muito questionadora, e me lembro que quando ela tinha uns 12 anos me perguntou assim a queima roupa: “Pai, se Deus sabe tudo, pra que a gente pedir alguma coisa pra Ele, se Ele já sabe tudo que precisamos?” - Confesso que na hora fiquei meio atordoado sem saber dar uma resposta convincente. Até citei um texto da bíblia que diz, “quem procura acha e quem pede recebe”, mas senti que a minha resposta não a convenceu. Bom,  ela não me questionou mais, porém, eu é que fiquei querendo dar uma resposta a mim mesmo que me convencesse. Por graça de Deus, fui assistir a missa de domingo na Catedral com o nosso bispo Dom. Mariano Manzana, um bispo muito sábio! E na sua homilia ele me deu a resposta que eu tanto procurava, quando explicava a parábola do fariseu e do publicano. Numa simples frase Dom Mariano explicou tudo! “Os pobres são realmente os preferidos de Deus, mas os humildes são de sua especial predileção, porque muitas vezes o pobre é orgulhoso e não sabe pedir, mas exigir de Deus aquilo que lhe é de direito, mas o humilde mesmo precisando, reconhece sua condição, se abaixa e pede a Deus: Sr. Tem piedade de mim porque sou pecador...”Eureka! - Encontrei a resposta que tanto eu procurava! A minha filha estava na missa comigo, e como toda criança da sua idade não prestou atenção em nada, mas expliquei a ela na volta pra casa, dessa vez senti que ela realmente entendeu o porquê devemos pedir a Deus, mesmo que Ele saiba o que precisamos, pois é um exercício da humildade. Então minha filha me bombardeou de novo: “Pai, e o que é humildade?...” - Bom, isto é assunto para outra matéria. Predileção é inclinação, preferência. Preferência está mais para primazia, privilégio, opção e seleção. Grande engano quem pensa que ser pobre é sinônimo de humildade. Sei que os “humildes de plantão” vão se incomodar muito e caso você seja uma dessas pessoas que se incomodam, então está aí mais uma prova que de fato não há nenhuma humildade em você! É possível ser milionário e ser humilde, assim como é possível ser pobre, e não ser humilde. Sim, é possível ser rico, próspero, e ter humildade. Mulheres e crianças primeiro" (Birkenhead Drill) é um código de conduta de salvamento universalizado, datando de 1852, pelo qual as vidas de mulheres e crianças devem ser salvas primeiro em uma situação que ameaça a vida, geralmente abandonando o navio, quando os recursos de sobrevivência, como botes salva-vidas são limitados. Isso se dá por preferência e não predileção. A preferência é racional, já a predileção tem caráter sentimental de entranhas.

 

 






Comentário de S. João Crisóstomo (c. 345-407), presbítero em Antioquia, depois Bispo de Constantinopla e Doutor da Igreja:

 

 





 

 

“Um fariseu e um publicano subiram até ao Templo para a oração. O fariseu começou por enunciar  as suas qualidades, e proclamava: Ó Deus, dou-te graças por não ser  como o resto dos homens, que são ladrões, injustos, adúlteros; nem como este cobrador de impostos... Miserável, que te atreves a julgar toda a terra! Porque espezinhas o teu próximo? E ainda sentes necessidade de condenar este publicano! ... A terra não te foi suficiente? Acusaste todos os homens, sem exceção: por não ser como o resto dos homens, nem como este cobrador de impostos. Jejuo duas vezes por semana e pago o dízimo de tudo quanto possuo. Infeliz! Quanta presunção nestas palavras! Quanto ao publicano, que ouviu muito bem estas afirmações, podia ter retorquido: Quem és tu para te atreveres a proferir tais murmurações sobre mim? Donde me conheces? Nunca viveste no meu meio, nem pertences ao grupo dos meus íntimos. Porquê tamanho orgulho? Aliás, quem pode comprovar as tuas boas ações? Porque fazes dessa maneira o teu próprio elogio, e quem te incita a gloriares-te desse modo? Mas não fez nada disso, muito pelo contrário! Prostrou-se por terra e disse: Ó Deus, tem piedade de mim, que sou pecador. Porque fez prova de humildade, saiu justificado. O fariseu abandonou o Templo privado de qualquer absolvição, enquanto o publicano foi embora com o coração renovado pela justiça reencontrada.  E, no entanto, não havia nele ponta de humildade, no sentido em que usamos este termo quando algum nobre desce do seu estado. No caso do publicano, portanto, não era de humildade que se tratava, mas de simples verdade, porque ele dizia a verdade” (Homilias sobre a Conversão, 2 (a partir da trad. da col. Pères dans la Foi, 8, DDB 1978, p. 46)

 

 

 


 

 

“Não sou digno de que entres em minha casa,mas ordena com a tua palavra, e o meu empregado ficará curado”  (Lc 7,6-7)

 



Neste belo relato do Evangelho de Lucas nos é apresentado, com simplicidade, a força e a intrepidez que se revelam numa pessoa de fé. Podemos imaginar o que significou para aquele centurião romano o gesto de ter que acudir a alguém do povo a quem dominava, buscando a cura de seu empregado. Teve de superar muitas barreiras e impedimentos e esvaziar-se de seu orgulho e amor próprio para realizar aquele gesto humilde de solicitar ajuda a um judeu.

 

 



 

Para Jung, a humildade é a coragem de olhar a própria sombra. Cultivar a humildade é uma das maiores e mais difíceis virtudes humanas. Ela está vinculada ao amor à verdade. "Ser humilde é amar a verdade mais que a si mesmo", escreve o filósofo  Comte-Sponville. Em outras palavras, é assumir tudo o que a pessoa é, reconhecer-se diante de Deus e dos outros, ativando seus recursos e capacidades e acolhendo suas limitações, sua fragilidade e seus medos, com a disposição de viver o caminho do crescimento. A humildade não deve ser entendida como humilhação, mas como a capacidade de ser verdadeiro, transparente em nossa vida, reconhecendo-nos necessitados dos outros e de Deus. Humildade, dizia S. Teresa, é andar na verdade. Não se trata de atrofiar e esconder nossas próprias capacidades ou de desvalorizar-nos. Trata-se de reconhecer e expressar, com simplicidade, quem somos. Humildade é agradecer as capacidades e talentos e superar as limitações e fragilidades. É a virtude que mais humaniza, pois nos faz descer em direção à nossa própria humanidade e, a partir desta perspectiva, entrar no movimento que nos leva para além de nós mesmos. A radicalidade que o Evangelho nos propõe é a radicalidade de ser radicalmente humanos. E a humildade nos despoja de tudo o que é ilusão, falsas imagens de nós mesmos, vazias pretensões de poder, prestígio e vaidade. Fazendo emergir o que há de mais humano, portanto, mais divino, em nosso interior. Na história da humanidade e da Igreja grandes homens e mulheres deixaram transparecer em suas vidas a marca da humildade; e a humildade se expande no coração daquele que vive sinceramente sua existência.

 

 

 

O termo latino “humilis” deriva-se de “humus”, a terra ou o solo.

 

 

 


 




É próprio do amor abaixar-se para elevar como Jesus fez. Todos surgimos deste fecundo húmus fundamental, onde “humildemente” acolhemos o dom da vida, onde toda existência funda suas raízes que a nutrem e se faz humilde e verdadeiramente humana. Nós somos o solo, o húmus, onde o Deus-semente pode germinar, criar raízes e florir.

 

 

 

 

Só admitindo nossa própria fragilidade e limite e descendo ao fundo de nossa realidade, podemos retornar transformados e com abundantes riquezas descobertas no garimpo do nosso coração!

 

 

 

O caminho de descida ao nosso próprio “húmus”, à nossa própria condição terrena onde Deus plantou sua tenda, nos revela quem realmente somos, nos preserva de considerarmos como “deuses” e nos liberta do orgulho e do auto-centramento que nos destroem. À medida que, verdadeira e completamente, nos aceitamos e nos acolhemos como húmus, mergulhamos na graça de Deus, pois  ela já fala dentro de nós desde nosso nascimento. Todas as grandes correntes espirituais, tanto do Oriente como do Ocidente, conduzem à humildade.

 

 

 

 

Reconhecer nossa realidade humana é a condição não apenas para a humanização autêntica, mas também para a verdadeira experiência de Deus!

 

 

 

Sem humildade, facilmente corremos o risco de nos apossarmos de Deus; sem humildade, facilmente procuraríamos nos identificar com Deus. “Sereis como deuses” (Gen. 3,5): este é o grande pecado de origem. A humildade é a virtude do ser humano que reconhece não ser “deus”. Nesse sentido, ela é a virtude dos santos e santas.

 

 

 

 

“Onde está a humildade, está também a caridade” (S. Agostinho)

 

 

 

É que a humildade leva ao amor, e todo amor verdadeiro a supõe; sem a humildade, o eu ocupa o espaço disponível, e só vê o outro como objeto ou como inimigo. A humildade é essa atitude pelo qual o eu se liberta das ilusões que tem sobre si mesmo. Nesse sentido, a humildade significa adotar uma atitude gratuita e receptiva, de um amor agradecido que dirige tudo a Deus e entrega-se por completo à Sua Vontade.

 

 


Podemos, portanto, dizer que ser humilde é ser humano simplesmente, com a capacidade de amar!




 



 

 

 

A humildade é o contrário do orgulho, soberba, prepotência... que abrem a porta para todas as injustiças: o desprezo do fraco, a exploração do pobre, a exclusão do marginalizado e o ferido da vida. Só podemos aceitar o presente da graça divina quando temos consciência de nossa própria condição humana. Por isso, aqueles que mais avançaram no caminho espiritual foram os que mais viveram a humildade. Eles passaram pela experiência de que só podemos nos aproximar de Deus com humildade.

 



A humildade é o pólo terreno em nossa caminhada espiritual. Para permitir que Deus atue nas profundezas de nosso ser faz-se necessário o auto-esvaziamento, para ser preenchido por Sua presença!

 

 

 

 

Agora, sim, podemos escutar a voz de Deus e sentir a sua presença em nosso próprio coração, em nossos sonhos e desejos, em nossas paixões, em nosso corpo e nossos sentimentos. Nós “subimos” a Deus quando “descemos” à nossa humanidade. Este é o caminho da liberdade, este é o caminho do amor e da humildade, da mansidão e da misericórdia; é o caminho de Jesus também para nós.O coração, a quem não é estranho nada do que é “humano”, alarga-se, enche-se do amor de Deus, que transforma tudo o que é humano. O caminho da humildade é o caminho da transformação.Ao fazer, junto com Jesus Cristo, o caminho da “descida”, o ser humano vai ao encontro de sua realidade e coloca-se diante de Deus para que Ele transforme em amor tudo quanto existe nele, para que ele seja totalmente perpassado pelo Espírito de Deus.No Novo Testamento, a humildade é entendida não apenas como atitude para com Deus, mas também para com os outros. Por isso, a humildade é vista juntamente com a mansidão, brandura, perdão... Os elevados “ideais de perfeição” nos impedem de envolver-nos com as pessoas reais e com suas feridas. A humildade pressupõe um descentramento, um êxodo para o encontro com o outro, acolhendo-o tal como é; ela nos conduz à pura gratuidade do amor desinteressado; ela pressupõe, essencialmente, o reconhecimento da alteridade. Por isso, não é possível viver a alteridade sem efetuar essa renúncia à posição narcisista na qual a pessoa se centra sobre si mesma, caindo numa fria insensibilidade diante de tudo o que acontece ao seu redor. Quando alguém encontrou sua própria condição humana, reconcilia-se com tudo aquilo que é humano, quebra a rigidez na relação com o mais fraco e o enfermo, com o imperfeito e o fracassado. Vê tudo envolvido pelo olhar de bondade e misericórdia de Deus.

 

 

 

 

A oração significa uma necessária “escavação”, esse esvaziamento que finalmente abrirá um lugar para Deus.

 

 

 

Somos chamados à santidade. Entretanto, como tudo na Criação, também a santidade está em processo, em gestação, em crescimento, em trabalho de auto-esvaziamento. Ela floresce na liberdade, na abertura e na humildade que leva à ação eficaz.

 

 

 

Pe. Adroaldo Palaoro, SJ - Centro de Espiritualidade Inaciana – Brasília

 

 

 

SOMENTE A VERDADEIRA HUMILDADE PROPORCIONA A “PERFEITA ALEGRIA” QUE É RADICAL, SURPREENDENTE, E INCOMPREENSÍVEL PARA ESTE MUNDO!

 

 



 



Vindo São Francisco certa vez de Perusa para Santa Maria dos Anjos com frei Leão, em tempo do inverno e atormentado pelo fortíssimo frio, frei Leão pediu-lhe:

 

-Pai Francisco peço-te, da parte de Deus, que me digas onde está a perfeita alegria.

 

E São Francisco assim lhe respondeu:

 

-Quando chegarmos a Santa Maria dos Anjos, inteiramente molhados pela chuva e transidos de frio, cheios de lama e aflitos de fome, e batermos à porta do convento, e o porteiro chegar irritado e disser: Quem são vocês?

 

E nós dissermos:

 

Somos dois dos vossos irmãos, e ele disser:

 

Não dizem a verdade; são dois vagabundos que andam enganando o mundo e roubando as esmolas dos pobres; fora daqui!

 

 

 

E não nos abrir e deixar-nos estar ao tempo, à neve e à chuva, com frio e fome até à noite: então, se suportarmos tal injúria e tal crueldade, tantos maus tratos, prazenteiramente, sem nos perturbarmos e sem murmurarmos contra ele (…) escreve que nisso está a perfeita alegria!!! E se ainda, constrangidos pela fome e pelo frio e pela noite batermos mais e chamarmos e pedirmos pelo amor de Deus com muitas lágrimas que nos abra a porta e nos deixe entrar, e se ele mais escandalizado disser:

 

 

Vagabundos importunos, pagar-lhes-ei como merecem!

 


 


 

E sair com um bastão nodoso e nos agarrar pelo capuz e nos atirar ao chão e nos arrastar pela neve e nos bater com o pau de nó em nó.Se nós suportarmos todas estas coisas pacientemente e com alegria, pensando nos sofrimentos de Cristo bendito, as quais devemos suportar por seu amor:Ó irmão Leão, escreve que aí e nisso está a perfeita alegria, e ouve, pois, a conclusão, irmão Leão:

 

 

 

“Acima de todas as graças e de todos os dons do Espírito Santo, os quais Cristo concede aos amigos, está o de vencer-se a si mesmo, e, voluntariamente, pelo amor, suportar trabalhos, injúrias, opróbrios e desprezos”.

 

 

(Excerto dos “Fioretti de São Francisco”, via Contos e Lendas Medievais)

 

 

 

----------------------------------------------------

 

 





APOSTOLADO BERAKASHComo você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 





filhodedeusshalom@gmail.com

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger