A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » Cristão não mata, mas dar a vida - Você é capaz de morrer pelas suas convicções?

Cristão não mata, mas dar a vida - Você é capaz de morrer pelas suas convicções?

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 29 de dezembro de 2017 | 22:24







Pessoas são capazes das atitudes mais radicais pelas suas convicções. Um Comunista, ou liberal mesmo ateu, é capaz de dar a vida em nome da causa socialista, ou liberal. Feministas e GLBTS, são ousados em suas provocações motivados por suas convicções. Judeus, Cristãos e Muçulmanos, preferem a morte a trair seus princípios.Há, um debacle argumentativo sobretudo, nos domínios das convicções das convenções ideológicas, religiosas, e de justiça, que nos levam a perguntar:



"É melhor morrer do que trair as próprias convicções ?...”




Com essa frase como cabeçalho começa um interessante relato sobre pessoas que, em face da morte, preferiram renunciar às suas vidas do que trair princípios que advogavam durante sua existência.Um relato, contido no livro de 2 Macabeus 6,18-31, conta a história real de pessoas que passaram por esta situação confrontadora, e souberam corajosamente dar um excelente testemunho:




"Eleazar era um dos principais doutores da Lei, homem de idade avançada, mas com rosto de traços ainda belos. Queriam obriga-lo a comer carne de porco, enfiando-a boca adentro. Ele, porém, que preferia morte honrada a viver envergonhado, dirigiu-se espontaneamente para a tortura do tímpano, tendo antes cuspido fora o que lhe estava na boca. Assim é que devem fazer os que corajosamente querem resistir ao que não é permitido comer, nem mesmo por amor à própria vida. Os que dirigiam esse sacrifício proibido, velhos amigos de Eleazar, o chamaram de lado e lhe propuseram que pegasse carne permitida, por ele mesmo preparada, fingindo que comia a carne do sacrifício ordenado pelo rei. Se ele assim fizesse, estaria livre da morte e, pela antiga amizade que havia entre eles, o tratariam com benevolência. Ele, porém, tomou uma nobre decisão, coerente com a sua idade e com o respeito da velhice, coerente com a dignidade de seus cabelos brancos e com a vida correta que levava desde a infância; acima de tudo, coerente com as santas leis dadas pelo próprio Deus. Ele respondeu prontamente: "Podem mandar-me para a mansão dos mortos. Em minha idade não fica bem fingir, senão muitos dos mais moços pensarão que um velho de noventa anos chamado Eleazar passou para os costumes estrangeiros. Com o seu fingimento, por causa de um pequeno resto de vida, eles seriam enganados, e eu só ganharia mancha e desprezo para a minha velhice. Ainda que no presente eu me livrasse do castigo humano, nem vivo nem morto conseguiria escapar das mãos do Todo-Poderoso. É por isso, que se eu passar corajosamente para a outra vida ("se eu morrer", versão Ave-Maria), me mostrarei digno da minha idade. Para os mais moços posso deixar um exemplo honrado, mostrando como se deve morrer corajosa e dignamente pelas veneráveis e santas leis". Dito isso, foi imediatamente para o suplício. Os seus torturadores, que pouco antes queriam ser amáveis com ele, então se tornaram cruéis por causa do que ele dissera, ao considerar tudo aquilo uma loucura. Já quase morto, em meio às torturas, Eleazar ainda falou entre gemidos: "O Senhor, que possui a santa sabedoria, sabe que eu, podendo escapar da morte, suporto em meu corpo as dores cruéis da tortura, mas em minha alma estou alegre, por que sofro por causa do temor a ele". E assim passou desta para a outra ("terminou sua vida", versão Ave-Maria). Sua morte deixou, não só para os jovens, mas também para todo o restante do povo, exemplo memorável de heroísmo e virtude."



Eleazar é o modelo da resistência. De que adianta prolongar a vida, se para isso é necessário trair as próprias convicções? A geração presente educa a geração futura. O que podem os jovens de amanhã esperar, se a geração de hoje se acovarda e se acomoda diante dos desafios para construir uma pseudo sociedade mais justa e fraterna, amoral, e indiferente aos Santos ensinamentos de Deus, revelados nas escrituras sagradas? Em tempos de perseguição, o valor humano se mede, não pela duração da vida, mas pela integridade do testemunho.Seria fácil se ter o raciocínio naquela época:



"O que custa comer só um pouquinho da carne de porco?...afinal, a vida não é mais importante que as convicções ?...”



Mas o fato é que Eleazar estava preocupado era em como isso poderia refletir sobre a Lei dada por Deus aos seus contemporâneos e as gerações futuras.Os homens sem fé em Deus argúem que os princípios da retidão e as leis, não importa quão bons, podem ser postos de lado quando a vida de uma pessoa está em jogo. Até líderes religiosos se juntam em arguir que a aplicação das leis de Deus podem ser suspensas para salvar uma vida. Mas isso não é arrazoamento piedoso, como comprovado pelo caso de Eleazar, que era 'doutor da Lei'.



No livro de Jó lemos: "Tudo quanto o homem tem dará pela sua vida...” (Jó 2,4)



Ali as escrituras nos revelam que Satanás, estava confiante de que os homens abandonariam a Deus quando a obediência parecesse pô-los em risco pessoal de vida. Porém, como ele é o pai da mentira, sempre usa de meias verdades como se fossem verdades absolutas. E homens de fé em todas as épocas o tem provado. O fiel Davi não realizaria um ato que sequer sugerisse uma violação da proibição de Deus em tocar em seus ungidos, e assim mesmo tendo motivos e oportunidade para matar a Saul, não ousou fazer (Sl 105,15; 1 Sm 24,6-7). Os primitivos cristãos preferiam morrer a comprar sua liberdade mediante a negação e apostasia de sua fé. Por sua fidelidade crêem que Deus as recompensará, até levantando-as a passar dolorosamente pela morte através da provação do martírio de fé.




“Não podemos obrigar as pessoas a morrer e viverem de acordo com as convicções dos outros”








Sócrates viveu em um período de conflitos e tinha interesse por questões ético-políticas, pelo homem enquanto cidadão da pólis que se organizava politicamente em um sistema democrático. Justamente por seu posicionamento crítico, era fiel à sua própria consciência, sem abrir mão de suas ideias, método e convicções. Para o filósofo, o conhecimento era, de certa forma, sinônimo de virtude, e o conhecimento que ele ligava à virtude eram a episteme (conhecimento racional) e a doxa (opinião). Essa episteme não era voltada para a obtenção de riquezas materiais, mas tratava-se do conhecimento de si mesmo, o despertar da auto-consciência. Partindo desse conhecimento, Sócrates aplicou-se ao estudo das virtudes morais, “embrenha-se na própria alma, a fim de penetrar no cosmos moral.É considerado o fundador da Ética como disciplina filosófica, já que em seu tempo as considerações morais tinham apenas formulações meramente assistemáticas.




Contemporâneo dos sofistas, homens que criaram uma crítica social e discutiam sobre o que era natural e o que não era, ou seja, o que era criado pelas convenções sociais, e aquilo que era natural. Sócrates se ocupava das pessoas e de suas vidas, levando-as a refletirem por si mesmas, sobre os costumes, o bem e o mal. Mas ele diferia dos sofistas por não se considerar um sábio, e não cobrava por seus ensinamentos, era despido de preconceitos e tinha a convicção de que nada sabia. Reconhecia que havia muita coisa além do que podia entender e acreditava que o melhor modo para as pessoas viverem era se concentrando no desenvolvimento interior. Suas ações foram provas disso: não era um homem rico, acreditava ter uma missão filosófica em busca do renascimento da consciência, sempre foi fiel às suas ideias, e ao fim de sua vida, aceitou sua condenação, ao invés de fugir de Atenas, acreditando convictamente que sua morte permitiria a manutenção da harmonia no espaço público.



Sócrates defendia que o indivíduo tinha necessidade de viver com base nos preceitos morais que garantissem a vida social. Assim, quando teve a oportunidade de fugir, de se livrar da condenação, recusou-se e preferiu morrer porque fugindo, estaria livrando sua pessoa, mas não garantiria a coletividade.Para chegar aos valores que guiariam o homem, Sócrates propôs um método para se chegar à resposta, demolindo as visões correntes, mostrando quão ilusórias eram as certezas. A mais profunda garantia da sua ética foi justamente este potencial auto-reconstrutivo da verdade, sendo vista sem os véus das aparências e vaidades, a partir de um conhecimento capaz de por si só, tornar o homem mais sábio e uma pessoa melhor. A ausência de respostas em Sócrates para muitas interrogações, era parte deste método, pois ele temia que se desse respostas prontas, acabaria cristalizando-as com o tempo, e transformando-as em convenções.



Sócrates defendia que em qualquer sociedade, o indivíduo precisa viver politicamente, no sentido de garantir sua vida em coletividade. Viver politicamente era o fundamento da pólis grega, dentro daquilo que era ideal para garantir essa sobrevivência: a manutenção das virtudes, dos preceitos dos cidadãos. Nesse sentido, é importante fazer um recorte sobre a vida política e a liberdade que os atenienses tinham no espaço público. Na verdade, a ação política na pólis grega também significava liberdade, e o princípio socrático do domínio interior do homem tinha implícito um novo conceito de liberdade, pois fazia dela um problema ético, e não mais apenas sinônimo de direito político. O que interessava a Sócrates era a eficácia do domínio do homem sobre si mesmo.A política era reflexo da condição plural do homem, e não podia ser associada ao domínio, não se baseava na distinção entre governantes e governados, nem se identificava com violência. Nesse sentido, ressalta-se que, na antiguidade, a liberdade era pensada como interioridade, sendo este o único meio daqueles que não possuíam um lugar no mundo, “sentirem-se livres”.



Para Sócrates, a ética consistia em uma força transformadora, capaz de trazer a felicidade tanto à sociedade quanto ao indivíduo, aliás, a vida pautada nela seria a única forma de se obter a felicidade. Nesse contexto, abordar a importância da ética e da política na atividade socrática de pensar é fundamental.Assim, o conceito de que a liberdade é obtida a partir da vivência social, da interação com os semelhantes, assemelha-se ao conceito da pólis de Sócrates. As limitações, por sua vez, vêm a partir dos valores interiores dos indivíduos, porém, esses valores são construídos a partir da convivência com o outro. Para que não se crie um processo desorganizado, de cada um fazer o que quer, normatiza-se interior - a legislação moral, e exteriormente o ordenamento jurídico, dentro da convivência. No final, todas as ações visam o bem comum, o bem público, a existência social. Em suma, é a partir da convivência, do relacionamento, da interação social, que se constroem os valores que buscam o bem comum, o bem estar e a felicidade.




Romanos 14,23: "Mas aquele que tem dúvidas é condenado se comer, porque o que faz não provém da convicção; e toda falta de convicção é pecado..."



Segue o contexto completo :Romanos 14,21-23:


“É bom não comer carne, nem beber vinho, nem fazer qualquer outra coisa com que teu irmão venha a tropeçar [ou se ofender ou se enfraquecer]. A convicção que tens, guarda para ti mesmo perante Deus. Bem-aventurado é aquele que não se condena naquilo que aprova. Mas aquele que tem dúvidas é condenado se comer, porque o que faz não provém de fé; e tudo o que não provém da convicção é pecado.”








SEM CONVICÇÃO NÃO HÁ TRANSFORMAÇÃO NEM PESSOAL E MUITO MENOS SOCIAL:



Segundo o dicionário, "Convicção é uma certeza que vem através de fatos ou razões; é um convencimento". Isso nos mostra que se não estivermos convencidos de certas coisas na nossa vida, não veremos transformação nessas áreas e não lutaremos por elas. Citarei alguns exemplos:


1)- Você está convencido que sexo antes do casamento é pecado? Se não, você não lutará para evitá-lo.

2)- Você está convencido de que a corrupção é pecado ? Se não, você não lutará para evitá-la.

3)- Você está convencido de que o aborto é pecado, por ser um atentado a vida de uma pessoa inocente e indefesa? Se não, você não lutará para evitá-la.

4)- Você está convencido de que a prática de atos homossexuais é pecado ? Se não, você não lutará para evitá-la.

4)- E em relação ao uso do dinheiro, você está convencido de que precisa colaborar com ele regularmente na obra de Deus, devolvendo parte daquilo que Deus lhe permitiu conceder? Se não, você será sempre mesquinho, e jamais confiará plenamente na providencia Divina.


Citei acima apenas alguns exemplos, lógico que você mesmo(a) poderia acrescentar esta lista. Mas sabemos que se não tivermos certeza daquilo que acreditamos, não veremos transformação alguma em nós e nos outros, pois não podemos convencer a ninguém de algo que nós mesmos não estamos convencidos.


Nós lemos também no dicionário que a convicção está baseada em fatos ou razões. Por isso precisamos buscar na Palavra de Deus e no dia a dia, fatos em que podemos nos apoiar. Por exemplo: em relação o sexo antes do casamento, precisamos buscar na passagens bíblicas que mostram que o sexo foi criado por Deus para ser usufruído dentro do casamento, as consequências negativas de quando ele foi usado fora, como no caso de Davi com a mulher de Urias, e a mulher flagrada em adultério que ia ser apedrejada nos evangelhos. E sobre a generosidade com a obra e propagação do Reino de Deus, podemos ver exemplos tanto na Bíblia como na vida de pessoas que foram fiéis com suas ofertas a Deus, e que Deus lembrou-se, como o óbolo da viúva no templo visto por Jesus, e a viúva de Serepta. Porém, às vezes, a convicção só vem em nosso coração quando passamos por sofrimentos, decepções, lutas. Então dizemos:


"Eu não quero mais viver do meu jeito. Quero viver agora segundo o que Deus diz que é certo...”



A Bíblia conta a história de Elias: "um homem igual a nós, sujeito às mesmas paixões" (Tiago 5,17), mas que viu transformações em sua vida e na sua geração, tudo porque ele tinha fortes convicções em seu coração. (1 Reis 16,30-33 e 17, 1). Perceba que naquela época a situação de Israel era terrível.O rei Acabe havia abandonado Deus e se levantado contra Ele. Se tornou idólatra e levou toda a nação para o mesmo caminho. Casou-se com uma mulher que até hoje é o símbolo da maldade (Jezabel) e seu reinado se tornou tão opressor que até mesmo os fiéis a Deus, se esconderam com medo nas cavernas. E somente Elias resistiu e ficou firme na sua fé, correndo risco de vida.Mas no fim, veremos que houve uma grande transformação: Os profetas de Baal foram derrotados, o rei Acabe perdeu sua honra, Jezabel foi devorada por cães e todos se voltaram para Deus. Diante disso, precisamos questionar: O que fez Elias ficar firme? De onde veio tamanha ousadia a ponto dele enfrentar o rei com uma mensagem tão dura? Posso concluir que Elias tinha convicções que lhe deram ousadia e teve como resultado transformações. Senão vejamos:



1) Elias tinha certeza da realidade de Deus (1 Reis 17,1a): "Tão certo como vive o Senhor..."



Elias tinha consciência do poder de Deus. Ele sabia que o Senhor vive, age, e interfere de geração em geração em favor de seu povo.O rei Acabe pensou que tinha acabado com o culto a Javé, mas ele não sabia que um homem ainda tinha convicção, e para o Deus de Abraão, Isaque e Jacó, um homem temente é o bastante.Jó também tinha esta mesma convicção. Ele disse: "“Eu sei que o meu Redentor vive e por fim se levantará sobre a Terra" (Jó 19,25).Paulo também era um homem convicto: “"Não me envergonho de sofrer, pois eu sei em quem tenho crido e estou certo de que Ele é poderoso para guardar o meu depósito até aquele dia" (2 Timóteo 1,12).



2) Elias tinha certeza que representava a Deus: (v.1b) "Perante cuja face estou..."


E sabe quem Deus escolheu para reagir com convicção às crises deste nosso tempo ? VOCÊ!!!! Sim, Deus usa pessoas comuns, muitas vezes sem condições financeiras ou desprezadas da sociedade. (2 Corintios 5,20)


3) Elias tinha certeza que o poder de Deus estava à sua disposição: (v.1c) "Nem orvalho nem chuva haverá nesses anos segundo minha palavra..."



Como ele sabia que sua profecia iria se cumprir? Qual era a base do seu ministério de profeta? A própria Palavra de Deus (Deuteronômio 11,16-17).



Portanto, devemos entender que convicção e conhecimento da Bíblia andam juntos.


“Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo”





Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger