A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » Filósofa Simone Weil: “Não é a religião, é a revolução que é o ópio do povo”

Filósofa Simone Weil: “Não é a religião, é a revolução que é o ópio do povo”

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 21 de abril de 2021 | 09:59



 

* Por: Simone Weil

 

O segredo da condição humana é que não há equilíbrio entre o homem e as forças da natureza que o cercam e que o ultrapassam infinitamente na inação; não há equilíbrio senão na ação pela qual o homem recria sua própria vida no trabalho. A grandeza do homem é sempre recriar a vida. Recriar o que lhe é dado. Forjar a própria coisa que o suporta:

 

a)-Pelo trabalho, ele produz sua própria existência natural.

 

b)-Pela ciência, recria o universo, por meios de símbolos.

 

c)-Pela arte, recria a aliança entre seu corpo e sua alma (vide o discurso de Eupalinos).

 

 

Note-se que cada uma dessas três coisas é qualquer coisa de pobre, vazio e de vão, quando tomada em si mesma e fora das três (cultura operária - pode-se continuar esperando).O próprio Platão não é senão um precursor.

 

 

Os gregos conheciam a arte, o esporte, mas não o trabalho. O senhor é escravo do escravo, no sentido em que o escravo é quem fabrica seu senhor.

 

 

Há duas tarefas:

 

1ª)-Individualizar a máquina;

 

2ª)-Individualizar a ciência (vulgarização, uma universidade popular, de molde socrático, voltada para os fundamentos dos ofícios).

 

 

Por que não houve nunca um místico operário ou camponês que tenha escrito sobre o aproveitamento da aversão ao trabalho?

 

 


 

Esta aversão, que é tão frequente, sempre também, ameaçadora - a alma a evita e procura esconder-se no disfarce de uma reação vegetativa. Seu reconhecimento é um perigo de morte. E esta é a origem da mentira tão comum aos meios populares, (há uma mentira comum a cada nível). Essa aversão é o fardo do tempo. Reconhecê-la sem se dobrar a ela é excitante. A aversão sob todas as formas é uma das mais preciosas misérias dadas ao homem como escada para subir. Eu, pessoalmente, conheço muito bem a matéria. O negócio seria transformar toda aversão em aversão de si mesmo.

 

 

A monotonia é o que há de mais belo e mais terrível!

 

 

a)-De mais belo, quando é um reflexo da eternidade.

 

 

b)-De mais terrível, quando é o índice de uma perpetuidade sem mudanças: tempo ultrapassado ou tempo esterilizado. O círculo é o simbolismo da bela monotonia, a oscilação pendular da monotonia atroz.

 

 

Espiritualidade do trabalho

 

 

O trabalho faz sentir de maneira fatigante o fenômeno da finalidade disparada como uma bala: trabalhar para comer, comer para trabalhar.

 

 

Se uma dessas duas coisas é olhada como um fim, ou se uma das duas é olhada separadamente, estamos perdidos. O ciclo encerra a verdade. Um esquilo girando em sua gaiola e a rotação da esfera celeste. Miséria extrema e extrema grandeza. É quando o homem se vê como um esquilo girando em sua gaiola circular, que ele já não se mente a si mesmo, e se coloca a um passo da salvação.

 

 

A grande dor do trabalho manual é que somos obrigados a fazer esforço, durante longas e longas horas, simplesmente para existir. O escravo é aquele a quem não se propõe nenhum bem como finalidade de suas fadigas, senão a simples existência. Não lhe resta, então, senão ser um alienado ou cair num nível simplesmente vegetativo.

 

 

Nenhuma finalidade terrestre deixa de afastar de Deus os trabalhadores. Eles estão sozinhos nessa situação. Todas as outras condições implicam fins particulares, que colocam um biombo entre o homem e o bem puro. Para eles, esse biombo não existe. Não têm nada em excesso de que se devam despojar. Fazer esforço por necessidade e não por um bem-empurrado, não atraído - para manter sua existência tal qual ela é - é sempre escravidão.

 

 

Neste sentido, a escravidão dos trabalhadores manuais é irredutível. Um esforço sem finalidade. É terrível - ou é a mais bela das coisas - se se trata de uma finalidade sem fim. Só a beleza permite a satisfação com aquilo que é. Os trabalhadores precisam mais de poesia do que de pão. Precisam de que sua vida seja uma poesia. Precisam de uma luz de eternidade. Somente a religião pode estar na fonte dessa poesia. Não é a religião, é a revolução que é o ópio do povo. A privação dessa poesia explica todas as formas de desmoralização.

 

 

 


A escravidão é o trabalho sem luz de eternidade, sem poesia, sem religião

 

 

Que a luz eterna dê, não uma razão de viver e trabalhar, mas uma plenitude que dispense a procura dessa razão. À falta disso, os únicos estimulantes são a violência e o lucro. A violência resulta de uma opressão contra o povo. Há alegrias paralelas à fadiga. Alegrias sensíveis: comer, repousar, os prazeres do domingo...mas não o dinheiro. Nenhuma poesia toca autenticamente o povo, se nela não houver fadiga. E a fome e a sede são decorrências da fadiga.

 

 

________________________________________

*Simone Weil (1909-1943) nasceu em Paris, e foi, possivelmente, a primeira grande mulher de nosso século a marcar sua presença no campo da filosofia. Pensou e viveu intensamente. Militou na política revolucionária, viveu um ano como operária na fábrica Renault, esteve presa e, quando ameaçada de ter cassados seus direitos, respondeu à autoridade:

 

 

"Sempre considerei a cassação como o coroamento normal de minha carreira"

 

 

Trotskista militante, durante algum tempo, foi afinal atraída pela metafísica católica e pela mística, restando, porém, um pouco obscura a certeza em torno de sua conversão. Pois, fiel à sua raça, parecia-lhe uma deslealdade abandoná-la nos dias da perseguição nazista. Mas estava profundamente tocada pela inspiração divina da fé cristã. Morreu durante a guerra. Conheceu a humilhação e a fome. O texto que hoje publicamos é de sua obra "La Pesanteur e la Grace".

 

------------------------------------------------------

 

Apostolado Berakash – Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua Igreja, grupo de oração, paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

 

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger