A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , , » O Cristão diante do desafio Moral de usar ou não Vacinas para Covid 19 obtidas de células retiradas de fetos humanos abortados

O Cristão diante do desafio Moral de usar ou não Vacinas para Covid 19 obtidas de células retiradas de fetos humanos abortados

Written By Beraká - o blog da família on segunda-feira, 28 de dezembro de 2020 | 10:46

 


 

(Foto de abertura da Postagem: Gazeta do Povo) - Para evidenciar os motivos de uma dúvida ética sobre a licitude moral da experimentação, da produção e do uso por médicos e pacientes de princípios ativos biotecnológicos obtidos por meio do uso de células produzidas a partir daquelas retiradas de fetos humanos na época (não se trata das mesmas células do feto abortado, mas de células da mesma linhagem celular – isto é, com características biológicas idênticas – derivadas por sucessivas divisões mitóticas daquelas originais) é necessário partir do reconhecimento pela consciência, iluminada pela lei moral, que:

 

"Entre todos os delitos que o homem pode cometer contra a vida, o aborto procurado apresenta características que o tornam particularmente grave e deplorável” (S. João Paulo II, Evangelium vitae, n. 58). O Concílio Vaticano II o define, junto com o infanticídio, como "crime abominável" (Gaudium et spes, n. 51).

 

 

 

Em continuidade a todo o magistério católico anterior, o Papa Francisco recordou com veemência várias vezes que:

 

 

“O aborto não é um mal menor. É um crime. É acabar com um para salvar o outro...É um mal em si... é um mal humano. E evidentemente, por se tratar de um mal humano – como todo assassinato – é condenado” também pela Igreja (17 de fevereiro de 2016).

 

 

Portanto, entende-se por que de parte de três bispos australianos (um católico, um grego-ortodoxo e um anglicano) e outros representantes cristãos e fiéis individuais, foi levantada a veemente solicitação a pesquisadores, indústrias de biotecnologia e governos de alguns países, para que se oriente o estudo e a produção de vacinas anti-Covid-19 para preparados que não utilizem linhagens de células fetais. Esse pedido está em conformidade com o que se expressa no documento de 2005 da Pontifícia Academia para a Vida, reproduzido em uma nota da mesma Academia de 2017 (em conjunto com a Pastoral da Saúde da CEI), e encontra amplo consenso entre os estudiosos de teologia moral.



É evidente a obrigação moral de todos os sujeitos envolvidos na pesquisa, na produção, na comercialização e na administração de uma vacina (cada um dos quais tem diferentes responsabilidades em relação ao uso de células fetais de abortos eletivos em relação à própria vacina) de se dissociar formal e publicamente do ato do aborto que está na origem remota da produção de linhagens celulares fetais. Por outro lado, destaca-se a licitude do uso pro tempore dessas vacinas – na medida em que representam uma condição necessária e proporcionada para proteger a saúde e salvar a vida dos cidadãos – no aguardo da disponibilidade de outros meios profiláticos vacinais ou não vacinações eficazes. A licitude de tal utilização, em todo o caso, deve ser interpretada como uma cooperação material passiva, moralmente justificada como extrema ratio pelo dever de zelar pelo bem pessoal e comum, e nunca como uma aprovação moral da sua produção.

 

 

CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ

 

 

 

“Nota sobre a moralidade do uso de algumas vacinas contra Covid-19”

 

 

 

A questão sobre o uso de vacinas, em geral, está muitas vezes no centro de debates insistentes na opinião pública. Nos últimos meses, esta Congregação tem recebido diversos pedidos de parecer sobre o uso de algumas vacinas contra o vírus SARS-CoV-2, causador do Covid-19, desenvolvido utilizando, no processo de pesquisa e produção, linhas celulares que vêm de tecidos obtidos de dois abortos ocorridos no século passado. Ao mesmo tempo, tem havido diversas declarações na mídia de Bispos, Associações Católicas e Peritos, diferentes entre si e às vezes contraditórias, que também levantam dúvidas sobre a moralidade do uso dessas vacinas.

 

 

Sobre este assunto já existe um pronunciamento importante da Pontifícia Academia para a Vida, intitulado "Reflexões morais sobre vacinas preparadas a partir de células de fetos humanos abortados" (5 de junho de 2005). Além disso, esta Congregação expressou-se a este respeito com a Instrução Dignitas Personae (8 de setembro de 2008) (cf. nn. 34 e 35). Em 2017, a Pontifícia Academia para a Vida voltou a abordar o tema com uma Nota. Esses documentos já oferecem alguns critérios gerais decisivos.

 

 

Dado que as primeiras vacinas contra Covid-19 já estão disponíveis para distribuição e administração em vários países, esta Congregação deseja oferecer algumas indicações que esclareçam esta questão. Não se pretende julgar a segurança e eficácia dessas vacinas, embora sejam eticamente relevantes e necessárias, pois sua avaliação é de responsabilidade de pesquisadores biomédicos e agências de medicamentos, mas apenas refletir sobre o aspecto moral do uso dessas vacinas contra Covid -19 que foram desenvolvidos com linhagens celulares de tecidos obtidos de dois fetos abortados não espontaneamente.

 

 

 

1. Conforme declarado na Instrução Dignitas Personae, nos casos em que células de fetos abortados são usadas para criar linhagens de células para uso em pesquisas científicas, "existem diferentes graus de responsabilidade" [1] na cooperação com o mal. Por exemplo, “nas empresas que utilizam linhagens celulares de origem ilícita, a responsabilidade de quem decide a direção da produção e de quem não tem poder de decisão não é idêntica” [2].

 

 

2. Nesse sentido, quando as vacinas de Covid-19 eticamente irrepreensíveis não estão disponíveis (por exemplo, em países onde as vacinas não estão disponíveis para médicos e pacientes sem problemas éticos ou onde sua distribuição é mais difícil devido a condições especiais de armazenamento e transporte, ou quando vários tipos de vacinas são distribuídas no mesmo país, mas, pelas autoridades de saúde, os cidadãos não podem escolher a vacina a ser inoculada) é moralmente aceitável usar as vacinas contra o Covid-19 que usou linhagens celulares de fetos abortados em seu processo de pesquisa e produção.

 

 

3. A razão fundamental para considerar o uso dessas vacinas moralmente lícito é que o tipo de cooperação para o mal (cooperação material passiva) de aborto induzido de que provêm essas mesmas linhagens celulares, por parte de quem usa as vacinas resultantes, é remoto. O dever moral de evitar tal cooperação material passiva não é vinculante se houver um perigo sério, como a disseminação, de outra forma, imparável de um patógeno grave [3]: neste caso, a disseminação pandêmica do vírus SARS-CoV-2. que causa Covid-19. Portanto, deve-se considerar que, neste caso, todas as vacinas reconhecidas como clinicamente seguras e eficazes podem ser utilizadas com a certeza de que o uso de tais vacinas não significa uma cooperação formal com o aborto de onde foram obtidas as células com as quais foram obtidas as vacinas. No entanto, deve-se ressaltar que o uso moralmente lícito desse tipo de vacina, pelas condições especiais que o tornam possível, não pode constituir por si só uma legitimação, mesmo que indireta, da prática do aborto e pressupõe oposição a ela, prática por parte de quem recorre a essas vacinas.

 

 

4. De fato, o uso lícito dessas vacinas não implica nem deve implicar de forma alguma a aprovação moral do uso de linhagens celulares de fetos abortados [4]. Portanto, tanto as empresas farmacêuticas quanto as agências governamentais de saúde são solicitadas a produzir, aprovar, distribuir e oferecer vacinas eticamente aceitáveis que não criem problemas de consciência, nem para o pessoal de saúde nem para os próprios vacinados.

 

 

5. Ao mesmo tempo, é claro, por razões práticas, que a vacinação não é, regra geral, uma obrigação moral e que, portanto, a vacinação deve ser voluntária. Em todo caso, do ponto de vista ético, a moralidade da vacinação depende não só do dever de proteger a saúde, mas também do dever de zelar pelo bem comum. Pois bem, na ausência de outros meios para deter ou mesmo prevenir a epidemia, a vacinação pode ser recomendada, principalmente para proteger os mais fracos e expostos. Porém, aqueles que, por motivo de consciência, rejeitam as vacinas produzidas a partir de linhagens celulares de fetos abortados, devem tomar medidas, por outros meios profiláticos e com comportamento adequado, para evitar que se tornem veículos de transmissão do agente infeccioso. Em particular, eles devem evitar qualquer risco para a saúde daqueles que não podem ser vacinados por razões médicas ou outras e que são os mais vulneráveis.

 

 

6. Finalmente, há também um imperativo moral para a indústria farmacêutica, governos e organizações internacionais garantir que vacinas, eficazes e seguras do ponto de vista da saúde, e eticamente aceitáveis, também sejam acessíveis aos mais pobres e à maioria. sem custos indevidos para eles. A falta de acesso às vacinas se tornaria, de alguma forma, outra forma de discriminação e injustiça que condenaria os países pobres a continuar vivendo em miséria de saúde, econômica e social [5].

 

 

O Sumo Pontífice Francisco, na audiência concedida ao abaixo assinado Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, em 17 de dezembro de 2020, examinou esta Nota e aprovou a publicação.

 

Dado em Roma, na sede da Congregação para a Doutrina da Fé, em 21 de dezembro de 2020, Memória Litúrgica de São Pedro Canisius.

 

 

 

Luis F. Card. Ladaria, S.I.

Prefeito

 

+ S.E. Mons. Giacomo Morandi

Arcebispo Titular de Cerveteri

Secretário

 

REFERÊNCIAS:

 

[1] Congregação para a Doutrina da Fé, Instrução Dignitas Personae (8 de dezembro de 2008), n. 35; AAS (100), 884.

 

[2] Ibidem, 885.

 

[3] Cf. Pontifícia Academia para a Vida, "Reflexões morais sobre vacinas preparadas a partir de células derivadas de fetos humanos abortados", 5 de junho de 2005.

 

[4] Congregação para a Doutrina da Fé, Instruc. Dignitas Personae, n. 35: “Quando o crime é amparado pelas leis que regulamentam o sistema científico e de saúde, é necessário distanciar-se dos aspectos iníquos desses sistemas, para não dar a impressão de certa tolerância ou aceitação tácita de atos gravemente injustos. Do contrário, contribuiria para aumentar a indiferença, ou mesmo a complacência com que essas ações são vistas em alguns setores médicos e políticos ”.

 

[5] Cf. Francisco, Discurso aos membros da Fundación “Banco Farmacéutico”, 19 de setembro de 2020.

 

Fonte: Vatican.va

 


Algumas, não todas as vacinas de Coronavirus / COVID em desenvolvimento são derivadas de tecido fetal abortado:

 

 

 

1.Pfizer: A vacina de coronavírus / COVID da Pfizer / BioNTech conhecida como “BNT162b2” foi desenvolvida usando sequenciamento genético em computadores sem o uso de células fetais. A linha celular HEK-293 relacionada ao aborto foi usada no teste desta vacina. Esta linha celular se originou de células renais de um feto que foi abortado em 1973. Nenhuma linha celular, fetal ou não, é necessária para a produção contínua desta vacina. Esta vacina está atualmente programada para distribuição a partir de meados de dezembro de 2020. A vacina Pfizer / BioNTech requer armazenamento “ultrafrio”, tornando a distribuição difícil. Atualmente, apenas hospitais e outras grandes instalações estão sendo considerados locais de distribuição para esta vacina.

 

 

2.Moderna: A vacina “mRNA-1273” da Moderna não requer linhagens de células fetais abortadas para a produção, mas linhas celulares fetais abortadas foram usadas no desenvolvimento e teste desta vacina. Esta vacina não requer freezers ultracongelados e, portanto, pode estar mais disponível em consultórios de atenção primária e clínicas comunitárias.

 

 

3.AstroZenica: O AstroZenica / Universidade de Oxford vacina “AZD1222” não utiliza a linha celular HEK-293 para a produção. Este tipo de célula também foi usado no desenvolvimento e teste da vacina. A vacina AstroZenica está programada para distribuição em dezembro-janeiro. Não requer armazenamento ultrafrio e também está previsto que seja mais barato do que outras vacinas COVID, dois recursos que podem tornar esta vacina mais amplamente disponível.

 

4.Johnson & Johnson: A J & J / Janssen vacina COVID-19 “JNJ-78436735” faz utilizar a linha de células PER.C6 de produção. PER.c6 é uma linha celular proprietária de propriedade da Janssen, uma subsidiária da Johnson & Johnson, desenvolvida a partir de células da retina de um feto de 18 semanas abortado em 1985. Esta vacina provavelmente estará disponível ao público em janeiro-março de 2021.

 

5.Sanofi / GlaxoSmithKline: A vacina “COVAX” da Sanofi / GSK não está associada ao aborto. GSK produz sua vacina usando um vírus modificado cultivado em células de insetos. Esta vacina provavelmente estará disponível ao público em janeiro-julho de 2021.

 

 

Opções de marca para vacinas comuns para adultos:

 

 

Os adultos precisam fazer uma escolha de marca em relação à vacina do herpes. Para adultos, a empresa GSK fabrica uma vacina contra herpes-zoster chamada Shingrix. A vacina da Merck contra o herpes zoster, Zostavax, é derivada de células fetais abortadas.

 

 

Opções de marca para vacinas infantis comuns:

 

 

A partir de dezembro de 2019, Pentacel e Quadracel  não usam mais linhas de células fetais abortadas. Antes de dezembro de 2019, os católicos americanos foram solicitados a fazer uma escolha de marca para as vacinas Pediarix e Kinrix e evitar a escolha das vacinas Pentacel e Quadracel. No final de 2019, a empresa Sanofi Pasteur anunciou que não estava mais usando linhagens de células fetais para as vacinas Pentacel e Quadracel. Nesta carta do FDA, a linha celular da vacina é confirmada como Vero (anteriormente era MRC-5). Vero não é uma linha celular fetal, é de uma célula renal de um macaco. Isso também é confirmado na bula da pentacel , ver página 14. Portanto, não é mais necessário fazer a escolha desta marca.

 

 

Vacinas para as quais não há escolhas éticas de marca:

 

 

Para algumas vacinas, não existem marcas produzidas moralmente. Nos Estados Unidos, essas vacinas são MMR, hepatite A e varicela.

 

 

Então, devemos usar essas vacinas, quando não há alternativa?

 

 

 

No documento de 2005, a Pontifícia Academia para a Vida afirma que podemos utilizá-los “temporariamente” e “na medida do necessário para evitar graves riscos não só para os próprios filhos, mas também, e talvez mais especificamente, para os condições de saúde da população como um todo - especialmente das mulheres grávidas.”

 

 

No documento de 2017, a Pontifícia Academia para a Vida escreve:

 

 

“Sobretudo considerando o fato de que as linhagens celulares atualmente utilizadas estão muito distantes dos abortos originais e não mais implicam aquele vínculo de cooperação moral indispensável para uma avaliação eticamente negativa de seu uso . Por outro lado, não é menos urgente a obrigação moral de garantir a cobertura vacinal necessária à segurança de outrem. O documento de 2005 implora a todos que “nos oponhamos por todos os meios (por escrito, através das diversas associações, meios de comunicação, etc.) as vacinas que ainda não têm alternativas moralmente aceitáveis, pressionando para que sejam preparadas vacinas alternativas, que são não relacionado com o aborto de um feto humano, e requerendo controle legal dos produtores da indústria farmacêutica.”

 

 

 

O MyCatholicDoctor recomenda este modelo de carta que pode ser enviado a empresas farmacêuticas para expressar suas opiniões sobre vacinas de linha celular diplóide humana (cortesia da Dra. Elizabeth Abraham MD, MS e Sra. Danielle Abril).

 

 

Este artigo foi escrito por Kathleen Berchelmann, MD , pediatra e cofundadora do MyCatholicDoctor.

 

 

 

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA - Colaboração com o aborto:

 

 

CIC- 2270 -Cultura de vida e aborto: A vida humana deve ser respeitada e protegida de maneira absoluta a partir do momento da concepção. Desde o primeiro momento de sua existência, o ser humano deve ver reconhecidos os seus direitos de pessoa, entre os quais o direito inviolável de todo ser inocente à vida.Antes mesmo de te formares no ventre materno, eu te conheci; antes que saísses do seio, eu te consagrei (Jr 1,5). Meus ossos não te foram escondidos quando eu era feito, em segredo, tecido na terra mais profunda (Sl 139,15).

 

 

 

CIC – 2272: A cooperação formal para um aborto constitui uma falta grave. A Igreja sanciona com uma pena canônica de excomunhão este delito contra a vida humana. "Quem provoca aborto, seguindo-se o efeito, incorre em excomunhão latae sententiae" "pelo próprio fato de cometer o delito" e nas condições previstas pelo Direito. Com isso, a Igreja não quer restringir o campo da misericórdia. Manifesta, sim, a gravidade do crime cometido, o prejuízo irreparável causado ao 'inocente morto, a seus pais e a toda a sociedade.O inalienável direito à vida de todo indivíduo humano inocente é um elemento constitutivo da sociedade civil e de sua legislação:

 

"Os direitos inalienáveis da pessoa devem ser reconhecidos e respeitados pela sociedade civil e pela autoridade política. Os direitos do homem não dependem nem dos indivíduos, nem dos pais, e também não representam uma concessão da sociedade e do Estado pertencem à natureza humana e são inerentes à pessoa em razão do ato criador do qual esta se origina. Entre estes direitos fundamentais é preciso citar o direito à vida e à integridade física de todo se humano, desde a concepção até a morte."

 

 

CIC - 2271 - Preceitos morais e aborto: Desde o século I, a Igreja afirmou a maldade moral de todo aborto provocado. Este ensinamento não mudou. Continua invariável. O aborto direto, quer dizer, querido como um fim ou como um meio, é gravemente contrário à lei moral:Não matarás o embrião por aborto e não farás perecer o recém-nascido.Deus, senhor da vida, confiou aos homens o nobre encargo d preservar a vida, para ser exercido de maneira condigna ao homem. Por isso a vida deve ser protegida com o máximo cuidado desde a concepção. O aborto e o infanticídio são crimes nefandos.


 

CIC – 2274 -  O diagnóstico pré-natal é moralmente licito "se respeitar a vida e a integridade do embrião e do feto humano, e se está orientado para sua salvaguarda ou sua cura individual... Está gravemente em oposição com a lei moral quando prevê, em função dos resultados, a eventualidade de provocar um aborto. Um diagnóstico não deve ser o equivalente de uma sentença de morte. Devem ser consideradas lícitas as intervenções sobre o embrião humano quando respeitam a vida e a integridade do embrião e não acar­retam para ele riscos desproporcionados, mas visam à sua cura, à melhora de suas condições de saúde ou à sua sobrevivência individual. É imoral produzir embriões humanos destinados a serem ex­plorados como material biológico disponível."

 

 












CONCLUSÃO:

 

 

“Tentar legalizar o aborto é legitimar uma das piores formas de opressão da mulher. Não é por acaso que as primeiras feministas eram contra o aborto!”, diz a jurista Dra. Cláudia Löw (Pergunte e Responderemos, n. 522, dezembro de 2005, p. 562-564). Por fim, uma questão crucial: Isso é o que, realmente, quer a maioria das mulheres no Brasil e mundo afora, ou é o que grupos minoritários ideologizados desejam impor a elas?... Reflitamos!

 

 

 

FONTES DE CONSULTADAS:

 

 

https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_20201221_nota-vaccini-anticovid_sp.html

 

https://noticias.cancaonova.com/igreja/congregacao-para-a-doutrina-da-fe-moralmente-aceitaveis-vacinas-anti-covid/

 

https://www.vaticannews.va/pt/vaticano/news/2020-12/congregacao-doutrina-fe-vacina-anti-covid.html

 

http://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_academies/acdlife/documents/rc_pont-acd_life_doc_20200330_pandemia-fraternita-universale_sp.html

 

http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/602285-vacinas-anti-covid19-de-abortos-a-igreja-licitas-sob-certas-condicoes

 

https://www.youtube.com/watch?v=aHeVhtcvY4g&feature=emb_logo

 

https://www.youtube.com/watch?v=fOL6lTqrJeE&feature=emb_logo

 

https://mycatholicdoctor.com/our-services/vaccines/

 

http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19741118_declaration-abortion_po.html


https://politica.estadao.com.br/blogs/estadao-verifica/e-enganoso-afirmar-que-vacina-de-oxford-usa-celulas-de-fetos-abortados/

 

 __________________________

 

Apostolado Berakash – Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos, entre em contato conosco  pelo e-mail:

 

 

 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger