A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » Estamos voltando ao Período Feudal com os Condomínios Fechados ? Que Fomes precisam serem Saciadas ?

Estamos voltando ao Período Feudal com os Condomínios Fechados ? Que Fomes precisam serem Saciadas ?

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 29 de maio de 2012 | 09:09


Lya Luft, escritora e articulista da Revista Veja, publicou um artigo maravilhoso na edição 2178 da mesma revista.


No artigo ela esclarece que "somos um país de famintos, e boa plataforma para candidatos seria atender a esse nosso estado de desnutrição, física ou emocional".


Ela faz uma analise da real situação do país e o que deveria preencher o desejo de qualquer candidato a governante: "... cuidar da sua gente, não só nas tragédias como inundações e secas, mas na doença e falta de tudo, de alimento a educação". Ela ainda declara que: "o dever de um governo, e seu desejo ardente, deve ser atender ao povo e não apenas a uma parcela da Sociedade (que, atenção, são todos os brasileiros)".



"Mas não vamos esquecer as carências da alma, as fomes da nossa condição humana, eventualmente mais duras e mortais do que aquela que faz doer o estômago", afirma Lya.(Grifo meu:Precisamos entender que os pobres não padecem somente de fome material, e justiça social,as seitas ha muito tempo já perceberam isto).




No artigo ela demonstra habilidade em conjugar várias situações e enquadrar tudo isso na falta de justiça: "várias fomes cabem no conceito justiça, como segurança, confiança e dignidade".


E define como ter dignidade: "para sermos dignos, precisamos ter certeza de que cada um tem aquilo de que precisa para tanto, começando com leis sensatas, bem executadas e aplicadas a todos".


Finalmente, ela dá o golpe de misericórdia, denunciando: "Ainda estamos nas cavernas, apesar do vidro fumê e dos controles remotos, com fome de tudo o que é merecido, desejável, necessário e deveria ser mais do que natural, para qualquer cidadão deste belo, cruel, confuso e fascinante planeta-país que ainda precisamos conquistar".


Nas eleições, faça-mos  escolha certa, escolhamos quem, de fato, está atento em "cuidar das fomes humanas”.

VEJAMOS A  MATÉRIA MUITO OPORTUNA DA AUTORA – QUE NÃO É RELIGIOSA DÍGA-SE DE PASSAGEM:


" PLATAFORMA CONTRA AS FOMES"

(LUFT, Lya)

Somos um país de famintos e boa plataforma para candidatos seria atender a esse nosso estado de desnutrição, física ou emocional. Se pensamos na fome física, vemos as crianças comendo lixo ou a tradicional farinha com água, quando tem água.


Esse podia ser o primeiro desejo de qualquer candidato a governante:

“Cuidar da sua gente, não só nas tragédias como inundações e secas, mas na doença ou falta de tudo, de alimento a educação. O dever de um governo, e seu desejo ardente, deve ser atender o povo (que atenção, são todos os brasileiros). Mas não vamos esquecer as carências da alma, as fomes da nossa condição humana, eventualmente mais duras e mortais do que aquela que faz doer o estomago. Eles tem a ver com mais do que feijão: ligam-se à segurança, saúde, confiança, educação. Narcotráfico derrotado. Juventude mais motivada.”


Várias fomes cabem no conceito justiça, segurança, confiança e dignidade. Para sermos dignos, precisamos ter certeza de que precisa para tanto, começando com as leis sensatas, bem executadas bem executadas e aplicadas a todos. Culminado com todos terem aquilo que precisam para que sua vida não se reduza a uma mera sobrevivência.


E o que seria justiça? 




Dar todos a mesma coisa, e ver como cada um lida com o que recebeu? A cada um conforme suas limitações naturais, mais inteligente, mais talentoso, menos saudável, mais neurótico?


Ou ainda: a cada a um segundo suas necessidades?  Nunca haverá um conceito universalmente aceito, mas querermos justiça já é um começo. Punições adequadas para os infratores, e interesses pelas vítimas e suas famílias.


Há trinta e poucos anos, meus filhos jogavam bola no bairro onde ainda moro com a meninada da vila próxima até o escurecer, e ninguém se preocupava. Eram amigos: pobres e remediados, brancos, negros e pardos, os filhos do verdureiro ou do professor. Bandos de jovens drogados não vagavam nas ruas, crianças pedintes não rolavam nas esquinas, as casas não tinham cerca.


Hoje, se eu morasse em uma casa, seria possivelmente num condomínio bem protegido. Pois, nesta Idade Média higiênica e sofisticada, os feudos são os edifícios e os condomínios fechados, guardas nas cabines, bandidagem rondando. Séculos atrás, eram os miseráveis que se instalavam em torno dos castelos onde recolhiam esmolas ou prestavam pequenos serviços; ou extensão populações igualmente miseráveis em torno das gigantescas catedrais erguidas em séculos de labuta mortal. (O senhor feudal de hoje pode ser o morador mais rico, ou quem sabe o síndico, interessado em que as coisas se mantenham num nível aceitável de funcionamento, civilidade, educação).





Doentes de medo, desviamos o olhar da realidade: “Faz de conta que isso nunca vai me atingir”. Mas no fundo queremos proteção de uma policia eficaz, porque nos cansamos de ser caçados e mortos pelos marginais, feitos bichos desprotegidos.


Há quem reclame: os policiais ao menos deveriam cuidar do lugar onde vão atingir os facínoras. “Quem sabe um tiro no braço ou no pé?”. Imaginei o policial com o revolverzinho mirando o bandido que segura um fuzil de última geração, e pedindo. Licença, moço, vou dar só um tirinho no seu pé. 



Também não queremos conviver mais com a miséria e a falta de tudo que muitas vezes produzem a violência. Isso também é justiça.


Animais predadores na selva pós-moderna, não se iludam os que se julgam bonitos e limpos, bons e especiais, a salvo das dores do mundinho que sonha com o prato de cada dia, o salário justo, a vida atendida.


Ainda estamos nas cavernas, apesar do vidro fumê e dos controles remotos, com fome de tudo o que é merecido, desejável, necessário e deveria ser mais do que natural, para qualquer cidadão deste belo, cruel, confuso e fascinante planeta-pais que ainda precisamos conquistar.



LUFT, Lya. Revista Veja, edição 2178 - pagina 26,
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger