A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » O que significa ser CO-PARTICIPANTES da natureza Divina ? É se tornar igual a Deus em Onisciência, Onipotência e Onipresença ?

O que significa ser CO-PARTICIPANTES da natureza Divina ? É se tornar igual a Deus em Onisciência, Onipotência e Onipresença ?

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 9 de maio de 2015 | 10:07




“…pelas quais nos têm sido doadas as Suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo.” 2 Pedro 1,4b.


A heresia da livre interpretação protestante leva aos absurdos de vermos falsos pastores a afirmarem:


“Mas nós, agora, temos a natureza de Deus, e isso nos torna participantes de todos os seus atributos...”


 “Deus assumiu a natureza humana para que o homem assuma a natureza divina” e que “Cristo tornou-se o que nós somos para que nós nos tornemos o que Ele é”. Se contestados tentam se defender, comentando que se algumas pessoas dizem que eles estam ensinando que somos deuses, declaram com frases prontas: “Isto não é verdade. Eu nunca disse isso. E a Palavra quem o diz”, e, para confirmar, citam a queima roupa o texto de 2 Pedro 1,4.





Nesta passagem, Pedro está apenas falando do caráter ou natureza moral de Deus. Assim, os cristãos, à medida que escapam da corrupção do mundo, passam a demonstrar os atributos comunicáveis de Deus, como descritos nos versículos de cinco a nove do mesmo capítulo. Os atributos incomunicáveis, tais como onipresença, onipotência e onisciência não são elencados nesta lista, portanto, sermos imagem e semelhança de Deus não é ser igual, mas parecido, simples assim.


O erro nesse raciocínio encontra-se na definição de “encarnação”. Cristo não foi meramente Deus habitando num ser humano, uma heresia (como o nestorianismo) que a igreja primitiva condenou, pois afirmava que o Verbo, na verdade, não se tornou carne (contrariando a revelação em João 1,14), mas apenas uniu-se a um ser humano. Sem dúvida, o Cristo encarnado foi uma pessoa em quem estavam perfeitamente unidas duas naturezas, a divina e a humana; o cristão é uma pessoa com uma natureza, a humana, em quem uma pessoa separada, Deus, o Espírito Santo (e, através dele, o Pai e o Filho também) habita”.



Quando Jesus falou com Nicodemos acerca da salvação, Ele usou o termo “novo nascimento”. Certamente Jesus estava ensinando que para ir para o Céu é preciso morrer para si mesmo e nascer para Deus. Assim, ao recebermos a salvação já começa em nós este processo do qual Pedro está falando (João 3,3-7). Naqueles exado momento o Senhor vem habitar no coração do “novo-nascido”, através do Espírito Santo (Efésios 1,13), e se inicia nossa santificação, por obra da graça deste mesmo Espírito. Evidentemente, ser um participante da natureza divina não significa tornar-se Deus. Isto é impossível. A criatura não pode ser participante em igualdade da mesma essência da Divindade. No que diz respeito à essência, tem de haver um abismo entre a criatura e a Divindade. O primeiro homem, Adão, foi criado à imagem de Deus; assim também nós, por intermédio da regeneração do Espírito Santo, somos criados, em um sentido divino, à imagem do Altíssimo, tornando-nos participantes da natureza divina. Somos, pela graça, feitos como Deus. "Deus é amor"; "e todo aquele que ama é nascido de Deus" (1 João 4,16, 7).Deus é verdade; tornamo-nos verdade e amamos aquele que é verdade. Deus é bom e nos torna bons por sua graça.

O sangue que corre da cabeça é o mesmo que corre no seu corpo. A vida que se manifesta em Cristo é a mesma que vivifica o seu povo, "porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus" (Colossenses 3,3). E, se isto não é o bastante, estamos casados com Cristo. Ele nos desposou para Si mesmo, em justiça e fidelidade; e aquele que está unido ao Senhor é um com Ele. Que mistério admirável.Perscrutamos este mistério, mas quem pode compreendê-lo? Um com Jesus — tão unidos a Ele, que o galho de uma videira não pode estar mais unido ao seu tronco como nós fazemos parte do Senhor Jesus, nosso Redentor.Enquanto nos regozijamos neste fato, lembremos que todos os co-participantes da natureza divina manifestarão este relacionamento santo e elevado em sua comunhão com os outros. Por meio do falar e do comportamento deles, ficará evidente que escaparam da corrupção das paixões que há no mundo (conf.2 Pedro 1,4).

Encerramos esta formação com três declarações verdadeiras e fundamentais de esclarecimento humano:

1. Há um só Deus verdadeiro (Efésios 4,5).

2. Você não é Ele em essência e jamais o será (Isaías 45,5-6).

3. Um santo canonizado pela Igreja e que já está junto a Cristo em espírito e em verdade,só opera em nome de Jesus, porque só em Jesus está a fonte da graça e a força de Deus. Os santos não estão em oposição ao Senhor. Ao contrário, colocam em evidência a glória e santidade de Jesus Cristo, cabeça da Igreja e nosso único salvador. Pois foi Jesus mesmo quem afirmou: “Eu garanto a vocês: quem crê em mim, fará as obras que eu faço, e fará maiores do que estas, porque eu vou para o Pai” (João 14,12). Ninguém pode ser santificado, sem entregar sua vida por Jesus e pelos irmãos. Honrar um santo significa reconhecer a força transformadora da Palavra de Deus, que santifica quem a aceita e a coloca em prática.O santo portanto,é para o Cristão um exemplo de quem testemunhou sua fé no seguimento de Jesus. Nós, católicos, temos a alegria de abrir nosso álbum de família – a nossa família na fé – e contemplarmos uma fileira de heróis na fé, os santos, nossos irmãos e amigos, que conseguiram servir a Deus com fidelidade e portanto são testemunhos e modelos a serem imitados no seguimento de Cristo: Pobre, casto e obediente.


"O problema das escrituras para os protestantes não é a revelação de Deus nas escrituras e na tradição dos apóstolos, que é Una,perfeita, verdadeira e sem erros, mas a malfadada LIVRE INTERPRETAÇÃO INDIVIDUAL que é dividida, e cheia de erros, portanto, não verdadeira..." ( Pe. Paulo Ricardo).


Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 2 Comentário. Deixe o seu!

17 de agosto de 2017 19:29

Ter pessoas como exemplo é uma coisa, idolatrar aqueles que já morreram e tê-lo com o intermediadores de qualquer situação também é um erro muito grave padre! JESUS É O ÚNICO MEDIADOR ENTRE DEUS E OS HOMENS (isto é a palavra de DEUS - I timoteo 2:5) - Orar a qualquer "santo" é uma afronta e desmerecimento a obra realizada na cruz do calvário!

20 de agosto de 2017 22:47

Prezado Protestante com vergonha da própria fé,

Caro protestante anônimo, se você nunca pediu a INTERCESSÃO, ou seja, orações a sua igreja, irmãos, familiares e pastores, e pede tudo DIRETAMENTE a Deus,concordo com você. Do contrário você não passa de um fariseu.

Shalom !!!

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger