A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » » Resumo do livro o Capital de Karl Marx e críticas ao Marxismo

Resumo do livro o Capital de Karl Marx e críticas ao Marxismo

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 9 de setembro de 2022 | 23:42

 


 

O Capital é o primeiro livro do tratado de crítica à Economia Política clássica. O Capital, publicado pela primeira vez em 14 de setembro de 1867 pelo revolucionário comunista e teórico político Karl Marx. É o único livro da série publicado no tempo de vida de Marx. Produto de uma década de intensa pesquisa e formulação urdida sobretudo a partir dos Grundrisse, o livro aplica a análise de classe do capitalismo com enfoque na forma da mercadoria e no processo de produção, expondo o modo de produção capitalista historicamente específico. Os temas-chaves são as fontes e as formas da mais-valia (segundo a tradição tradutória brasileira, ou mais-valor) no contexto da dinâmica da acumulação de capital (com um capítulo histórico acerca da acumulação primitiva, base do capitalismo moderno) que caracteriza o desenvolvimento econômico durante longo período. Tais categorias são consideradas na teoria do trabalho abstrato e trabalho concreto. Na verdade O Capital” é uma coletânea de livros do filósofo alemão Karl Marx, o principal pensador do movimento marxista. É considerado o livro que deu origem ao pensamento socialista-marxista. Esses quatro livros concentram todos os estudos de Karl Marx em mais de duas décadas, sendo considerado a maior obra do marxismo. O primeiro livro foi publicado pela primeira vez em 1867 enquanto Karl Marx estava vivo, os livros II, III e IV são obras póstumas publicada em 1885, 1894 e 1905, respectivamente:

 

 

 

-Livro I: o processo de produção do capital.

 

 

-Livro II: o processo de circulação do capital.

 

 

Livro III: o processo global da produção capitalista.

 

 

Livro IV: teoria do mais Valia.

 



 


 

O Capital faz uma análise das relações econômicas, especificamente o capitalismo, abrangendo conceitos como mais valia, capital constante, capital variável, salário e acumulação primitiva. Analisa também, os aspectos do modo de produção capitalista criticando a econômica política. Marx, utilizando ampla gama de referenciais lógicos, econômicos, históricos e até mesmo literários para a complexa argumentação metateórica da obra, parte fundamentalmente do valor de uso e valor de troca observados por Aristóteles (em sua Política e na Ética a Nicômaco), que já criticava o dinheiro que é usado para gerar mais dinheiro e acúmulo, ao invés de fazer com que não haja carência de um lado nem excesso do outro, desequilibrando a ponta da sociedade; da explicação por Adam Smith (em A Riqueza das Nações) do valor de troca pelo trabalho empregado na produção da mercadoria e não por sua mera utilidade; e a teoria do valor-trabalho e da distribuição em David Ricardo (Princípios de Economia Política e Tributação), sem contar referências que incluem até William Shakespeare (sobretudo um trecho de sua peça Tímon de Atenas sobre o poder do dinheiro). No posfácio da segunda edição (de 24 de janeiro de 1873) desse primeiro livro de O Capital, Marx também explica que seu método científico e dialético é oposto ao do seminal filósofo alemão Hegel:

 

 

 

“Meu método *dialético, por seu fundamento, difere do método hegeliano, sendo a ele inteiramente oposto. Para Hegel, o processo do pensamento, — que ele transforma em sujeito autônomo sob o nome de ideia, — é o criador do real, e o real é apenas sua manifestação externa. Para mim, ao contrário, o ideal não é mais do que o material transposto para a cabeça do ser humano e por ela interpretado...Em Hegel, a dialética está de cabeça para baixo. É necessário pô-la de cabeça para cima, a fim de descobrir a substância racional dentro do invólucro místico.”

 

 

 

 

*A dialética significa arte do diálogo, arte de debater, raciocinar. Desse conceito inicial de equivalência de dialética e diálogo, chegou-se ao de argumentação que distingue conceitos. Não tem pois o conceito de dialética uma significação única. Ao longo do tempo, ele vem recebendo diversos significados. É um método utilizado na análise da realidade. De origem grega (dialektiké = discursar, debater), a dialética está vinculada ao processo dialogado de debate entre posições contrárias, e baseada no uso de refutações ao argumento por redução ao absurdo ou falso.O conceito de dialética é bastante antigo. Platão utilizou-o no sentido de arte do diálogo. Na Antiguidade e na Idade Média o termo era utilizado para significar simplesmente lógica. A concepção moderna de dialética, no entanto, fundamenta-se em Hegel. Para esse filósofo, a lógica e história da humanidade seguem uma trajetória dialética, nas quais as contradições se transcendem, mas dão origem a novas contradições que passam a requerer solução. (MARCONI; LAKATOS, 2019)

 



 


 



Muitos consideram esta obra o marco do pensamento socialista marxista. Nela existem teorias e categorias econômicas complexas, como mais valia, capital constante e capital variável, uma análise sobre o salário e exposição histórica sobre a acumulação primitiva. Resumindo, sobre todos os aspectos do modo de produção capitalista, incluindo também uma crítica sobre a teoria do valor-trabalho de Adam Smith e de outros assuntos dos economistas clássicos.O Livro Primeiro, O Processo de Produção do Capital, foi o único da série publicado por Marx em vida, em 1867. O Livro Segundo, O Processo de Circulação do Capital (1885) e o Livro Terceiro, O Processo Global da Produção Capitalista (1894) foram publicados postumamente por seu fiel companheiro Friedrich Engels a partir de manuscritos e anotações de Marx. Karl Kautsky editou um "quarto" livro em 1905 intitulado Teorias sobre a Mais-Valia.

 

 

 

Observação quanto ao conteúdo

 

 

 

Quem procura sobre a teoria econômica marxista consulta o livro O Capital. Porém como o seu conteúdo é volumoso e abrangente, a subsecção quanto ao conteúdo foi separada por livros, e alguns itens contêm apenas sinopse para as hiperligações que levam aos verbetes como Força de trabalho, Teoria da Abstinência, acumulação primitiva, etc. Ainda, é conveniente consultar a obra anterior que também contém parte do conteúdo que seria aglutinado pelo autor: manuscritos de 1844, Miséria da Filosofia (contém uma tabela comparando a obra econômica de Proudhon com a de Marx), Contribuição para a Crítica da Economia Política, Grundrisse. Há também resumos de O Capital preparado por outros, como a de Carlo Cafiero. Mas o mais recomendado é a leitura integral da obra (assim também recomendaram Cafiero, Julian Borchardt, Roman Rosdolsky, Rosa Luxemburgo, etc). Na empreitada de ler a obra integral muitos acabam desistindo no caminho por ser uma obra densa e difícil.

 

 

 

Preparo e livros económicos anteriores

 

 

 

Marx levou muito tempo até chegar à sua obra considerada máxima. Em 1844 escreveu os Manuscritos económico-filosóficos de 1844. Cada vez mais preocupado com os problemas económicos, escreveu e publicou Miséria da Filosofia em 1847, uma resposta preocupada com a objetividade dessa ciência (a Economia Política) ao livro Sistema das Contradições Económicas ou Filosofia da Miséria de Proudhon (que questionava a economia mas pelas inquietudes filosóficas do famoso autor anarquista).Em 1859 publicou Contribuição para a Crítica da Economia Política, que continha dois capítulos: A mercadoria e A moeda – O capital seria uma continuação desse livro, mas Marx se desentendeu com seu editor.Seus textos escritos em cadernos para rascunhar e ordenar o pensamento econômico ficaram conhecidos como as Grundrisse. O pequeno Formações econômicas pré-capitalistas é uma das obras derivadas desse volumoso trabalho, que se desdobraria (principalmente, mas não somente) nos Livros 1 a 3 de O Capital onde Marx iria expor sua teoria e no Livro 4, que seria a reunião de teorias dos outros autores comentados.Entre as várias opções de caminhos para expor suas ideias, Marx pensou publicar antes dos outros Livros o que seria o Livro 4 (para expor as falhas dos outros autores e daí mostrar as suas), em unir o conteúdo do Livro 4 ao Livro 1 (mas ficaria então demasiado grande), mas por fim decidiu expor toda sua teoria primeiro para depois mostrar a de outros autores, como forma de satisfazer o público que queria novidades no campo da economia. A vontade de escrever um livro "um todo artístico" o levou a refinar bastante o texto, acrescentando referências, e a excluir o que seria o capítulo 6 do plano inicial do Livro 1.Infelizmente o autor não pôde continuar a cuidar da publicação dos seus livros, muito embora alguns manuscritos não-publicados em resposta aos economistas marginais da época possam ser classificados como parte desta série de livros.

 

 

 

Publicação em francês e em inglês

 

 

 

Sendo o Livro 1 o único que Marx lançou em vida, também foi o único que ganhou revisões do próprio autor e alguns acréscimos ou modificações, como o que ocorreu para seu lançamento na França. O que diferencia as edições em francês e inglês é que elas têm 33 capítulos, com o mesmo conteúdo da edição original, alemã. Isso devido às subdivisões dos capítulos 4 e 24, cujas seções se transformaram em capítulos. Provavelmente isso decorre de Marx ter ouvido a sugestão dada por Maurice Lachâtre, editor da tradução francesa de O Capital, de dividir a obra em fascículos[carece de fontes] para torná-lo mais acessível aos trabalhadores. Tal procedimento de publicação permitiu que Marx fizesse uma revisão nos fascículos de forma que fez pequenas modificações à edição. Em 1872, numa carta a Danielson, tradutor russo de O Capital, Marx afirmou que seria mais fácil traduzir do francês para o inglês e outras línguas românicas.Para o preparo da 4ª edição revisada alemã de 1890, considerada a definitiva, Engels levou em conta a edição francesa e as notas manuscritas encontradas nos exemplares pessoais de Marx.A edição em inglês para os Estados Unidos, lançada pela editora Penguin no começo do século XX, já está integralmente em domínio público.Em 1973 J. Teixeira Martins e Vital Moreira, professores de Lisboa, fizeram uma tradução da edição francesa para o português.

 

 

 

Publicação na Rússia

 

 

 

Em A Tragédia de um Povo, Orlando Figes escreve:"Em Março de 1872 chegava à secretária do censor russo um volume pesado sobre economia política, escrito em alemão. O autor era conhecido pelas suas teorias socialistas e todos os seus livros anteriores tinham sido proibidos. O editor não tinha qualquer razão para esperar que este livro tivesse um destino diferente. Tratava-se de uma crítica sem compromissos ao moderno sistema fabril e apesar de a lei russa da censura ter sido liberalizada, permanecia ainda uma clara proibição para todas as obras que abordassem as "nocivas doutrinas do socialismo e comunismo" ou que pudessem "atiçar a antagonismo entre uma classe ou outra". As novas leis (de censura) eram suficientemente rígidas para proibir livros tão perigosos como o "Ética" de Espinoza, o Leviatã de Hobbes, o "Ensaio sobre a história geral" de Voltaire. No entanto, acharam eles que este magnum opus alemão - 674 páginas de compacta análise estatística- era demasiado difícil para poder ser considerado uma ameaça ao Estado. "Pode ser afirmado com segurança", concluiu o primeiro dos censores, "que muito poucos na Rússia o vão ler e menos ainda o irão compreender". E o segundo censor acrescentou que para além disso, o autor ataca o sistema de fabricação britânico, e que a sua crítica não é aplicável à Rússia, onde a "exploração capitalista" de que ele fala não é conhecida. Nenhum dos dois censores achou necessário impedir a publicação desta obra "estritamente científica". E foi assim que o "Das Kapital" foi introduzido na Rússia. Foi a primeira publicação deste livro no estrangeiro, 5 anos da primeira edição, em Hamburgo, e 15 anos antes da primeira edição em inglês." Os censores em breve reconheceram o seu erro. 10 meses depois, vingaram-se em Nikolai Poljakov, o primeiro editor russo de Marx, ao trazê-lo a tribunal e forçando-o a dissolver a sua editora.

 




A obra completa

 

 


Livro 1 - o processo de produção do capital 1867

 

 

 

 

Único dos Livros lançado em vida por Marx e que por isso se beneficiou de refinamento de estilo, melhorias entre edições, acréscimos de posfácios do próprio autor e lançamentos das versões Alemã, Inglesa, Russa e Francesa (levemente distintas, apesar da 4° edição Alemã 1893 ser considerada a versão definitiva devido às correções de Engels e Eleanor Marx e por isso comumente usadas para a tradução para outras línguas).

 

 

 

 

Livro 2 - o processo de circulação do capital 1885

 

 

 

 

Publicado após a morte de Marx, ficando a edição a cargo de Engels. A diferença no estilo dos Livros 2.° e 3.° em relação ao 1.° fazem com que alguns atribuam sua escrita a Engels. Embora os Livros 2 e 3 tenham sido dedicados à esposa de Marx, Jenny, cogitou-se [quem? Carece de fontes] dedicá-los a Darwin. Engels, no túmulo de Marx, disse que Darwin mostrou a lei do desenvolvimento da natureza orgânica, e Marx a da natureza humana. Marx afirmou diversas vezes que os Livros 2 e 3 deveriam ser dedicados à sua esposa.

 

 

 

Livro 3 - o processo global da produção capitalista 1894

 

 

 

 

Com a publicação desse 3° volume, Engels termina a tarefa de tornar pública a teoria econômica de Marx ao conjunto do sistema capitalista. Em algumas partes ele relata que teve de preencher as lacunas como um autor, mas que identificou os tais acréscimos para que não houvesse dúvidas quanto a o que Marx queria dizer. Porém críticos [quem?] disseram haver problemas e lacunas, o que ainda hoje é tema de debates e uma das maiores lamentações quanto ao fato de o autor ter morrido antes da conclusão de sua obra máxima.O problema mais comumente apontado é "o problema da transformação" - O problema da transformação se refere à relação entre valor e preço e se estende pelos três livros do Capital. O debate se tornou um dos pontos mais discutidos na economia marxista e uma solução definitiva para o problema ainda não foi encontrada, apesar dos significativos avanços ao longo do século XX sobre a questão.Rosa Luxemburgo foi uma das autoras que admiraram o Livro; ela tentou preencher algumas das lacunas de O Capital no seu livro "A Acumulação do Capital".

 

 

 

Livro 4 - Teorias da mais valia (1905)

 

 

 

Karl Kautsky, após a morte de Engels, e já no século XX, publica o 4.° Livro, que são os comentários de Marx a outros autores de Economia Política. O Livro 4 é o menos conhecido justamente por ter sido publicado após a explanação da teoria econômica marxista por Marx e Engels. Acrescente a isso o agravante de Kautsky ter optado por publicar invertendo o título e subtítulo: "Teorias da Mais-Valia - A história crítica do pensamento econômico (Livro 4 de O capital)". Por causa disso, mesmo na coleção de traduções de Sant'Anna recebeu numeração do volume em separado (os Livros 1 a 3 são divididos em volumes numerados de I a VI, e Teorias da Mais-Valia começam do Volume I ao III, quando poderiam ter sido numerados como os volumes VII, VIII e IX de O Capital).Esse material é de leitura interessante por incluir considerações sobre outras teorias do valor e de fontes que podem ter sido inspiração para as críticas dos antagonismos de classe (desde os que negavam o antagonismo, os que reconheciam mas negavam exploração de classe, os que ficavam ao lado dos oprimidos, e até mesmo os que defendiam a opressão sem dissimular), entre outras considerações não abordadas nos demais livros (como a questão do trabalho produtivo e improdutivo).

 

 

 

Capítulo VI inédito de O Capital

 

 

 

Excluído por Marx do plano de publicar junto com o Livro 1, é estudado atualmente por conter notas de transição do Livro 1 e Livro 2 (depois que a mercadoria é produzida, ela tem de circular). A numeração do Capítulo 6, excluído, mostra que a exclusão se deu antes da publicação, já que ao longo de edições a numeração e divisão do Livro em partes foi bastante mudada, provavelmente para não cansar o leitor com capítulos demasiadamente longos, um bom exemplo é o capítulo 1 da 1° edição que se transformou em parte 1, subdividido em 3 capítulos.

 

 

 

RESENHA DE O Capital de Karl Marx

 

 

 





Por meio dos livros “O capital”, o autor traz concepções como Mais-Valia, Capital Constante, Modo de produção capitalista, acumulação primitiva, etc.Com os livros, ele vai mostrar que o capitalismo é na verdade a dialética, isto é, que dentro desse sistema econômico há contradições.As inovações tecnológicas e os novos métodos de produção fazem com que os capitalistas estejam sempre inovando, e assim também a expandirem as forças de produção, também influenciadas pela pressão da concorrência.Contudo, esses desenvolvimentos forçados na produtividade presente no capitalismo levará a crises inevitáveis.Essa coletânea de livros critica o capitalismo privilegiando a visão do trabalhador, ao invés do produto capitalista. Por isso que alguns podem considerar Karl Marx um autor de ideias esquerdistas.Contudo, em obra como “Manifesto Comunista”, Karl Marx deixa claro que não via o sistema capitalista como algo danoso e antagônico as suas ideias. O capitalismo representava apenas o cenário para a realização do seu raciocínio logico de regime político econômico.Muitos analistas ainda afirmam que Karl Marx desejava ou esperava pelo colapso do capitalismo, que ele acreditava a queda do capitalismo era inevitável.Entretanto, o próprio Marx afirmava que não existem crises permanentes, que não tinha crise forte o suficiente para derrubar o capitalismo. Para Marx, os momentos de crises eram apenas soluções do momento ante as contradições.Só que teria um preço, o capitalismo não entraria em colapso permanente, uma vez que era garantido que o proletariado era quem iria pagar pela falta de emprego, e assim deteriorar os padrões de vida e condições de trabalho.Ou seja, o capitalismo ainda iria se manter vivo e os donos dos modos de produção não sofreriam com isso, apenas a classe trabalhadora. Por isso que suas obras eram voltadas para o ponto de vista do trabalhador, pois os capitalistas não seriam afetados.

 

 

 

Sobre Karl Marx

 

 

 

Karl Heinrich Marx foi um escritor, economista, sociológico, historiador e filósofo nascido em 5 de maio de 1818 e faleceu aos 54 anos, em 14 de março de 1883.Ele escreveu obras voltadas para temáticas da filosofia, sociologia, econômica, história, politica, teoria e social.As teorias de Karl Marx são voltadas para a tríade: das classes sociais que controlam os meios de produção, a classe trabalhadora que fornece a mão de obra e o Estado que deveria ser um instrumento que luta pelo interesse comum de todos. Karl Marx é um dos intelectuais mais influentes da história. Elogiado e criticado por muitos, suas ideias e teorias são usadas por muitos intelectuais, sindicatos e políticos como base de trabalho.Karl Marx, Émile Durkheim e Max Weber formam os três principais arquitetos da ciência social moderna.

 

 

 

O Marxismo

 

 

 

 

Mesmo o movimento ter sido concebido pelas ideologias de Karl Marx, o Marxismo é um sistema ideológico desenvolvido por Karl Marx e Friedrich Engels, sendo um mais tempo alterado e completado por discípulos do sistema, Trotsky, Lenin e Stalin.O marxismo é uma ideologia que faz veementes críticas ao sistema capitalista e prega pela libertação da humanidade do capitalismo para se tornar uma sociedade igualitária e sem classes, chamado de Socialismo Marxista.O Marxismo prega a ideologia de que o proletariado deveria se revoltar contra o sistema capitalista que explora o trabalhador.Contudo, uma revolução social e de ação contínua em que a principal preocupação deles seriam o que está sendo produzido, e não com a classe trabalhadora em si, tão pouco com as condições e oportunidades de crescimento.Além disso, o sistema ideológico defendia o sistema comunista como forma de governo igualitário, em que a economia beneficiasse os interesses da sociedade como um todo.Críticas ao marxismo vieram de várias ideologias políticas e disciplinas acadêmicas. Estas incluem críticas gerais sobre a falta de consistência interna, críticas relacionadas ao materialismo histórico, a necessidade de supressão dos direitos individuais, questões com a implementação do comunismo e questões econômicas como a distorção ou a ausência de sinais de preços e incentivos reduzidos. Além disso, problemas empíricos são freqüentemente identificados.A principal crítica feita ao marxismo na atualidade alega que este possui caráter simplista, seja na organização da sociedade em classes (capitalista e proletariado), seja nas diversas interpretações que Marx faz da interrelação direta entre os fatores sociais de consciência (como cultura, religião e política) e os da economia.Segundo alguns destes críticos, as razões de caráter econômico também são insuficientes para explicar fenômenos modernos como a busca do homem pelo status, ainda que este não venha a representar qualquer vantagem econômica, ou o crescimento da cultura das celebridades. Também depõem contra as ideias de Karl Marx o resultado histórico dos diversos regimes que foram influenciados pelo ideário político-ideológico do Marxismo, como a União Soviética, o regime castrista de Cuba e as chamadas "repúblicas vermelhas" do Sudeste Asiático.

 

 

 

Críticas gerais

 

 




 



1)-De acordo com Leszek Kołakowski, as leis da dialética na base do marxismo são fundamentalmente imperfeitas: algumas são "truísmos sem conteúdo marxista específico", outras "dogmas filosóficos que não podem ser provados por meios científicos", outras são apenas "absurdos". Algumas "leis" marxistas são vagas e podem ser interpretadas de maneira diferente, mas essas interpretações geralmente também se enquadram em uma das categorias de falhas mencionadas anteriormente.

 

 

 

 

2)-O economista Thomas Sowell escreveu em 1985:“O que Marx realizou foi produzir uma visão tão abrangente, dramática e fascinante que pudesse suportar inúmeras contradições empíricas, refutações lógicas e repulsões morais em seus efeitos. A visão marxista tomou a esmagadora complexidade do mundo real e fez as partes se encaixarem, de um modo que era intelectualmente estimulante e conferiu tal senso de superioridade moral que os oponentes poderiam ser simplesmente rotulados e dispensados como leprosos morais ou reacionários cegos. O marxismo foi - e continua sendo - um poderoso instrumento para a aquisição e manutenção do poder político.”

 

 

 

3)-Vladimir Karpovich Dmitriev, no seu livro "Economic Essays on Value, Competition and Utility" escrito em 1898, bem como Ladislaus von Bortkiewicz em duas de suas obras escrita em 1906 e 1907 e críticos subsequentes alegaram que a 'Teoria do valor-trabalho' e a lei de Karl Marx da 'Tendência da Taxa de Lucro a Cair' são internamente inconsistentes. Em outras palavras, os críticos alegam que Marx tirou conclusões que na verdade não seguem suas premissas teóricas. Uma vez que esses erros sejam corrigidos, a conclusão de Marx de que Preço Agregado e Lucro são determinados por - e igual a - Valor Agregado e Mais-valia não se aplica mais. Este resultado põe em causa a sua teoria de que a exploração dos trabalhadores é a única fonte de lucro. Também, há dúvidas de que a taxa de lucro no capitalismo tenderia a cair como Marx previu. Em 1961, Nobuo Okishio desenvolveu um teorema (o teorema de Okishio) mostrando que, se os capitalistas buscam técnicas de corte de custos e se o salário real não aumenta, a taxa de lucro deve subir. Críticos que alegam que Marx tem sido provado inconsistente incluem economistas marxistas e / ou sraffianos antigos e atuais, como Paul Sweezy, Nobuo Okishio, Ian Steedman,John Roemer, Gary Mongiovi e David Laibman, que propõem que a teoria marxista seja fundamentada em suas versões corretas da economia marxiana e não na forma original em que Marx apresentou e desenvolveu em O Capital.




4)-O historiador Paul Johnson escreveu: "A verdade é que mesmo a investigação mais superficial sobre o uso de evidências de Marx força a pessoa a tratar com ceticismo tudo o que ele escreveu que se baseia em dados factuais". Por exemplo, Johnson declarou: "A totalidade do capítulo VIII do livro O Capital é uma falsificação deliberada e sistemática para provar uma tese que um exame objetivo dos fatos mostrou ser insustentável".

 

 

 

5)-Em A Miséria do Historicismo (1936), Karl Popper discorda de Marx quanto à história ser regida por leis que, se compreendidas, podem servir para se antecipar o futuro. Segundo Popper, a história não pode obedecer a leis e a ideia de "lei histórica" é uma contradição em si mesma. Já em A sociedade aberta e seus inimigos (1945), Popper afirma que o historicismo conduz necessariamente a uma sociedade "tribal" e "fechada", com total desprezo pelas liberdades individuais. Popper considera Marx como "não-científico" também porque sua teoria não é passível de contestação. Uma teoria científica tem que ser falseável — caso contrário, é incluída no campo das crenças ou ideologias. Resta saber, é claro, se afirmações sobre fatos históricos, necessariamente únicos, podem ser, nos termos de Popper, falseáveis.

 



 


 

6)-Supressão de direitos individuais: Alguns teóricos liberais argumentam que qualquer redistribuição de propriedade é uma forma de coerção.Vários economistas argumentaram que um estado socialista, por sua própria natureza, corroeria os direitos de seus cidadãos. O economista americano Milton Friedman argumentou que, no socialismo, a ausência de uma economia de mercado livre levaria inevitavelmente a um regime político autoritário. A visão de Friedman também foi compartilhada por Friedrich Hayek, que ambos acreditavam que o capitalismo é uma pré-condição para a liberdade florescer em um Estado-nação.

 

 

 

7)-Implementação do comunismo como outra forma de opressão (ditadura não do proletariado, mas sobre o proletariado) - Os anarquistas sempre argumentaram que o comunismo marxista inevitavelmente levaria à coerção e ao domínio do Estado (ver: Anarquismo e Marxismo). Mikhail Bakunin acreditava que os regimes marxistas levariam ao "controle despótico da população por uma nova e não numerosa aristocracia". Mesmo que essa nova aristocracia tivesse se originado entre as fileiras do proletariado, Bakunin argumentou que seu recém-descoberto poder mudaria fundamentalmente sua visão da sociedade e, assim, os levaria a "olhar com inferioridade para as simples massas trabalhadoras".

 

 



 


 



8)- O ativista Noam Chomsky explicou brevemente sua posição sobre o marxismo, a partir de uma diretriz ideológica de esquerda que se enquadra entre o anarquismo e o populismo: “As advertências de Bakunin sobre a burocracia vermelha que instituiria o pior de todos os governos despóticos vieram muito antes de Lênin e foram dirigidas contra os seguidores de Marx. Havia, na verdade, seguidores de muitos tipos; Anton Pannekoek, Rosa Luxemburgo, Paul Mattick e outros, e eles estavam muito longe de Lênin, e suas opiniões frequentemente convergem com elementos do anarcossindicalismo. Korsh e outros, de fato, escreveram com simpatia sobre a revolução anarquista na Espanha. Há continuidades de Marx para Lenin, mas também há continuidades para os marxistas que foram severos críticos de Lenin e do bolchevismo. O trabalho de Teodor Shanin nos últimos anos sobre as atitudes posteriores de Marx em relação à revolução camponesa também é relevante aqui. O início Marx vem em grande parte do ambiente em que ele viveu, e há muitas semelhanças com o pensamento do liberalismo clássico, aspectos do Iluminismo e romantismo francês e alemão. Mais uma vez, não sou um estudante de Marx para reivindicar um julgamento autorizado. Minha impressão, no que vale a pena, é que Marx primitivo era muito mais uma figura do Iluminismo tardio, e que o Marx posterior era um ativista muito autoritário e um analista crítico do capitalismo que tinha pouco a dizer sobre alternativas socialistas.”

 

 

 

9)-Revendo posições anteriores sobre a ideia de reformismo ontológico, o historiador marxista Jacob Gorender afirma que o proletariado é ontologicamente, em si, reformista, e descarta uma teleologia na história, em sua obra Marxismo sem utopia (1999).

 

 

 

10)-A economia marxista tem sido criticada por várias razões. Alguns críticos apontam para a análise marxista do capitalismo, enquanto outros argumentam que o sistema econômico proposto pelo comunismo é simplesmente impraticável.

 

 

 

11)- A Teoria do valor-trabalho é um dos textos do marxismo mais comumente criticados.A Escola Austríaca argumenta que esta teoria fundamental da economia clássica é falsa e prefere a subsequente e moderna teoria subjetiva do valor apresentada por Carl Menger em seu livro Principles of Economics. A Escola Austríaca não foi a única a criticar a crença clássica e marxista na teoria do valor-trabalho. O economista britânico Alfred Marshall atacou Marx, dizendo: "Não é verdade que a fiação de fios em uma fábrica seja o produto do trabalho dos operários. É o produto de seu trabalho, juntamente com o do empregador e dos gerentes subordinados, e do capital empregado." Marshall aponta para o capitalista sacrificando o dinheiro que ele poderia estar usando agora para investir em negócios, o que, em última análise, produz trabalho. Por essa lógica, o capitalista contribui para o trabalho e a produtividade da fábrica porque atrasa sua gratificação por meio do investimento. Através da lei da oferta e da procura, Marshall atacou a teoria marxista do valor. Segundo Marshall, preço ou valor é determinado não apenas pela oferta, mas pela demanda do consumidor.A mão de obra contribui para o custo, mas também os desejos e necessidades dos consumidores.

 

 

 

12)-Segundo Ludwig von Mises em seu livro "Socialismo uma Análise Econômica e Sociológica:“A questão de saber se é possível assimilar diferentes tipos de trabalho a um denominador comum sem uma avaliação dos produtos pelo consumidor. É claro que o argumento que Marx sustenta neste ponto falhou.”

 

 

 

13)-Sinais de preço distorcidos ou ausentes: O problema do cálculo econômico é uma crítica à economia socialista ou, mais precisamente, às economias planificadas socialistas centralizadas. Foi proposto pela primeira vez pelo economista da Escola Austríaca Ludwig von Mises em 1920 e posteriormente exposto por Friedrich Hayek.O problema referido é o de como distribuir os recursos racionalmente em uma economia. A solução do livre mercado é o mecanismo de preço, em que as pessoas individualmente têm a capacidade de decidir como um bem deve ser distribuído com base em sua disposição de dar dinheiro por ele. O preço transmite informações embutidas sobre a abundância de recursos, bem como sua conveniência, o que, por sua vez, permite com base em decisões consensuais dos indivíduos, correções que evitam a escassez e o excedente. Mises e Hayek argumentaram que esta é a única solução possível e, sem as informações fornecidas pelos preços de mercado, o socialismo carece de um método para alocar recursos racionalmente. O debate se alastrou nas décadas de 1920 e 1930 e esse período específico do debate passou a ser conhecido pelos historiadores econômicos como o debate do cálculo socialista. Na prática, estados socialistas como a União Soviética usaram técnicas matemáticas para determinar e estabelecer preços com resultados mistos.

 

 

 

 

14)-Reduz incentivos: Alguns críticos do socialismo utópico ou igualitário argumentam que a divisão da renda reduz os incentivos individuais ao trabalho e, portanto, a renda deveria ser individualizada o máximo possível. Críticos do socialismo argumentam que em qualquer sociedade em que todos detenham riqueza igual não haveria incentivo material para o trabalho porque não se receberia recompensa por um trabalho bem feito. É argumentado ainda que os incentivos aumentam a produtividade para todas as pessoas e que a perda desses efeitos levaria à estagnação. Em seu livro Princípios de Economia Política de 1848, o influente pensador John Stuart Mill disse: “É um erro comum dos socialistas ignorar a indolência natural da humanidade; sua tendência a ser passivos, escravos do hábito, persistir indefinidamente em um curso uma vez escolhido. Deixe-os uma vez atingir qualquer estado de existência que considerem tolerável, e o perigo a ser apreendido é que daí em diante estagnarão; não se esforçarão para melhorar e, deixando suas faculdades enferrujarem, perderão até mesmo a energia necessária para preservá-las da deterioração. A competição pode não ser o melhor estímulo concebível, mas no momento é necessário, e ninguém pode prever o momento em que não será indispensável ao progresso.”

 

 

 

 

15)-O economista John Kenneth Galbraith criticou as formas comunais de socialismo que promovem o igualitarismo em termos de salários/compensações como irreais em suas suposições sobre a motivação humana:”Essa esperança, que a recompensa igualitária levaria a um nível mais alto de motivação, que se espalhou depois de Marx, foi mostrada pela história e pela experiência humana como irrelevante. Gerações de socialistas aprenderam isso com a sua decepção e, mais frequentemente, com a sua tristeza.”

 

 

 

 

16)-O marxismo tem sido criticado como irrelevante, com muitos economistas rejeitando seus princípios e suposições.Segundo George Stigler, "os economistas que trabalham na tradição marxista representam uma pequena minoria de economistas modernos, e que seus escritos praticamente não têm impacto sobre o trabalho profissional da maioria dos economistas nas principais universidades de língua inglesa".[55] Robert Solow, em uma revisão da primeira edição do The New Palgrave: A Dictionary of Economics, criticou por enfatizar demais a importância do marxismo na economia moderna. Marx foi um pensador importante e influente, e o marxismo tem sido uma doutrina com influência intelectual e prática. O fato é que, no entanto, os economistas mais sérios do idioma inglês consideram a economia marxista um beco sem saída irrelevante. Uma pesquisa nacionalmente representativa de professores norte-americanos em 2006 revelou que 3% deles se identificam como marxistas. A parcela sobe para 5% nas humanidades e é cerca de 18% entre os cientistas sociais.

 

 

 

 

17)-Inconsistência na teoria do valor -  O Matemático estatístico Vladimir Karpovich Dmitriev escrevendo em 1898,e o economista estatístico Ladislaus von Bortkiewicz escrevendo em 1906-1907, e críticos subsequentes alegaram que a teoria do valor de Karl Marx e a lei da tendência da taxa de lucro a cair, são internamente inconsistentes. Em outras palavras, os críticos alegam que Marx tirou conclusões que na verdade não decorrem de suas premissas teóricas. Uma vez que esses erros são corrigidos, a conclusão de Marx de que o preço agregado e o lucro são determinados – e são iguais ao – valor agregado e mais-valia não é mais verdadeira. Este resultado põe em causa a sua teoria de que a exploração dos trabalhadores é a única fonte de lucro. As alegações de inconsistência têm sido uma característica proeminente da economia marxista e do debate em torno dela desde a década de 1970. O economista e autor de diversos livros sobre a economia marxiana Andrew Kliman argumenta que, uma vez que teorias internamente inconsistentes não podem estar certas, isso mina a crítica à economia política de Marx e a pesquisa atual baseada nela, bem como a correção das supostas inconsistências de Marx.Os críticos que alegaram que Marx provou ser internamente inconsistente incluem antigos e atuais economistas marxistas e sraffianos, como Paul Sweezy, Nobuo Okishio,Ian Steedman,John Roemer,Gary Mongiovi e David Laibman,que propõem que o campo seja fundamentado em suas versões corretas da economia marxista em vez da crítica de Marx à economia política na forma original em que a apresentou e desenvolveu em O capital. Os proponentes da interpretação temporal do sistema único (TSSI) da teoria do valor de Marx, como Kliman, afirmam que as supostas inconsistências são na verdade o resultado de má interpretação e argumentam que quando a teoria de Marx é entendida como "temporal" e "single-system", as suposta inconsistências internas desaparecem. Em um levantamento recente do debate, Kliman conclui que "as provas de inconsistência não são mais defendidas; todo o caso contra Marx foi reduzido à questão interpretativa".



 

18)-A crítica social baseia-se na afirmação de que a concepção marxista de sociedade é fundamentalmente falha. As etapas marxistas fundamentadas na história, a análise de classes e a teoria da evolução cultural marxiana foram criticadas. O filosofo marxista Jean-Paul Sartre concluiu que a "classe" não era uma entidade homogênea e nunca poderia montar uma revolução, mas continuou a defender as crenças marxistas. Segundo o Livro Reflections on a Ravaged Century do historiador britanico Robert Conquest, Marx foi incapaz de colocar a Sociedade Asiática na relação de estágios de desenvolvimento escravocrata, feudal, capitalista, socialista, e como de efeito, a sociedade asiática estava "fora de esquema". Adiante o fragmento retirado do Terceiro volume de O Capital "Nas condições da escravidão, da servidão ou do sistema de tributos (quando se consideram as comunidades primitivas), o proprietário – por conseguinte, o vendedor do produto – é o senhor de escravos, o senhor feudal ou o Estado que recebe tributos."Entende-se que a distinção entre a comunidade primitiva e a comunidade asiática é imprecisa, e seu entendimento da estrutura do modo de produção asiática insuficiente.

 

 

 

19)-Eric Voegelin, em seu livro "Reflexões Autobiográficas" relata que, induzido pela onda de interesse sobre a Revolução Russa de 1917, estudou "O Capital" de Marx e foi marxista entre agosto e dezembro de 1919. Porém, durante seu curso universitário, ao estudar disciplinas de teoria econômica e história da teoria econômica aprendera o que estava errado em Marx. Voegelin afirma que Marx comete uma grave distorção ao escrever sobre Hegel. Como prova de sua afirmação cita os editores dos Frühschiften [Escritos de Juventude] de Karl Marx (Kröner, 1955), especialmente Siegfried Landshut, que dizem o seguinte sobre o estudo feito por Marx da "Filosofia do direito" de Hegel:“Ao equivocar-se deliberadamente sobre Hegel, se nos é dado falar desta maneira, Marx transforma todos os conceitos que Hegel concebeu como predicados da ideia em anunciados sobre fatos.”Para Voegelin, ao equivocar-se deliberadamente sobre Hegel, Marx pretendia sustentar uma ideologia que lhe permitisse apoiar a violência contra seres humanos afetando indignação moral e, por isso, Voegelin considera Karl Marx um mistificador deliberado. Afirma que o charlatanismo de Marx reside também na terminante recusa de dialogar com o argumento etiológico de Aristóteles. Argumenta que, embora tenha recebido uma excelente formação filosófica, Marx sabia que o problema da etiologia na existência humana era central para uma filosofia do homem e que, se quisesse destruir a humanidade do homem fazendo dele um "homem socialista", Marx precisava repelir a todo custo o argumento etiológico. Segundo Voegelin, Marx e Engels enunciam um disparate ao iniciarem o Manifesto Comunista com a afirmação categórica de que toda a história social até o presente foi a história da luta de classes. Eles sabiam, desde o colégio, que outras lutas existiram na história, como as Guerras Médicas, as conquistas de Alexandre, o Grande, a Guerra do Peloponeso, as Guerras Púnicas e a expansão do Império Romano, as quais decididamente nada tiveram de luta de classes. Voegelin diz que Marx levanta questões que são impossíveis de serem resolvidas pelo "homem socialista". Também alega que Marx conduz a uma realidade alternativa, a qual não tem necessariamente nenhum vínculo com a realidade objetiva do sujeito. Segundo Voeglin, quando a realidade entra em conflito com Marx, ele descarta a realidade.

 

 

20)-Roger Scruton em Budapeste (19 de Setembro de 2016). Em seu livro publicado em 1985, Thinkers of the New Left, Roger Scruton defende a tese de que uma série de estudiosos (Weber, Sombart, Böhm-Bawerk, Mises, Sraffa, Popper, Hayek, Aron entre outros) já teriam refutado todas as teorias de Karl Marx (da história, valor-trabalho, alienação, luta de classes, etc.).

 

 



20)- No âmbito brasileiro, José Guilherme Merquior foi um dos grandes críticos do marxismo. O diplomata membro da Academia Brasileira de Letras aponta que, o socialismo, em suas origens intelectuais, não era uma teoria política e sim uma teoria econômica que procurava reestruturar a indústria. O movimento foi se politizar com Karl Marx, que fundiu a crítica do liberalismo econômico com a tradição revolucionária do comunismo. Ainda de acordo com Merquior, Marx nunca valorizou os direitos civis e chegou a condená-los, vendo neles mero instrumento de exploração de classe. O marxismo, em especial regimes comunistas, sempre refletiu esse menosprezo pelos direitos de expressão, profissão, associação, etc.




CONCLUSÃO:






 

O Capitalismo é forte e persiste, porque se reinventa, aceita críticas, inclusive as do próprio Marxismo! E está sempre evoluindo. O Comunismo ao se considerar quase uma ciência exata (que não deu certo em lugar nenhum), paralisou no tempo, não aceita críticas e está fadado à lata de lixo da história como uma experiência fracassada! O capitalismo do século XIX era realmente uma coisa abominável, com um nível de exploração inaceitável! As pessoas com espírito de solidariedade e com sentimento de justiça se revoltaram contra aquilo. O Manifesto Comunista, de Marx, em 1848, e o movimento que se seguiu tiveram um papel importante para mudar a sociedade. A luta dos trabalhadores, o movimento sindical, a tomada de consciência dos direitos, tudo isso fez melhorar a relação capital-trabalho. O que está errado é achar, como Marx diz, que quem produza riqueza é o trabalhador e o capitalista só o explora. É bobagem. Sem a empresa, não existe riqueza. Um depende do outro. O empresário é um intelectual que, em vez de escrever poesias, monta empresas. É um criador, um indivíduo que faz coisas novas.A visão de que só um lado produz riqueza e o outro só explora é radical, sectária, primária. A partir dessa miopia, tudo o mais deu errado para o campo socialista.Mas é um equívoco concluir que a derrocada do socialismo seja a prova de que o capitalismo é inteiramente bom. O capitalismo é a expressão do egoísmo, da voracidade humana, da ganância. O ser humano é infelizmente isso, com raras exceções. O capitalismo é forte porque é instintivo. O socialismo foi um sonho maravilhoso, uma realidade inventada que tinha como objetivo criar uma sociedade melhor. O capitalismo não é uma teoria. Ele nasceu da necessidade real da sociedade e dos instintos do ser humano. Por isso ele é invencível! A força que torna o capitalismo invencível vem dessa origem natural indiscutível. De fato, o capitalismo, como modelo de livre-trocas entre agentes, a partir dos seus parâmetros e gostos, funciona mesmo, e foi o que tirou o mundo da miséria e da pobreza nos últimos 200 anos, elevando o nível de vida da população de maneira incomparável. O capitalismo só seria excludente na medida em que o agente econômico só tivesse o que reclamar, e nunca o que oferecer. Tal situação é exceção para a maioria dos agentes econômicos, e não a regra. Já o capitalismo é justamente o sistema econômico mais sustentável, já que sua lógica interna é a do custo da escolha econômica recair sobre o agente que age e não sob terceiros, o que induz o agente a escolher de maneira racional como agir economicamente. É o Estado e o custo socializado da escolha econômica que gera, de maneira exponencial, a insustentabilidade do uso dos bens sociais.É óbvio que um governo central com seis burocratas dirigindo um país não vai ter a capacidade de ditar rumos a esses milhões de pessoas. Não tem cabimento.No Bonde da História prevalece sempre a razão, e assim caminha a humanidade, pois não acredito em cultura e nem em ideologia de escritório, ou seja, naquelas criadas em uma sentada ou canetada por pseudo iluminados, mas naquela testada na história da humanidade com tentativas de erros e acertos e naturalmente prevalecida, pois este tal Comunismo dito científico, de científico não tem absolutamente nada, pois tudo que é científico se caracteriza pela repetibilidade em laboratório, coisa que nenhum laboratório social Comunista mundo afora em suas tentativas de implantação o fez até agora, pois tudo descambou em ditaduras sanguinárias e desumanas de esquerda.Há realmente muito pouca gente interessada em demonstrar as vantagens e, principalmente, o lado moral e ético do capitalismo. Poucos se dão conta, por exemplo, de que, no livre mercado, os indivíduos só são recompensados quando satisfazem as demandas dos outros, ainda que isso seja feito exclusivamente visando aos próprios interesses.Ao contrário de outros modelos, o capitalismo não pretende extinguir o egoísmo inerente à condição humana, porém nos obriga constantemente a pensar na satisfação do próximo, se quisermos prosperar. Além disso, para obter sucesso em grande escala, você tem de produzir algo que agrade e seja acessível a muitas pessoas, inclusive aos mais pobres, e não apenas aos mais abastados.Sob todos os aspectos o capitalismo é bem melhor do que o socialismo. Deveríamos bater mais nessa tecla de que a superioridade moral também é espantosa, e que um abismo intransponível separa um modelo baseado em trocas voluntárias de outro voltado para a “igualdade” forçada, que leva ao caos e à degradação de valores básicos da civilização. Quando você abastece seu carro, ou quando o avião aterrisa, escutamos o piloto agradecendo pela escolha da companhia aérea. Não por acaso, quando um cliente entra numa loja, a primeira coisa que ouve do vendedor é: “Em que posso ajudá-lo?”. E a última coisa que ambos dizem, depois de uma compra, é um duplo “obrigado!”. Um sinal inequívoco de que aquela transação foi vantajosa para ambos”, pois nesta relação é satisfeito o princípio: de cada um conforme a sua capacidade, e para cada um conforme a sua necessidade”.O capitalismo fortalece os laços de cooperação e cordialidade, enquanto o socialismo leva ao cinismo, à inveja e ao uso da força para se obter o que se demanda. É verdade que o capitalismo produz resultados materiais bem superiores, mas esse não é “apenas” seu grande mérito: ele é também um sistema bem melhor sob o ponto de vista moral.No capitalismo quem chega ao topo elas estão mais ligadas ao mérito individual, enquanto na burocracia socialista elas dependem de favores e coação.No socialismo, os que chegam ao topo são os piores, os mais cínicos e mentirosos, os populistas, os bandidos, os exploradores, os inescrupulosos.Vide no Brasil petista, ou na Venezuela de Chávez e Maduro, ou em Cuba.E é isso que os liberais precisam destacar com mais frequência.O empreendedorismo que é incentivado  em qualquer pais capitalista, no Brasil é uma prática quase proibitiva, pois abrir uma empresa no Brasil é algo extremamente difícil, com uma burocracia e carga tributária pesadíssima, fechar esta mesma empresa então, é quase impossível.Não é necessário essa dicotomia no capitalismo como existe no socialismo de mercado-solidariedade, muito pelo contrário, ou seja, não é da benevolência, ou solidariedade do açougueiro que a comida chega a minha mesa, mas da busca recíproca de satisfações minha e dele, ou seja não precisamos da benevolência, ou solidariedade de governos, ou empresários para ter minhas demandas atendidas, mas do mercado competitivo, é assim que devem ser satisfeitas as nossas necessidades e preferências numa economia livre.

 

 

 

 

“A economia Capitalista não é ideologia, é ciência prática e Cartesiana. Se você tem três pessoas chegando a conclusões diferentes sobre o mesmo assunto como no Socialismo, então já não é mais ciência, mas sim ideologia...” (Roberto Campos).

 

 


 

Fonte: Wikipedia






----------------------------------------------------------

 

 

 



 

 

APOSTOLADO BERAKASH: Como você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. Sempre nos preocupamos com as questões de direito autoral e de dar o crédito a quem lhe é devido. Se por acaso alguém se sentir ferido(a) em seus direitos autorais quanto a textos completos, ou parciais, publicados ou traduzidos aqui (já que não consegui identificar e contatar alguns autores(as), embora tenha tentado), por favor, não hesite em nos escrever para que possamos fazer o devido registro de seus créditos, sejam de textos, fontes, ou imagens. Para alguns, erros de ortografia e de digitação valem mais que o conteúdo, e  já invalida “todes” o texto? A falta de um “a”, de alguma vírgula, ou alguns trocadilhos, já são suficientes para não se ater a essência do conteúdo? Esclareço que levo mais tempo para escrever, ou repostar um conteúdo do que corrigi-lo, em virtude do tempo e  falta de assessoria para isto. A maioria aqui de nossos(as) leitores(as) preferem focar no conteúdo e não na superficialidade da forma (não quero com isto menosprezar as regras gramaticais, mas aqui, não é o essencial). Agradeço as correções pontuais, não aquelas genéricas, tipo: “seu texto está cheio de erros de português” - Nas próximas pontuem esses erros (se puderem e souberem) para que eu faça as devidas correções. Semanalmente faço postagens sobre os mais diversos assuntos: política, religião, família, filosofia, sociologia, moral Cristã, etc. Há quem goste e quem não gosta de minhas postagens! Faz parte do processo, pois nem todos pensamos igual. Isso também aconteceu com Jesus e com os apóstolos e com a maioria daqueles(as) que assim se expõem. Jesus não disse que só devemos pregar o que agrada aos outros, mas o que precisamos para nossa salvação! Paulo disse o mesmo ao jovem bispo Timóteo (2Tm 4,1-4). Padre, seminarista, leigo católico e catequista não devem ter medo de serem contestados! Seja fiel ao Magistério Integral da igreja! Quem disse que seria fácil anunciar Jesus e seus valores? A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 

 


 

filhodedeusshalom@gmail.com

 

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger