A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » A POBREZA DE QUEM É RICO, E A RIQUEZA DE QUEM É POBRE ...

A POBREZA DE QUEM É RICO, E A RIQUEZA DE QUEM É POBRE ...

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 4 de fevereiro de 2018 | 14:53






“A maior pobreza é desconhecer a Cristo” (Moysés Azevedo)



"É mais fácil um camelo passar por uma agulha do que um rico entrar no reino do céu".(Mateus 19,24) Inicialmente, é preciso entender que a figura usada por Jesus pode parecer estranha, pois não se percebe a relação entre um camelo e uma agulha. Em hebreu, a mesma palavra era empregada para designar cabo e camelo. Na tradução, foi-lhe dado o último significado; é provável que no pensamento de Jesus estivesse o primeiro, seria, pelo menos, mais natural. A referência de Jesus não era ao animal camelo, mas à corda de amarrar navios que era feita com o pêlo do animal e, popularmente era chamada "camelo". Agulhas também, eram as passagens estreitas estre desfiladeiros de saídas e entradas nas cidades, por onde passavam comerciantes, e onde os coletores e impostos montavam seus entrepostos de cobranças, o qual o evangelista Mateus que fez este destaque, o era, ou seja ele era cobrador de impostos para o império de Roma.





Se lermos essa frase de Jesus e não a interpretarmos de forma contextualizada, parecerá que Deus colocou nas mãos de alguns homens, um instrumento de inevitável perdição, um obstáculo absoluto à ¨salvação¨, ou seja: AS RIQUEZAS. Seria um pensamento contrário à razão e à bondade de Deus, pois, aquele que possuísse riquezas estaria fadado a não entrar ¨no Reino dos Céus¨. As conseqüências disso seriam a abolição da riqueza, por ser prejudicial à felicidade futura; bem como a condenação do trabalho, que a pode conquistar, através do lucro, e não de prejuízos.Reconduziria o homem ao estado selvagem, primitivo, contrário à lei do progresso. 




Se a riqueza é fonte de muitos males, se provoca tantas paixões, crimes, não é a ela que devemos culpar, e sim ao mal uso que o homem dela faz. O que deveria ser útil, servir de progresso para a humanidade, mal utilizado serve de opressão, escravidão, subserviência, poder. A riqueza é colocada como prova na mão de alguns, para que dela o homem faça surgir o bem e o desenvolvimento. 



A dificuldade a que Jesus se refere, é que a riqueza é, sem dúvida, uma prova bastante arriscada, mais perigosa que a miséria, em virtude das excitações, das tentações que oferece e da fascinação que exerce. O orgulho e o egoísmo podem ser extremamente excitados no gozo da vida puramente sensual e material. Outro fator a considerar é a maneira com que a riqueza foi adquirida: de forma lícita ou ilícita. 




Embora a riqueza dificulte o caminho, não significa que ela o torne impossível e não possa servir como meio de evolução espiritual para quem dela faça bom uso dela. Muitos santos, inclusive Reis, fizeram isto na história da Igreja.A prova da riqueza material, e até mesmo da pobreza, é colocada muitas vezes de forma providencial por Deus nas mãos certas.Depende do próprio homem, na sua conduta, aproveitar ou não as facilidades e dificuldades materiais que tem na presente em benefício de sua salvação e do próximo, oferecendo trabalho, provocando a diminuição da fome, da miséria, da ignorância, enfim promovendo o bem-estar da humanidade e o seu progresso, atingindo então, o próprio fim a que se destina: O crescimento moral e espiritual, na sua administração.



Realmente como dizia Padre Deivid da diocese de Mossoró-RN: “Nem todo rico vai para o inferno, e nem todo pobre vai para o Céu.” O mal não está na pobreza. O mal está na miséria. Pelo que se todos soubessem ser pobres, a miséria terminaria. Miséria é quando não se tem. Pobreza é quando se reparte o que se tem. Daí que o Padre Francês Abbé Pierre, tenha sinalizado a diferença:



«A miséria é aquilo que impede um homem de ser homem. A pobreza é a condição para ser homem».




Assim sendo, é a pobreza que nos faz perceber que viver é conviver. É a pobreza que nos permite entender que não somos proprietários definitivos de nada, mas somente meros administradores provisórios de tudo. O que temos não nos pertence só a nós. De resto, nem nós mesmos somos donos de nós. É por isso que, ao contrário de Sartre, que achava que «o inferno são os outros», o mesmo Abbé Pierre proclamava que «o inferno é viver sem os outros». A miséria é infernal porque há corações que são como muros: são difíceis de abater. Jesus declara felizes os pobres (cf. Mt 5, 3) porque não suportam viver sem os outros, porque não estão condicionados pelo espaço, pelo tempo ou pela posse.





No Império Romano, oficiais imperiais coletavam impostos por cabeça e impostos territoriais como parte das suas funções oficiais. Mas a autorização para coletar impostos sobre exportações, importações e bens transportados por mercadores através do respectivo  país, era adquirido em hasta pública. Assim, o direito de coletar tais impostos ficava com os que davam o maior lance. Quando coletavam impostos, lucravam com a receita que ultrapassasse o total do seu lance. Esses homens, conhecidos como publicanos, subcontratavam o direito de coletar impostos em certas partes do seu território. Os subcontratantes, por sua vez, tinham ao seu cargo outros homens que faziam a coleta dos impostos propriamente dita. Zaqueu, por exemplo, parece ter sido o chefe dos cobradores de impostos em Jericó e arredores. (Lu 19,1- 2) E Mateus, a quem Jesus chamou para ser apóstolo, era um daqueles que faziam a coleta propriamente dita dos impostos, encontrando-se sua coletoria evidentemente em Cafarnaum ou perto dali (Mt 10,3; Mc 2,1-14).De modo que na Palestina atuavam muitos cobradores judeus de impostos. Eram tidos em pouca estima pelos seus patrícios, visto que freqüentemente exigiam mais do que a taxa do imposto. (Mt 5,46; Luc 3,12-13; 19,7- 8) Os demais judeus geralmente evitavam a associação voluntária com cobradores de impostos e os classificavam com aqueles conhecidos como pecadores, inclusive as meretrizes. (Mt 9,11; 11,19; 21,32; Mc 2,15; Luc 5,30; 7:,) Tinham também ressentimento dos cobradores de impostos por estes estarem a serviço duma potência estrangeira, Roma, e em contato íntimo com gentios “impuros”. Por isso, tratar um “irmão” que se mostrou transgressor impenitente como “cobrador de impostos” significava não ter nenhuma associação voluntária com ele ( Mt 18,15-17).Jesus não compactuava com a corrupção prevalecente entre os cobradores de impostos. Estava disposto a ajudar espiritualmente aqueles que mostrassem o desejo de ouvi-lo, embora fosse criticado por isso. (Mt 9,9-13; Luc 15,1-7) Numa das suas ilustrações, Jesus mostrou que o cobrador de impostos que humildemente reconhecia que era pecador e se arrependia era mais justo do que o fariseu que orgulhosamente se considerava justo. (Luc 18,9-14) E cobradores de impostos humildes, arrependidos (tais como Mateus e Zaqueu), tornaram-se prospectivos membros do Reino dos céus (Mt 21,31-32).A Mateus Cristo o convoca para seu seguimento de perto e da perfeição do deixar tudo, já a Zaqueu deixa em sua missão de administrar bem doravante agora suas riquezas em favor do próximo que ele desfraldou.Quando o olhar do cobrador de impostos Zaqueu e o do profeta cruzam-se, numa cena divertida, Zaqueu trepado sobre uma árvore, a empatia é imediata. Jesus diz-lhe para fazer o que toda pessoa precisa na vida: descer. E convida-se para entrar no coração do pequeno homem, que se converte, na presença do Manso e Humilde, num gesto carregado de simbolismo: ergue-se sobre suas contradições. O discurso de conversão (mudança de rumo) e adesão a Jesus não fala de “pecados” de fundo pretensamente moralista nem de “encontros espirituais”. Não: a conversão, a adesão a Jesus é a decisão de radical empobrecimento e seguimento.O empobrecimento de Zaqueu é o centro da história, e é crucial. Setores mais revolucionários da Igreja,afirmam que Zaqueu não teria empobrecido, porque teria doado aos pobres “apenas” metade de sua fortuna, como se encontrássemos ricos às pencas dispostos a abrir mão de metade de seus bens e renda, tanto naquele tempo como hoje. Mas ele foi muito mais adiante: “e se defraudei alguém, vou devolver quatro vezes mais” (v.8). Ele lança mão de uma prescrição do livro do Êxodo: “Se alguém roubar um boi ou uma ovelha e o abater ou vender, restituirá cinco bois por um boi e quatro ovelhas por uma ovelha.” (Ex 21,37) Era uma pena duríssima a quem não apenas roubasse mas se desfizesse do bem roubado de tal forma a não poder restituí-lo à vítima: quem roubou, por exemplo, 100 reais, deveria devolver 400.




Ora, o cobrador de impostos era tido como um ladrão na sociedade judaica, especialmente entre os pobres. Arrancava-lhes o pouco que tinham para sustentar o sistema jurídico-político de Israel e os invasores romanos. Se ele devolveu quatro vezes mais o que roubou, e toda sua fortuna, como de resto, todas as fortunas, a conclusão é obrigatória: ele tornou-se um pobre com os pobres. E Jesus acolheu com entusiasmo o gesto raro deste rico: “Hoje a salvação entrou nesta casa, porque também este homem é um filho de Abraão. Com efeito, o Filho do Homem veio procurar e salvar o que estava perdido.” (v. 10).Uma compreensão plena da história de conversão de Zaqueu só é possível quando colocada diante de outra história, que lhe antecede no capítulo anterior de Lucas. É o encontro de Jesus com outro rico. É breve, vale a pena retê-la. Lc 18,18-25:









Certo homem de posição lhe perguntou: “Bom Mestre, que devo fazer para herdar a vida eterna?” Jesus respondeu: “Por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão só Deus! Conheces os mandamentos: não cometerás adultério; não matarás; não furtarás; não dirás falso testemunho; honrarás pai e mãe. Disse ele: “Tudo isso tenho guardado desde a minha mocidade.” Ouvindo, Jesus falou-lhe: “Ainda te falta uma coisa: vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e terás um tesouro no céu; depois, vem e segue-me.” Ele, porém, ouvindo isso, ficou cheio de tristeza, pois era muito rico. Vendo-o assim, disse Jesus: “Como é difícil aos ricos entrar no Reino de Deus”! É mais fácil passar o camelo pelo fundo duma agulha do que um rico entrar no Reino de Deus.”



A decisão de Zaqueu salvou-o de sua desumanização, e ele, encontrado por Jesus, encontrou-se. A conversão de Zaqueu é de fato a celebração de um encontro amoroso de um homem que era tão rico, mas tão rico que única que ele tinha até ali eram somente suas riquezas. A história chega a ser espantosa para quem se acostumou à lógica da culpa: Jesus não o repreendeu, não exigiu um pedido de perdão, não acusou. Apenas acolheu aquele que o procurava. Bastou para que Zaqueu adquirisse consciência de seu pecado, pois este é um passo que jamais poderá ser imposto por outrem ou tomado com base no medo: será verdadeiro apenas se for consciência plena que, sem isentar de dor pelo sofrimento causado a outrem, move-se pelo desejo de uma vida renovada e plenificada.


Os “gestores da religião” da época escandalizaram-se: Jesus fugiu ao esquema confissão-humilhação-punição-perdão.


Nossos pecados já foram pagos e perdoados desde sempre na Cruz de Cristo. Isto atinge os anteriores a Cristo, os presentes a Cristo, bem como a nós, que nem ainda havíamos nascido, bem como aqueles que ainda nem nasceram. Estamos perdoados desde sempre, o que não significa que Deus concilie com nossos pecados, com a opressão do próximo, com as políticas de morte, fortuna e dominação.Não esquecendo que Deus odeia o pecado, mas ama o pecador e quer a sua conversão, e não a sua morte no pecado, e “para com Deusnão há acepção de pessoas” (Rom2,11).Na realidade, pobreza e riqueza, são caminhos estreitos para se chegar ao céu: a riqueza por não saber-se administra-la conforme a vontade de Deus, e a pobreza, por não saber e querer abraça-la e vivê-la, conforme Cristo e São Francisco abraçaram-na e a viveram plenamente.






Mateus 7,13-14: “Entrai pela porta estreita, pois larga é a porta e amplo o caminho que levam à perdição, e muitos são os que entram por esse caminho. Porque estreita é a porta e difícil o caminho que conduzem à vida, apenas uns poucos encontram esse caminho...”



Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger