A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , , » Você conhece as diferenças entre as gerações: X, Y, Z, H e Baby Boomers?

Você conhece as diferenças entre as gerações: X, Y, Z, H e Baby Boomers?

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 2 de setembro de 2020 | 18:47




O que são, e quem fazem parte da Geração X, Geração Y , Geração Z, Geração H, e Geração Baby Boomers?




Você pode até estar por fora das notícias mais relevantes do mundo, mas certamente já ouviu falar nos termos “Geração Y” ou suas correlatas. No primeiro momento, o termo soa como uma tentativa estranha de classificar as pessoas de determinada faixa etária, mas na verdade servem para descrever perfis de comportamento. 



Estes são os atuais perfis que tem marcado cada vez mais as disputas sociais atuais:



1) A GERAÇÃO X: O perfil “Geração X” é, digamos, 1.0. Este perfil provavelmente se aplica a bastante gente com raízes nos pensamentos da década de 80. Essa turma tem uma característica fortemente analítica e linear. É a galera do downsize e da maximização local desconectada dos “impactos” no ambiente à sua volta. Esta turma olha movimentos como o manifesto ágil ou similares e afirma: “No mundo real isso não funciona!”



2)- GERAÇÃO Y: É a mais famosa. Todo mundo está falando dessa turma 2.0. Coincidência ou não, o termo “Geração Y” em inglês é “Y Generation”. A letra “Y” em inglês pronuncia-se “Why”, que significa “Por quê?”. São, em sua essência, questionadores ou rebeldes. Dessa galera surge muita coisa nova e a internet tem dado voz às suas visões.


3)- GERAÇÃO Z: Pessoalmente, estou bastante curioso para ver mais ações da Geração Z. Principalmente, estou ansioso para ver o que vai surgir enquanto as Gerações Y e Z trabalham cada vez mais juntas! A “Geração Z” é Zen! Suas visões e principalmente suas ações, transcendem o atual. Ainda é muito difícil alcançar o pensamento desta turma 3.0. É gente com pensamento holístico e sistêmico. 





4)- GERAÇÃO H: Quanto mais ativas as pessoas se tornarem, quanto mais elas se expressarem e transformarem o seu ambiente, mais cedo estas classificações darão lugar à unificação. Geração H é uma expressão que engloba certas manifestações da cultura negra, como dança, grafite, técnica de discotecagem e sobretudo rap, o hip-hop se tornou nos anos 90 um ícone da cultura norte-americana "mainstream" ao mesmo tempo em que os negros viram declinar seu poder de mobilização política e aumentar dramaticamente sua marginalização social e econômica. Esse é o paradoxo que "The Hip Hop Generation" (A Geração Hip-Hop, Basic Civitas Books, 256 págs. de Bakari Kitwana), busca destrinchar. Lançado há pouco nos EUA, o livro foca a geração de negros americanos nascidos entre 1965 e 1984, que, no entanto, "não deve ser confundida com a geração X" .Afirma Kitwana, um dos mais respeitados teóricos do movimento nos EUA e ex-editor da "Source", a bíblia do hip-hop:



"Nunca consegui acreditar que a experiência de ser negro nos EUA pudesse ser resumida como a de ser um branco com rosto mais escuro", diz o autor em entrevista concedida por e-mail ao Mais!


Desprezada ou incompreendida pelos intelectuais negros, essa experiência, que inclui viver em bairros pobres das periferias das metrópoles, conviver com gangues e traficantes, receber salários mais baixos que a média nacional e compor perto da metade da população carcerária dos EUA, se revelou de forma brutal nos protestos que explodiram em 1992, em Los Angeles, contra a absolvição pela Justiça dos policiais brancos que haviam espancado, no ano anterior, o motorista negro Rodney King.


No cinema, esse niilismo seria retratado pelo principal filme da geração hip-hop, segundo Kitwana: "Os Donos da Rua" ("Boyz n the Hood"), do então jovem diretor John Singleton. Pontuado pelo ruído de helicópteros da polícia que nunca aparecem, o filme é um retrato cru de um grupo de amigos que nascem, crescem e, em alguns casos, morrem no bairro de South Central, em Los Angeles. Seu impacto, quando foi lançado em 1991, foi tremendo, escancarando uma realidade nova para a sociedade americana e, em seu ineditismo, parece ter prefigurado o estado atual das periferias das cidades brasileiras. Outros filmes, como "New Jack City", "Perigo à Sociedade" e "Inferno Branco", voltariam ao tema de modo ainda mais brutal, mesmo sem atingir o mesmo sucesso. Mas Kitwana lamenta que esses jovens sejam vítimas ainda de uma outra marginalização, a da geração anterior, a "black power". Foram os "black powers" que obtiveram nos 60 e 70 conquistas como a ação afirmativa, uma combinação de medidas que buscavam algum modo de compensar os anos de escravidão dos negros e seu estatuto inferiorizado na sociedade. Além da reparação, apenas simbólica para alguns, financeira para outros, a medida mais efetiva foi a reserva de cotas para negros nas universidades, questão que tem sido seriamente atacada hoje pelos republicanos americanos, embora no Brasil tenha sido tratada com atenção nos últimos tempos. Contudo Kitwana alerta que essas medidas, arrojadas à época, são hoje insuficientes e quase inócuas para enfrentar os problemas que a globalização tem provocado também nos EUA.





5)- GERAÇÃO Baby Boomers: É o nome à geração de pessoas nascidas entre os anos de 1946 e 1964. A expressão pode ser livremente traduzida como “explosão dos bebês”. O termo “explosão” é usado aqui com o sentido de “crescimento desenfreado”, o qual causou um “boom” demográfico no planeta, especialmente nos Estados Unidos. Esse fenômeno se explica pela volta dos combatentes da Segunda Guerra Mundial, que, como uma espécie de ação compensatória pelas vidas ceifadas em batalhas e também pela preservação da espécie, aumentaram a taxa de natalidade. Trata-se de um episódio bastante comum após eventos traumáticos. Em razão do período que marca os baby boomers, eles também são conhecidos como a geração da TV. Trata-se de uma coincidência temporal de seus nascimentos com o período de invenção do televisor. A maioria deles hoje são pais e até mesmo avós, mas eram jovens durante as décadas de 60 e 70. Por isso, acompanharam de perto grandes mudanças políticas, econômicas e culturais pelas quais o mundo passava na época. A televisão, evidentemente, teve um papel importante em toda essa transformação. Ela servia como um meio de propagação de ideias e tendências. Sua mensagem mobilizava a juventude a lutar por seus direitos.Foi nesse período que acontecerem eventos marcantes no mundo inteiro:

-O surgimento do movimento hippie.

-Protestos contra a Guerra do Vietnã.

-A segunda onda do feminismo.

-A luta pelos direitos dos negros.

-O combate a regimes totalitários, entre outras, eram algumas das temáticas da época.



No Brasil, os grandes Festivais da Canção, transmitidos pelas TV Excelsior, TV Globo e TV Record, eram a resistência encontrada pela música para protestar contra o governo e injustiças sociais.



Quais são as características dos baby boomers?


Mais politizados e antenados ao mundo que os rodeia, os baby boomers também tem características bem particulares:


a)-Crescidos em um contexto de maior estabilidade econômica, sobretudo nos países desenvolvidos, os filhos da Segunda Guerra Mundial tendem a ser um pouco mais otimistas quanto aos seus hábitos de consumo.


b)-Com boas oportunidades financeiras no início de suas carreiras, eles conseguiram se estabilizar no mercado, o que possibilitou uma vida sem muitos luxos, mas também sem grandes dificuldades.


c)-O objetivo de boa parte dessa geração é ter um estilo de vida conservador, que significa casar, ter filhos, comprar uma casa própria, um carro, ter um emprego estável e bons momentos de lazer.


Os valores compartilhados pelos baby boomers na hora de consumir são basicamente dois: confiança e experiência pessoal.Para eles, marcas já renomadas no mercado e com as quais possuam algum histórico de compra saem muito na frente de novidades e tendências de momento. Nem que para isso tenham que pagar mais caro. Por terem uma condição financeira mais consolidada, os nascidos entre 1950 e 1960 também preferem a qualidade à quantidade.Isso não significa dizer que eles defendam uma marca em específico, mas que acabam optando pelas mais tradicionais, muito em razão de vivências passadas.


Outro ponto que pesa bastante é em relação à opinião alheia


Essa geração dificilmente se deixa influenciar por terceiros. Mesmo que seja alguém de sua confiança, a tendência é seguir de maneira fiel os seus pontos de vista.


Qual o perfil profissional dos baby boomers?


É comum observarmos a trajetória profissional de nossos pais e avós e verificarmos que eles passaram toda ou quase toda a carreira em uma só empresa. Essa é uma característica que tem tudo a ver com o perfil profissional dos baby boomers. Aos mais novos, isso pode até parecer comodismo, mas a verdade é que, há alguns anos, a experiência e o tempo dedicado à função eram mais importantes que criatividade, inovação e capacidade de empreender.


O objetivo também era outro:


Conquistar uma carreira consolidada dentro de uma empresa de renome era o sonho de qualquer trabalhador baby boomer.


Outras características marcantes do perfil profissional dessa geração são a lealdade e o comprometimento com a organização na qual estão trabalhando. Até por isso eles valorizam muito o plano de carreira e a ascensão hierárquica em uma companhia. Muitos boomers iniciaram suas trajetórias como office boy e, de degrau em degrau, chegaram a cargos de gestão. Isso, para eles, era a representação perfeita de realização profissional.


Podemos dizer ainda que a grande diferença entre os nascidos em 1950 e 1960 e os que vieram depois é que os primeiros não se importavam em ficar 10, 20 ou até 30 anos desempenhando a mesma função, desde que o emprego oferecesse toda a estabilidade que procuravam. Se eles se sentiam seguros no emprego, então, suas prioridades estavam atendidas.


Já outras gerações, como veremos mais a frente, não costumam pensar duas vezes em buscar novas experiências se elas representarem oportunidades interessantes de crescimento. Com o passar dos anos, muitas mudanças de cenário aconteceram.


As ideias, os objetivos, e a realidade se modificaram, em conjunto com o contexto histórico. Tudo isso deu origem a gerações com perspectivas completamente diferentes. Invariavelmente, isso dá origem a conflitos no contexto profissional. Afinal, a maneira como uma pessoa de 20 anos via o mundo em 1970 é bastante diferente do modo como um jovem com a mesma idade encara a realidade em 2019.


O início das classificações


A proposta de classificar as gerações iniciou justamente com os baby boomers. Porém, a partir deles, as mudanças acabaram acontecendo em maior velocidade:


a)-Foram classificados como baby boomers indivíduos nascidos em um período que compreendeu 25 anos.

b)-Depois dos baby boomers, veio a chamada geração X, com os nascidos nas décadas de 1960 e 1970.

c)-Os Millennials, também chamados de geração Y, representam aqueles que nasceram do início da década de 80 até meados dos anos 90.

d)-Na sequência, veio a geração Z, ou nativos digitais, que são aqueles que nasceram no final de 1990 e início dos anos 2000.


Quais as diferenças entre as gerações?



Toda essa diferença geracional impacta na convivência em sociedade, nos relacionamentos interpessoais e também na vida profissional, como não poderia de deixar de ser. Nas empresas, quando representantes de diferentes períodos da história estão presentes, são indivíduos que também variam em idades, costumes e aspirações, mas convivendo em um mesmo ambiente. Vamos apresentar agora como se dão essas distinções e como podem acontecer os conflitos entre baby boomers e as gerações X, Y e Z.


1)-Baby Boomers e Geração X


A geração X representa os filhos dos baby boomers. Logo, podemos dizer que eles se inspiram em seus pais e constroem carreiras à imagem e semelhança de seus responsáveis, correto? Até poderia ser, mas não é. Na verdade, o seu foco acaba levando em conta muito mais na lamentações dos seus antecessores do que qualquer outra coisa.  Ao verem seus pais dedicando a vida inteira a uma única empresa, muitas vezes abrindo mão de ofertas melhores por conta de uma fidelidade nem sempre reconhecida, os novatos não herdaram o otimismo em relação às novas oportunidades sociais e políticas.Eles são mais afeitos às novidades, apesar de serem um tanto inseguros e temerem a perda do emprego para as futuras gerações. Até por isso, boa parcela deles é composta por idealistas, que sonham em empreender ou mudar de profissão para alcançar a plena realização. Sua capacidade de aprender e lidar com a tecnologia é superior à dos baby boomers, mas ainda está longe dos millennials e, principalmente, dos nativos digitais.


2)-Baby Boomers e a Geração Y


Os millennials são os netos dos baby boomers e foram os primeiros a chegar à idade adulta após o início dos anos 2000 – o que explica a forma como são chamados. Em comparação com as gerações anteriores, podemos dizer que eles são mais preocupados com questões de classe e também mais atentos aos problemas ambientais e sociais. Não é raro ver os representantes dessa geração fazendo trabalhos voluntários, participando de ONGs e engajados em causas que acreditam. Membros atuantes da sociedade da informação, procuram estar sempre conectados e antenados sobre tudo o que acontece no mundo, o que costuma gerar impaciência e estimular a busca por soluções cada vez mais imediatistas para seus problemas. Elas veem as relações de trabalho de um forma muito mais horizontal, sem regimes hierárquicos, o que pode causar dificuldade em empresas mais tradicionais.Por terem contato com a tecnologia desde sempre, os millennials também tem vantagens em relação aos seus antecessores neste quesito – mesmo que não sejam nativos digitais.Talvez o principal benefício seja a capacidade multitarefa, que possibilita realizar mais de uma atividade ao mesmo. Com uma rotina cada vez mais dinâmica, essa qualidade é muito bem-vinda e pode ser vista com facilidade na rotina que esses jovens costumam levar. Dinâmica também é a palavra que define o objetivo da trajetória profissional dos Y. Nada de ficar muito tempo em lugar que não possibilite crescimento em um período relativamente curto.Se as gerações anteriores primavam por uma tranquilidade maior, especialmente os mais velhos, o desejo dos nascidos a partir de 1980 é ter novas experiências e adquirir conhecimento.


3)-Baby Boomers e a Geração Z


A geração Z é bastante diferente de todas as outras que a antecederam. Apesar de muitos ainda nem terem entrado no mercado de trabalho, há características dos nativos virtuais bastante marcantes e que devem provocar mudanças no universo profissional.Embora seja mais imediatistas e exigentes que os millennials, também são muito mais proativos. Até por isso, eles mesmos procuram criar as suas soluções quando não encontram nada que os satisfaça no mercado. Ou seja, o perfil empreendedor é um dos traços que define o grupo mais jovem da pirâmide geracional. Sua preocupação não está nem tanto em adquirir novas experiências e muito menos em ter um carreira estável. O principal objetivo se volta a encontrar um emprego que atenda a todos os seus valores.Mais do que nunca, sustentabilidade e responsabilidade social são pautas fortes e inegociáveis.


O comportamento das gerações e os reflexos na gestão de pessoas nas empresas


Agora, imagine todos esses perfis trabalhando em conjunto. É um desafio e tanto para a gestão de pessoas, não é mesmo?Imagine o conflito de interesses profissionais que um baby boomer pode ter com alguém da geração X, Y ou Z, diante de visões de mundo tão distintas. De um lado, a impressão de que os mais novos não têm paciência para conquistar resultados. De outro, a percepção de que falta ímpeto para transformar a realidade.Cabe ao RH fazer a leitura correta e tentar fazer da diversidade de perfis um trunfo para a atuação da empresa – e não o contrário.Por exemplo:


a)-Um boomer tem experiência e maturidade para atuar como gestor de uma área específica, na qual tenha plena domínio.

b)-Já um X tem boa vivência de mercado e pode ter sua visão estratégica aproveitada em momentos de crise e de transição na organização.

c)-Um millennial, por sua vez, pode ter a sua habilidade multitarefa utilizada para coordenar um novo projeto ligado à tecnologia.

d)-Um nativo digital, que hoje talvez ocupe a posição de estagiário ou aprendiz, é uma nova força de trabalho que pode ter suas ideias aproveitadas em setores como Tecnologia da Informação (TI), onde há mudanças constantes, que exigem disposição para pensar em soluções inovadoras.



Aproveitar o que cada uma das gerações tem de melhor é uma delas, mas também é importante pensar em outras variáveis.Manter seus capital humano motivado exige investir em políticas de benefícios, bonificações e até mesmo em um plano de carreira. Essas são estratégias interessantes para retenção de talentos.O objetivo aqui não é comparar diretamente uma geração com a outra, mas contextualizar o comportamento de cada geração com o momento histórico que vivemos, portanto:


a)-É fato que o pensamento da “Geração X” já não atende aos anseios da sociedade de hoje.


b)- a “Geração Y” precisa fazer mais e se posicionar mais claramente, deixando de ser objeto de estudo das gerações anteriores que precisam entendê-los e enquadrá-los.


c)- A “Geração Z” precisa ser cada vez mais atuante para dar exemplos e criar implementações de referência para que mais e mais pessoas tenham acesso a novos paradigmas.


d)-A geração H está correta em reivindicar seus direitos e conquistar seus espaços, mas tem que lembrar que o mundo não deve e nem vai girar em torno disto, portanto, tome posse da característica que colocou o homo sapiens no topo da cadeia alimentar: adaptação, aprendendo a conviver e se socializar com os diferentes, pois nem todos tem a obrigação de abraçar sua causa, mas apenas respeitar.





Conclusão


O mundo e o mercado de trabalho pode estar mais competitivo, mas ainda há espaço para todos, independentemente da sua geração. No fim das contas, essa é a máxima que prevalece.Você pode ser um baby boomer, X, Y ou Z – e não importa: se for competente no que faz, pode conseguir se colocar na sua área e encontrar boas oportunidades. Para isso, é claro, você vai precisar aprender a lidar com as diferenças e quem sabe até dividir a sua mesa de trabalho com alguém que possui um perfil bastante distinto. 



Vivemos num mundo plural. O desafio é não deixar que as disparidades limitem as possibilidades. 



 
(Líder do Partido Comunista Chinês)


Que tal unir o melhor destes mundos e criar soluções? Não são alguns anos a mais ou a menos que vão impedir. E não é só no ambiente de trabalho que precisamos lidar com diferenças, pois isso também vale para a vida pessoal e social.Basta encarar com a mesma naturalidade.Não perca seu tempo e energias lutando contra moinhos de ventos.Se o mundo só lhe dar limão, faça uma limonada. O período das estatizações e Capitalismo de estado, foi necessário, mas está passando, o mundo caminha para uma economia liberal, onde prevalece a Privatização.Como o homem sempre colocou a seu favor as leis da natureza, faça o mesmo.O capitalismo do século XIX era realmente uma coisa abominável, com um nível de exploração inaceitável. As pessoas com espírito de solidariedade e com sentimento de justiça se revoltaram contra aquilo. O Manifesto Comunista, de Marx, em 1848, e o movimento que se seguiu tiveram um papel importante para mudar a sociedade.A luta dos trabalhadores, o movimento sindical, a tomada de consciência dos direitos, tudo isso fez melhorar a relação capital-trabalho. O que está errado é achar, como Marx diz, que quem produza riqueza é o trabalhador e o capitalista só o explora. É bobagem. Sem a empresa, não existe riqueza. Um depende do outro. O empresário é um intelectual que, em vez de escrever poesias, monta empresas. É um criador, um indivíduo que faz coisas novas.A visão de que só um lado produz riqueza e o outro só explora é radical, sectária, primária. A partir dessa miopia, tudo o mais deu errado para o campo socialista.O capitalismo não é uma teoria. Ele nasceu da necessidade real da sociedade e dos instintos do ser humano. É sistema testado e aprovado por tentativas de erros e acertos, não se prende a dogmas econômicos, se adapta às circunstâncias, por isto sobrevive.



“O capitalismo precisa ser salvo dos capitalistas neoliberais. Uma resposta deve ser dada a eles, e a melhor resposta é a humanização da economia de mercado, deslocando deontologicamente o capitalismo neoliberal: do seu ser – que corresponde ao estado da natureza, selvagem e desumano – para o seu dever-ser da concretização multidimensional dos direitos humanos mediante a universal dignificação da pessoa humana.”. (BALERA; SAYEG, 2011, p. 25).



É óbvio que um governo central com seis burocratas dirigindo um país não vai ter a capacidade de ditar rumos a esses milhões de pessoas. Não tem cabimento. No Bonde da História prevalece sempre a razão, e assim caminha a humanidade. Ninguém mais acredita em cultura e nem em ideologia de escritório, ou seja, naquelas criadas em uma sentada ou canetada por pseudo iluminados, mas naquela testada na história da humanidade com tentativas de erros e acertos e naturalmente prevalecida, pois este tal Comunismo dito científico, de científico não tem absolutamente nada, pois tudo que é científico se caracteriza pela repetibilidade em laboratório, coisa que nenhum laboratório social Comunista mundo afora em suas tentativas de implantação o fez até agora, pois tudo descambou em ditaduras sanguinárias e desumanas de esquerda.


Há realmente muito pouca gente interessada em demonstrar as vantagens e, principalmente, o lado moral e ético do capitalismo. Poucos se dão conta, por exemplo, de que, no livre mercado, os indivíduos só são recompensados quando satisfazem as demandas dos outros, ainda que isso seja feito exclusivamente visando aos próprios interesses. Ao contrário de outros modelos, o capitalismo não pretende extinguir o egoísmo inerente à condição humana, porém nos obriga constantemente a pensar na satisfação do próximo, se quisermos prosperar. Além disso, para obter sucesso em grande escala, você tem de produzir algo que agrade e seja acessível a muitas pessoas, inclusive aos mais pobres, e não apenas aos mais abastados.Sob todos os aspectos o capitalismo é bem melhor do que o socialismo. Deveríamos bater mais nessa tecla de que a superioridade moral também é espantosa, e que um abismo intransponível separa um modelo baseado em trocas voluntárias de outro voltado para a “igualdade” forçada, que leva ao caos e à degradação de valores básicos da civilização. Quando você abastece seu carro, ou quando o avião aterrisa, escutamos o piloto agradecendo pela escolha da companhia aérea. Não por acaso, quando um cliente entra numa loja, a primeira coisa que ouve do vendedor é: “Em que posso ajudá-lo?”. E a última coisa que ambos dizem, depois de uma compra, é um duplo “obrigado!”. Um sinal inequívoco de que aquela transação foi vantajosa para ambos”, pois nesta relação é satisfeito o princípio: de cada um conforme a sua capacidade, e para cada um conforme a sua necessidade”.O capitalismo fortalece os laços de cooperação e cordialidade, enquanto o socialismo leva ao cinismo, à inveja e ao uso da força para se obter o que se demanda. É verdade que o capitalismo produz resultados materiais bem superiores, mas esse não é “apenas” seu grande mérito: ele é também um sistema bem melhor sob o ponto de vista moral.No capitalismo quem chega ao topo elas estão mais ligadas ao mérito individual, enquanto na burocracia socialista elas dependem de favores e coação. Infelizmente a história nos mostrou que no socialismo, os que chegam ao topo são os piores, os mais cínicos e mentirosos, os populistas, os bandidos, os exploradores, os inescrupulosos.Não é necessário essa dicotomia no capitalismo como existe no socialismo de mercado-solidariedade, muito pelo contrário, ou seja, não é da benevolência, ou solidariedade do açougueiro que a comida chega a minha mesa, mas da busca recíproca de satisfações minha e dele, ou seja não precisamos da benevolência, ou solidariedade de governos, ou empresários para ter minhas demandas atendidas, mas do mercado competitivo, é assim que devem ser satisfeitas as nossas necessidades e preferências numa economia livre.







FONTES DE CONSULTAS:




-https://henriquebastos.net/o-que-sao-geracao-x-geracao-y-e-geracao-z/


-https://www.sbcoaching.com.br/blog/baby-boomers/ 


-https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs1808200204.htm


------------------------------------------------------






Apostolado Berakash – Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua Igreja, grupo de oração, paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:




filhodedeusshalom@gmail.com


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger