A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Shalom : Um chamado a uma Nova Pobreza

Shalom : Um chamado a uma Nova Pobreza

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 3 de setembro de 2016 | 23:47




Música: Obra Nova

(Comunidade Católica Shalom)


Eis que Eu faço Obra nova, nova Obra, Obra nova.
Eis que ela já surge, não a vedes? Não a vedes? Não a vedes?

Obra nova para este tempo.
Obra nova para Minha Igreja.
Obra cara ao Meu coração.

Trago-te um novo louvor.
Chamo-te à nova pobreza.
Eis o Evangelho vivo hoje.



“Eis que vou fazer obra nova, a qual já surge: não a vedes? Vou abrir uma via pelo deserto, e fazer correr arroios pela estepe. Dar-me-ão glória os animais selvagens, os chacais e as avestruzes, pois terei feito jorrar água no deserto, e correr arroios na estepe, para saciar a sede do meu povo, meu eleito; o povo que formei para mim contará meus feitos” (Is 43,19-21)



ESCRITOS SHALOM: O Senhor nosso Deus, que merece todo amor do mundo, realiza uma obra no meio de nós: uma obra nova, um caminho novo. Este caminho é real e cada dia que passa eu a sinto concretizar-se mais fortemente em meu coração. É algo novo, é algo maravilhoso. Sinto como Deus querendo presentear ao mundo mais uma manifestação de Seu poder criador. Deus quer ardorosamente abrir uma nova vereda pelo deserto e assim formar um povo, um povo eleito, formado por suas mãos para atravessá-la, percorrê- la, assumi-la em seu viver. Nós somos este povo. Deus nos chamou a esta magnífica vocação. É um caminho de e para a felicidade. Este caminho, no entanto, é como o caminho de Jesus: exige coragem, sacrifício, renúncia, pois é caminho de cruz para que a cada dia possamos colher a Ressurreição. É um caminho de felicidade, mas nem por isto deixará de ter barreiras, dificuldades, sofrimento. Diria até que, exatamente por ser um caminho de felicidade, tudo isto irá existir. Para trilhá-lo, deveremos ter três grandes graças: CORAGEM, RENÚNCIA E DISPOSIÇÃO.





02. Ao escrever isso, lembro-me da seguinte passagem: “Ouve, Israel. Ides hoje combater: que vossa coragem não desfaleça! Não temais, nem vos perturbeis, nem vos deixeis amedrontar por eles. Porque o Senhor, vosso Deus, marcha convosco para combater contra os vossos inimigos e para vos dar a Vitória. Os oficiais dirão ao povo: “Há alguém medroso e de coração tímido? Que esse volte para casa, não suceda que o coração de seus irmãos desfaleça como o seu” (Dt 20,2b-4 e 8).




03. Realmente é isso. Para trilhar este caminho novo precisamos crer neste novo1 , abraçar este novo com todo o nosso coração, desejá-lo em nossas vidas e decididamente caminhar para o colocarmos a cada dia, a cada passo, em nosso viver. Precisamos ter coragem, muita coragem para isto, precisamos renunciar ao que é velho e ter a verdadeira disposição de caminhar do velho para o novo, com todo ardor e fervor, sabendo que o Senhor nos dá a VITÓRIA! Caso isto não exista, é melhor não aventurar-se para que não se destrua a si próprio e aos outros, e não se seja pedra de tropeço naquilo que com tanto amor Deus está construindo.


(1.“Novo” como substantivo – neologismo muito caro ao autor; indica a novidade do Carisma, a graça sempre renovada de Deus e a prioridade que ela deve ter em nossas vidas).




A Pobreza no Carisma Shalom


 “Ser pobre é, em primeiro lugar, estar nas mãos de Deus”



Bendito seja Deus pela fundação da Comunidade Católica Shalom! Durante esse tempo, somos testemunhas de quantas graças o Senhor vem derramando sobre sua Igreja, através desta “vocação de Paz”. Uma Obra sobrenatural, magnífica, “um caminho de felicidade” (RVSh), um caminho de união, de amizade com o Autor do nosso chamado. Que o Criador de tudo receba a nossa gratidão por, desde toda a eternidade, ter gerado o nosso lugar, a nossa vocação, a nossa vida.Desfrutando desta preciosa data, aproveitemos para mergulhar em uma grande bênção que o Senhor nos convida a viver como batizados e, de maneira mais intensa, aos consagrados que se sentem chamados a vivê-la como vocação específica: o conselho evangélico da Pobreza.



A grande maioria das pessoas, quando verdadeiramente começam a descobrir o Senhor e, de diversas formas, experimentar o Amor de Deus (através de Seminários de Vida no Espírito Santo, orações, Celebrações Eucarísticas etc.) logo sentem a necessidade de se desprenderem daquilo que pode vir a dificultar o relacionamento mais íntimo com Ele. E mesmo aqueles que já possuem um longo tempo de caminhada, sentem o quanto é fundamental estar livres para fazer a vontade de Deus.



A Pobreza nada mais é do que essa liberdade diante do materialismo pregado pelo mundo. Somos pobres na medida em que nos despojamos da falsa mentalidade de que “É preciso ter muitos bens”, quando partilhamos o que temos e somos, quando confiantemente cremos que Deus nos dará o essencial para nossa vida e felicidade.



Na Comunidade Shalom o Senhor nos convida a, alegremente, vivermos este belo chamado de fé, tanto na Comunidade de Vida como na Comunidade de Aliança.



“Os irmãos da Comunidade de Vida são chamados a viver a experiência de total abandono de suas vidas nas mãos de Deus” (ECCSh).



Na Comunidade de Vida os irmãos vivem diretamente a total “dependência” do querer divino. Em tudo! Desde o seu sustento básico, estes irmãos são mantidos pela Providência do Senhor, que se manifesta das mais diversas formas (doações, dízimo, comunhão de bens por parte da Obra etc.):




“A economia do Reino de Deus é a Divina Providência. Assim, todos os irmãos da Comunidade de Vida nada possuam como propriedade pessoal” (ECCSh).



O caminho de pobreza destes irmãos é o de não possuir nada, sendo livres para partilharem suas vidas uns com os outros, com a Igreja, com o mundo. Desde a administração daquilo que Deus lhes confia pessoalmente (um número limite de roupas e utensílios em geral, que variam dependendo da região, cultura ou função desempenhada), como comunitariamente (residência da comunidade, alimentação, vestuário, centros de evangelização e outras necessidades da Obra).



Devem buscar a sobriedade no vestir, no falar e em suas atitudes, agir com moderação e buscar, seja qual for o ambiente no qual Deus os chame ao anúncio do Evangelho (dos locais mais simples aos mais suntuosos), ser reflexo do Cristo Pobre, que despojou-se de tudo para perfeitamente servir.



“Os irmãos da Comunidade de Aliança, mesmo não renunciando à posse dos bens materiais, são chamados por Deus a viverem o espírito evangélico da pobreza, expresso em: Buscai primeiro o Reino de Deus e tudo mais vos será dado por acréscimo (Lc 12,13)” (ECCSh).



A Comunidade de Aliança é chamada, num profundo espírito de humildade, a dispor daquilo que o próprio Deus lhe concedeu: profissão, tempo, bens etc. Vivendo num mundo extremamente consumista, estes irmãos são luz e testemunho da liberdade de quem necessita em primeiro lugar, abandonando a “idolatria do possuir”, ser livre para o serviço.



“Os irmãos da Comunidade de Aliança tenham em mente que tudo o que possuem é dom de Deus”.


Assim, tendo a consciência de que Deus é o verdadeiro dono de tudo, os membros da Comunidade de Aliança vivem o abandono, adminstrando os “dons” do Senhor; sejam eles ricos materialmente ou não.Com isso, juntamente aos outros Conselhos (Castidade e Obediência), Deus nos concede este seguro caminho de santidade, para que, livres de quaisquer empecilhos, sirvamos uns aos outros, partilhemos o que temos e somos, buscando nos assemelhar a Jesus Pobre e Despojado.



Um ‘novo’ baseado na pobreza


Em missa votiva ao Sagrado Coração de Jesus, realizada durante a Assembleia Geral do Shalom, em Fortaleza, padre Almeida Neto ensina que viver a novidade do Evangelho é viver a pobreza de Cristo. O sacerdote, que é missionário da Comunidade de Vida, tomou como fundamentos, na homilia, o Evangelho do dia, o Sermão das Bem-aventuranças de São Leão Magno e o Escrito Pobreza, um dos textos basilares da espiritualidade Shalom:



“Vou me deter na parábola do Evangelho que fala sobre o ‘novo’. O Escrito Pobreza diz: ‘o novo que Deus quer realizar em nós é um novo baseado na pobreza’. E ser pobre é ‘estar nas mãos de Deus’. Assim, viver o novo é, na verdade, viver a pobreza”, afirmou.



“Como é bom ver um papa que confirma esse caminho para nós, que quer uma Igreja pobre para os pobres. Nós queremos ser uma comunidade pobre para os pobres também”, disse ao ressaltar aspectos do pontificado do papa Francisco.Quando o papa resolveu usar a cruz e o anel de prata, logo pensei: vou também mudar o meu anel [aliança] para um de prata! Mas Jesus me disse: primeiro você precisa ser pobre, depois você muda o anel. E estou agora buscando primeiro ser mais pobre”, contou.



Papa São Leão Magno ensina sobre este tema:



“Não há dúvida de que os pobres alcançam mais facilmente que os ricos o bem da humildade; estes, nas riquezas, a conhecida altivez. Contudo em muitos ricos encontra-se a disposição de empregar sua abundância não para se inchar de soberba, mas para realizar obras de benignidade; e assim eles têm por máximo lucro tudo quanto gastam em aliviar a miséria do trabalho dos outros. A todo gênero e classe de pessoas é dado ter parte nesta virtude, porque podem ser iguais na intenção e desiguais no lucro; e não importa quanto sejam diferentes nos bens terrenos, se são idênticos nos bens espirituais. Feliz então a pobreza que não se prende ao amor das coisas transitórias, nem deseja o crescimento das riquezas do mundo, mas anseia por enriquecer-se com os tesouros celestes.”



É jovem e curte viver a pobreza?



Há um tempão atrás um jovem não curtiu dar tudo aos pobres para seguir o cara que mais estava fazendo seguidores na época (se existisse twitter seria um dos maiores twitteiros). Se você recebesse o mesmo convite, responderia a solicitação ou bloquearia a conversa?



Para viver o “follow me” ou segue-me de Cristo, é preciso trilhar o caminho da pobreza, não uma pobreza de andar feio e jogado, mas um “dar tudo” aos pobres, saindo de si.


A ideia aqui é te perguntar: Curte viver a pobreza e ser jovem?


É realmente um troço conflituoso, tipo como se a pessoa tivesse dois perfis no Facebook, um que atrai a muitos e outro que ninguém quer ver. Ao mesmo tempo em que somos atraídos pela pobreza evangélica, dentro de nós existe uma grande resistência para vivê-la de forma concreta.


Do mesmo jeito que rolou na história um jovem rico que não curtiu dar tudo aos pobres e saiu triste por essa decisão, houve outro considerado louco por alguns e santo por muitos outros. Talvez você já tenha ouvido falar de São Francisco, o cara que revolucionou a vida de muita gente, e até da Igreja, que vivia em um momento difícil. Tudo isso porque não quis viver apenas uma teoria. Sendo jovem, curtiu de verdade a ideia de ser como Jesus pobre, casto e obediente, colocando em prática o amor. E o amor é pobre porque tudo quer dar pelo outro. 


Como disse Bento XVI (essa frase dá até para postar no seu Facebook): “O que é a vida de Francisco, convertido, se não um grande ato de amor”.



Para nós, Shalom, ser pobre é ser feliz e não tem nada haver com andar desleixado ou “fedido”. A pobreza evangélica é algo que choca o mundo, choca as redes sociais, choca até a nós mesmos. Curtir viver desse jeito como Cristo e Francisco e não como o jovem rico é um desafio grande, e de verdade nós fomos feitos para os desafios, que quem topa viver pode comprovar que vale a pena.



Somos pobres na medida em que nos despojamos da falsa mentalidade de que “é preciso ter muitos bens”, quando partilhamos o que temos (bens) e somos(vida, dons e talentos), quando confiantemente cremos que Deus nos dará o essencial para nossa vida: a felicidade. E todo mundo quer ser feliz, é fácil perceber isso, pois é o tema de todas as frases bonitas compartilhas na Internet.


Em uma sociedade pós-moderna, cada vez mais consumista e com publicações cada vez mais superficiais de sorrisos sem sentido, onde jovens usam a máscara de uma ostentação para se esconder do vazio nas redes sociais, outros jovens usam a mesma rede pra falar o que pensam e se curtem viver a pobreza:


“Para falar a verdade eu só aprendi a viver a pobreza quando deixei de olhar para o que eu queria comprar e fazer e passei a partilhar com as pessoas que tinham menos do que eu. Daí, na partilha eu fui vivendo como o outro e eu percebi que a felicidade está em ter o outro por perto, não importava o que ele tinha para me oferecer. Aí sim curtir viver a pobreza”( Marcela Carvalho, estudante de Administração).



“O negócio é ser pobre todo dia, é conhecer a vontade de Deus, conhecer a si mesmo. Fazer a escolha certa, pra mim, foi deixar meu curso, meus pais, meu emprego pra vim morar em uma cidade que eu não conhecia, numa casa que eu não conhecia os donos, num curso que eu não sabia se iria suportar, sustentado pela certeza da vontade de Deus”. (Marcos Morais, estudante de Engenharia Química).



É possível ser jovem e ser pobre, já tem muita gente curtindo essa ideia. O mundo hoje sente falta de Francisco e precisa de uma galera que tenha a coragem de viver como ele. E você que leu o artigo? Curte viver a pobreza e ser jovem?


“Quem recebe 30 mil, viva como se nada tivesse. Quem recebe um salário mínimo, viva feliz como quem recebe 30 mil. Porque tudo vem de Deus...” (Roneide Monteiro – RL)



Somos a Comunidade Católica Shalom, uma comunidade nova oriunda da Renovação Carismática com Temos reconhecimento pontifício, como Associação Privada Internacional de Fiéis. Servirmos a Igreja por meio de uma consagração de vida. Temos como fim último a evangelização e a formação de filhos de Deus. Somos chamados a ser, no interior da Igreja, discípulos e ministros da Paz; a acolher, viver e anunciar ao mundo a Paz que é o próprio Jesus (cf. Ef 2,14).



Nascida no meio dos jovens, a Comunidade surgiu de um ardente desejo de evangelizar os jovens mais afastados de Deus. Transformamos uma lanchonete em um meio de atração dos jovens a Deus. A Comunidade Católica Shalom é formada por homens e mulheres que se doam a Deus.Nestes anos todos percebemos que somos uma Vocação no interior da Igreja. Vocação esta que pode ser vivenciada de duas formas que se complementam: a Comunidade de Vida e a Comunidade de Aliança.



Identidade


Somos uma Família! Celibatários, casais, sacerdotes, pessoas em discernimento do seu estado de vida, homens e mulheres, jovens e adultos. Todos unidos por uma consagração de vida, na pobreza, obediência e castidade, segundo o estado de vida que o Senhor nos chamar. O que nos une é o chamado que o Senhor nos fez para entregarmos nossas vidas a Ele vivendo, na contemplação e na unidade, do anúncio explícito de Jesus Cristo, a consumirmos nossas vidas em uma consagração na Igreja e para a Igreja. Somos um só povo a caminho da santidade, não por presunção mas por vocação.



Nossa Missão



"Ao encontrar os discípulos no Cenáculo, Jesus Ressuscitado disse-lhes: Paz a vós (Jo. 20,19) ou simplesmente, Shalom! (...) Ao doar a Sua paz aos discípulos, o Ressuscitado que passou pela cruz e que, por isso, traz suas marcas gloriosas, enviou-os ao mundo em Seu Nome e lhes deu o Seu Espírito para implantar, com o Seu poder, esta paz no coração de cada homem e de toda humanidade" (ECCSh, 1-2).


Assim também somos chamados a ser anunciadores da Sua paz, a viver e proclamar a Sua paz, a levarmos com a nossa vida, nossa palavra e com o nosso testemunho, o Shalom de Deus aos corações. Sermos instrumentos de reconciliação do mundo com Deus, e anunciar com todo o nosso coração e com todas as nossas forças, a salvação de Jesus Cristo.



Somos uma Família!



Sacerdotes



Os sacerdotes na comunidade são irmãos entre os irmãos e vivem seu ministério segundo o espírito próprio da Vocação, à serviço da Igreja e dos irmãos. Eles não constituem um ramo distinto da Comunidade mas são, em tudo, integrados no mesmo corpo comunitário, com as mesmas graças e renúncias que isto implica. Eles são para nós reflexo do amor redentor da pessoa do Filho, Jesus Cristo, e atuam como instrumentos de vida reconciliada na comunidade através dos sacramentos.


Casais


Com grande alegria, a comunidade gera e acolhe casais que são para nós sinais do amor do Pai. Os casais atuam como instrumento gerador de vida e da animação do espírito de família na comunidade. Eles são membros plenamente da comunidade e abraçam-na com todas as bênçãos e exigências próprias. Na comunidade de Vida, as famílias têm um ambiente reservado onde se mantém a privacidade própria da vida familiar e um tempo para a convivência com os filhos. As famílias da comunidade, uma vez por semana, reúnem-se para juntos rezar e celebrar a alegria da presença de Deus em seu meio.



Celibatários



Os celibatários da comunidade são como um reflexo da Pessoa do Espírito Santo entre os irmãos e atuam como um instrumento de fecundidade e de poder espiritual para a comunidade e para a Igreja, são sinais do amor santificador do Espirito para os irmãos. Os celibatários são membros legítimos da comunidade e têm os mesmos direitos e deveres dos outros irmãos. São para todos um sinal escatológico lembrando-nos de que no Céu todos seremos celibatários.



Espiritualidade


Aspectos Gerais


Amor incondicional por Jesus Cristo, segundo o modelo de vida fraterna proposto por São Francisco de Assis;

Vida de oração segundo o caminho de Santa Teresa D’Ávila;

O espírito da Renovação Carismática Católica e o uso dos carismas do Espírito Santo a serviço da Igreja;

Amor filial à Virgem Maria, Rainha da Paz;Porta do Céu e esposa do Espírito;

Forte apelo a uma profunda vida de oração;

Vida de louvor.

Amor fraterno, Evangelho, Apostolado, Igreja

União da vida contemplativa e ativa;

Exercício do amor fraterno segundo o modelo de unidade e caridade da Trindade;

Opção radical pelo Evangelho e a vivência de seus conselhos;

Amor sincero à Igreja e um desejo real de servir no apostolado e na vida missionária.

CONTEMPLAÇÃO, UNIDADE E EVANGELIZAÇÃO – O fundamento deste carisma de Paz.
                                     


Como vivemos?



Comunidade de Vida



A Comunidade de Vida é um chamado de Deus a abandonar tudo e vivermos inteiramente e plenamente a vocação Shalom. Os membros da Comunidade de Vida devem estar dispostos a renunciar tudo para abraçar este novo que Deus nos concede. "Nossa realização não estará mais no que o mundo pode oferecer, mas exatamente na renúncia a tudo isso, para uma dedicação total e plena a Deus na Comunidade e nos serviços de sua vinha" (RVSh 126). Vivemos na e da vinha do Senhor. Moramos em residências comunitárias onde colocamos tudo em comum; crescemos juntos no amor fraterno e na vida de oração.Como consagrados, somos chamados a viver com radicalidade a pobreza, a obediência e a castidade.



A Comunidade de Vida "é chamada a viver a pobreza evangélica, estando aberta a receber de Deus, através dos irmãos, o necessário para o nosso viver. O Senhor nos chama a viver a pobreza que consiste em nada possuir, em colocar todas as coisas para o uso comum" (RVSh 136-137).



No campo da providência confiamo-nos a São José, patrono da Igreja e da nossa Comunidade. A ele entregamos nossas necessidades espirituais e materiais.Nossa Vida Consagrada sustenta-se no "tripé" da vocação: Contemplação, Unidade e Evangelização.



Na Comunidade de Vida as manhãs são vividas em clima de silêncio, oração e escuta de Deus. Participamos pelas manhãs da Celebração Eurarística em nossas casas, e após o café da manhã nos unimos à Igreja para cantar os louvores do Senhor através da oração das Laudes. Após o louvor entramos em um momento pessoal de Lectio Divina (leitura orante da palavra de Deus) e de oração pessoal. Concluímos a nossa manhã com um momento de formação comunitária e partilha de vida. Nossas tardes e algumas noites são dedicadas ao serviço na vinha do Senhor.



Como todo nosso ser, nossa vida profissional é inteiramente consagrada ao Reino. Trabalhamos com todo empenho para que Jesus, que é a nossa paz, seja anunciado a todos os homens. No final da tarde, novamente reunimo-nos para, como Comunidade, louvar, adorar e bendizer ao Senhor numa oração marcada pelo louvor, escuta de Deus e uso dos carismas do Espírito Santo. As outras noites são dedicadas à fraternidade onde podemos nos deixar conhecer pelos irmãos e amá-los. Encerramos nosso dia com a oração das Completas (Liturgia das horas), celebrando a misericórdia do Senhor e louvando-o por tudo o que Ele nos deu naquele dia.Assim vivemos a nossa vocação: colhemos a Paz do coração de Jesus (contemplação), vivemos a Paz com nossos irmãos (unidade) e anunciamos a Paz aos homens (evangelização).Na Comunidade de Vida encontram-se os três estados de vida: celibatários, casais e sacerdotes, bem como irmãos em discernimento de seu estado de vida. Todos com os mesmos direitos e deveres abraçam todas as bênçãos e exigências próprias desta vocação.



Comunidade de Aliança



A Comunidade de Aliança é formada por pessoas que trazem em si a Vocação Shalom e exercem suas atividades profissionais dentro e fora da obra. Estes irmãos podem viver juntos (Comunidade de Aliança Residencial) ou em suas próprias casas (Comunidade de Aliança Externa).



Os membros da Comunidade de Aliança participam do compromisso da pobreza conforme o Carisma Shalom, conscientes de que nada possuem, pois tudo é dom de Deus e usam seus bens a serviço do Senhor. Vivem em espírito de obediência ao Senhor Jesus Cristo, ao seu Evangelho, à Igreja, às Regras de Vida e às autoridades constituídas segundo a vontade do Senhor. Esta obediência é instrumento eficaz nas mãos do Senhor para realizar sua obra em suas vidas, obra esta de humildade, mansidão e entrega. A castidade, própria de um coração que ama a Deus de forma indivisa, é uma marca na vida e no coração dos consagrados da Comunidade de Aliança.



Semanalmente os irmãos da Comunidade de Aliança reúnem-se em reuniões de oração e formação. Têm como prioridade em suas vidas a vida de união com Deus, sendo ela fonte de comunhão com o Carisma e impulsionadora da vivência do amor. Esta vida de união com Deus é marcada por momentos fortes de espiritualidade comunitária e pessoal. Abraçam como compromissos espirituais: a oração pessoal, estudo bíblico segundo o método da Lectio Divina, terço e Eucaristia diária, reunião de formação e oração semanais, partilha de vida e lazeres comunitários. Chamados à vida comunitária, na fraternidade os membros da Comunidade de Aliança encontrarão a força e a fecundidade do Espírito para permearem e transformarem toda sua vida familiar, profissional, social e apostólica com o carisma Shalom. A Comunidade de Aliança traz consigo a beleza e riqueza do espírito missionário próprio da Vocação Shalom, estando sempre aberta, conforme à vontade de Deus, a ser enviada em missão.



Comunidade de Aliança Residencial:



Dentro da Comunidade de Aliança, o Senhor chama alguns à uma vida comunitária mais intensa. Estes irmãos se agrupam em pequenos núcleos residenciais sem abandonarem seus compromissos seculares, partilhando, de modo mais profundo, suas vidas e bens uns com os outros e com a Obra. Para os seus membros a comunidade se torna uma nova família através do encontro com Deus, consigo mesmo e com os irmãos.




Fundador: Moysés Azevedo


Co-Fundadora: Emmir Nogueira 
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger