A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , » As lições do Grito das Ruas de Junho de 2013

As lições do Grito das Ruas de Junho de 2013

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 21 de março de 2021 | 11:11

 


 

O final do primeiro semestre de 2013 foi marcante no Brasil. Ao mesmo tempo em que o país sediaria a Copa das Confederações surgiram manifestações pleiteando mudanças na condução da gestão pública. A mais notória irresignação ficou conhecida como o ”Grito dos 20 centavos”, no qual os manifestantes da cidade de São Paulo protestaram nas ruas contra o reajuste das tarifas de ônibus. Nesse contexto surgiram movimentos sociais em prol do passe livre, atuando pela redução tarifária com mobilização pela internet sobrecarregando sites e, em alguns episódios, a adoção da violência como luta. Após aquele evento, vários outros se propagaram no Brasil. Esses protestos ocorreram pelas insatisfações em vários setores da sociedade, tendo como foco reivindicações pela redução do preço do transporte coletivo, educação de qualidade, enfim, uma Democracia verdadeira e participativa. Os protestos em várias cidades brasileiras e no exterior ocorreram também pela péssima qualidade dos serviços públicos, a corrupção existente nos governos e os gastos com os grandes eventos esportivos. Os manifestantes não acreditam na política atual, nem nos políticos, e não se sentem representados no arcabouço político institucionalizado, detectando, portanto, uma crise de representação social desses grupos e uma tensão de legitimidade das instituições públicas.

 

 


Tais movimentos têm como alicerce o direito fundamental à liberdade de expressão. Parte-se primeiramente da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948, em seus artigos 19, 21 e 22.  Esta declaração se desdobrou posteriormente em normas institucionais em diferentes países. Destaca-se, neste contexto, a Convenção Interamericana de Direitos Humanos de 1969, que apresenta estas garantias em seus artigos 15 e 16. No âmbito nacional, evidencia-se o Direito de locomoção, direito de ir e vir, advindo da Constituição Federal de 1988 em seus artigos 5º, incisos IV, XV, LIV, XLI, e 220.

 

 

 

Em alguns casos, os movimentos atuam em conjunto pelas suas próprias ideologias e não pelas necessidades da massa

 

 

As manifestações se iniciam por uma única causa e depois se desdobraram em motivos diversificados. Os movimentos de 2013 não tiveram a coordenação de uma liderança central, e sua atuação era descentralizada. Suas organizações diferem de outros movimentos sociais passados onde atuaram líderes de destaque. Essa massa em busca de seus anseios às vezes se encontra com outro grupo em revoltas desordenadas e violentas, até mesmo por não terem seus pedidos atendidos, inibindo aqueles que usufruam o direito fundamental de liberdade de ir e vir e a liberdade de expressão, direitos previstos como Princípios Constitucionais.

 

 

Partindo do princípio mais amplo que é o princípio da liberdade, é indispensável conhecer e socializar os frutos dos movimentos que levam a sociedade rumo à cidadania. A principal discussão contemporânea volta-se para a questão da formação de lideranças que atualmente inexistem. É fato, a partir de experiências pretéritas que a liderança é uma das formas de mudança. E aí entra quem? A educação, enquanto componente emancipatório, pode contribuir para a formação e lideranças futuras.

 

 

Educar pressupõe o entendimento dos líderes no âmbito dos movimentos plurais, ampliando os debates sobre a democracia no Brasil apontando elementos e eventuais falhas para o seu desenvolvimento pleno. A Democracia se processa no âmbito da sociedade não atingindo o seu grau máximo por desconhecimento de uns e abusos de outros. E novamente a educação participativa e plural tem contribuições significativas. O que tem levado a população a manifestar-se é justamente a falta da Democracia que causa distorções e mazelas. No entendimento da relação entre liderança e democracia na história humana, conhecem-se os múltiplos desafios para uma reformulação dos direitos individuais e coletivos. Reivindicar sempre, mas com coesão e coerência conduz a uma nova ordem social em vista da Democracia Plena, onde o poder emana do Povo e da maioria, no respeito às justas reinvindicações das minorias, desde que estas não se sobreponham sobre os direitos da maioria.

 

 


OPINIÃO DE ESTUDIOSOS E ESPECIALISTAS

 

 

A descrença nos partidos, traço comum nos protestos que se espalharam pelo país a partir de Junho de 2013, expõe os problemas do atual modelo político brasileiro, mas também pode servir de estímulo para que surjam novas formas de representatividade, na avaliação de especialistas. Segundo sociólogos e cientistas políticos, as legendas continuarão a ser a base do sistema democrático brasileiro, mas agora têm também uma oportunidade de se renovar e reorientar suas agendas para fazer frente aos novos anseios da população.

 

 

Os pesquisadores avaliam que as manifestações podem abrir caminho para mudanças no sistema político, com o surgimento de mecanismos que permitam, por exemplo, as candidaturas avulsas - sem filiação partidária, os chamados candidatos 'independentes' - assim como a convocação de plebiscitos e o fortalecimento de entidades civis nas diferentes instâncias do poder público.

 

 

 

Em meio à recente onda de protestos no Brasil, a insatisfação com os partidos políticos têm sido recorrente nas redes sociais. Em São Paulo, integrantes de partidos políticos presentes em uma das manifestações chegaram a ser vítimas de agressões verbais e físicas. Muitos acabaram expulsos do protesto e tiveram material de campanha rasgado e até queimado.

 

 

 

"Pelas manifestações, ficou claro que a sociedade quer maior diálogo com seus representantes, e não a extinção dos partidos políticos", diz à BBC Brasil o cientista político Ricardo Ismael, da PUC-Rio. O movimento é apartidário, mas não antipartidário. Há uma necessidade urgente de que os partidos interajam mais com a sociedade, reorientando e renovando suas agendas e práticas", acrescentou.

 

 

Ismael lembra que:

 

 

As legendas são apenas "parte integrante" do regime democrático, que não prescinde da "cidadania ativa" para funcionar. A pressão da sociedade também faz parte do sistema político, afirma o acadêmico. Cabe a ela cobrar maior empenho de seus representantes. Democracia não se faz apenas com partidos."

 

 

 

O sociólogo Aldo Fornazieri, diretor da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), concorda.

 

 

Para ele, no entanto, “há uma crise de representação partidária, resultado de um distanciamento crônico e histórico entre a sociedade e seus representantes. O poder está completamente distante da sociedade, avalia Fornazieri. É preciso urgentemente uma reforma política que preveja uma maior participação popular na república."

 

 

Ele acrescenta que:

 

 

“Nesse contexto, poderiam surgir novas formas de representação política, como a eleição de candidatos independentes, sem filiação partidária, por exemplo. Eu simpatizo muito com essa ideia, pois os partidos, por si só, não conseguem refletir os interesses de todos os setores da sociedade."

 

 

Para o cientista político Paulo Baía, da UFRJ:

 

 

“Os protestos mostraram o ocaso do antigo modelo de poder e de política dos partidos. Isso não significa, entretanto, que essa legendas vão deixar de existir, observa. Pelo contrário, elas vão ter de se abrir e se oxigenar caso queiram sobreviver nos tempos atuais. As cenas que vimos contra integrantes de partidos políticos em manifestações não era essencialmente antipartidária, avalia Baía. Era contra a tentativa de os partidos se aproveitarem politicamente de um movimento como sempre fizeram ao longo da história desse país."

 

 

Já o cientista político Milton Lahuerta, professor de teoria política e coordenador do laboratório de política e governo da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Araraquara:

 

 

“Vê com preocupação o que chama de desqualificação dos partidos em meio à onda de indignação que varre o país. Há um sentimento generalizado nas ruas de indignação que passa a desqualificar partidos, o que abre o precedente para a ascensão de líderes carismáticos, afirma. A democracia não se beneficia da ruptura da sociedade com suas instituições políticas."

 

 

 

Segundo Lahuerta:

 

 

“Há um domínio da lógica econômica sobre a lógica política que, acentuado durante a globalização, ampliou o distanciamento entre a sociedade e seus representantes. O tempo da política é lento, enquanto o da economia é acelerado, especialmente com a interação dos mercados, analisa. Isso cria problemas, pois o processo político, que exige reflexão, não acompanha o ritmo das demandas da população. Precisamos, na prática, de uma participação política mais qualificada, uma vez que nossos políticos participam pouco da decisão de questões fundamentais que impactam a sociedade como um todo", acrescenta.

 

 

Lahuerta cita como exemplo dessa "desqualificação da política":

 

 

“As divergências partidárias que impedem a aprovação de projetos importantes para o país. Em vez de buscar soluções conjuntas, representantes de partidos opostos preferem trocar acusações sobre a origem dos problemas. Isso enfraquece o ideal da república, pois é um pensamento puramente eleitoreiro, conclui o cientista político.”

 

 


 

CONCLUSÃO

 

 

“Uma ideia quando surge, ela já não pode ser despensada... Há um que de imortalidade no ideal...”

 

 

 

Mesmo que ainda não tenhamos respostas definitivas, a sociedade parece que despertou. Depois de anos de uma cegueira crônica, percebeu que os sonhos que poderiam acalentar as novas gerações foram roubados.  Nesse momento de ebulição, no vazio da descrença deixado por políticos, partidos e sindicatos, faltam referências confiáveis, pessoas nas quais o povo insatisfeito possa confiar. Nessa hora de instabilidade política e emocional, o país não precisa de heróis de ocasião e dos perigosos discursos salvacionistas dos aventureiros. Para que a democracia não se afaste cada vez mais da República, as instituições precisam dar respostas rápidas. Como ninguém cria por decreto um país livre, ético, cheio de oportunidades e sem corrupção, o movimento que ganhou as ruas em Junho de 2013, e ainda em desenvolvimento, só será realmente vitorioso se conseguir fazer com que o cidadão desperte para exigir o cumprimento de seus direitos mais elementares, sem prescindir de seus deveres, pois não podemos apenas perguntar o que o nosso pais pode fazer individualmente por mim, mas o que eu individualmente posso fazer para o bem coletivo do meu pais? Queremos  ver o dinheiro da nossa alta carga de impostos bem aplicado, sem desvios, superfaturamento e roubalheira, queremos ver as obras iniciadas acabadas, atendendo ao interesse coletivo e não particulares, ou político eleitoreiros para perpetuação no poder. A alternância de poder é saudável em qualquer regime político, pois já nos diz a sabedoria popular que “políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos pelo mesmo motivo.” Pequenas mudanças podem resultar em grandes transformações. Caminhando nas ruas, o povo adormecido acordou e gritou para recobrar a consciência e romper de vez com décadas de submissão.

 

 


“Não podemos deixar morrer a utopia, porque a utopia não é de esquerda nem de direita, mas faz parte do universo humano”.

 

 

A direita não tem que ficar complexada pelo fato de a esquerda se crer utópica, nem a esquerda tem que ficar complexada se a direita também, quiser ser utópica. O Importante é que não deixemos de perseguir a utopia na sociedade, na economia e na política, mas de forma plural, porque só assim se foge ao populismo antissistema. A ausência de pluralidade, não serve a democracia, não serve o Estado de direito, não serve a Constituição e, sobretudo, não serve a humanidade que não é uniforme, mas plural.

 

 


Sei que alguns vão discordar do que vou dizer a seguir, isto é bom e enriquecedor, pois defendo o amplo direito ao contraditório e sou totalmente contra ao pensamento único, desde que seja feito com bons argumentos e não com baixarias que não levam a nada. Há realmente muito pouca gente interessada em demonstrar as vantagens e, principalmente, o lado moral e ético do capitalismo. Poucos se dão conta, por exemplo, de que, no livre mercado, os indivíduos só são recompensados quando satisfazem as demandas dos outros, ainda que isso seja feito exclusivamente visando aos próprios interesses. Ao contrário de outros modelos, o capitalismo não pretende extinguir aquele certo egoísmo dosado e sadio inerente à condição humana, mas que nos obriga constantemente a pensar na satisfação do próximo, se quisermos prosperar. Além disso, para obter sucesso em grande escala, você tem de produzir algo que agrade e seja acessível a muitas pessoas, inclusive aos mais pobres, e não apenas aos mais abastados.

 

 

Sob todos os aspectos o capitalismo é bem melhor moralmente e socialmente  que o socialismo. Deveríamos bater mais nessa tecla de que a superioridade moral também é espantosa, e que um abismo intransponível separa um modelo baseado em trocas voluntárias de outro voltado para a “igualdade” forçada, que leva ao caos e à degradação de valores básicos da civilização. Quando você abastece seu carro, ou quando o avião aterrisa, escutamos o piloto agradecendo pela escolha da companhia aérea. Não por acaso, quando um cliente entra numa loja, a primeira coisa que ouve do vendedor é: “Em que posso ajudá-lo?”. E a última coisa que ambos dizem, depois de uma compra, é um duplo “obrigado!”. Um sinal inequívoco de que aquela transação foi vantajosa para ambos”, pois nesta relação é satisfeito o princípio: de cada um conforme a sua capacidade, e para cada um conforme a sua necessidade”.

 

 

O capitalismo fortalece os laços de cooperação e cordialidade, enquanto o socialismo leva ao cinismo, à inveja e ao uso da força para se obter o que se demanda. É verdade que o capitalismo produz resultados materiais bem superiores, mas esse não é “apenas” seu grande mérito: ele é também um sistema bem melhor sob o ponto de vista moral. No capitalismo quem chega ao topo elas estão mais ligadas ao mérito individual, enquanto na burocracia socialista elas dependem de favores e coação.No socialismo, os que chegam ao topo são os piores, os mais cínicos e mentirosos, os populistas, os bandidos, os exploradores, os inescrupulosos.Vide no Brasil petista, ou na Venezuela de Chávez e Maduro, ou em Cuba. Só votar e esperar quatro anos não adianta mais para esse grupo, pois muitos jovens reivindicam participar mais ativamente da política. Querem mais formas de interferir diretamente nos rumos da ação política de sua cidade, estado ou país. Não da mesma forma que as gerações de seus pais e avós, claro.

 

 



Precisamos, urgentemente, ouvir os mais novos e construir com eles um projeto para a sociedade em que vivemos. Negar isso e buscar, novamente, saídas de cima para baixo, seja através da esquerda democrática ou da direita liberal. Não admira que quem sugere adotar as soluções de sempre são as mesmas pessoas que não entenderam o significado das manifestações de rua de 2013, ou que nada aprenderam com elas.


 

 _______________________________

 



APOSTOLADO BERAKASH: “A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.”

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger