A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » “Por que alguns líderes Cristãos amarram pesados fardos e os colocam nos ombros dos outros,mas não movem uma palha para levantar ?...”

“Por que alguns líderes Cristãos amarram pesados fardos e os colocam nos ombros dos outros,mas não movem uma palha para levantar ?...”

Written By Beraká - o blog da família on quarta-feira, 19 de junho de 2013 | 17:27





A Santidade é dom e projeto de Deus, e não fruto da mera boa vontade humana, pois seria Pelagianismo(Heresia Condenada pela Igreja), um projeto de santidade totalmente humano.

Deus respeita a liberdade humana, e nos faz o convite, pois todo batizado é Chamado a ser Santo, porém sem o auxílio e a graça de Deus, ninguém pode ser Santo, pois assim está escrito: “É Deus quem concede a cada um o querer e o realizar, segundo o beneplácito de sua vontade”(Filipenses 2,13).



O Farisaísmo

Os fariseus eram um grupo bastante importante para o judaísmo do tempo de Jesus.




Eles surgiram logo após o Exílio da Babilônia, quando o povo de Deus, ansiava pelo retorno do Messias a fim de que restaurasse a soberania de Israel e lhe devolvesse o antigo brilho dos tempos de Davi e de Salomão.


O grupo dos fariseus considerava ser necessário a prática fiel de todas as leis e costumes do judaísmo, a fim de que Deus pudesse enviar o seu Messias. Alguns chegavam a dizer que, se o Povo de Deus cumprisse a lei por no mínimo dois sábados, o Messias apareceria a Israel.


Isto não seria problema se as leis e costumes criados pelo Povo de Israel fossem simples… mas não eram.

As normas versavam sobre todos os aspectos da vida, e era praticamente impossível cumpri-las todas. Além disso, todas as leis eram tidas como sumamente importantes.

Isso significava que, segundo a concepção farisaica, a mínima transgressão de um pequeno costume que fosse, implicava no castigo divino de todo o povo, que deveria aguardar por mais tempo a vinda do Messias.


Muitas pessoas não conseguiam cumprir essas normas, ou por impedimento de ofício, ou porque não se sentiam capazes de fazê-lo.


Os pastores, por exemplo, não conseguiam cumprir a lei do sábado. Muitas viúvas, por não terem como se manter, eram obrigadas à prostituição.



Os cobradores de impostos também eram tidos como pecadores inveterados. Estes e outros grupos de pessoas que não conseguiam cumprir a Lei eram excluídos do convívio social.



A exigência quase doentia dos fariseus gerava angústia, exclusão, sofrimento e dor em muitas pessoas.


Para complicar as coisas, alguns fariseus conseguiam encontrar brechas na lei para burlá-la a seu favor, causando enormes injustiças.


Por exemplo, havia uma lei orientando os filhos a sustentar os pais na velhice. Algo óbvio e sensato. Porém, segundo interpretações farisaicas, se o filho fizesse doação ao Templo, ficava isento dessa obrigação. Muitos idosos morriam às mínguas sem uma ajuda sequer de seus filhos.



Mas o Messias veio neste contexto mesmo:


O Farisaísmo não percebeu o óbvio: Deus deseja muito mais do que o mero cumprimento de um conjunto de normas e regras.

Deus deseja a justiça em todos os aspectos da vida humana. Por esse motivo, o Messias não esperou que o povo cumprisse todas as normas e regras da Lei, para depois vir, Ele veio para os pecadores mesmo.



Jesus subverteu toda a lógica farisaica e, ao invés de exigir a conversão dos pecadores para somente então se aproximar deles, foi ao encontro dos mesmos enquanto ainda estavam em pecado.



Enquanto o farisaísmo passava a impressão de que Deus era um exigente juiz, Jesus revelou que Deus apostava na capacidade humana de sempre ser melhor, independente se esta pessoa estava longe ou perto do ideal.


A prática de Jesus revelou que o amor, a misericórdia e a confiança dão mais resultado do que a cobrança, a exigência e a punição.



Jesus denunciou a prática farisaica, chamando-a de hipócrita. Hipocrisia significa julgar o outro como sendo inferior a si. Hipócrita é aquele que utiliza critérios baixos para selecionar as pessoas, condená-las, rotulá-las.


O hipócrita não consegue perceber-se fraco. Considera-se totalmente fiel a Deus e, por isso, pode condenar os demais e desprezá-los, afinal, Deus está do lado dele.


O hipócrita acha que Deus tem a obrigação de estar com ele porque ele julga estar com Deus e fazer exatamente o que Deus lhe pede.


Jesus condenou esta prática.Ao contrário, Ele juntou a adúltera do chão, entrou na casa de Zaqueu, aceitou que uma mulher de má fama lhe ungisse os pés com as lágrimas, acolheu o beijo de Judas, perdoou o ladrão arrependido.


A atitude de Jesus revela postura diametralmente oposta à conduta farisaica – e esta é a postura de Deus.


Além disso, Jesus renovou a lei e lhe deu um sentido: o amor.

Jesus revelou que há uma hierarquia nas normas dadas por Deus para a nossa vida. E a primeira delas, que subjuga todas as outras, é o mandamento do amor.


Não há nada mais importante do que amar. Se amarmos a Deus e ao nosso próximo, cumpriremos toda a lei e viveremos exatamente aquilo que Deus deseja.


O risco do Cristão cair no Farisaísmo:


Nós, cristãos, corremos o mesmo risco do farisaísmo. Não é raro encontrarmos “seguidores” de Jesus que assumem posturas legalistas.

Acham que por cumprir uma série de normas da moral cristã estão de acordo com Deus e por isso podem viver tranquilas.


Será que alguém, por melhor que seja, por mais que viva todas as normas da moral cristã, pode se colocar no direito de dizer que Deus está do lado dela, contra os pecadores?



Outra pergunta interessante: algum de nós consegue amar na mesma profundidade que nosso Deus Amor nos amou em Jesus Cristo?

Porque essa é a moral do cristão: “o amor aos moldes de Jesus.”


Nós amamos de modo limitado e por mais que nos esforcemos, jamais poderemos agir como Deus, porque Ele é o Senhor, nós, servos inúteis, que não fazemos nada mais do que deveríamos ter feito.


Portanto, nada e ninguém têm o direito de se arvorar como o “dono de Deus”, condenado os opositores não de Deus, mas de sua achologia pessoal.



Também não é incomum encontrarmos “cristãos” que acham que não podem conviver com este ou aquele “tipo” de pessoa. Não é raro correntes “católicas” que se sentem no direito de julgar os próprios irmãos, colocando-se em um lugar que nem mesmo Deus, na pessoa de Jesus Nosso Senhor, quis para si.


Pessoas que condenam movimentos e pastorais, julgam posturas eclesiais, acham que porque usam este ou aquele tipo de roupa, ou praticam esta ou aquela forma de piedade, ou porque fazem esta ou aquela opção social, podem excomungar todo o resto dos fiéis católicos.


Estas e outras correntes excluem pessoas que nem sempre conseguem cumprir os ideais de seu grupo.


Acham-se donos da moral, donos de Deus, considerando-se os únicos verdadeiramente fiéis ao Evangelho. E, em nome de suas posturas, excluem pessoas que não conseguem viver na integralidade seus ideais.


Irmãos! Jamais direi que não precisamos de normas, e que a moral não é importante. Ela é sim!


Ela nos dá parâmetros e nos ajuda a viver o mandamento do amor. Não podemos questionar nossa moral! Mas não temos o direito de excluir pessoas porque elas não conseguem vivê-la!


O que nos impede de convivermos com pessoas pecadoras? Elas não vivem nossas normas, mas não podem ser privadas do nosso amor.


Aliás, todos nós fomos amados enquanto ainda éramos pecadores. Portanto, não podemos deixar de amar, se quisermos cumprir à risca a lei do Senhor.


O amor é o cumprimento perfeito de toda a lei, de toda moral, de toda doutrina.


Mesa dos pecadores:


A Eucaristia deveria ser  a mesa dos pecadores reconciliados. Jesus a instituiu enquanto Judas estava prestes a traí-lo e o chamou de amigo e Pedro semelhantemente a negá-lo.


Deus não deixa de estar conosco mesmo quando somos pecadores. Ele se faz pão da vida, remédio que nos salva.

Somos imperfeitos, porque somente Deus é perfeito. E a Igreja foi feita para nós. Jesus veio para os pecadores.

Se quisermos que Ele esteja conosco, precisaremos reconhecer nossa imperfeição.


Encerro com uma canção do Pe. Zezinho, gravada pelo Pe. Fábio de Melo. Meditemos sobre essa linda inspiração do Espírito: 

Assista o Vídeo e ouça a canção: http://youtu.be/X3P9A5ZTcik

FONTE: rosario.nerdti
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger