A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas no todo ou em parte, não significa necessariamente, a adesão às ideias nelas contidas, nem a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Todas postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores primários, e não representam de maneira alguma, a posição do blog. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo desta página.
Home » , » Sonhos, frustrações, arrependimentos e a reconciliação com a Igreja do padre guerrilheiro Ernesto Cardenal

Sonhos, frustrações, arrependimentos e a reconciliação com a Igreja do padre guerrilheiro Ernesto Cardenal

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 12 de dezembro de 2021 | 23:23

 




 

Ernesto Cardenal Martínez (Granada, 20 de janeiro de 1925 – Manágua, 1 de março de 2020) foi um escritor, sacerdote e teólogo nicaraguense. Dissidente sandinista, considerado um dos mais importantes poetas da América Latina. No ensino médio estudou no "Colegio Centroamérica de los Jesuitas" em Granada. Depois estudou na "Facultad de Filosofía y Letras" da Universidad Nacional Autónoma de México (Unam), nessa época publicou seus primeiros poemas. Depois obteve doutorado na Universidade de Columbia em Nova Iorque.Entre 1949 e 1950, viajou pela Europa. Em 1952, fundou una pequena editora de poesia denominada "El hilo azul". Em abril de 1954, participou de um movimento armado que tentou assaltar o Palácio Presidencial em Manágua, na época do regime de Anastásio Somoza (Rebelião de Abril).Em 1957, decidiu tornar-se um monge trapista no Monastério de Nossa Senhora de Gethsemani, em Kentucky (EUA), onde foi discípulo de Thomas Merton. Depois passou dois anos no Monastério Beneditino de Cuernavaca (México). Em 1961, continuou seus estudos de teologia em La Ceja (Colômbia).Foi ordenado padre em 1965 e depois ajudou a fundar uma comunidade religiosa em Mancarrón, uma ilha do arquipélago de Solentiname, no Lago Nicarágua, que se tornou um foco de resistência à ditadura dos Somoza. Em 1970, viajou à Cuba e aderiu ao marxismo, cujo ideal de uma sociedade sem classes seria semelhante, para ele, ao cristianismo das origens. Depois da comunidade religiosa, onde residia, ter sido destruída pela Guarda Nacional da Nicarágua, juntou-se à Frente Sandinista de Nacional de Libertação (FSLN), onde ficou conhecido como "El Padre", pelos jovens guerrilheiros.Em julho de 1979, com a chegada dos sandinistas ao poder, integrou a Junta de Governo como Ministro de Cultura, função que exerceu até 1987.Em 1983, durante a visita do Papa João Paulo II à Nicarágua, ajoelhou-se perante este, no tapete de recepção no Aeroporto de Manágua. Diante das câmaras de televisão, o Papa censurou Cardenal veementemente, agitando-lhe o indicador, intimando-o a abandonar o cargo de ministro. Seis anos depois, em 1985, foi suspenso "ad divinis" pelo Vaticano, que considerou incompatível a sua missão sacerdotal com o seu cargo político.Em 1994, rompeu com a FSLN.Em 2013, era um crítico do governo de Daniel Ortega apoiado pela FSLN, tendo inclusive intitulado o terceiro tomo das suas memórias como "A Revolução Perdida".Em fevereiro de 2019, o Papa Francisco retirou todas as sanções canônicas aplicadas ao Ernesto Cardenal, reintegrando-o plenamente à Igreja Católica Romana.Morreu no dia 1 de março de de 2020, aos 95 anos.A missa de corpo presente foi profanada por sandinistas, obrigando os familiares a retirarem o caixão pela lateral da catedral de Manágua. O corpo foi, em seguida, cremado e levado para Solentiname, arquipélago paradisíaco no Grande Lago da Nicarágua, onde Cardenal fundou uma comunidade de artistas, artesãos e religiosos.

 




Não deve ser fácil escolher o momento mais feliz da vida quando se tem 94 anos!

 


A reportagem é de Javier Lafuente, publicada no jornal El País, 01-03-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto




 


 



Ernesto Cardenal, poeta, sacerdote, revolucionário e agora também, vingado por alguns dos que um dia foram seus amigos, tem muito claro que o sonho do qual nunca quis despertar ocorreu no dia 19 de julho de 1979, com o triunfo da revolução sandinista. Três décadas depois, não resta nenhum resquício daqueles momentos, e a situação política da Nicarágua é mais parecida com um pesadelo do qual Cardenal não consegue se desfazer.Sua liberdade foi sendo restringida por Daniel Ortega desde que, em 1994, se desligou da Frente Sandinista de Libertação Nacional (FSLN) pela decadência autoritária que o atual presidente nicaraguense começava a tomar. Criticado e vilipendiado junto a quem, como ele, não quis seguir o caminho marcado pelo sandinismo oficialista – os escritores Sergio Ramírez, Gioconda Belli e um longo etc. –, com Cardenal foram mais adiante. “Tenho liberdade para tudo, menos para dizer o que penso em público”, lamenta-se o poeta octogenário, de caráter rude, um tanto esquivo. Sente-se sua violência ao falar de Ortega. Tenta cortar em seco qualquer pergunta sobre ele, como se estivesse a ponto de explodir frente à possibilidade de se expressar abertamente. Motivos lhe sobram, ele que é autor de "La revolución perdida". Uma das últimas vezes que criticou publicamente a situação política do seu país foi no verão passado. Acusou Ortega de “ladrão”, durante sua visita ao Paraguai, por motivo da posse do presidente Fernando Lugo. O líder nicaraguense não participou por supostos problemas em seu avião, mesmo que os movimentos feministas declararam-lhe guerra pela acusação de estupro à sua enteada Zoilamérica Narváez.Logo após, em agosto de 2008, Cardenal foi condenado a pagar uma multa de 20 mil córdobas (cerca de 700 euros) por insultar o empresário alemão Inmanuel Zerger, um crime do qual havia sido absolvido em 2005, por uma disputa de terras no arquipélago de Solentiname, onde o poeta fundou uma comunidade quase monástica em 1965 – fez isso com os cinco mil dólares que ganhou do Prêmio Nacional Rubén Darío – na qual ensinou dezenas de agricultores a ler e escrever. O juiz Daniel Rojas, próximo de Daniel Ortega, foi quem abriu o caso. O advogado de Zerger é o mesmo que, em 1998, defendeu Ortega quando este foi acusado por Zoilamérica. Cardenal não aceitou a condenação por “injustiça” e “ilegal”. Seus bens – escassos, pois doou quase tudo o que recebia durante anos à luta sandinista – foram embargados.O sacerdote conhece perfeitamente o presidente nicaraguense, mas se nega a dar sua versão de como chegou a se converter no caudilho que é hoje. Hoje não. Não pode. Não quer. “Era muito diferente. Não entendemos a mudança que ele teve”, é o único que se atreve a dizer, no plural, porque sabe que não é o único que pensa assim. Imediatamente, como se se arrependesse do que disse antes, indica: “Mas eu não tenho liberdade para falar do governo da Nicarágua pelas represálias que sempre me fizeram quando eu falei. Temos uma ditadura, e eu não posso dizer mais. Tenho que me calar”.Consciente ou não disso, o silêncio de Cardenal transmite muito mais do que toda a verborréia que possa lançar contra o seu outrora companheiro de luta. Tem medo? “Quando Franco estava vivo, não se podia viver na Espanha, sair ao exterior, dizer verdades e voltar. Eu estou nessa situação”, responde com uma sinceridade e completude à qual há pouco a se acrescentar.Apesar de tudo, o escritor, que recebeu em Madri a homenagem da Casa de América, sempre se manteve firme. Em nenhum caso se arrepende do que disse no Paraguai. “Tinha a obrigação de fazer isso. Calar teria sido um pecado”.Os que conhecem Cardenal dizem que é uma pessoa que se engrandece mais e engrandeceram mais ao atacá-lo. Ao escutar esse comentário, é uma das poucas vezes em toda a conversa que ele faz uma careta, o mais parecida a um sorriso. É momentânea. “É possível que seja assim, mas eu não gosto desse tipo de engrandecimento. Não gosto que me ataquem”, diz sinceramente.

 

 

 

 

A ponto de se completar os 30 anos da derrocada do ditador Anastasio Somoza, Cardenal rememora como se uniu ao sandinismo

 


 


 

“Foi um conselho de meu mentor [o monge trapista] Thomas Merton que a vida contemplativa não devia ser indiferente aos problemas sociais e políticos. Muito menos na América Latina, onde existiam ditaduras militares. O contemplativo, me dizia, tem que se interessar pelos problemas do seu povo. Isso fez com que eu me interessasse por tudo aquilo, mesmo que sempre tivesse uma vocação de rebeldia política”. Alguns dos jovens de sua comunidade participaram na luta armada e morreram. “Sua ausência é terrível, terrível, terrível. Alguns eram presos, e não sabíamos que haviam sido assassinados até que a revolução não triunfou. Tinha a esperança de que estivessem vivos em alguma prisão. Mas não era assim”.

 

 

 

 

Não se arrepende, “em absoluto”, de ter sido partícipe daquela revolução!

 



 

(Cristão não mata! Cristão como Cristo dá a vida)



 

“Para mim, foi muito bonita! Apoiei-a de todo o coração”! E agora, segue crendo que a luta armada é legítima? “O Papa Paulo VI disse que a revolução armada era legítima contra uma ditadura evidente e prolongada. Isso ocorre agora o mesmo na América Latina! Há meios de comunicação, partidos políticos, denúncia civil. Não há por que ir para a luta armada”.

 

 



 


 



Consolidada a revolução, sendo Cardenal ministro da Cultura, em 1983, aconteceu um dos episódios mais sonhados em sua vida política:

 

 

 

O momento em que João Paulo II, em sua chegada a Manágua, repreendeu-o publicamente. “Ele me disse: ‘Você sabe que deve regular a sua situação’, mas de uma forma muito imponente, rude. Como eu não quis responder, repetiu novamente”. Não lhe importou muito. Ele prefere recordar a visita do Pontífice pela atormentada missa que celebrou em Manágua. “Ele chegou para derrocar a revolução. Nicarágua era um país católico, com um governo de esquerda, de orientação marxista, mas apoiado pelos cristãos e pelos sacerdotes. Chegou a falar contra a revolução diante de 700 mil pessoas, um terço do país, para que o aplaudissem, o apoiassem e que a revolução caísse. Mas o povo se rebelou e lhe faltou com respeito. As pessoas gritavam: ‘Poder popular! Poder popular!’, e o Papa, ‘Silêncio!’, enfatiza. Muitos foram as conquistas da revolução para um dos maiores expoentes da Teologia da Libertação. “A derrocada da ditadura, depois a transformação do país, onde se fez um trabalho verdadeiramente voluntário, como a vacinação de todas as crianças ou a alfabetização. Essas coisas só são possíveis em uma revolução...”

 

 

 

Seu país, que em sua opinião precisa de outra revolução! Assim como para o resto do mundo, a Nicarágua deixou de ser uma referência há anos!

 



 




 

A que se deve esse desencanto pela Nicarágua? Ernesto Cardenal, agora assim, não tem dúvida, diz de um golpe só, sem pensar duas vezes: “À derrota da revolução e à traição que os que agora governam a Nicarágua fizeram dela. Aí não há nada de esquerda, nada de revolução, nada de sandinismo! O que há, é nada mais do que corrupção e ditadura! Uma ditadura fascista, familiar, de Daniel Ortega, sua mulher e seus filhos”.

 

 

 

 

Bibliografia

 

 

 

-Paul W. Borgeson. Hacia el hombre nuevo, poesia e pensamiento de Ernesto Cardenal. Londres, Tamesis, 1984.

 

 

https://elpais.com/diario/2009/03/01/internacional/1235862006_850215.html

 

 

-https://pt.wikipedia.org/wiki/Ernesto_Cardenal

 

 

-https://pt.churchpop.com/igreja-concede-o-perdao-para-padre-socialista-que-se-arrependeu/

 

 

-https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2019-02/papa-retira-sancoes-canonicas-pe-ernesto-cardenal-nicaraguense.html

 

 

 

------------------------------------------------------

 





 

APOSTOLADO BERAKASH: Como você pode ver, ao contrário de outros meios midiáticos, decidimos por manter a nossa página livre de anúncios, porque geralmente, estes querem determinar os conteúdos a serem publicados. Infelizmente, os algoritmos definem quem vai ler o quê. Não buscamos aplausos, queremos é que nossos leitores estejam bem informados, vendo sempre os TRÊS LADOS da moeda para emitir seu juízo. Acreditamos que cada um de nós no Brasil, e nos demais países que nos leem, merece o acesso a conteúdo verdadeiro e com profundidade. É o que praticamos desde o início deste blog a mais de 20 anos atrás. Isso nos dá essa credibilidade que orgulhosamente a preservamos, inclusive nestes tempos tumultuados, de narrativas polarizadas e de muita Fake News. O apoio e a propaganda de vocês nossos leitores é o que garante nossa linha de conduta. A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos as postagens e comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam necessariamente, a posição do blog. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte. Não somos bancados por nenhum tipo de recurso ou patrocinadores internos, ou externo ao Brasil. Este blog é independente, e representamos uma alternativa concreta de comunicação. Se você gosta de nossas publicações, junte-se a nós com sua propaganda, ou doação, para que possamos crescer e fazer a comunicação dos fatos, doa a quem doer. Entre em contato conosco pelo nosso e-mail abaixo, caso queira colaborar:

 




filhodedeusshalom@gmail.com

 

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

TRANSLATE

QUEM SOU EU?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado APOLOGÉTICO (de defesa da fé, conforme 1 Ped.3,15) promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim" (João14, 6).Defendemos as verdade da fé contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha a verdade, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por ela até que Ele volte(1Tim 6,14).Deus é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade. Este Deus adocicado, meloso, ingênuo, e sentimentalóide, é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomás de Aquino).Este apostolado tem interesse especial em Teologia, Política e Economia. A Economia e a Política são filhas da Filosofia que por sua vez é filha da Teologia que é a mãe de todas as ciências. “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

POSTAGENS MAIS LIDAS

SIGA-NOS E RECEBA AS NOVAS ATUALIZAÇÕES EM SEU CELULAR:

VISUALIZAÇÃO DE ACESSOS NO MÊS

ÚLTIMOS 5 COMENTÁRIOS

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger