A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Como entender o papel da "CO-REDENÇÃO" de Maria no Plano de Deus ?

Como entender o papel da "CO-REDENÇÃO" de Maria no Plano de Deus ?

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 4 de novembro de 2011 | 01:13



POR QUE MARIA É CO-REDENTORA ?

Nos últimos decênios registrou-se na Igreja um movimento favorável à definição de um dogma referente à Maria Santíssima Medianeira, Co-redentora e Advogada do gênero humano.


As expressões desse movimento, que levou à Santa Sé as suas petições, vão, a seguir, analisadas, ao que acrescentaremos o parecer de teólogos consultados pelo S. Padre João Paulo II a respeito.

1. Os Fundamentos Teológicos

Um dos expoentes mais significativos do movimento pró-definição é o Prof. Mark Miravalle, docente de Mariologia na Universidade Franciscana de Steubenville, Ohio, U.S.A. Publicou em1996 a obra Mary: Coredemptrix; Mediatrix, Advocata. Theological Foundations II. (Queenship Publishing Company, Santa Barbara, Califórnia, U.S.A.). 

O livro tem o Prefácio do Cardeal Edouard Gagnon, que lhe dá certa autoridade e que argumenta do seguinte modo: “Não basta que o povo de Deus acredite na função medianeira da Ssma. Virgem: é preciso que esta seja solenemente proclamada.”


No corpo do seu livro, o Prof. Miravalle propõe a seguinte formulação dogmática:

“A co-redenção de Maria é aquele privilégio pelo qual a Imaculada sempre Virgem Mãe de Deus cooperou livremente com e sob Jesus Cristo, seu Filho e Redentor, na Redenção histórica da família humana, desde o seu Fiat na Anunciação até o sacrifício do seu coração materno no Calvário; e assim Maria se tornou para nós a Medianeira de todas as graças da Redenção e Advogada do Povo de Deus”.

O autor da obra não se esquece o aspecto ecumênico ou pouco ecumênico que tal definição apresenta; sabe que tanto os protestantes quanto os cristãos ortodoxos veriam na definição um obstáculo a mais para o diálogo ecumênico; julga, porém, que uma reflexão aprofundada evidenciaria os fundamentos patrísticos do dogma.

Com efeito; registra-se na literatura cristã dos primeiros séculos a expressão Nova Eva, que parece conter implicitamente os títulos de Medianeira e Co-redentora.

Mais: Miravalle cita textos patrísticos e, entre outros, um sermão de S. Cirilo de Alexandria (+ 444), que dizia:

“Salve Maria, Mãe de Deus (Theotókos), venerável tesouro do mundo inteiro, é por meio de vós que a Ssma. Trindade é adorada e glorificada”.

Cita outrossim o teólogo russo Sérgio Bulgakov, que escreveu: “A fé em Cristo que não inclua o seu nascimento virginal e a veneração de sua mãe e uma outra fé, é outro Cristianismo diferente do da Igreja Ortodoxa”.

Para corroborar sua posição, Miravalle afirma outrossim que a proclamação da co-redenção de Maria lembraria ao mundo que a participação nos sofrimentos de Cristo é colaboração com a obra redentora do Senhor também quando ocorre nas gerações posteriores à de Maria Ssma.

Consequentemente a Igreja estaria dizendo uma palavra de reconforto aos que sofrem em nossos dias e julgam que eutanásia e aborto são a solução para certos casos dolorosos; eis palavras de Miravalle:

“O exemplo de Maria Co-redentora diz à Igreja e ao mundo que o sofrimento é co-redentor. Isto tem imediato significado para as tragédias do aborto e da eutanásia, recursos estes que, cada qual a seu modo, negam os efeitos fecundos do sofrimento”.

O teólogo norte-americano dilata mais ainda o seu olhar, juntamente com o teólogo anglicano John Maquarre; é da opinião de que a definição da livre participação de Maria na obra redentora seria uma réplica ao determinismo professado por Lutero e Karl Barth, assim como pelos materialistas totalitários de direita e de esquerda:


“ A livre cooperação da Virgem Ssma. seria paradigma da liberdade com que todos os homens podem e devem responder ao chamado de Deus, cumprindo a missão a eles confiada. Maria seria o símbolo da perfeita harmonia que deve existir entre a vontade de Deus e a resposta dos homens ao plano do Pai.”

Eis as principais razões aduzidas por Mark Miravalle em favor da definição dogmática dos títulos de Maria Medianeira, Co-redentora e Advogada.

De resto, Miravalle não é senão o porta-voz de cerca de 500 Bispos, 40 Cardeais e numerosos fiéis do mundo inteiro que, seguindo os passos do Cardeal Mercier e de S. Maximiliano Kolbe, pediram à Santa Sé, no século XX, a mencionada definição.

Vejamos agora a atitude do magistério oficial da Igreja em resposta à demanda.

2. A Resposta da Santa Sé:

A atitude da Santa Sé frente às mencionadas petições tem sido sóbria e prudente.

1. Assim nos anos anteriores ao Concílio do Vaticano II ou, mais precisamente, entre 1959 e 1962 foram levadas à Comissão Preparatória do Concílio 265 petições de Bispos que solicitavam “fosse a doutrina da Mediação Universal de Maria definida como dogma de fé”, 48 Bispos pediam o mesmo, acrescentando, porém “se isso for considerado oportuno” – o que perfazia um total de 313 petições, número não desprezível.

Durante o Concílio mesmo, tais pedidos tornaram-se raros, chegando a cessar à medida que se adiantavam os estudos das sessões do Concílio, estudos sempre acompanhados de oração. Finalmente a Constituição Lumen Gentium, em seu capítulo VIII, apresenta uma síntese mariológica que não contém a definição dogmática da Mediação Universal de Maria; tal documento foi aprovado em 21/11/1964 por 2151 votos numa assembléia de 2156 votantes.

Este resultado beirava a unanimidade e exprimia bem o pensamento do magistério da Igreja: entre os 2151 votos favoráveis estavam certamente quase todos os dos 313 Bispos que haviam pedido a definição dogmática da Mediação Universal de Maria Santíssima.

Ora trinta e três anos após a promulgação da Constituição Lumen Gentium – o que é pouco tempo, se se leva em conta que os Concílios gerais são raros e excepcionais – os referenciais eclesiológicos, teológicos e exegéticos do magistério da Igreja não terão mudado.

De resto, o Papa Paulo VI, ao encerrar a terceira sessão do Concílio em 21/11/64, declarou que o capítulo VIII da Lumen Gentium vem a ser a mais vasta síntese que um Concílio ecumênico jamais ofereceu “da doutrina católica referente à posição que a Santíssima Virgem Maria ocupa no mistério de Cristo e da Igreja”.

Ora na base de tais fatos compreende-se que o Santo Padre João Paulo II se veja obrigado à cautela e reservas diante do movimento pró-definição.

2. Ademais é de notar que as próprias noções de Medianeira e Co-redentora são ainda ambíguas e obscuras no campo teológico. Com efeito: os manuais de Mariologia publicados nos dez últimos anos – e são cerca de vinte – não concordam entre si na maneira de entender o significado de tais atributos da Virgem Ssma. Todos são cautelosos no sentido de não afetar a figura singular e o papel único de Jesus Cristo Redentor do gênero humano. Ora essa falta de unanimidade é suficiente para se deixar de lado qualquer tentativa de definição dogmática.


3. Nota-se outrossim que os principais pronunciamentos da Igreja editados nos últimos decênios têm evitado sistematicamente o uso do termo Co-redentora. Assim sejam citadas a Constituição Munificentissimus Deus (1950) e as encíclicas Fulgens Corona (1950) e Ad Caeli Reginam (1954) de Pio XII; a Constituição Lumen Gentium do Concílio do Vaticano II (1964); as Exortações Apostólicas Signum Magnum (1967) e Marialis Cultus (1974) de Paulo VI e a encíclica Redemptoris Mater (1987) de João Paulo II.

Todos estes textos davam ocasião a que se mencionasse o título de Co-redentora, mas observou-se absoluto silêncio a respeito. Ora, se tal tem sido a orientação do magistério, pode-se entender que nos dias atuais o mesmo hesite em proceder à definição solene de tal título.

4. Ao invés de Co-redenção, pode-se falar, sem os mesmos riscos de ambiguidade e desvios doutrinários, de Cooperação de Maria na obra da salvação do gênero humano. Tal vocábulo se encontra na Lumen Gentium nº 53. 56. 61. 63.

Já S. Agostinho utilizava o termo cooperatio em sua obra De Sancta Virginitate 6.
O Papa João Paulo II, em sua catequese de 6/4/1997, falou amplamente da cooperação de Maria na obra da salvação.

Em lugar de Medianeira, recomenda-se o recurso ao título de Mãe de Deus (Theotókos) e Mãe dos homens (cf. Jo 19, 25-27): Jesus quis confiar o gênero humano à tutela e à intercessão de Maria Ssma. (cf. Lumen Gentium nº 53-56.58.61.63.65.67.69).

Na qualidade de Mãe, Maria intercede em favor dos homens desde a sua gloriosa Assunção até a consumação da história da humanidade, como se lê na seguinte passagem da Lumen Gentium:

"A maternidade de Maria na dispensação da graça perdura ininterruptamente a partir do consentimento que ela fielmente prestou na Anunciação, que sob a Cruz ela resolutamente manteve e manterá até a perpétua consumação de todos os eleitos. Assumida aos céus, não abandonou esta salvífica função, mas por sua multíplice intercessão continua a granjear-nos os dons da salvação eterna. Por seu maternal amor cuida dos irmãos do seu Filho que ainda peregrinam rodeados de perigos e dificuldades, até que sejam conduzidos à feliz pátria.”

Por isto e Bem-aventurada Virgem Maria é invocada na Igreja sob os títulos de Advogada, Auxiliadora, Protetora, Medianeira. Isto, porém, se entende de tal modo que nada derrogue, nada acrescente à dignidade e eficácia de Cristo, o único Mediador.

Com efeito; nenhuma criatura jamais pode ser colocada no mesmo plano com o Verbo Encarnado e Redentor.

Mas, como o sacerdócio de Cristo é participado de vários modos seja pelos ministros, seja pelo povo fiel, e como a indivisa bondade de Deus é realmente difundida nas criaturas de maneiras diversas, assim também a única mediação do Redentor não exclui, mas suscita nas criaturas uma variada cooperação, que participa de uma única fonte.

A Igreja não hesita em proclamar essa função subordinada de Maria. Pois sempre de novo experimenta e recomenda-se ao coração dos fiéis para que, encorajados por esta maternal proteção, mais intimamente deem sua adesão ao Mediador e Salvador” (nº 62).

Posteriormente o Papa Paulo VI escrevia em sua Exortação Apostólica Signum Magnum nº 1:

“A Virgem continua agora no céu a exercer a sua função materna, cooperando para o nascimento e o desenvolvimento da vida divina em cada uma das almas dos homens redimidos. É esta uma verdade muito reconfortante, que, por livre disposição de Deus sapientíssimo, faz parte do mistério da salvação dos homens; por conseguinte, deve ser objeto da fé de todos os cristãos”.

Este texto chama a atenção por propor, não em termos de definição dogmática, mas como algo de muito lógico, a cooperação de Maria Ssma. Na obra de salvação dos homens.


De resto, deve-se frisar bem que nem todas as verdades de fé hão de ser promulgadas por definições solenes do magistério extraordinário da Igreja.

O magistério ordinário, que ocorre mediante o ensinamento constante e moralmente unânime dos Bispos, é suficiente para fundamentar uma verdade ou um artigo de fé.


O magistério extraordinário da Igreja (que se exprime em definições solenes) há de ser sempre extraordinário; intervém por excelência em caso de debates teológicos para dissipar heresias que ameacem o patrimônio da fé.

O Papa João Paulo II, em sua encíclica Redemptoris Mater concebe a mediação mariana como mediação materna.

É por essa mediação materna que a Vigem coopera para a salvação de todos os homens.

Todas estas ponderações estavam presentes aos teólogos que redigiram parecer sobre a solicitada definição, quando reunidos em Czestochowa, atendendo a um pedido do Papa João Paulo II.

APÓS VOCÊ VER ESTE VÍDEO, ENTENDERÁ A CO-REDENÇÃO DE  MARIA:



Fonte: Revista “PERGUNTE E RESPONDEREMOS” D. Estevão Bettencourt, osb



O 5º DÓGMA MARIANO ? : MARIA CO-REDENTORA ?


(Por Francisco de Almeida Araújo)

Chamando Maria co-redentora,entendemos que ela é cooperadora na redenção, efetuada só por Ele.

Não queremos, evidentemente, dizer que Maria nos tenha resgatado por uma ação própria e independente, mas somente por sua união com a ação de Jesus.



Na obra de nosso resgate Jesus não fez uma parte e Maria a outra, preste bem atenção. Ela não é co-redentora dessa forma. Os dois reunidos desempenham a obra.



Conforme o papa Pio X, o que Cristo nos mereceu como justiça, isto também Maria nos mereceu, mas com título inferior.



Leão XIII resume esta doutrina quando diz que: “Maria esteve associada na obra dolorosa da redenção do gênero humano”.

 MARIA A NOVA EVA:

Os padres e doutores da Igreja chamam Maria muitas vezes a nova Eva, como S. Paulo chamara Jesus o novo Adão, para indicar que sua função em nossa redenção foi análoga àquela desempenhada em nossa perda, pela primeira Eva e pelo primeiro Adão.

Por uma espécie de compensação ou, se quiserem o termo, desforra, Deus quis modelar nossa salvação sobre nossa ruína. Se a Escritura pôde dizer: Pela mulher, a libertação do pecado e a vida,tríplice é o aspecto da função de Maria como co-redentora:



1.      No consentimento da Virgem à proposta divina no momento da anunciação;

2.      Na união de suas disposições com as disposições do único Redentor;

3.      Na união de seus sofrimentos com os sofrimentos do Redentor.



Desde o nascimento de Jesus, toda vida de Nossa Senhora foi uma oblação;todos os seus atos foram de co-redenção; toda sua existência foi não só uma cooperação espiritual a nossa redenção, mas uma cooperação física e real, cooperação moral, consciente e livre.



Ela, desde o Fiat da anunciação, foi colaboradora de Cristo na obra do nosso resgate. Não, não foi ela quem derramou o sangue na cruz, mas o sangue e a carne que da cruz jorrou também era dela.



É PRECISO SEM AMBIGUIDADES ENTENDER QUE:

1.      A ação de Jesus é independente; ela não tem necessidade duma outra ação, ela se basta a si mesma plenamente. A ação de Maria é dependente, é eficaz somente pelas relações com a eficiência de Jesus;

2.      Não há um Redentor e uma redentora; há um único Redentor: Jesus de Nazaré. Maria é co-redentora;

3.      A ação da co-redentora é uma com a do redentor;

4.      A ação de Cristo alcança seu objetivo por um mérito de justiça; a de Maria, por um mérito inferior, logicamente;

5.      A ação do redentor tem um valor infinito, sendo de um Deus. Esta ação bastaria para expiar os crimes infinitamente mais numerosos e mais abomináveis e para santificar mundos inumeráveis;

A ação da co-redentora é super-rogatória, de mero oferecimento:  “Nada pode-se acrescentar ao infinito e único sacrifício de Cristo.”

Fonte: Veritatis
Curta este artigo :

+ Comentário. Deixe o seu! + 15 Comentário. Deixe o seu!

8 de novembro de 2011 21:43

Qual o embasamento teológico para esta adoração a Maria?Em qual livro do Novo Testamento, em qual capítulo e versículo há base para tal mediação?
Graça e Paz
Gonzalez

8 de novembro de 2011 23:47

Prezado porta do reino ?

Prove-nos onde se afirma , e ou se orienta pelo magistério da Igreja a adoração a Maria ?

Portanto a afirmação idiota e sem fundamento é sua e não nossa.

Quanto à mediação de maria ? Bom se você lesse mais a bíblia ao invés de ficar escutando e adorando heresias de falsos pastores, veria que no evangelho de João nas BODAS DE CANÁ, foi pela MEDIAÇÃO, e ou intercessão de Maria que Cristo realizou seu primeiro milagre.

Leia mais a bíblia meu caro, pois sua porta não é a do reino de Cristo mas da de Lutero, que veio trazer a divisão e ódio entre os Cristãos, e o ódio e a divisão não é de Deus, mas de satanás, o pai da mentira, próprio do protestantismo como acabei de lhe provar.

A paz de Cristo e o amor de Maria, a mãe de meu Senhor.

Shalom !!!

9 de novembro de 2011 11:58

Interessante é que me dirigi com todo respeito, sem ofender, e sou chamado, em resposta, de "idiota". Fiz uma observação teológica e não obtive uma resposta satisfatória. O texto citado é fora do contexto.Portanto, é apenas pretexto. Padre Zezinho tem uma música em que afirma "as vezes quem duvida e faz perguntas, é muito mais honesto do que eu". Aprendam com ele.
Graça e Paz

9 de novembro de 2011 12:15

Vamos ver que foi descortêz inicialmente ?

O Sr inicia sua missiva já me prejulgando e já colocando a matéria e todos os católicos como ADORADORES de Maria, reveja sua colocação :

" Qual o embasamento teológico para esta adoração a Maria?..."

Vc quer que eu diga que esta sua pergunta capiciosa, generalisante e pre-conceituosa é o que ? Ora tenha paciência, deixe de ser hipócrita meu caro.

Com relação a pré julgamentos sem conhecer as pessoas, deixo as passagens abaixo para sua reflexão:

Mateus 7:5 Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.


Mt 7:1-5 Não julgueis, para que não sejais julgados. Pois, com o critério com que julgardes, sereis julgados; e, com a medida com que tiverdes medido, vos medirão também.

Apocalipse 12:10 E ouvi uma grande voz no céu, que dizia: Agora é chegada a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus, e o poder do seu Cristo; porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite.

A paz de Cristo e o amor de Maria a mãe do meu Senhor (Lucas 1).

Shalom !!!

9 de novembro de 2011 15:56

Realmente,visto de seu ponto de vista, minha pergunta inicial foi, digamos, agressiva. Peço perdão. Quero deixar claro que não foi esta intenção. A aparência de agressividade deve ter sido,talvez, por eu entender que é, no mínimo, complicado separar a adoração a Deus,latria, da hiperdulia, dedicado a Maria, que é o que acontece, segundo aprendi, quando alguém se posta de joelho pedindo a mediação da mãe de Jesus. Mas meu irmão, de acordo com a Biblia Sagrada, Edição Pastoral Catequética, da Editora Ave Maria - se não houve êrro de tradução - "...há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem" I Tm.2:5. E aí, como ficamos?
Graça e Paz
Gonzalez

9 de novembro de 2011 19:15

Prezado Gonzales,

A paz de Cristo e o amor de mãe de Maria a mãe de meu Senhor Jesus Cristo !

Vejo que você está melhorando ao diferenciar o culto de de Latria (Somente à Trindade); Dulia (Aos anjos e santos) e hiperdulia (Reservado a Maria rainha dos anjos e Santos conforme Apoc 12).

Respondendo a sua missiva:

" ...segundo aprendi, quando alguém se posta de joelho pedindo a mediação da mãe de Jesus. Mas meu irmão, de acordo com a Biblia Sagrada, Edição Pastoral Catequética, da Editora Ave Maria - se não houve êrro de tradução - "...há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem" I Tm.2:5. E aí, como ficamos?"


“Ora se até os pastores e pecadores protestantes podem interceder, por que os anjos e Santos que já estão junto a Cristo em espírito e em verdade não podem com muito mais eficácia ?”


Está escrito em João 9.31 : "Ora, nós sabemos que Deus não ouve apecadores...”


Para provar que os santos zelam e intercedem pelos vivos, podemos citar algumas provas bíblicas ( Se Lutero não as tiver tirado da bíblia protestante, creio que deva encontrá-las e confirmar – Faça um estudo bíblico):
Ossos de Eliseu, que ressuscitaram um morto ( II Reis 13, 21).
Intercessão dos Santos: Tb 12,12; 2Mc 15,14; Ap 5,8; 8,4.
Milagres operados por intermédio de relíquias: At 5,15; 19,11-12.
Orar uns pelos outros: Jr 15,1; At 12,5; Rm 15,30; 2Cor 13,7; Ef 6,18; Cl 4,3; 1Ts 5,25; 2Ts 3,1; Hb 13,18; Tg 5,16.
Os Santos estão nos céus: 1Ts 3,13; Hb 11,40; 12,23; 1Pd 3,19; Ap 6,9.
Somos rodeados pelos Santos: Hb 12,1.


Lembro-lhe, antes de tudo, que Deus se dizia o Deus de Abraão, Isaac e Jacó, o Deus DOS VIVOS, quando eles já estavam mortos."Lembra-te de Abraão, de Isaac e de Israel, teus servos, a quem por ti mesmo juraste" (Ex 32, 11).

Também Lot intercedeu por Segor (Gen 19, 21).E o próprio Deus disse a Abimelec:
"Agora, pois, entrega a mulher a seu marido, porque ele [Abraão] é profeta; e rogará por ti e tu viverás" (Gen 20, 7).


Será que não tem nenhum Santo com Jesus ?

Apoc.3,21: “Ao vencedor farei sentar-se comigo no meu trono, como também eu venci e estou sentado com meu Pai no seu trono. “

PERGUNTA QUE NÃO CALA: “Onde estão: Moisés e Elias que apareceram a Cristo na Tranfiguração ? E o ladrão que ele disse : AINDA HOJE e não no futuro, estarás comigo no paraíso ?...”


O texto de Mateus 22:31-34: Quanto à ressurreição dos mortos, não lestes o que Deus vos disse: Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó (Ex 3,6)? Ora, ele não é Deus dos mortos, mas Deus dos vivos. E, ouvindo esta doutrina, as turbas se enchiam de grande admiração. Sabendo os fariseus que Jesus reduzira ao silêncio os saduceus, reuniram-se...”


O mesmo episódio desse diálogo de Cristo com os saduceus, redigido por Lucas, apresenta o mesmo diálogo de modo mais completo.


Vejamos como se encerrou o diálogo entre Cristo e os saduceus no relatório de Lucas 20,37-39: Por outra parte, que os mortos hão de ressuscitar é o que Moisés revelou na passagem da sarça ardente (Ex 3,6), chamando ao Senhor: Deus de Abraão, Deus de Isaac, Deus de Jacó . Ora, Deus não é Deus dos mortos, mas dos vivos; porque todos vivem para ele.

QUANTO A IMORTALIDADE DA ALMA E SEU ESTADO CONSCIENTE APÓS A MORTE DUAS PASSAGENS CONFIRMAM ISTO:

1ª)- O Diálogo após a morte de Lázaro, o rico e Abrão em Lucas 16,19ss

2ª)- Pedro falando sobre a descida de Cristo e sua pregação na mansão dos mortos em I Pedro 3:19-20 .

3ª)- Moisés e Elias aparecem a Cristo na Transfiguração: Mt 17.2-3

Sinto meu prezado Gonzales, mas contra fatos não existem argumentos contrários. Só cego para não querer ver esta realidade.

E agora ? Como ficamos ?

10 de novembro de 2011 10:09

'Meu irmão, é muito bom polemizar com respeito. A gente aprende.
Primeiramente, não sei como você conseguiu eleger Maria rainha dos anjos e santos a partir de Apc.12. Como você conseguiu inferir isto, prá mim é um mistério.
Em João 9:31,você não citou o versículo'in totum": "Ora, nós sabemos que Deus não ouve a pecadores; mas, se alguém é temente a Deus, e faz a sua vontade, a esse ouve".
Deus ouve os tementes a Ele. Tanto ouve, que ouviu Abraão, Eliseu, Elias e tantos outros que a Bíblia cita, ENQUANTO ESTAVAM VIVOS. E todos eles eram pecadores, mas tementes a Deus.
Você lembra: "Os Santos estão nos céus: 1Ts 3,13; Hb 11,40; 12,23; 1Pd 3,19; Ap 6,9.
Somos rodeados pelos Santos: Hb 12,1".
Concordo plenanamente, mas em nenhum versículo está dito explicitamente ou insinuado que eles podem mediar nossos pedidos.Fazer algo por nós. São testemunhas apenas.
Continuamos na mesma: existe um único mediador entre Deus e os homens: Jesus.
Ah! Mas nós pedimos a santo tal ou qual, ou a Maria, para intermediar junto a Jesus, poderia você dizer.
Mas por que preciso de intermediário entre Eu e Jesus, se o véu do templo se rasgou e eu tenho acesso direto a Deus?
No que concerne a imortalidade da alma e seu estado consciente, tudo bem.
Mas onde está escrito que eles podem fazer alguma coisa pelos vivos?
Usando um exemplo seu, o diálogo entre Láraro e o Rico, alí fica explícito que os que estão no céu ou no inferno, nada podem fazer pelos que estão na terra.
Quanto a Moisés e Elias, eles apareceram e falaram com Jesus, mas nada disseram, nem fizeram em favor ou contra os apóstolos que assistiram a cena.
Enfim, permance o fato de que no céu só há um mediador entre Deus e os homens, Jesus (I Tm.2:5)
Você fala que só um cego na vê a realidade e tem toda razão. Mas o pior cego é aquele que não quer ver.

Liberte-se meu irmão!
Ambos amamos a Deus; ambos tentamos ser verdadeiramente discípulos de Jesus; o que está nos separando são ensinos de instituições religiosas.
Devemos voltar ao princípio de tudo. À sã doutrina pregada por Jesus e os Apóstolos.
Devemos seguir, única e exclusivamente as escrituras,pois
"Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça;" (II Timóteo 3 : 16)
Graça e Paz
Gonzalez

10 de novembro de 2011 11:06

Prezado Gonzalez,

Olha só o que você escreveu:

"Meu irmão, é muito bom polemizar com respeito. A gente aprende.Primeiramente, não sei como você conseguiu eleger Maria rainha dos anjos e santos a partir de Apc.12. Como você conseguiu inferir isto, prá mim é um mistério..."

Realmente vc tem razão: O pior cego não é o que não ver são os que não querem ver como os protestantes aos quais incluo vc. Veja por que não ha mistério algum:

1)- Apoc 12 fala que A MULHER tem uma coroa de 12 estrelas ( Quem corou a MULHER como rainha não foram os católicos caro Gonzales, mas o próprio Deus).

2)- Apoca 12 diz que a mulher está em dores de parto para parir UM VARÃO que governará o mundo - Quem Maria pariu ? Não sei para vcs, mas para nós Católicos Maria pariu o meu Salvador: Jesus Cristo. ( Já vi alguns protestantes desesperados dizerem que A MULHER é a Igreja - Pergunto: Quem gerou Cristo ? Maria ou a Igreja ?...Quem é o cego aqui caro Gonzales ?).

Olha só a outra pérola que vc escreveu:

"...Continuamos na mesma: existe um único mediador entre Deus e os homens: Jesus.Ah! Mas nós pedimos a santo tal ou qual, ou a Maria, para intermediar junto a Jesus, poderia você dizer.Mas por que preciso de intermediário entre Eu e Jesus, se o véu do templo se rasgou e eu tenho acesso direto a Deus?..."

Pergunto:

1)- Você sabe a diferença entre MEDIAÇÃO E INTERCESSÃO (Sugiro consultar o dicionário, ou um advogado, terá a explicação real e não hermenêutica protestante).

2)- Bom, se como você afirma acima, a pérola escrita é sua e não minha: "SÓ HÁ UM INTERCESSOR/MEDIADOR", então concluo que vcs protestantes, nunca pediram a intercessão de um irmão, pastor, ou da Igreja quando estão em dificuldades, estou certo ? Mas pedem DIRETAMENTE A DEUS/JESUS!!!??? Porque o véu do templo foi rasgado e temos acesso direto a Deus agora, não é isto caro Gonzales ?...

Não sejamos hipócritas caro Gonzales, ou, vc é adepto do faça o que digo/interpreto, mas não faça o que faço?

Simples assim.

Shalom !!!

10 de novembro de 2011 16:15

Meu querido irmão em Cristo,vou continuar lendo seu blog, mas vou parar de lhe "abusar" com minhas colocações.
Você é muito inteligente e sabe esquivar-se do principal e polemizar com o secundário.
Vou parar, pois do contrário ficaremos "ad aeternum" nessa amável troca de visões.
Um dia,espero que nos encontremos junto ao Senhor.
Isso acontecendo, nos daremos um abraço e riremos juntos de nossas divergências.
E teremos a eternidade para convergir!
Que a Paz do Senhor, que a tudo excede, fique com você.
Gonzalez

10 de novembro de 2011 16:34

Prezado Gonzales,

Foi vc que afirmou acima:

"Meu irmão, é muito bom polemizar com respeito. A gente aprende..."

Fico feliz por vc ter visto a visão católica sobre o tema proposto, e obrigado pelo elogio, mas tenho que te confessar tudo que sou e aprebdi é graças ao meu Deus e à sua Santa Igreja.

Quanto aos pré-julgamentos deixo esta passagem para sua meditação:

I Cor 4,4 -5 : “Quanto a mim, pouco me importa ser julgado por vós ou por algum tribunal humano. Nem eu me julgo a mim mesmo. É verdade que minha consciência não me acusa de nada. Mas não é por isso que eu posso ser considerado justo. Quem me julga é o Senhor. Portanto, não queirais julgar antes do tempo. Aguardai que o Senhor venha. Ele iluminará o que estiver escondido nas trevas e manifestará os projetos dos corações. Então, cada um receberá de Deus o louvor que tiver merecido.”

Como o missivista desistiu de prosseguir no debate, de minha parte também dou-o por encerrado.

Shalom !!!

29 de novembro de 2011 09:05

Olá meu querido irmão, estou precisando de uma ajudinha em responder um tema... Sera q vc pode me ajudar.? Gostaria de saber como entrar em contato por email, pois o texto é um pouco extenso... Fica na paz

29 de novembro de 2011 12:21

Prezado Irmão do Escritura Católica,

Não é recomendável nem seguro deixar e-mail exposto aqui neste espaço, ligue para o telefone de nosso apostolado na abertura do blog(No Cabeçário) que lhe fornecerei o e-mail para contato.

Esperando sua compreensão,

Um abraço fraterno.

16 de maio de 2012 11:11

Berakach se você conhece melhor a palavra de Deus, pediria no mínimo perdão por chamar um irmã de idiota e saberia dar frutos conforme orienta os dons do Espírito que aprendemos em qualquer igreja Cristão (católica ou protestante).
Eu nasci em berço cristão católico e vejo o quanto alguns católicos ficam como os judeus, cegos e surdos para a verdade, pois sustentam sua fé em doutrinas e tradições culturais.
Reconheço Deus como Pai, Jesus como Filho e nosso Salvador, também o Espírito Santo e creio na Trindade que aprendi na Igreja Cristã.
Acredito que Maria é mãe de Jesus e portanto mãe do Jesus Cristo (Deus), ela é santa assim como tantos outros foram ao longo das histórias escritas na Bíblia.
Mas, atribuir divindades exclusivas a Trindade, é uma heresia.
O que posso te dizer é que o amor escrito em 1 Coríntios 13 deve ser praticado.
Que o Espírito Santo de Deus te guie para conheças a verdade e que por meio dela você se liberte.
Fique na Santa Paz de Cristo Jesus o unigênito do Pai aquele que intercede por nós, pois Ele é o Sacrifício perfeito de Deus, não podemos mudar os planos de Deus para a nossa Salvação.

17 de maio de 2012 09:48

Prezado protestante Edson Maia,

Veja a provocação de seu irmão protestante:

" Qual o embasamento teológico para esta adoração a Maria?..."

Se esta pergunta, ou afirmação não é idiota, que nome posso dar a ela ? Afirmo com todas as letras: "Foi uma provocação idiota e infeliz."

Nós Católicos não adoramos a Maria e sim a Veneramos.Quem afirma idiotamente que a adoramos são os Protestantes. E se Veneração e adoração são a mesma coisa, façam a devida correção na tradução da bíblia Protestante JOÃO FERREIRA DE ALMEIDA, onde lemos:

Atos 5,34: “ Mas, levantando-se no conselho um certo fariseu, chamado Gamaliel, doutor da lei, VENERADO por todo o povo, mandou que por um pouco levassem para fora os apóstolos...”(Segundo a bíblia Protestante : João Ferreira de Almeida)


Neste caso todo povo Judeu ADORAVA Gamaliel, se adorar for o mesmo que Venerar.

Como sair desta enrrascada em que se meteram agora Sábio Édson Maia ?

Se você se considera humilde, sábio e melhor do que todos os Católicos, procure entender:

1)-Maria não é Deusa, Todo Católico sabe disto, portanto não deve ser adorada, mas deve ser honrada como Cristo a honrou e qualquer filho honra sua mãe - Concordam !!!???

2)-A bíblia ordena: Todas as gerações a proclamarão BEM AVENTURADA - Luc 1,48

3)-Lutero sobre Maria: "É cheia de graça, proclamada para ser inteiramente sem pecado, algo tremendamente grande. Para que fosse cheia pela graça de Deus com tudo de bom e para fazê-la vitoriosa sobre o diabo.” (Martinho Lutero, Livro Pessoal de Oração, 1522 - disponível no museu da reforma, Alemanha)

4)-Calvino: ”Não podemos reconhecer as bênçãos que nos trouxe Jesus, sem reconhecer ao mesmo tempo quão imensamente Deus honrou e enriqueceu Maria, ao escolhê-la para Mãe de Deus.” (João Calvino, Comm. Sur l’Harm. Evang.,20)

5)-Zwinglio: "Firmemente creio, segundo as palavras do Evangelho, que Maria, como virgem pura, nos gerou o Filho de Deus e que, tanto no parto quanto após o parto, permaneceu virgem pura e íntegra.” (Zwinglio, em ”Corpus Reformatorum”)


6)-Os protestantes se concideram Santos, mas tem dificuldade de aceitar a Santidade de Maria, por que este preconceito não Cristão ? E se algum se Salvar, vai ter que conviver com Maria Santíssima ao lado do filho, pois diz as escrituras:

À vossa direita se encontra a Rainha, com veste esplendente de ouro de Ofir – Salmo 44(45)

7)-Todo protestante é Ex-alguma coisa, Maria nunca foi ex-alguma coisa, portanto é Santa.

Lavem sua bocas imundas antes e depois para falar de Maria a mãe de meu Senhor - Luc.1,43

Ou os protestantes acham que N. Sr. Jesus Cristo nasceu de Chocadeira ?

8)-COM RELAÇÃO AOS PROTESTANTES SECTÁRIOS: 1Jo 2,19 - "Eles Saíram do nosso meio, mas não eram dos nossos; pois, se tivessem sido dos nossos, teriam permanecido conosco. Mas, [saíram] para que se mostrasse que nem todos são dos nossos, nem do número dos eleitos.

AVISO AOS PROTESTANTES ADORADORES DE MAMON: LUCAS 16,13: “Ninguém pode servir a dois senhores, porque ou odiará a um e amará a outro, ou se prenderá a um e desprezará o outro. Não podeis servir simultaneamente a Deus e a Mamon...”

PERGUNTA QUE NÃO QUER CALAR: Por que os protestantes e suas lideranças pulam essa parte do Evangelho ? - Nunca os vi comentarem sobre esse trecho do Evangelho - Devem sentir-se constrangidos em ter de enfrentar a esta verdade dita pelo Cristo, contradizendo suas pregações de bençolatria , dizimolatria , sucessolatria e seus altos padrões de vida a custo dos ignorantes.

Shalom !!!

Anônimo
17 de maio de 2012 10:00

Prezado Beraka,

Fico impressionado com a sabedoria e embasamento racional e teológico em suas respostas,que Deus todo podereroso continue a lhe abençoar e lhe dar a sabedoria, para vc continuar neste seu belissimo trabalho.

Conte com minhas orações!!!

O Flamenguista Católico

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger