A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , , » Não existe relação alguma entre o dom do Celibato com a homossexualidade e pedofilia

Não existe relação alguma entre o dom do Celibato com a homossexualidade e pedofilia

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 8 de dezembro de 2019 | 13:26








Mas, existe entre homossexualismo e pedofilia:



"Muitos psicólogos e psiquiatras demonstraram que não há relação entre celibato e pedofilia, mas muitos outros demonstraram que há entre homossexualidade e pedofilia" (Tarcisio Bertone)



“Não existem padres pedófilos e homossexuais, o que existem são pedófilos e homossexuais que se travestiram de padre, estes dois desvios de conduta não tem relação com o Celibato que é um dom de Deus (conf. Mateus 19,12) e como dom, jamais fomentaria o pecado, mas a santidade...” (Bento XVI)




 
(Negar a verdade é negar a Caridade que salva)






Para nós Católicos a Graça é transformante e santificante, para o protestantismo ela apenas encobre o pecado, ou seja, fazendo aqui uma analogia: no protestantismo, seria como que pela fé, se colocasse apenas uma cobertura num monte de M...A pessoa que ACEITA JESUS continua sendo um monte de M...Não é à toa que para o protestante basta a fé para ser salvo, e já dizia Lutero: “Depois de aceitares a Cristo pela fé, podes pecar a vontade, pois uma vez salvo, salvo para sempre...(Livro conversas á mesa de Lutero). No catolicismo, mesmo respeitando a interpretação protestante, não compactuamos com esta interpretação doutrinária, já para o espiritismo e gnosticismo, seria necessário uma explicação mais ampla que não cabe aqui. Com relação ao dom do Celibato e da Continência sexual, a bíblia por si só se explica:




1 Cor7,7-8: “Porque quereria que todos os homens fossem como eu mesmo sou (celibatário); mas cada um tem de Deus o seu próprio DOM, um de uma maneira e outro de outra.Digo, porém, aos solteiros e às viúvas, que lhes é bom se ficarem como eu (no celibato).”



Mateus 19,3-12: “Alguns fariseus também chegaram até Ele e, para prová-lo, questionaram-lhe: “É lícito o marido se divorciar da sua esposa por qualquer motivo?” E Jesus lhes explicou: “Não tendes lido que, no princípio, o Criador ‘os fez homem e mulher’, 5e os instruiu: ‘Por este motivo, o homem deixará pai e mãe e se unirá à sua mulher, e os dois se tornarão uma só carne’? 6Sendo assim, eles já não são dois, mas sim uma só carne. E, portanto, o que Deus uniu, não o separe o ser humano”. 7Replicaram-lhe: “Então por qual razão mandou Moisés dar uma certidão de divórcio à mulher e abandoná-la?” 8Ao que Jesus declarou: “Moisés, por causa da dureza dos vossos corações, vos concedeu separar-se de vossas mulheres. Mas não tem sido assim desde o princípio”. 9Eu, porém, vos afirmo: “Todo aquele que se divorciar da sua esposa, a não ser por imoralidade sexual, e se casar com outra mulher, estará cometendo adultério”. 10Então os discípulos consideraram: “Se estes são os termos para o marido e sua esposa, não é vantagem casar!” 11Mas Jesus ponderou-lhes: “Nem todos conseguem aceitar essa palavra; somente aqueles a quem tal capacidade é dada. 12Pois há alguns eunucos que nasceram assim do ventre de suas mães; outros foram privados de seus órgãos reprodutores pelos homens; e há outros ainda que a si mesmos se fizeram celibatários, por causa do Reino dos céus. Quem for capaz de aceitar esse conceito, que o receba”.



O fato de sermos fracos e tendentes ao pecado, não significa licença para pecar, mas para lutarmos até o sangue contra estas tendências:




Hebreus 12,4-15: “Ainda não tendes resistido até o sangue, combatendo contra o pecado...Pois aqueles por uns poucos dias nos corrigiam segundo a sua vontade, mas este nos castiga para o nosso proveito, a fim de sermos participantes da sua santidade. Toda a correção ao presente, na verdade, não parece ser de gozo, mas de tristeza; depois, porém, dá fruto pacífico de justiça aos que por ela têm sido exercitados. Por isso levantai as mãos remissas e os joelhos paralisados, e fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que é manco, não se desvie, mas antes seja sanado. Segui a paz com todos, e aquela santificação sem a qual ninguém verá ao Senhor, vigiando com cuidado para que a ninguém falte a graça de Deus; para que não haja alguma raíz de amargura que, brotando, vos perturbe, e por ela sejam muitos contaminados...”





Filipenses 2,12-16: “De sorte que, meus amados, do modo como sempre obedecestes, não como na minha presença somente, mas muito mais agora na minha ausênciaefetuai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade. Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus imaculados no meio de uma geração corrupta e perversa, entre a qual resplandeceis como luminares no mundo, retendo a palavra da vida...”



Quem não se sente capacitado a abraçar o celibato é simples: Se case, pois não é este seu chamado e vocação.A Igreja sempre auxiliada e inspirada pelo Espírito Santo que não erra, sempre fez o discernimento certo em todos os tempos.Uma das abobrinhas pregadas pelos esquerdistas e inimigos do Celibato é a velha história de que o celibato obrigatório aos padres teria sido imposto por razões econômicas. Assim, os membros do clero não teriam herdeiros que reivindicassem os bens da Igreja. Essa missiva merece umas poucas considerações antes. Inegavelmente,é de cunho amplamente marxista. Não pretendo aqui explicar todos os meandros dessa nojeira, mas preciso que vocês, caros leitores, tenham uma coisa em mente: o marxismo é uma ideologia estruturalista e seus fundamentos são todos econômicos; em poucas palavras, para o marxista tudo se reduz aos estratos econômicos, ou seja, o que importa na vida e no processo histórico é dinheiro. Acho que isso vem do fato de Karl Marx ser um pobre frustrado e patético. Pois bem, por conta dessa obsessão por dinheiro, os marxistas teimam em interpretar qualquer fato sob esta ótica. E como no feudalismo terra significava riqueza, a única razão que os seguidores de Karl Marx conseguem enxergar para o celibato está na questão econômica. MAS A IGREJA NÃO É MARXISTA! Nós não nos movemos pelos mesmos motivos. Então é uma besteira enorme tentar entender um fenômeno religioso sob o ponto de vista econômico.


O que poucos católicos sabem é que a menção mais antiga ao celibato do clero católico diz respeito ao Concílio de Elvira (295-302). Nesta época, ainda estávamos sob o IMPÉRIO ROMANO. No delírio marxista, os bispos espanhóis, provavelmente, foram em alguma cartomante para ADIVINHAR que NO FUTURO haveria o feudalismo e aí, começaram a se preparar pra ele. Talvez tenham pensado:



“Ahn Han...Quando o feudalismo chegar vamos dominar o mundo pelo celibato, e seremos milionários!”



Mas para este povinho não basta matar a cobra, tem que matar a cobra e mostrar o pau, combatendo “estorietas achológicas”, com história de verdade:



Ora a História nos confirma que  feudalismo se instalou na Europa apenas após o declínio do Império Romano, entre o final do século IV e início do V, com as invasões bárbaras. O Concílio de Nicéia, amplamente documentado, aconteceu em 325, e o terceiro dos 20 cânones estabelecidos neste concílio dizia:



Cânon III – “Nenhum deles deverá ter uma mulher em sua causa, exceto sua mãe, irmã e pessoas totalmente acima de suspeita...”



O Católico ou achologista desinformado sabia disto, ou foi pego de surpresa? Tá vendo no que dar falar sem antes dar uma estudadasinha mais aprofundada sobre qualquer tema? Infelizmente, milhares de professores e instituições esquerdopatas, por puro revanchismo ideológico, estrategicamente, não se interessam em mostrar a verdade histórica, mas a sua versão, deturpando o passado e tentando construir o presente e o futuro conforme sua doutrina. A grande verdade Histórica é que:



“São Gregório VII não criou o celibato, ele simplesmente pôs ordem na bagunça; foi o consolidador de uma longa legislação sobre o assunto que vinha desde o Concílio de Nicéia, e agiu com firmeza para salvar os princípios da Santa Igreja. Isso era muito necessário, porque o negócio estava ficando descarado, tinha bispo esfregando sua devassidão na cara dos fiéis. Culpa da Igreja? Não, mas da fraqueza dos homens”.









Quer mais uma evidência de que essa “estória” de motivação econômica para o Celibato é completamente infundada?




Ao contrário do que muita gente imagina, os padres diocesanos (que pertencem a uma diocese e não são ligados a nenhuma ordem religiosa) não têm qualquer obrigação de deixar seus bens para a Igreja. Eles não têm descendentes, é verdade, mas, não sendo filhos de chocadeira, possuem parentes tais como: pais, avós, tios, primos, que são seus herdeiros naturais. Na falta deles, ou de um testamento, quem fica com os bens é o Estado:



"Os padres diocesanos celibatários não perdem o direito de propriedade e continuam a ter herdeiros. Herdeiros não são somente os filhos, mas também outros parentes, conforme a lei civil de cada país. O patrimônio do padre diocesano é distinto do patrimônio da Igreja; não entra na categoria de “bens eclesiásticos” (conf Cân. 1257 do Código de Direito Canônico).



O padre diocesano, portanto, tem direito sim de fazer testamento e dispor livremente sobre quais serão os herdeiros dos seus bens temporais. Se não fizer testamento, a lei civil (e não o Direito Canônico) determinará quais serão os seus herdeiros, conforme o grau de parentesco. Portanto, tais bens não serão incorporados no 'patrimônio da Igreja”.




Garanto que você como a grande maioria dos Católicos que desconhecem a própria Igreja a qual pertencem, pegou-lhe novamente de surpresa, portanto, doravante não se baseie no ouvi dizer, ou em estórias e contos de fadas de pessoas ante clericais, mas estude em fontes seguras, ou tire suas dúvidas com pessoas esclarecidas da Igreja, são raros, mas procurando você acha.




O Venerável Fulton Sheen, famoso Bispo norte-americano, escreveu sua autobiografia, na qual propõe ponderações sobre o celibato:




Enfatiza o fato de que o celibato não é um truncamento, uma renúncia sem mais, mais é, sim uma troca: a troca da criatura pelo Criador, do finito pelo Infinito, do relativo pelo Absoluto (cf. 1 Cor 7, 25-35). É certo que o celibatário tem que viver neste mundo, lidando com os valores criados deste mundo, mas ele o faz com o possível desapego para poder descobrir sempre mais o Eterno presente no tempo. Quem não tem o senso de Deus, não compreende a vida una ou indivisa.


Até mesmo grandes homens religiosos não católicos, como o Mahatma Gandhi e o Secretário Geral da ONU em tempos idos, deram o testemunho de grande estima pela vida celibatária, que eles mesmos abraçaram.


O Bispo norte-americano Fulton Sheen, conhecido por seus programas de televisão, escreveu um livro autobiográfico intitulado Treasure in Clay (Tesouro dentro da Argila), no qual se encontra o capítulo 13, que propõe “Reflexões sobre o Celibato” (pp. 201-213). São páginas notáveis, das quais vão, a seguir, traduzidos alguns trechos dos mais significativos:




I. O Texto:



“Há três conselhos evangélicos: pobreza, castidade e obediência. Nem todos os três são populares do mesmo modo… Em nossos dias, não existe muita estima à obediência e à castidade. A pobreza parece ser mais valorizada não tanto como despojamento pessoal, mas como via para auxiliar a pobreza alheia – o que é realmente recomendável. A razão pela qual a castidade está em declínio, é que vivemos numa cultura sensual. A Idade Média foi uma época de fé; depois veio a Idade da Razão no século XVIII; agora vivemos na Idade dos Sentimentos. (mudamos o paradigma do penso, logo existo, para sinto, logo existo).Nos tempos da rainha Vitória, o sexo era tabu; atualmente a morte é que é tabu. Cada época tem seus próprios tabus. Creio que uma das razões para a promiscuidade sexual de nossos dias é a falta de finalidade para a vida humana. Quando dirigimos um carro e nos perdemos na estrada, geralmente passamos a dirigir com mais velocidade; assim também, quando falta o pleno sentido da vida, surge a tendência a compensá-lo com acelerações, drogas e intensidade de afetos…O celibato se torna mais difícil para quem se afasta do amor de Cristo; vem a ser então um fardo pesado… Eu poderia fazer um retrospecto da minha vida, e estou certo de que veria a minha atitude diante do celibato sempre em relação com o meu amor pessoal a Cristo. Desde que meus afetos deixam de se voltar para Ele, começam a se voltar para as criaturas. O celibato não é a ausência de afetos; é, antes, a intensidade dos afetos.Cada afeto tem um objetivo que o excita: um bloco de ouro, uma mulher, um “cacho de cabelos”, como dizia Kipling ou Cristo. Por que Jesus aceitou a Paixão e a Cruz? Porque Ele sentia um ardente afeto para com a vontade do Pai. Ele o comparou a um fogo (Lc 12, 49). Um marido que ama intensamente a sua esposa, não tem problemas de infidelidade, mas aquele que está constantemente em litígio com a esposa, põe-se muitas vezes à procura de algo melhor.Notáveis casos de celibato manifestaram-se ao público na sociedade moderna. Gandhi, por exemplo, foi um homem profundamente religioso. Ele amava os párias “intocáveis” da Índia por causa de Deus a ponto de se tornar celibatário com a idade de trinta e um anos. Com o consentimento de sua esposa, fez o voto de abraçar o celibato no resto de sua vida. Ele declarava  Ter um dharma, uma tarefa ou uma missão, que ele tinha de executar a todo preço na sua vida. Isto implicava, para ele, a prática de duas virtudes – a pobreza e o celibato. Observou o psicanalista Erik Erikson: “Ele abriu mão da intimidade sexual para entregar-se a uma mais ampla intimidade comunitária, não porque a sexualidade lhe parecesse imoral”. Gandhi mesmo explicou: “Eu quero dedicar-me ao serviço da comunidade; por isto tive que renunciar ao desejo de ter filhos e riquezas e viver a vida de Vanaprastha, isto é, de alguém dispensado dos cuidados da casa”.



Dag Hammarskjöld, mais tarde Secretário Geral das Nações Unidas, foi também alguém que acreditou no celibato porque tinha apaixonado amor a uma finalidade, ou seja, a paz entre as nações. Ele declarou “Para quem responde ao chamado do Caminho da Possibilidade, a solidão pode tornar-se obrigatória”. No seu qüinquagésimo terceiro aniversário, ele escreveu este bilhete a Deus: “Dá-me esta indispensável solidão, de modo que se me torne mais fácil entregar-Te tudo”. Sendo um homem normal, ele sentia “o desejo de compartilhar e abraçar, de ser unido e absorvido”. Mas, como Gandhi, ele afirmou:


“A solidão devida ao celibato pode levar a uma comunhão mais íntima e profunda do que aquela que se realiza entre dois corpos”.


Na Organização das Nações Unidas houve quem o escarnecesse por causa do seu celibato e o acusasse de homossexualismo. Ele jocosamente replicou aos seus detratores nos seguintes termos: “Pois que ele nunca teve outro igual, os homens chamaram anormal o unicórnio”. Tão veemente era a sua estima de fraternidade entre as nações que Dag  julgava haver muita carga a ser jogada no mar para salvar o navio.Esses dois homens (Gandhi e Dag), provavelmente sem o saber, diziam a mesma coisa que São Paulo a respeito do celibato:


“O homem não casado se entrega aos afazeres do Senhor. Todo o seu anseio é agradar ao Senhor. Mas o homem casado tem de se preocupar com os afazeres do mundo e se dedicar a agradar à esposa. Ele está dilacerado entre dois polos” (1Cor 7, 32s).


Em última análise, tudo se reduz a quanto um homem está apaixonado, a quão alto vão os ardores dos seus afetos e dos seus anseios. Se um homem é capaz de renunciar à sua liberdade para aderir à mulher que ele ama, também é possível a um homem renunciar a uma mulher por causa de Cristo. O amor no serviço celibatário sobe ou cai conforme o amor a Cristo. Quando Cristo se torna menos importante no coração  do homem, outra coisa há de sobrevir para preencher o vazio. Cristo na Cruz e Cristo na Eucaristia será sempre a pedra de toque da autenticidade do celibato. Quanto mais deixamos de responder a este Dom, tanto menos desejamos olhar para um Crucifixo, tanto menos queremos visitar o Senhor no seu Sacramento.


A libido ou o impulso sexual é um dos mais fortes instintos no ser humano. Um dos grandes erros de certas modalidades de educação sexual é de crer que, se as crianças conhecem alguns dos males que resultam  de excessos, elas se abstêm do abuso sexual. Isto não é verdade. Nenhum mortal, ao ver sobre uma porta a tabuleta “Febre tifóide”, será impelido a forçar a porta para contrair a doença. Mas, se a palavra “sexo” estiver gravada sobre uma porta, verificar-se-á um impulso para arrombar a porta e entrar.A libido tem uma finalidade muito mais ampla do que freqüentemente se supõe; ela não existe somente para o prazer; não existe somente para a propagação da espécie; não é somente um meio para intensificar a união do marido e da esposa. É também um potencial que tende à superioridade. O impulso sexual é capaz de transformar. O carvão tanto se pode tornar fogo como se pode tornar um diamante. A libido tanto pode  ser posta para fora como pode ser armazenada. Ela pode procurar união com outra pessoa de fora, mas pode também procurar união com outra pessoa que está dentro, isto, é, Deus.



Assim o celibato não é somente a renuncia à pessoa de fora, é também a concentração na pessoa que está dentro. Deus não está fora. Ele está em nós: “Hei de habitar em vós e vós  habitareis em mim” (Jo 14,20). O celibato é um transformador que multiplica a energia de dentro para a concentrar inteiramente em Cristo, que vive na alma.



Os fornicadores não acreditam que alguém possa ser celibatário:


Eles projetam o seu próprio erotismo sobre os outros. Doutro lado, os celibatários são aqueles que devem compreender a fraqueza dos fornicadores. Nós, sacerdotes, que nunca violamos o voto de celibato, somos freqüentemente interpelados nestes termos: “É muito fácil para vocês; vocês não são tentados”. Ora é justamente o contrário que acontece. O celibatário é tentado, talvez mais do que qualquer outro. A maçã do outro lado da cerca parece mais doce. Quem conhece melhor o empenho que um atacante ou um médio ou um goleiro tem que exercer numa partida de futebol: o jogador mesmo ou o espectador? Quem conhece a força do vento? Aquele que é carregado pelo vento ou aquele que pode ficar de pé e resistir? Quanto mais amamos a Cristo, tanto mais fácil é pertencer a Ele somente”.



II. Refletindo:


Fulton Sheen é muito sábio ao discorrer sobre o celibato, que ele conhece por experiência própria. Podem-se realçar três pontos na sua explanação:



1) a ênfase no fato de que o celibato não é um truncamento, uma renúncia sem mais, mas é sim uma troca: a troca da criatura pelo Criador, do finito pelo Infinito, do relativo pelo Absoluto (1Cor 7,25-35). É certo que o celibatário tem que viver neste mundo, lidando com os valores criados deste mundo, mas ele o faz com o possível desapego para poder descobrir sempre o Eterno presente no tempo.


2) Quem não tem o senso de Deus, não compreende o celibato. Pode julgar que é castração, frustração. O celibato só se entende como voltado para Deus. Por isto quem não entende o celibato, deveria abster-se de o criticar. O celibato é coisa nobre e santa, plenamente justificada aos olhos da fé. Tanto que muitos pensadores e religiosos não católicos o sabem valorizar grandemente.


3) Fulton Sheen cita, dentre os não católicos, o Mahatma Gandhi e o ex-Secretário Geral da ONU Dag Hammarskjöld. São belos testemunhos de amor ao celibato por suas palavras e sua vida. Muitos outros nomes se poderiam citar ainda, corroborando a experiência de fidelidade à vocação para a vida una e indivisa.



Apêndice



SEGUEM-SE DUAS CARTAS: a primeira publicada no jornal O GLOBO em data de 5/11/96, e a Segunda enviada ao mesmo jornal, mas não publicada. Ambas retomam e explicitam ainda a temática da vida una, levando em conta, principalmente a Segunda, o pensamento indiano:



1)- A Clássica Perspectiva Cristã:


Em vista do artigo “Os anjos querem ser homens” de Elias Mugrabi, publicado em O GLOBO de 30/10 próximo passado, página 7, e de semelhantes pronunciamentos, fazem-se oportunas algumas ponderações: Não se vê bem por que os meios de comunicação social se ocupam tanto com o celibato do clero, pressionando ao casamento aqueles que fizeram livre opção pela vida una e indivisa. Esta tem seus alicerces espirituais no Evangelho (Mt 19, 12: “eunucos por amor do Reino dos Céus”), em S. Paulo (1Cor 7, 25-35) e na Tradição cristã (basta lembrar as obras de S. Cipriano de Cartago, S. Ambrósio de Milão, S. Gregório de Nissa, S. João Crisóstomo…). Não estamos numa democracia? Ou será que a onda de pansexualismo. Que invade nossa sociedade, obceca a opinião pública, levando-a a crer que o sexo é um imperativo incoercível e não lhe permitindo ver o significado grandioso da vida totalmente consagrada ao Senhor e aos valores eternos? O insuspeito jornalista Paul Francis, em recente crônica de O GLOBO, estimava o celibato como uma das grandes prendas da Igreja Católica; o mesmo é dito por cristãos orientais, assim como por seguidores do hinduísmo. Se há falhas por parte de algumas pessoas consagradas, isto é compreensível, dada a fragilidade humana, mas não esvazia o valor da vida una. Para reconhecer este valor, basta ouvir o testemunho de tantos homens e mulheres que vivem fielmente a vida indivisa (sustentados pela graça de Deus, que nunca falta) e que encontram aí enorme fator de alegria e felicidade, porque amam profundamente a Deus e aos irmãos.- Pe. Estêvão Tavares Bettencourt O.S.B.



2)- O Enfoque Indiano e Psicológico

(Dra. Olga Sodré)


Minhas pesquisas na área da Filosofia e da Psicologia (doutorado em Filosofia Indiana, na Sorbonne, e mestrado em Psicologia, na PUC – RJ) não apenas puseram em evidência a valorização deste estado em diferentes caminhos de busca da união com Deus, como também me ajudaram a distinguir este processo dos mecanismos de repressão e sublimação estudados pela psicologia. Apenas como exemplo, na Índia, os urdhvaretas, são aqueles que canalizam sua energia sexual. Segundo a doutrina e a prática da yoga, tal energia pode ser canalizada pelo sistema nervoso para o cérebro, desenvolvendo suas potencialidades latentes destinadas à ascensão espiritual. Brahmacarya ou continência é considerado como um meio de acesso a um poder espiritual oculto, que resulta em novo vigor físico e mental: “Quando a continência se torna estabelecida, vigor é obtido. Tendo atingido vigor, o Yogui aperfeiçoa suas realizações (siddhis)” (Encyclopedia of Yoga, de Ram Kumar Rai, Prachya Prakashan Varanasi, 1982, pág. 192).Embora num sentido diverso desta busca de siddhis ou poderes espirituais, a vida de muitos santos católicos atesta o valor e grandeza da experiência humana do celibato, que longe de Ter sido patológica ou desequilibrada de suas vidas, contribui, ao contrário, para sua elevação e aperfeiçoamento como seres humanos. 







O ideal da vida una surge desde o início do cristianismo como um meio de configuração a Cristo (que é modelo  deste tipo de vida) e como uma via de realização do Amor (Agape) a Deus e aos outros seres. Neste sentido, longe de ser apenas uma privação da satisfação momentânea, a vida una é, sobretudo, a busca de uma união completa com a fonte da verdadeira satisfação… A única experiência humana semelhante, embora ainda pálida e distante pelas limitações e deformações humanas, é a experiência do estado de felicidade de uma pessoa apaixonada. 






Se muitas vezes a vida una é assim vivida, trata-se mais da dificuldade ou inadaptação da pessoa que escolheu este caminho do que do valor em si de tal opção. Embora se optou pela vida una, assim como sinais de repressão ou de sublimação envolvendo esta escolha, o processo espiritual da vida una é próprio, desenvolvendo-se em íntima relação com o Amor de Deus, no nível mais profundo do ser humano. – Olga Sodré.



------------------------------------------------------






Apostolado Berakash – Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua Igreja, grupo de oração, paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:







filhodedeusshalom@gmail.com



Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger