A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » As Contradições do bispo da TL Dom Pedro Casaldáliga

As Contradições do bispo da TL Dom Pedro Casaldáliga

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 21 de dezembro de 2019 | 21:11






1)-Adepto da teologia da libertação, adotou como lema para sua atividade pastoral:


“Nada possuir, nada carregar, nada pedir, nada calar, e sobretudo, NADA MATAR”


Porém, em 1994 apoiou a revolta de Chiapas, no México, afirmando que quando o povo pega em armas deve ser “respeitado” e compreendido.




2)- Em 1999 publicou a "Declaração de Amor à Revolução TOTAL de Cuba", que inclui MATAR POR FUZILAMENTO no Paredon, quem pensa diferente (uma postura nada Cristã e contrária a seu lema).


3)-Como todo adepto da TL  acham que só a Teologia da Libertação está certa, e todo magistério da Igreja está errado. Acha que se deve falar da Igreja que está em São Félix do Araguaia, assim como se fala da Igreja que está em Roma, no mesmo nível.


























4)- Apresentou sua renúncia à Prelazia, conforme o Can. 401 §1 do Código de Direito Canônico, em 2005. No dia 2 de fevereiro de 2005 o Papa João Paulo II aceitou sua renúncia ao governo pastoral de São Félix. Mesmo depois da renúncia, continuou militando, e afirmando por exemplo que o governo Lula gosta mais dos ricos do que dos pobres, apoiando o MST e a Via Campesina e suas invasões violentas. Apesar de aceitar fazer parte dele e ser parte dela,está sempre criticando a hierarquia da igreja que deveria se abrir ao diálogo (desde que seja para concordar com ele, claro) em lugar de excomungar e proibir, defendendo a ordenação de mulheres, e apesar de ser celibatário, fica afirmando ser contra o celibato sacerdotal.



5)- Sobre as tensões havidas com o Vaticano para a nomeação do seu sucessor, Dom Pedro fez questão de não deixar dúvidas a respeito: "Algumas semanas atrás, o núncio Lorenzo Baldisseri enviou um bispo para me perguntar onde eu iria, porque se eu ficasse em São Félix, causaria um constrangimento ao novo bispo...Não posso deixar de dizer que sou contra o sistema atual de nomeação de bispos que é secreto e autoritário, que não respeita a opinião das igrejas locais...(Esquece a Igreja não é uma democracia, mas Teocracia).Em setembro de 2011 Dom Leonardo Ulrich Steiner foi transferido para a Arquidiocese de Brasília como bispo auxiliar. Para a Prelazia de São Félix foi nomeado Dom Adriano Ciocca Vasino.


6)- O Anel de Tucum usado e propagado por Dom  Pedro Casaldáliga é um anel feito da semente de tucum, uma espécie de palmeira nativa da Amazônia. É utilizado por algumas pessoas(não todas), como símbolo do suposto compromisso da opção preferencial da Igreja pelos pobres. O anel tem sua suposta origem no Império do Brasil, quando jóias feitas de ouro e outros metais nobres eram utilizados em larga escala por membros da elite dominante para "ostentarem" sua riqueza e poder.Os negros e índios, não tendo acesso a tais metais, criaram o anel de tucum como um símbolo de pacto matrimonial, de amizade entre si, e também, de resistência na luta por libertação. Era um símbolo clandestino, cuja linguagem somente eles compreendiam e sabiam seu real significado,o qual a TL tomou e adaptou para si, com simbologia própria,porém nem tão fiel a inicial.O Anel de tucum foi tema de documentário homônimo dirigido por Conrado Berning em 1994. No filme, o bispo católico Dom Pedro Casaldáliga, um dos entrevistados, explica da seguinte maneira a utilização do anel:






“Este anel é feito a partir de uma palmeira da Amazônia. É sinal da aliança com a causa indígena e com as causas populares. Quem carrega esse anel significa que assumiu essas causas e as suas conseqüências. Você toparia usar o anel?... Olha, isso compromete, viu? Muitos, por causa deste compromisso foram até a morte..." (e infelizmente mataram também, como em Araguaia, porém, o verdadeiro Cristão a exemplo de Cristo, não mata, mas dar a vida).









Embora o anel de tucum, tenha sido originalmente criado para simbolizar o matrimônio entre escravos e índios, atualmente, em meios cristãos de caráter progressista, o anel é usado para representar a preocupação com as causas populares.Católicos mais tradicionalistas por sua vez, são resistentes ao seu uso especialmente devido a forte ligação entre os usuários do anel de tucum e a teologia da libertação de caráter ideológico Marxista, e consideram que este anel "é uma ostentação de pobreza. E ostentar virtude é vaidade que anula toda virtude. Usar isso, para demonstrar amor aos pobres,é mais demagogia do que virtude. Se alguém é realmente pobre, deve praticar essa pobreza e o desprezo das riquezas, sem ostentação, porque se não é pura vaidade e desejo de ser considerado pobre e bom. Isso é orgulho mascarado de pobreza”. O anel de tucum na mão de um Bispo repetimos: é uma ostentação de pobreza. E ostentar virtude é vaidade que anula toda virtude.Usar isso, para demonstrar amor aos pobres, é mais  demagogia do que virtude, pois se alguém é realmente pobre, deve praticar essa pobreza no desprezo das riquezas, sem ostentação, porque se não é pura vaidade e desejo de ser considerado pobre e bom. Um Bispo é um sucessor dos Apóstolos, e quem é elevado pelo Papa a tão grande honra, deve saber distinguir entre o seu cargo como função episcopal, e a sua pessoa, como indigna, servo inútil e pecador.Enquanto Bispo, ele deve compreender que deve ser indigno de tal honra, usar todos os símbolos de sua honra apostólica numa atitude de humildade e obediência.





Porém, o bispo enquanto pessoa, ele deve ter sempre diante de seus olhos, o seu pouco valor pessoal para tão alta honra. Quando o Bispo pensa que o anel episcopal é dele, enquanto pessoa individual, isso é sinal de que ele se esqueceu da dignidade altíssima de seu encargo apostólico. E isso é um grande mal. É exatamente isso que faz o Bispo que ostenta o anel de tucum, porque julga que o anel é para ele, destacando-o enquanto pessoa, esquecendo-se de sua missão de Apóstolo e pastor do rebanho sem acepção de pessoas(pobres,ou ricos), pois o mesmo Cristo que levou seu amor e salvação aos pobres, levou também aos ricos como Zaqueu,Nicodemos e José de Arimatéia. São Roberto Belarmino, que era Cardeal Arcebispo de Milão, e Príncipe, usava roupas e carruagens magníficas. Mas, no assento de sua carruagem, colocava escondidamente pontas de aço, para fazer penitência "ocultamente" em todo o percurso em carruagem dourada,para lembra-lo sempre de quem ele era (servo inútil e miserável pecador), apesar do cargo.




“Desde que este encargo, do qual tenho de dar apertadas contas, me foi posto sobre os ombros, sempre me perturba a preocupação com esta dignidade. Que se há de temer neste cargo, a não ser que mais nos agrade aquilo que é arriscado para nossa honra do que aquilo que é frutuoso para vossa salvação? Aterroriza-me o que sou para vós; consola-me o que sou convosco. Pois para vós sou bispo; convosco, sou cristão. Aquele é nome do ofício recebido; este, da graça; aquele, do perigo; este, da salvação. Enfim, somos sacudidos, como por mar encapelado, na tempestade das decisões a tomar; mas, recordando-vos daquele por cujo sangue fomos remidos, entramos no porto da tranquila segurança deste pensamento; e trabalhando sozinhos neste ofício, descansamos no comum benefício. Se, portanto, mais me alegra ter sido remido convosco do que ser vosso prelado, então, como o Senhor ordenou, serei ainda mais vosso servo, para não me mostrar ingrato diante do preço pelo qual mereci ser vosso companheiro de serviço. Tenho de amar o Redentor e sei o que disse a Pedro: Pedro, tu me amas? Apascenta minhas ovelhas (Jo 21,17). E isto uma vez, duas vezes, três vezes. Questionava-se o amor e impunha-se o trabalho, porque onde é maior o amor, menor o trabalho. Que retribuirei ao Senhor por tudo quanto me concedeu? (Sl 115,12). Se eu disser que retribuo por apascentar suas ovelhas, também isto faço, não eu, mas a graça de Deus comigo (1Cor 15,10). Onde então serei retribuidor, se em toda parte me antecipam? No entanto, porque amamos gratuitamente, porque pastoreamos as ovelhas, queremos a paga. Como se fará isto? Como podem combinar-se? Amo gratuitamente para apascentar, e: Peço a recompensa porque apascento? De modo nenhum! De modo nenhum pediria o pagamento daquele que é amado gratuitamente, a não ser porque o pagamento é aquele mesmo que é amado. Se retribuímos a quem nos remiu, apascentando suas ovelhas, que retribuição lhe daremos por nos ter tornado pastores? Pois maus pastores, livre-nos Deus, infelizmente o somos; bons, valha-nos Deus, só o podemos com a sua graça. Por isto também a vós, meus irmãos, prevenimos e rogamos a Deus que não recebais em vão a graça de Deus (2 Cor 6,1). Tornai frutuoso vosso ministério. Sois plantação de Deus (1 Cor 3,9). Recebei de fora quem planta e quem rega; por dentro, aquele que dá o incremento. Ajudai-nos, não só rezando, mas obedecendo; para que nos maravilhe não tanto estar à vossa frente quanto o vos ser útil”.(Dos Sermões de Santo Agostinho, bispo – sermo 340,1:PL 38,1483-1484) – Séc V)




Diante deste belíssimo,espiritual, rico e profundo texto de Santo Agostinho, peçamos ao Senhor que nos ajude a sermos sempre mais fiéis a seguí-lo e disponíveis ao seu serviço,na gratuidade, no amor, e sem ostentação, mas em humildade e verdade, como servos inúteis, pois nada fazemos para o nosso Senhor Jesus, além daquilo que é nossa obrigação:





Lucas 17,7-10: “E qual de vós terá um servo a lavrar ou a apascentar gado, a quem, voltando ele do campo, diga: Chega-te, e assenta-te à mesa?E não lhe diga antes: Prepara-me a ceia, e cinge-te, e serve-me até que tenha comido e bebido, e depois comerás e beberás tu?Porventura dá graças ao tal servo, porque fez o que lhe foi mandado? Creio que não.Assim também vós, quando fizerdes tudo o que vos for mandado, dizei: Somos servos inúteis, porque fizemos somente o que devíamos fazer...”




O fanatismo ideológico desses prelados os leva a ver o cisco no olho alheio e a não perceber a trave no próprio. “Até a religião é utilizada”, afirmam eles incautamente, “para manipular sentimentos e crenças, provocar divisões, difundir o ódio, criar tensões”, como se não fosse precisamente isso que fizeram durante décadas por meios das CEBs e das pastorais de apoio às atividades incendiárias dos movimentos ditos “populares”.Por terem sido esses prelados os responsáveis em promover, durante décadas, a luta de classes e o comunismo, são eles que se fazem merecedores da apóstrofe que dirigem ao presidente Bolsonaro e ao seu Governo: “Como não ficarmos indignados diante do uso do nome de Deus e de sua Santa Palavra, misturados a falas e posturas preconceituosas, que incitam ao ódio, ao invés de pregar o amor, para legitimar práticas que não condizem com o Reino de Deus e sua justiça?



Paradoxalmente, os principais responsáveis pela perda de fiéis católicos e pelo crescimento dessas igrejas pentecostais, tão atuantes na política, foram esses mesmos bispos da “esquerda católica”, que hoje se queixam do resultado de seus próprios desatinos.


Os próprios protestantes não hesitam em reconhecer que seu crescimento exponencial se deu no período em que a corrente desses prelados, adeptos da Teologia da Libertação, dirigia a CNBB. Ao apoiarem o PT, o MST e outros movimentos de esquerda, conferindo um viés político às suas pastorais, esses bispos católicos desagradaram milhões de fiéis que, sentindo-se órfãos de uma verdadeira assistência religiosa, migraram para as seitas protestantes.Em 2001, o então líder da Convenção Batista do Brasil, o pastor Nilson Fanini, resumiu para a revista americana Time1em um comentário, ao qual não falta uma nota de sarcasmo, como e por qual motivo isso se deu:


A Igreja Católica optou pelos pobres, mas os pobres optaram pelos evangélicos”. Por quê? Simplesmente porque “essas pessoas estavam famintas de algo mais do que simplesmente comida; os evangélicos supriram melhor as necessidades emocionais e espirituais do povo”, afirmou para a mesma revista o Sr. Henrique Mafra Caldeira de Andrada, diretor do programa protestante no Instituto de Estudos Religiosos de Rio de Janeiro.



Em nome da interpretação marxista da “opção preferencial pelos pobres”, feita pela Teologia da Libertação, as conferências episcopais da América Latina deram apoio à agenda revolucionária de esquerda. O resultado foi o abandono de milhões de almas, sobretudo das pessoas mais simples, nas mãos dos pastores protestantes.Um estudo do Conselho Episcopal Latino-Americano—CELAM revelou, no fim dos anos 1990, que, já naqueles anos, 8.000 latino-americanos abandonavam a Igreja Católica por dia e passavam para os evangélicos!2Em apenas quatro décadas — levando-se em conta o crescimento populacional do Brasil —, essa mal interpretada “opção preferencial pelos pobres” de viés esquerdista fez com que os protestantes ganhassem 30 milhões de adeptos e a Igreja Católica perdesse mais de 50 milhões de fiéis, para eles ou para as diversas seitas, ou até para a irreligião.Essa é a triste evidencia dos fatos. Ela é uma prova flagrante de que foi por terem apoiado correntes revolucionárias e demagógicas que muitos prelados levaram a Igreja Católica a ser desacreditada junto aos pobres e aos excluídos. Os mesmos “excluídos” que esses bispos ‘foice e martelo’ dizem querer libertar!É preciso ficar claro, à maioria conservadora do público brasileiro, que essa posição minoritária não corresponde à dos bispos do Brasil.A mais importante reforma que o Brasil tanto necessita – e que espera ver encampada por seus bispos – é a moral:


Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas (sociais) vos serão dadas em acréscimo.” (Marcos 6,33).





Humanum fuit errare, diabolicum est per animositatem in errore manere”.[3]














Infelizmente muitas vezes ao cumprirmos com o nosso dever para o exercício da virtude da justiça, tão necessária e tão falada nos dias de hoje, o fazemos por vanglória, para parecer perante os demais como um cidadão bonzinho, que ajuda os pobres e luta por justiça. 



Políticos praticam esse ato com intuito de ganhar a atenção e consequentemente os votos. E ganham! Todavia, Jesus nos ensina que diante de Deus esse tipo de procedimento contraria a vontade do Pai. Ele está nos céus. De lá nos vê, nos ouve e sabe as reais intenções de nossas ações, se por gratuidade sem esperar nada em troca, ou se por outros interesses ideológicos atrelados e estranhos ao próprio evangelho. 



Desnecessário é, portanto, fazer propaganda de um ato de justiça e ou de caridade, com objetivo de mostrar ao povo seu lado humanitário e “bonzinho”, pois bom só Deus. Guardemos de fazer as nossas obras de justiça diante dos homens para aparecer, mas também, isto não significa deixar de fazer obras que ajudem a mudar a vida de pessoas necessitadas. Mas sim, deixar de se apresentar em público fazendo comparações por suas obras de justiça dizendo: “Somente eu e meu grupo fazemos e defendemos a justiça e a caridade aos pobres, os outros não fazem nada, somente nós é que fazemos...” 



Uma coisa é certa, pelo alerta do próprio Cristo, esse tipo de procedimento não agrada a Deus, muito pelo contrário, é criticado e condenado.Assim como, decerto, doar com intuito de descontar o dinheiro do Imposto de Renda, por mais nobre e justo que seja, não agrada ao governo. Porque o erário deixa de receber o dinheiro, que seria usado na melhoria da vida de muitas outras pessoas pobres. Jesus disse que se mostrarmos aos homens que somos bonzinhos porque fazemos justiça e caridade aos pobres para sermos vistos, não teremos recompensa junto ao nosso Pai, que está nos céus. Isto, repito, porque Ele vê e sabe as reais intenções de tudo o que fazemos. 



O importante, portanto, é guardar bem dentro de nosso coração as palavras de Jesus. Isto é, façamos nossas obras de justiça e caridade como a própria Igreja nos ensina, em segredo, sem tocar trombetas, pois a Igreja Católica, apesar de ser uma das maiores organizações que pratica a caridade no mundo, não usa isto como marketing para se promover e passar bom boazinha, pois importa é que a sua mão esquerda, não saiba o que sua mão direita fez.

































QUAL O MAIOR DESAFIO DA IGREJA HOJE ?




“Certamente, a Igreja já fez, está fazendo muito no campo social, e precisará fazer mais ainda. Mas, é preciso que fique claro: não é essa a missão originária, "própria” da Igreja, como repete expressamente o Vaticano II (cf. GS 42,2; e ainda 40,2-3 e 45,1). A missão social é, antes, uma missão segunda, embora derivada, necessariamente, da primeira, que é de natureza "religiosa”. Essa lição nunca foi bem compreendida pelo pensamento laico. Foram os Iluministas que queriam reduzir a missão da Igreja à mera função social. Daí terem cometido o crime, inclusive cultural, de destruírem celebres mosteiros e proibido a existência de ordens religiosas, por acharem tudo isso coisa completamente inútil, mentalidade essa ainda forte na sociedade e até mesmo dentro da Igreja. Agora, se perguntamos: Qual é o maior desafio da Igreja?, Devemos responder: É o maior desafio do homem: o sentido de sua vida. Essa é uma questão que transcende tanto as sociedades como os tempos. É uma questão eterna, que, porém, hoje, nos pós-moderno, tornou-se, particularmente angustiante e generalizada. É, em primeiríssimo lugar, a essa questão, profundamente existencial e hoje caracterizadamente cultural, que a Igreja precisa responder, como, aliás, todas as religiões, pois são elas, a partir de sua essência, as "especialistas do sentido”. Quem não viu a gravidade desse desafio, ao mesmo tempo existencial e histórico, e insiste em ver na questão social "a grande questão”, está "desantenado” não só da teologia, mas também da história.”- ( Frei Clodovis M. Boff).




Por fim, não nos esqueçamos, o demônio e suas artimanhas se esconde tanto na exaltação de uma falsa luz (II Cor 11,14) que deve iluminar a todos (Mateus 5,16), como também, na falsa humildade (Lucas 18,9-14) camuflada de exaltação no serviço ao pobre.



REFERÊNCIAS:


[1]http://content.time.com/time/magazine/article/0,9171,156277,00.html

[2]https://www.ncronline.org/blogs/all-things-catholic/dramatic-growth-evangelicals-latin-america

[3] Sermões 164.14.

-----------------------------------------------------




Apostolado Berakash – Trazendo a Verdade: Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:



filhodedeusshalom@gmail.com




Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger