A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Fé Natural e Sobrenatural – Por que nem todos têm uma fé Sobrenatural? Qual delas é necessária e desnecessária a salvação?

Fé Natural e Sobrenatural – Por que nem todos têm uma fé Sobrenatural? Qual delas é necessária e desnecessária a salvação?

Written By Beraká - o blog da família on quinta-feira, 20 de junho de 2019 | 13:19






"Por fim, irmãos, orai por nós, para que a palavra do Senhor se propague e seja estimada, tal como acontece entre vós, e para que sejamos livres dos homens perversos e maus; porque nem todos possuem a fé...”(II Tessa 3,1-2)



O obstáculo ao progresso triunfante do Evangelho na área missionária de Paulo enfrentava dura oposição na opinião humana que tinha de enfrentar. O apóstolo previa na primeira parte do versículo acima perigos da parte dos descrentes, sábios e eruditos pagãos, mas principalmente nos judeus que eram seus obstinados oponentes. O que Paulo tinha em mente era a obstinação dos judeus. Era a rejeição deles a Jesus, como o Messias, que levantava sério problema. A iniquidade proposital daquela gente aumentara ao ponto que eles mesmos se tinham afastado tão propositadamente que já não se se deixavam influenciar pelo Espírito Santo, não querendo depositar confiança na graça da nova lei em Cristo, mas nos preceitos da lei mosaica. E é isso que a experiência cristã ensina; é possível que alguns indivíduos se obliteraram, individualmente, de qualquer possibilidade de virem a confiar em Cristo mediante rebeldia voluntária, o que é um estado trágico, mas que infelizmente é onde se chega quando se rejeita voluntariamente a luz de Cristo.





Paulo mostrava, por conseguinte, que os Cristãos tessalonicenses não se deveriam surpreender ante a horrenda obstinação de alguns homens contra o Evangelho e contra seus seguidores. Mas antes, deveriam compreender que os homens podem chegar a um estado de alma inteiramente caracterizado pela incredulidade, motivado por uma perversão irracional que os cega. Tais indivíduos se mostram e se tornam destruidores, havendo grande abundância deles também, no mundo atual, e muitas vezes, dentro da própria Igreja.


MAS AFINAL O QUE É A FÉ ?


“A fé é uma posse antecipada do que se espera, um meio de demonstrar as realidades que não se vêem” (Heb 11,1)



“Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas.Mas nem todos têm obedecido ao evangelho; pois Isaías diz: Senhor, quem creu na nossa pregação?De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.Mas digo: Porventura não ouviram? Sim, por certo, pois Por toda a terra saiu a voz deles,E as suas palavras até aos confins do mundo.Mas digo: Porventura Israel não o soube? Primeiramente diz Moisés:Eu vos porei em ciúmes com aqueles que não são povo,Com gente insensata vos provocarei à ira.E Isaías ousadamente diz:Fui achado pelos que não me buscavam,Fui manifestado aos que por mim não perguntavam.Mas para Israel diz:Todo o dia estendi as minhas mãos a um povo rebelde e contradizente...” (Romanos 10,12-21) 



Poderíamos agora perguntar: A fé não é de todos? Depende de qual fé estamos falando, se da fé natural, que é comum a todos, ou da fé Sobrenatural, que não é comum e nem é igual em todos, tanto que os discípulos pedem que Jesus aumente neles esta fé (Luc 17,5-10). A fé sobrenatural realmente não é comum a todos, é um dom de Deus. E isto está registrado na segunda carta do apóstolo Paulo aos Tessalonicenses 3,2. Mas que tipo de fé não é de todos? Sem maior esforço, podemos dizer que a fé que não é de todos é a fé sobrenatural, mas de jeito nenhum, esta afirmação se refere à fé salvadora:


“isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que creem; porque não há diferença. Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus...” (Rom.3,22-23).


Ora, a justiça de Deus, disse Paulo inspirado pelo Santo Espírito, é para todos e sobre todos aqueles que creem. E ainda acrescenta: “porque todos pecaram”. Quem pecou? Quem está destituído da glória de Deus? Somente os eleitos para a salvação? Não! Todos pecaram! E como essa heresia da predestinação para a salvação não existe, graças a Deus, a justiça de Deus é para todos e sobre todos os que creem. Ora, os que creem, não porque estavam predestinados a isso, mas porque, depois de ter ouvido a palavra da verdade, de ter ouvido o evangelho da salvação e tendo no messianismo salvífico de Jesus Cristo acreditado, só depois disto, é que foram selados com o Espírito Santo da promessa, e também nos predestinou para filhos de adoção e fomos também, predestinados na promessa para herança Nele.


Está escrito que o homem, qualquer homem, é justificado pela fé natural no messianismo Salvífico de Cristo (Rom 10,9). E como pode a justiça que há em Cristo ser de todos e para todos os que creem se a fé conforme 2Tessa 3,2 diz que não é de todos? A dedução é simples, porque o apóstolo Paulo em 2Tessa.3,2 não tratava da fé sobrenatural, mas daquela fé natural e racional, que é suficiente para nossa salvação.  Paulo também, escrevendo a Timóteo, na primeira carta em I Tim 4,1-6, disse assim:


“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios”. E recomenda o seguinte: “Propondo estas coisas aos irmão, serás bom ministro de Jesus Cristo, criado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido...”


Claro que também, o apóstolo não falava aqui da fé sobrenatural que é irrelevante a nossa salvação, mas da fé natural e suficiente a nossa salvação. Ninguém vai deixar de ser salvo por não ter uma fé sobrenatural, mas podemos perder a salvação por apostatar da fé natural e salvífica,  da ação redentora do nosso Senhor Jesus. Paulo estava dizendo que alguns, e somente alguns, apostatariam desta fé natural, ou seja deste conjunto racional da fé  expresso na sã doutrina da nossa salvação. E recomenda a Timóteo a ser bom ministro, criados com as palavras da fé, o conjunto de doutrinas racionais dadas para a Igreja perseverar nesta fé. E isso atesta Judas:


“Amados, procurando eu escrever-vos com toda a diligência acerca da salvação comum, tive por necessidade escrever-vos, e exortar-vos a batalhar pela fé que uma vez foi dada aos santos. Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo...” (Judas1,3-4)



Perceba que a fé aqui, não é algo sobrenatural, mas é um conjunto racional e perfeitamente vivencial de doutrinas, e Isto está mais que claro como o sol do meio dia, no versículo 4 de Judas. Ora, claro que a fé sobrenatural não é de todos. A fé de 2Tess.3,2 faz referência ao escopo racional e doutrinário dado à Igreja do Senhor Jesus. Não existe uma fé natural diferenciada e dada a pecadores para que eles se tornem santos, a doutrina salvífica é a mesma. Por que Deus não predestinou Adão e Eva para viverem para sempre no Jardim de Delícias? Porque Deus, o Eterno, não criou marionetes. Pelo contrário, Ele criou seres morais, à sua imagem e semelhança, com poder de decisão, dotados de inteligência, vontade e liberdade.


O Plano da Salvação estava arquitetado desde a criação e queda do homem (Gn.3,15). Inclusive para os gentios: “ao gentios, ouvindo isto... creram...” (Atos 13,48). Ora aqui se pergunta: Como pode alguém rejeitar aquilo para o qual não foi destinado? Mas é o que está dito no versículo 46 de Atos capítulo 13:


“Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: Era mister que a vós(os Judeus) se vos pregasse primeiro a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos voltamos para os gentios...”


Aqui está mais do que claro a universalidade, ou seja, catolicidade da salvação, quando Ele ordena a pregação da fé Cristã doravante aos gentios. Agora também os gentios na pessoa concreta dos Efésios se tornam crentes na fé Cristã. A hermenêutica de terem sido eles, efésios, arrastado para debaixo de uma fé imposta pelo Criador como dom, não sobrevive a um exame sério e comprometido com a verdade. Como um texto fora do contexto é motivos para falsos pretextos, supor que em 2Tess.2,13 tenha Deus elegido pessoas para a salvação em detrimento de outras, a quem Ele simplesmente teria rejeitado. Essa aparência só se conserva quando se isola o texto. Ora, quando analisamos os versículos 9 e 10 do mesmo capítulo, percebemos um jogo de contrastes. É que os que perecem, perecem por não acolherem o amor da verdade para não serem salvos. Isto está claro que, se acolhessem o amor da verdade, seriam salvos. Não perecem por não serem predestinados para a salvação.


Desde o princípio, determinou Deus, com base em sua justiça, uma lei, ou princípio divino, de que todos os que amassem a verdade do evangelho da graça, e invocasse o precioso nome do Senhor Jesus, o Cordeiro Eterno de Deus, que tira o pecado do mundo, receberiam o dom gratuito da vida eterna. E tendo assim determinado, então, considerou eleitos para a vida eterna quantos viu que o fariam livremente, inclusive os tessalonicenses do versículo 13. Deus escolheu os remidos livremente, desde o princípio, para livrar da eficácia de Satanás, de seu poder, sinais e prodígios da mentira. O apóstolo Paulo aconselhou aos irmão de Filipos:


“Não importa o que aconteça, exerçam a sua cidadania de maneira digna do evangelho de Cristo, para que assim, quer eu vá e os veja, quer apenas ouça a seu respeito em minha ausência, fique eu sabendo que vocês permanecem firmes num só espírito, lutando unânimes pela fé evangélica,sem de forma alguma deixar-se intimidar por aqueles que se opõem a vocês. Para eles isso é sinal de destruição, mas para vocês de salvação, e isso da parte de Deus;pois a vocês foi dado o privilégio de, não apenas crer em Cristo, mas também de sofrer por ele...” Filipenses 1,27-29



Paulo não escreveu “pela fé no evangelho”, mas “do evangelho”; quer dizer, não se tratava, e não se trata da fé exercida por alguém que ainda está fora, e que precisa crer no evangelho para ser remido. Tratava-se, e ainda trata-se, de defender a fé do evangelho, isto é, defender o conjunto de ensinamentos racionais que compõem a doutrina do evangelho da graça.Então, o que foi concedido aos Filipenses foi a graça de padecer por Cristo e não somente a graça salvadora e a graça de crer na doutrina acerca de Cristo, isto é, acerca do que Ele realizou na cruz.


Qual a fé que é dos eleitos? A fé do evangelho, a fé doutrinária e portanto racional que atinge nossa inteligência para que possamos dar a nossa adesão, portanto, a fé-conjunto-de-doutrinas, do pleno conhecimento da verdade. Deus prometeu, antes dos tempos eternos, vida eterna a todos quanto invocassem o Nome do Senhor Jesus. Quando são Miguel lançou a sentença na batalha no Céu: Quem como Deus? O arcanjo fez isto baseado na razão, pois na glória celeste a fé naquilo que se espera já está cumprido, a fé portanto é desnecessária. O argumento da Predestinação da fé fatalista é totalmente contrária à verdade da Palavra de Deus:


“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna...”  João 3,16.



“Exorto, pois, antes de tudo que se façam súplicas, orações, intercessões, e ações de graças por todos os homens,pelos reis, e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranqüila e sossegada, em toda a piedade e honestidade. Pois isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador,o qual deseja que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade...”1 Timóteo 2:1-4


Ora, se o mundo realmente fosse somente dos já “predestinados” que sentido teria em rezarmos pela salvação de todos? Está escrito em Romanos 1,19-22:


"Pois o que de Deus se pode conhecer é manifesto entre eles, porque Deus lhes manifestou. Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de Deus, seu eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos por meio das coisas criadas, de forma que tais homens (os incrédulos) são indesculpáveis; porque, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe renderam graças, mas os seus pensamentos tornaram-se fúteis e os seus corações insensatos se obscureceram. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos...”



O ser humano tem uma notável capacidade de cometer falhas voluntárias. Se formos sinceros conosco, identificaremos inúmeras situações em que erramos, e se a gente pudesse enumera-las ficaríamos assustados.Contudo nenhum erro pode ser mais danoso a uma pessoa do que negar por puro Capricho, e mero orgulho voluntário, o de não crer ou negligenciar a obra e existência de Deus pelas coisas criadas.Estes versículos acima , escritos a mais de 2000 anos atrás, falam que os atributos de Deus podem ser reconhecidos desde a criação do universo e tudo o que Nele existe.Nos versículos de 19-20: Deus é percebido, conhecido desde a criação, Ele se revelou ao homem, não crer em Deus torna o homem indesculpável.Nos versículos de 21-22: Mesmo conhecendo a Deus, não glorificaram, não agradeceram, tornaram-se fúteis, com corações insensatos, obscuro e duro "Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos".Mas certamente negar o valor do sacrifício salvador de Jesus Cristo na cruz consciente e voluntariamente, nas mais variadas formas de negação, é o erro mais grave, mais caro e mais perigoso de todos, pois ao negar a Cristo por puro capricho voluntário a pessoa está condenando-se eternamente (João 3.18). Negligenciar a Deus e sua obra é ingratidão, insensatez e irracionalidade, e não precisamos de uma fé sobrenatural para entendermos e darmos nosso assentimento natural e racional da fé.Negligenciamos e negamos a Cristo toda vez que deixamos de adorá-lo pelo que Ele É, FEZ e FAZ. Negamos e o Ignoramos mais ainda quando colocamos o mérito que é Dele, noutras fontes: Na sabedoria humana, tecnologia, criação espontânea, bens materiais, poder, auto-suficiência,status etc.Assim está escrito:


“ E que tens tu que não tenhas antes recebido? ” (1 Coríntios 4,7) e, “ Pela graça de Deus sou o que sou ” (1 Coríntios 15,10)


Devemos olhar ao nosso redor e nos curvar em gratidão e uma fé racional diante do único digno e capaz de criar todas estas coisas que vemos a partir do nada.Devemos nos curvar diante dEle lembrando daquilo que sabemos que existe, mas nossos sentidos não nos permitem ver ou sentir.Devemos nos curvar ao Pai e reconhecer que há muito mais além do que podemos saber, sentir, perceber ou identificar. Só Ele pode receber este reconhecimento, e não o “senhor acaso”. Pois atribuir a explosão do big bang e logo após a Criação ordenada, é o mesmo que esperar que um furacão monte um avião 747 completo e pronto para voar por mero acaso e coincidência com sua passagem.Somos excessivamente limitados, mas ninguém terá desculpas de não acreditar nele, porque sua criação antecede sua apresentação, para aqueles que não anseiam em conhecê-lo, ou será que o mar em sua grandiosidade, foi encerrado até onde chegaria por si próprio ?(Jó 38,8).Há muitas coisas que não podemos ver, contudo sabemos que elas estão lá, por exemplo:Não podemos ver o vento, mas ele existe, pois sentimos o seu efeito ao soprar as folhas das árvores, não vemos a energia, mas sentimos os seus efeitos, não vemos as ondas sonoras e de rádio, mas elas existem,não vemos os raios X, e tantos outros tipos de radiação, mas eles existem e podemos ver seus efeitos. Não vemos Deus, mas também vemos e sentimos seus efeitos e sua ação em nós, na natureza e nos acontecimentos.Temos várias provas ao nosso redor sobre a existência de Deus, a beleza da natureza fala dDele, assim como a simetria, a ordem e as leis naturais que se encontram na vida diária.Deus é um ser muito inteligente e poderoso, ou será que o senhor acaso desenhou este universo tão vasto e espantoso e belo de se ver, viver e contemplar sem nenhum propósito ?


Deus é o grande arquiteto e criador e o corpo humano, é só um exemplo dos muitos mecanismos maravilhosos que Deus criou. Deus se revela na Bíblia como um ser infinito, eterno, auto-existente ( Causa não causada de todas as causas) e como a causa Primária de tudo o que existe, conforme já deduzia Platão que nem Cristão era, mas pelo uso da razão chegou a esta conclusão lógica, e assim rezava ao Deus invisível:


“ Oh causa não causada de todas as causa, tem piedade de mim...”

Nunca houve um momento em que Deus não existisse, assim como o vácuo do vazio, a escuridão e o frio, que são realidades incriadas e sempre existiram, assim também, é Deus, incriado, sem princípio e sem fim.Assim nos  afirma as escrituras:

“Antes que os montes nascessem, ou que tu formasses a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade Tu és Deus...” (Salmo 90,2).

A Bíblia deixa claro em muitas passagens que Deus está fora do alcance do tempo. Ele é eterno.Você já teve a oportunidade de ver uma macieira durante o inverno?Fica completamente seca e aparentemente morta, o que acontece porque a macieira hiberna no inverno.Ao ver aquela imagem, jamais poderíamos supor que, alguns meses depois, estaria ela totalmente reverdecida, florando, preparando-se para dar seus frutos saborosos.A maçã só perde em quantidade de vitaminas e aplicações para a nossa banana. E, para produzi-la, Deus criou este sistema de hibernação, já que é nativa e somente se adapta em regiões muitos frias.Nem precisaria comentar, pois o processo de morrer e brotar da semente já seria o suficiente para enxergarmos a ação de Deus na vida que pôs na natureza. Já que, no máximo, podemos lançar as sementes e esperar, pois o que acontece debaixo da terra, vem dEle, só dEle! Portanto,os atributos invisíveis de Deus, assim o Seu poder, como a Sua Soberania, claramente se podem ver na natureza!!E, por isso, somos indesculpáveis quanto a crer que Ele não existe.E não é apenas na natureza que a televisão mostrou que a Bondade de Deus enche a Terra. Notícias sobre o avião Airbus A320 da US Airways, que precisou fazer pouso forçado nas gélidas águas do rio Hudson, em Manhattan, após ter suas turbinas em chamas por colisões com pássaros, demonstraram claramente a Soberania e a Misericórdia de Deus, que criou e mantém todas as coisas:



“O piloto-herói conseguiu fazer um pouso forçado sobre o rio, sem que o avião se rachasse ao meio, o que seria o mais esperado; não havia nenhuma embarcação cruzando o rio naquele momento; o avião parou exatamente a dois minutos de uma empresa que trabalha com barcos, de modo que houve muitas pessoas e embarcações envolvidas no resgate dos 155 sobreviventes (todos sobreviveram!), que, de outro modo, teriam escapado de morrer na queda, mas teriam morrido congelados..." Sim, o piloto e sua habilidade foram fundamentais na aterrisagem mas a providência em socorrê-los de imediato foi Divina.








CONCLUSÃO:




Nossa fé não é puro sentimento ou apenas a invenção de um grupo de homens mal intencionados e manipuladores. Existe a racionalidade da fé. E no CRISTIANISMO esta inteligência da fé possui uma densidade tal, que seria um pecado de omissão não conhecer e estuda-la. A Fé é um ato da inteligência; portanto não é um sentimento vago, mas é expressão da mais nobre faculdade que o homem tem: o intelecto, que tenta aplicar-se ao objeto mais nobre que possa ser concebido, ou seja, a Deus. Esse ato do intelecto é movido pela vontade, pois o objeto da fé transcende os limites do intelecto humano (a verdade é mais ampla do que o alcance do nosso intelecto). Sendo assim, o objeto da fé não obriga a um assentimento cego e irracional, não é tão evidente que force a adesão de quem o contempla. A vontade, portanto, deve mover o intelecto para que diga Sim ou Não. A vontade, porém, só move o intelecto depois do exame das credenciais sobre as quais se apoia cada proposição de fé. Cabe então ao intelecto humano averiguar as razões em virtude das quais o indivíduo pode e deve crer. Estude o Evangelho, a história, a paleografia, e chegue eventualmente à conclusão: “Não é absurdo crer; não é infantilismo ter fé”. Há razões suficientemente fortes para que o homem diga SIM ao objeto de fé, sem trair sua dignidade de homem adulto. Portanto o homem crê inteligentemente. E a própria razão sadiamente crítica que aponta o caminho da fé. Assim evitam-se as superstições e crendices que não resistem ao crivo da razão. Se a fé tem por objeto algo não evidente por si mesmo, ela é um ato livre. Pode ser traída e rejeitada, como acontece nos casos em que as paixões predominam sobre o intelecto e a vontade. Daí haver falsas expressões da fé, que causam escândalo aos não crentes, mas que não são autênticos gestos de fé.Aliás o senso de justiça obriga a lembrar os grandes benefícios que a Religião proporcionou à humanidade: Sem a verdadeira religião, o homem e a humanidade estaria entregue as supertições e carnificinas materialistas que a história infelizmente já experimentou nos regimes totalitaristas ateus.A religiosidade é um elemento integrante da pessoa humana. O homem bem pode ser considerado um peregrino do Absoluto, um viandante rumo ao Eterno e Infinito. Até os materialistas marxistas procuram um novo estado de coisas e a plena satisfação de seus anseios através da mística do martelo e da foice. Os atritos que a religião causou entre os homens se devem, em grande parte, à valorização dos bens espirituais, que os antigos e medievais julgavam ser superiores aos bens materiais. A religião inspirou a entrega de tudo, até da própria vida, para não renegar o Valor Supremo que é Deus. Quando se avalia o passado, não se pode deixar de levar em conta esse traço próprio da mentalidade de nossos ancestrais.Acontece, porém, que esse elemento integrante da pessoa humana, o senso religioso, não pode ser cego ou desligado da razão. É esta que distingue entre si fé e crendice. É com a inteligência que o homem crê, e não com os olhos da mente fechados pela cegueira do sentimentalismo ou das emoções.Compete aos cristãos dar testemunho da autêntica religião, para que, mediante este testemunho claro e firme, o irmão que busca o Absoluto, embora não tenha fé, se entusiasme pela beleza de uma vida santa,heroicamente santa.Ao deixarmos de reconhecer a ação de Deus nos tornamos indesculpáveis.Pensemos nisso e procuremos ter a visão de Deus das coisas. "Sem fé é impossível agradar a Deus, sem gratidão o homem torna-se irracional e indesculpável". Tenhamos corações gratos pelo o que Deus fez e faz a cada dia na sua criação e nos seu propósito maravilhoso que resultou em nossa salvação.Lembre-se sempre de que as pressões não podem deixar você perder a direção de Deus. São nos momentos de prova que Deus nós dá a oportunidade de crescer. Lute nestes momentos para possuir uma fé sobrenatural e não uma fé natural que todos possuem, não nos conformemos com a mediocridade, usemos os meios que Deus nos provê através de sua palavra, do sagrado magistério e o exemplo da fé perseverante dos santos que nos precedem.


Apostolado Berakash

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger