A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » FILME 50 TONS DE CINZAS - COMENTÁRIO SENSACIONAL DE MÃE PARA FILHA

FILME 50 TONS DE CINZAS - COMENTÁRIO SENSACIONAL DE MÃE PARA FILHA

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015 | 01:03



Minha filha,


Permita-me fazer um comentário antes de escrever. Sei que talvez já tenha um monte de meninas prontas a criticar minha postura quadrada e antiquada! E fiquem à vontade. Só quero me apresentar antes, daí você pode me ofender melhor!




1. Sou pessoa: formada em Comunicação Social (Publicidade), dona de casa, esposa, mãe de um fofurinha, boleira 1/2 boca (no futsal), boleira 1/4 de boca (na cozinha) e como toda a pessoa tenho minha opinião. Mas vivendo num mundo injusto... porque aqui é assim... Se um gay tem orgulho de ser gay ele é legal. Se alguém tem orgulho de ser hétero é homofóbico. Se o Gentili escreve contra o carnaval, ele é o cara e 53.635 que detestam o carnaval compartilham o post dele. Se um crente se posiciona contra o carnaval, é careta! Se um corinthiano chora pelo time ele é apaixonado. Se eu choro por Jesus, sou fanática. Se nego a existência de Deus sou inteligente e mente aberta. Se creio na Bíblia sou algum fracassado que não tem mais o que pensar, então bora ler este livro!






2. Sou pecadora: Houve tempo em que nós também éramos insensatos e desobedientes, vivíamos enganados e escravizados por toda espécie de paixões e prazeres. Vivíamos na maldade e na inveja, sendo detestáveis e odiando-nos uns aos outros (Tito 3:3). Esta era eu... e se você conhecesse meu passado, lutas e pecados talvez pararia de ler por aqui!




3. Sou perdoada: Mas quando se manifestaram a bondade e o amor pelos homens da parte de Deus, nosso Salvador, não por causa de atos de justiça por nós praticados, mas devido à sua misericórdia, Ele nos salvou pelo lavar regenerador e renovador do Espírito Santo, que Ele derramou sobre nós generosamente, por meio de Jesus Cristo, nosso Salvador. Ele o fez a fim de que, justificados por sua graça, nos tornemos seus herdeiros, tendo a esperança da vida eterna. (Tito 3:4-7). Louvo a Deus pela graça e misericórdia Dele que me permite estar onde estou hoje! Então, é nesta perspectiva, que eu escrevo pra minha filha!





Carta pra minha querida filha (eu não sou muito boa escrevendo, então fazer em formato de carta me ajuda a expor minhas ideias. PS: como minha filha tem 2 anos, posso imaginar que ela está jogando futebol pela universidade, se bem que hoje acho que ballet seria mais a cara dela, haha)



Querida Ana,


Como estão as coisas por aí? E a faculdade? Gostando das aulas?E como foi o primeiro treino? Ainda bem que você puxou o papei e gostar de treinar. Não vejo a hora de assistir seu primeiro jogo. Inclusive, o papai amou as camisetas que você mandou, até esqueceu de tirar a etiqueta para usar.





Bom, tenho visto aqui bastantes posts sobre um livro, 50 tons de cinzas. Minha filha, que triste não é mesmo? Por aí tá a febre que está aqui?Eu espero que Deus te ajude a não se contaminar com estas coisas. Sabe filha, a mamãe tá ficando velha, então quando a gente fala, somos mais uma quarentona (tá vai, quase cinquentona) que não tem mais o que fazer a não ser ficar palpitando no que outros estão fazendo. Mas filha, não posso ficar calada!





Sabe, meu problema não é o sexo! Não mesmo! Nem nunca foi! Ainda bem que além do vovô e vovó, Deus colocou pessoas maravilhosas na minha vida que não fizeram do sexo um tabu. Tanto é que podemos conversar hoje sobre isto. Sexo não é sujo! Sexo não é vergonha! Sexo é maravilhoso, pois foi criado por Deus!




Minha crise também não é o Romance! Você sabe que é uma das coisas favoritas assistir os filmes de meninas (como seu pai diz) com você! Inclusive, na Bíblia há belas histórias. Lembra quando o papai pegava suas bonecas para contar a história da Ester e Rute? Na verdade filha, este povo que acha que Deus é um Deus seco, que a Bíblia é um livro apenas de regras e "nãos" nunca leu a Bíblia de verdade!



Meu problema não é com a escritora, diretora, atores. Não mesmo. Porque não espero que alguém longe de Deus me ensine sobre casamento, sobre amor. Como estes versículos Tito 3.3, Efésios 2.1-3, Romanos 3.10-18, nos mostram a realidade do homem sem Deus eu não espero mesmo o bem de quem está longe Dele. Basta lermos 2 Timóteo 3.1-6 para vermos o retrato dos dias de hoje. E filmes como este nada mais são reflexos de um mundo entregue ao mal.



Meu problema também não é com o sucesso nas bilheterias. Filha, foi Deus mesmo quem colocou em nós o anseio pela eternidade (Ec 3.11) e não foi assim que surgiu a filosofia? Para responder as perguntas que atormentam muitos (senão todos) corações: Por que estou aqui, de onde vim e pra onde estou indo? É um mundo desesperado procurando preencher este vazio que, a indústria do sexo e muitas outras promete suprir. E até preenchem temporariamente! Então não me assusto com o sucesso das bilheterias, mas com cristãos ajudando nos números... Ah... agora sim chegou o porque não posso ficar calada.



O meu problema?


Meu problema é com o cinza - adorei que tem cinza no nome do filme e posso brincar com isto -, Aninha querida, não sei aí, mas aqui tenho algumas amigas cristãs na contagem regressiva para assistir o filme. Acho que você já entendeu o porquê do cinza né?! Sim, o mesmo que o morno! O mesmo que faz Deus querer vomitar (Apocalipse 3.16).



Minha filha a Bíblia é tão clara quando se trata de SANTIDADE (1 Tessalonicensses 4.3-7). Ou é preto ou é branco,mas tem cristãos que insistem em andar no cinza.



"Livros e filmes não me influenciam... você é cabeça fraca". Sou? É interessante pensar que muitos atores/cantores (como Madonna, Brian Head e os próprio Jaime Dornan) não desejavam que seus filhos escutassem e/ou assistissem suas besteiras. Não influência? Então por que o mercado da pornografia aumentou após este livro? As vendas no sex shop? A pornografia feminina agora é considerado o novo mercado em potencial? Então tem alguma coisa errada! Cabeça fraca é quem assiste ou não? Talvez chamem de cabeça fraca aqueles que decidiram ter uma mente transformada e não conformada com este mundo (Romanos 12.2).



"É apenas um romance picante". Acredita que ouvi isto? Ouvi também é que apenas um romance erótico e não tem problemas. Hahaha... desculpa, filha, pela risada, acho que não cabe aqui, mas não aguentei! É do tipo falar "a mãe, só tem umas cenas de sexos, sadomasoquismo, fala sério que problema tem?? Sabe filha, na minha época vários cristãos usavam uma pulserinha WWJD (O que Jesus Faria?) e tenho certeza que este livro e este filme Ele não assistiria. Basta ler Mateus 19.4-6, Provérbios 5, 1 Coríntios 7, Cantares de Salomão para ver o propósito, ver quão belo e perfeito é o sexo quando dentro dos padrões Dele.



Como João 10.10 diz, o Diabo veio para destruir, roubar e matar, é isso que ele fez com o sexo e tem feito com milhares de mentes. Não posso entender como uma mulher pode ter prazer na dor e violência, ou como o sadomasoquismo tem "salvado" casamentos... Ah minha filha, que Deus te conceda um marido que O conheça, que desfrute da vida plena (João 10.10), que te ame e respeite assim como papai me ama e me respeita!




"É só um filme..não tem problema nenhum". Lembro-me quando você me perguntou porque não assistíamos certos filmes, porque não concordava com "é só um beijinho"! Você lembra minha resposta? "E amanhã?" Sim... e amanhã? E eu tentei te explicar a seriedade do pecado.



Primeiro mais do que aquilo que fazemos, a questão é contra QUEM fazemos. O pecado ofende a santidade do nosso Deus. Segundo porque o pecado escraviza (João 8.34, Romanos 6.16). Hoje é o beijo e amanhã? E terceiro porque "eu prefiro crer na minha fraqueza, do que apostar na minha força". Porque eu sei quem eu sou. E a Bíblia me alerta (1 Coríntios 10.12)! Então é simples. Hoje pornografia... amanhã, imagens não fazem mais efeitos... eu quero mais... e mais... e mais... e como tem sido triste hoje trabalhar com pessoas com suas vidas, lares, emoções destruídas por causa da pornografia e vícios sexuais!



"Tá todo mundo assistindo".


Aprendi com a família Cox "que o certo continua sendo certo mesmo que ninguém faça. E o errado continua sendo errado, mesmo que todos façam".



Filha, lembra quando te levamos ao APV? Foi naquele lugar lindo onde começamos a trabalhar com jovens e nos apaixonamos. Às vezes, confesso, me assustava com o estilo de vida de alguns jovens tão novos e já tão cheio de vícios, mas nosso coração se enchia de alegria quando víamos jovens dispostos a fazer diferença. Era tipo um sentimento de alívio! Deus colocou na minha vida meninas do APV e do Eagles que me fizeram orar: Deus, que a Ana possa ser igual a ela, que a Ana tenha amigos como elas. Espero que assim como Deus tem me permitido ver jovens vivendo 1 Timóteo 4:12, você também viva! E que Ele te use na sua e na próxima geração para alegrar e "aliviar" o coração dEle (e de outros pais)!



Que sua vida minha filha, não tenha tons de cinzas. Não tenha sombras. Que você viva 24/7, 100%, full time por Ele e para Ele. Que sua alegria seja "devorar" livros da Bíblia não sagas da moda! Que sua opção em ser forte seja maior do que o medo de ser chamada de fraca! (Romanos 13.12-13 e Filipenses 2:15). Que você brilhe a luz de Cristo num mundo que tem amado os tons de cinzas!

Te amo!!!

Sua Mamãe

FONTE ORIGINAL: http://www.conselhosparameninas.com/2015/02/meu-problema-com-os-50-tons-de-cinza.html?m=1

Cena de Old Fashioned” 

  
COMENTÁRIOS DO BLOG BERAKASH: O Concorrente do filme 50 tons de cinza:“Old Fashioned” tem prós e contras, mas sem nem uma sombra de dúvida, os prós o fazem valer a pena.  Os modismos estão presentes: “Eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também...”Ficar, namoro e sexo casual. Escravos e escravas sexuais,hedonismo...etc...



É sempre assim:Na hora de cantar todo mundo enche o peito nas boates, levanta os braços, sorri e dispar: "eu sou de ninguém, eu sou de todo mundo e todo mundo é meu também".No entanto, passado o efeito do uísque com energético e dos beijos descompromissados, os adeptos da geração "tribalista" se dirigem aos consultórios terapêuticos, ou alugam os ouvidos do amigo mais próximo e reclamam de solidão, ausência de interesse das pessoas, descaso e rejeição.

A maioria não quer ser de ninguém, mas quer que alguém seja seu. Beijar na boca é bom? Claro que é! Se manter sem compromisso, viver rodeado de amigos em baladas animadíssimas é legal? Evidente que sim.Mas por que reclamam depois? Será que os grupos tribalistas se esqueceram da velha lição ensinada no colégio, onde "toda ação tem uma reação".



Agir como tribalista tem conseqüências, como tudo na vida. Não dá, infelizmente, para ficar somente com a cereja do bolo, beijar muuuuiiiitooo, ficar, descartar e não ser de ninguém.Para comer a cereja é preciso comer o bolo todo e nele, os ingredientes vão além do descompromisso, como: não receber o famoso telefonema no dia seguinte, não saber se está namorando mesmo depois de sair um mês com a mesma pessoa, não se importar se o outro estiver beijando muuuuiiitooo otras pessoas, etc.Embora já saibam namorar, "os tribalistas" não namoram.

Ficar, também é coisa do passado. A palavra de ordem hoje é "namorix". A pessoa pode ter um, dois e até três namorix ao mesmo tempo.Dificilmente está apaixonada por seus namorix, mas gosta da companhia do outro e de manter a ilusão de que não está sozinho.Nessa nova modalidade de relacionamento, ninguém pode se queixar de nada. Caso uma das partes se ausente durante uma semana, a outra deve fingir que nada aconteceu, afinal, não estão namorando.Aliás, quando foi que se estabeleceu que namoro é sinônimo de cobrança?A nova geração prega liberdade, mas acaba tendo visões unilaterais.Assim como só deseja "a cereja do bolo tribal", enxerga somente o lado negativo das relações mais sólidas.



Namorar é algo que vai muito além das cobranças. É cuidar do outro e ser cuidado por ele, é telefonar só para dizer bom dia, ter uma boa companhia para ir ao cinema de mãos dadas, ter alguém para fazer e receber cafuné, um colo para chorar, uma mão para enxugar lágrimas, enfim, é ter "alguém para amar", é cumplicidade e não apenas uso descartável e descompromissado.O número avassalador de divórcios nos últimos tempos, só veio a confirmar essa tese e aqueles que se divorciaram (pais e mães dos adeptos do tribalismo), vendem na maioria das vezes a idéia de que casar é um péssimo negócio e que uma relação sólida é sinônimo de frustrações futuras.Talvez seja por isso que pronunciar a palavra "namoro" traga tanto medo e rejeição. No entanto, vivemos em uma época muito diferente daquela em que nossos pais viveram. Hoje podemos optar com maior liberdade e não somos mais obrigados a "comer sal juntos até morrer".Não se trata de responsabilizar pais e mães, ou atribuir um significado latente aos acontecimentos vividos e assimilados na infância, pois somos responsáveis por nossas escolhas, assim como o que fazemos com as lições que nos chegam.




A questão não é causal, mas quem sabe correlacional. Podemos aprender amar se relacionando. Trocando experiências, afetos, conflitos ,qualidades e defeitos. Não se ama por decreto.Não precisamos amar sob os conceitos que nos foram passados. Somos livres para optarmos. E ser livre não é beijar na boca e não ser de ninguém. É ter coragem, ser autêntico e se permitir viver um sentimento... É arriscar, pagar para ver e correr atrás da felicidade. É doar e receber, é estar disponível de alma, para que as surpresas da vida possam aparecer.É compartilhar momentos de alegria e buscar tirar proveito até mesmo das coisas ruins.


Ser de todo mundo, não ser de ninguém, é o mesmo que não ter ninguém também...É não ser livre para trocar e crescer... É estar fadado ao fracasso emocional e à tão temida solidão.O princípio é este: “Só haverá mundo novo se houver famílias novas. Para haver um bom casamento, é preciso haver um bom noivado, que por conseqüência vem de um bom namoro, que veio de uma boa amizade, que veio de uma boa identificação mútua na paquera.A experiência de vida nos ensina que: “Os modismos passam, as pessoas ficam...”


O extremo oposto “CONCORRENTE” de “Cinquenta Tons de Cinza”: um filme sobre o namoro à moda antiga



Esta informação pode ser surpreendente para alguns leitores, mas, na história do cinema, o filme que mais arrecadou dinheiro em seu primeiro fim de semana de exibição durante o mês de fevereiro é “A Paixão de Cristo”, de Mel Gibson: foram 83,8 milhões de dólares entre a Quarta-Feira de Cinzas e o primeiro domingo da Quaresma, em 2004.



Só que, se os especialistas em rastrear tendências de comportamento e consumo estiverem certos, estes onze anos em que “A Paixão de Cristo” permaneceu no posto de campeão de bilheteria de fevereiro estão prestes a chegar ao fim. O filme de Gibson deverá ser ultrapassado, em termos de dinheiro arrecadado, por “Cinquenta Tons de Cinza”.




Pois é, chegamos a este ponto.



Cinquenta Tons de Cinza”, como você provavelmente não tem como não saber a essa altura, é a adaptação cinematográfica da trilogia escrita pela autora E. L. James, que fala de práticas sexuais alternativas e que, inexplicavelmente, se tornou um best-seller internacional. Digo “inexplicavelmente” porque até o popularesco site “The Huffington Post” descreveu os livros como “uma triste piada”, o que sugere que a coisa era mesmo apelativa e fraca. Mas o fato é que, mal escrita ou não, a trilogia virou um arrasa-quarteirão e a sua inevitável versão para os cinemas vem disposta a bombar também.




Não faz muito tempo que os adeptos de práticas sexuais como dominação-submissão e sadismo-masoquismo eram vistos como pessoas “psicologicamente desordenadas”. Os tempos mudaram. Hoje, a Associação Americana de Psiquiatria só considera esses atos como “desordenados” quando eles são realizados não consensualmente ou causam sofrimento clinicamente significativo para um dos participantes.




Os líderes católicos não têm a mesma opinião: eles denunciaram abertamente a visão degradante do sexo apresentada pela história e lembraram ao público os ensinamentos da Igreja sobre o caráter sublime e amoroso da intimidade sexual no casamento.




Em paralelo, o cineasta norte-americano Rik Swartzwelder decidiu responder aos cinquenta tons e suas cinzas produzindo um filme alternativo chamado Old Fashioned(“À moda antiga”, em tradução livre).



A trama, que estreou nos cinemas dos Estados Unidos no mesmo dia que “Cinquenta Tons”, conta a história do namoro decididamente não sexual entre um homem e uma mulher para quem a revolução sexual foi um fracasso completo.



Recém-chegada a uma pequena cidade para recomeçar a vida, Amber (Elizabeth Ann Roberts) fica fascinada com o proprietário da casa que alugou: Clay (Rik Swartzwelder, que é também o roteirista, o diretor e o produtor do filme). Ele a faz ficar do lado de fora da casa enquanto termina alguns reparos. Ao que parece, Clay fez a promessa de nunca ficar sozinho com mulher nenhuma, exceto com sua esposa (caso algum dia ele se case). E, por mais que Amber proteste, esta é uma promessa que ele não vai quebrar.




A cidade inteira parece saber das peculiaridades de Clay quando o assunto é mulher. E todos tentam alertar Amber para que ela não perca tempo correndo atrás dele. Mas Amber é determinada e não desiste de quebrar coisas de propósito na casa para forçá-lo a vir consertá-las. Ainda que não seja por outro motivo a não ser o de dar um basta nessa destruição, o relutante Clay finalmente concorda em sair com Amber. Para grande espanto dela, no entanto, o encontro acontece no escritório de um ministro religioso, onde Clay consulta livros que ajudam a avaliar se uma pessoa é compatível com o seu pretenso futuro cônjuge. Nada a ver com o clássico jantar-e-cineminha, mas, pelo menos, ele ganha pontos pela originalidade.

O caso é que Clay já foi um grande mulherengo em seus dias de faculdade e agora está tentando mudar: ele quer construir um relacionamento “à moda antiga”, com base espiritual em vez de apenas física. E Amber, cujos flertes sexuais terminaram todos em dor de cabeça, acha essa abordagem encantadora. Mas a opinião de todos os amigos dela e dele é que os dois estão fadados ao fracasso. Como é que termina essa história? Desculpem, mas eu não vou contar.

Em entrevista ao jornal “Catholic World Report”, Swartzwelder declarou: “Eu só queria contar uma história romântica que não se passasse em 1800 nem numa vila de cristãos ultraconservadores, mas que refletisse a vida dos solteiros e solteiras que eu conheço, de garotos e garotas comuns que querem achar alguém para compartilhar a vida e honrar a Deus com esse relacionamento. E já que ninguém estava contando essa história, resolvi contar eu mesmo”.

Old Fashioned” é a produção mais recente de uma série de filmes, como “Believe Me” e “The Song”, que tentam se livrar do antigo paradigma dos filmes que falam de fé (muita pregação e não muito talento artístico), adotando, em vez desse modelo, uma abordagem com mais apelo ao público em geral. Como na maioria dos filmes independentes, há momentos de texto e atuação irregular, e, como na maioria dos filmes feitos por evangélicos, há um poquinho de sermão; mas, no geral, o filme é bem feito e tem lá o seu charme... se você for cristão.

Infelizmente, esta condição me parece relevante. Eu não acho que “Old Fashioned” vá chamar a atenção de gente que não esteja disposta a encarar o namoro do ponto de vista cristão. O código de conduta de Clay é tão extremista que pareceria bizarro demais para a plateia laica. Afinal, há muitas maneiras de ficar “a sós” com uma mulher e ao mesmo tempo estar “na presença de outros”: num restaurante, num teatro, num parque lotado... Mas dar a ela um machado para que os dois possam estar juntos cortando madeira em público? Sinceramente, eu duvido que uma coisa dessas convença alguém a “namorar à moda antiga”. É quase o extremo oposto de “Cinquenta Tons de Cinza”, sugerindo um amor puritano em vez de puro.

De qualquer maneira, se você está cansado das histórias supersexualizadas de Hollywood, mas gostaria de ver um filme com a sua namorada ou com o seu namorado, “Old Fashioned” tem um “charme pateta” que faz a experiência valer a pena.

Além disso, você vai ter a vantagem de não precisar pegar filas de gente afoita para ver as cinzas de um relacionamento cinquenta tons acima.



FONTE:http://www.aleteia.org/pt/artes-entretenimento/artigo/o-extremo-oposto-de-cinquenta-tons-de-cinza-um-filme-sobre-o-namoro-a-moda-antiga-5897286710198272


Não há nada de cinza sobre os 50 tons de cinza. É tudo preto !!!Deixe-me explicar:

(Por Miriam Grossman, psiquiatra)


Eu ajudo pessoas que estão quebradas por dentro. Ao contrário dos médicos que utilizam raios X ou exames de sangue para determinar por que alguém está com dor, as feridas que me interessam estão ocultas. Faço perguntas e ouço atentamente as respostas. É assim que eu descubro por que a pessoa na minha frente está “sangrando”.Anos de escuta atenta me ensinaram muito. Uma coisa que eu aprendi é que os jovens são totalmente confusos sobre o amor para achá-lo e mantê-lo. Eles fazem escolhas erradas e acabam sofrendo muito.



Eu não quero que você sofra como as pessoas que vejo em meu escritório, por isso estou avisando sobre um novo filme chamado Cinquenta Tons de Cinza. Mesmo se você não ver o filme, sua mensagem tóxica está se infiltrando na nossa cultura e poderia plantar ideias perigosas em sua cabeça.
Cinquenta Tons de Cinza está sendo lançado no Dia dos Namorados, então você vai pensar que é um romance, mas não caia nessa. O filme é realmente sobre uma relação doentia e perigosa, preenchido com abuso físico e emocional. Parece glamouroso, porque os atores são lindos, têm carros caros e aviões, e Beyonce está cantando. Você pode concluir que Christian e Ana são legais e que seu relacionamento é aceitável.
Não se permita ser manipulado! As pessoas por trás do filme só querem o seu dinheiro; eles não se preocupam nem um pouco com você ou seus sonhos.Abuso não é glamouroso ou legal. Nunca é OK, sob quaisquer circunstâncias.


Isto é o que você precisa saber sobre Cinquenta Tons de Cinza:


Christian Grey foi terrivelmente negligenciado quando era uma criança. Ele está confuso sobre o amor, porque ele nunca experimentou a coisa real. Em sua mente, o amor está emaranhado com sentimentos ruins como dor e o constrangimento. Christian gosta de machucar mulheres de formas bizarras. Anastasia é uma menina imatura que se apaixona pelos olhares e pela riqueza de Christian, e tolamente segue seus desejos.



No mundo real essa história iria acabar mal, com Christian na cadeia e Ana em um abrigo. Ou Christian continuaria batendo em Ana, e ela sofreria como nunca. De qualquer maneira, as suas vidas não seriam um conto de fadas. Confie em mim.
Como médica, estou lhe pedindo: não assista Cinquenta Tons de Cinza. Se informe, conheça os fatos e explique aos seus amigos por que eles não devem assitir também.



Aqui estão algumas das ideias perigosas promovidas em Cinquenta Tons de Cinza:



1. As meninas querem caras como Christian: Grosseiro e que mande nela.Não! Uma mulher psicologicamente saudável evita dor. Ela quer se sentir segura, respeitada e cuidada por um homem que ela pode confiar. Ela sonha com vestidos de casamento, não algemas.



2. Homens querem uma garota como Anastasia: Calma e insegura.Errado. Um homem psicologicamente saudável quer uma mulher que sabe se defender por si mesma. Ele quer uma mulher que o corrija quando ele sair da linha.




3. Anastasia exerce livre escolha quando ela consente em ser machucada, então ninguém pode julgar a sua decisão.
Lógica falha. Claro, Anastasia tinha livre escolha – e ela escolheu mal. A decisão auto-destrutiva é uma má decisão.



4. Anastasia faz escolhas sobre Christian de forma racional e distante.Duvidoso. Christian constantemente serve Anastasia com álcool, prejudicando seu julgamento. Além disso, Anastasia se torna sexualmente ativa com Christian – sua primeira experiência – logo após conhecê-lo. O sexo é uma experiência poderosa – particularmente na primeira vez. Finalmente, Christian manipula Anastasia para assinar um acordo que a proíbe de falar a alguém que ele é um abusador. Álcool, sexo e manipulação – dificilmente seriam os ingredientes de uma decisão racional.




5. Os problemas emocionais de Christian são curados pelo amor de Anastasia.Apenas em um filme. No mundo real, Christian não mudaria de forma significativa. Se Anastasia quisesse ajudar pessoas emocionalmente perturbadas, ela deveria ter se tornado uma psiquiatra ou uma psicóloga.



A principal questão: as idéias de Cinquenta Tons de Cinza são perigosas e podem levar à confusão e más decisões sobre o amor.


Existem grandes diferenças entre os relacionamentos saudáveis e não-saudáveis, mas o filme borra essas diferenças, de modo que você começa a se perguntar: o que é saudável em um relacionamento? O que é doentio? Há tantos tons de cinza … Eu não tenho certeza.




Ouça, é da sua segurança e do seu futuro que estamos falando aqui. Não há margem para dúvidas:


Uma relação íntima que inclui violência, consensual ou não, é completamente inaceitável.É preto e branco. Não existem tons de cinza aqui. Nem mesmo um."




Exorcista adverte: “Há sombras perigosas em Cinquenta Tons de Cinza:O personagem principal se chama Christian Grey. “Christian”, cristão, e “Grey”, cinza.








“Quando uma pessoa se abre a uma mensagem, ela acaba chegando ao seu coração”



Líderes da Igreja católica o consideram imoral. Grupos de combate à violência doméstica denunciam que ele glorifica perigosamente aviolência sexual contra as mulheres. Críticos literários e de cinema afirmam que ele não tem uma história discernível nem razão suficiente para existir.É a segunda maior estreia de todos os tempos para um mês de fevereiro, atrás apenas de “A Paixão de Cristo” (83,9 milhões de dólares, em 2004).


É um ligeiro alívio saber que mais gente se viu atraída pelo sacrifício de Cristo do que por um filme sadomasoquista. Ainda assim, o fenômeno da atração exercida por “Cinquenta Tons de Cinza” desperta preocupações quanto à atual capacidade humana de discernimento entre o nocivo e o saudável.




Para avaliar a partir de mais um ponto de vista os elementos moralmente criticáveis do filme, dentro de uma cultura que já constitui em si mesma um desafio moral, fui entrevistar o pe. Patrick (nome fictício), sacerdote católico e exorcista que exerce o seu ministério pastoral nos Estados Unidos, junto com uma equipe de três membros auxiliares.



 
Todos os participantes da entrevista pediram que a sua identidade fosse mantida em sigilo, devido à natureza do seu trabalho pastoral.


 
Confira os comentários feitos por eles durante a nossa conversa:


 

Pe. Patrick: Quando você vai ver um filme como este [Cinquenta Tons de Cinza], você fica aberto àquilo que está sendo promovido. A mensagem que atinge você acaba chegando ao seu coração. Ela deforma o coração e interfere nos seus relacionamentos. As pessoas estão gostando, dizem que o filme é mera recreação, mas o filme zomba da criação de Deus.



 
Equipe auxiliar: “Recreação” evoca um “recriar”, mas o que este filme faz é profanar. Ele zomba do que Deus criou. Veja só o espírito de ironia: o personagem principal se chama Christian Grey. “Christian”, cristão. Ele não age como cristão. E “Grey”, cinza. Tons de cinza? Não há tons de cinza no cristão verdadeiro; é tudo ou nada. É tipicamente diabólico tentar nos convencer de que existe uma área cinzenta entre o certo e o errado. Na Missa, nós celebramos o sacrifício de nosso Senhor Jesus Cristo. Mas, nas missas negras, o sacrifício é ridicularizado e virado do avesso. O que é sagrado é profanado. O sexo, no casamento, é um presente sagrado de Deus. No filme, o sexo é contrário à virtude e à castidade e contrário à criação natural de Deus.



 
Pe. Patrick: Nós somos filhos de Deus. Se nós assistimos a filmes que promovem o mal, nos expomos a uma ladeira escorregadia, onde a mente perde a capacidade de discernir o que é certo ou errado, o que é limpo ou imundo. Estamos falando de uma guerra espiritual. Eu acho que isso acontece também com os filmes de vampiros, por exemplo. Por que as pessoas gostam? Que tipo de espírito elas estão acolhendo em sua vida? Sugadores de sangue? É o contrário do que é santo, luminoso, positivo. É entrar num mundo de trevas, em que algo está morto e morto para sempre. As pessoas estão se deixando seduzir por uma escuridão em sua vida. E os relacionamentos delas não vão se tornar melhores desse jeito.Podemos ver a ação do diabo toda vez que os papéis e relações sadias são atacados. Com os pecados da carne, isso ataca, em última análise, a própria pessoa. Os pecados da imoralidade sexual são cometidos contra a pessoa mesma, no interior do corpo. Do ponto de vista religioso, todos os nossos contatos físicos, toda a nossa respiração, todo pensamento que desenvolvemos nos leva para mais perto ou para mais longe de Deus.



 
Pe. Patrick: A pornografia na internet está a apenas seis cliques de distância do satanismo. Existe uma associação entre a pornografia e o mal. Existem cultos sexuais satânicos.



Equipe auxiliar: Nos cultos sexuais, as pessoas são atraídas pela curiosidade, mas a questão avança para o que elas se dispõem a fazer contra a virtude e contra a moralidade. O nível depende do que elas estão dispostas a fazer para diminuir a dignidade de outra pessoa.




Pe. Patrick: [Os filmes nocivos e a pornografia] vão contra o caminho da santidade. Eles abrem as pessoas a essa maneira de pensar. Começamos a justificar o pecado e, pouco a pouco, o nosso filtro não consegue mais discernir entre a santidade e o mal. Em vez de perguntar o que há de errado com um filme, eu pergunto de modo positivo: ele é redentor?



Fonte: Aleteia
Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 2 Comentário. Deixe o seu!

27 de novembro de 2015 20:41

Muita publicidade para o filme. A verdade é que eu não li o livro, mas eu tive a oportunidade de ver o filme no cinema, e eu diria que em nenhum momento a fita estava animado, eu não produziu qualquer sensação. As cenas eróticas não estão bem desenvolvidos como eles não são todo o público esperado, pode realmente ser divertido, mas apenas por um tempo maior parte do filme é chato. Mas vale a pena conferir! e criar seu próprio julgamento na história.

29 de novembro de 2015 23:17

Prezada Sofia Martinez,

Lhe falo como um pai ou irmão mais velho, pois já sou bem mais velho que você.









Não preciso "experimentar" algo para saber se é ruim, nocivo. Você não precisa tomar ácido sulfúrico para saber se ele pode lhe matar.

A prória sabedoria nos ensina que existem duas maneiras de discernir o mal: Pela própria experiência e pelas consequências em quem o experimentou (a última é mais sábia).Eu, particularmente, não preciso consumir drogas, para saber que são um veneno, um mal, um perigo na vida de qualquer ser humano, as CRACOLÂNDIAS URBANAS estão ai para nos provarem,e não conheço uma pessoa que possa dizer que viver sob efeitos de entorpecentes tragam algum benefício pessoal e social.Todas pessoas normais são dotadas naturalmente de razão e inteligentes o bastante para saber separar as coisas.Ignorância,orgulho cego, teimosia, aliada à falta de informação, podem ser extremamente nocivos pessoal e comunitariamente.

Paulo que dizia devemos julgar “todas as coisas”. Note que ele falou de “coisas”, enquanto que Jesus falou de não julgar injustamente as pessoas,portanto, não há contradição.


Com respeito a “coisas”, temos o dever de julgar tudo. Esse julgar aqui significa pesar, avaliar, examinar, discernir e chegar a uma conclusão do que aquilo realmente é. E então decidir o que fazer com aquilo, por exemplo:


1)- Esta comida é boa para mim ou piora meu colesterol?

2)- Esta amizade me faz bem ou mal?

3)- Este filme vale a pena eu assistir ou não? Vai me acrescentar algo?

4)- O que Cristo faria em meu lugar?


Falando em filme, aproveitando o assunto, entenda uma coisa: eu não preciso ler, assistir, comer, ou passar pela experiência de alguma coisa para poder julgá-la, nem muito menos só porque todo mundo tá fazendo, usando.Se todo mundo for comer esterco, vou ter que comer também? Para acompanhar a onda? Seja autêntico seja você mesmo, não seja um João, ou Maria vai com as outras.Drogas , pornografia,vendem muito no mundo todo, cigarro,etc. Nem por isso são coisas boas. E eu não preciso fumar, cheirar, ou assistir pornô para saber se prestam ou não, pergunta a ser feita é: O que vai me acrescentar como Cristão? Preciso disto?


Aí alguns vão dizer, “Ah, mas como você pode julgar se o livro é bom ou não, sem ter lido?” Deixe-me dar um exemplo:


Eu afirmo para você que câncer pancreático é uma doença que mata 99% dos seus pacientes dentro de cinco anos. Eu nunca tive câncer pancreático, espero que você também não. Eu lhe pergunto: você gostaria de ter para saber como é? Ou vai me acusar de não saber nada sobre câncer pancreático porque nunca tive? Ou me condenar por querer alertar as pessoas sobre esta doença terrível, porque elas têm “livre arbítrio” e o direito de ter o tal câncer, se quiserem?Eu não preciso experimentar algo ou conhecê-lo de primeira mão para formar uma opinião inteligente a respeito. Ninguém precisa. Para isso Deus nos deu inteligência. E também Sua reta justiça para nos ajudar a julgar todas as coisas.Sim, nós temos a obrigação de julgar tudo e decidir o que é bom para nós e o que não. É claro, ninguém é obrigado a julgar retamente. Realmente somos livres. Cada um na sua. Mas não se esqueça de uma coisa:


Somos livres para escolher, mas seremos escravos de nossas escolhas.Você pode julgar suas escolhas, não as consequências delas, pois elas acompanham suas escolhas,portanto, sejamos bom juizes em nossas escolhas, principalmente aquelas que tem consequências de vida eterna.

Shalom !!!

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger