A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » O discurso histórico e revolucionário de Dom Mariano, por ocasião do legítimo e justo recebimento do título de “Professor Honoris Causa”, dado pela UERN

O discurso histórico e revolucionário de Dom Mariano, por ocasião do legítimo e justo recebimento do título de “Professor Honoris Causa”, dado pela UERN

Written By Beraká - o blog da família on sexta-feira, 14 de dezembro de 2018 | 11:13

(D. Mariano Manzana - Bispo da Diocese de Mossoró-RN)




O discurso de agradecimento de Dom Mariano durante as comemorações dos 50 anos da UERN na Assembleia Universitária realizada em 28 de setembro de 2018 na cidade de Mossoró-RN, por ocasião da entrega do título de Professor Honoris Causa a este mesmo Bispo Diocesano. Ao agradecer o título recebido, o bispo fez um discurso de agradecimento que se torna doravante, um dos documentos mais importantes para o reconhecimento da UERN como uma instituição que contribui decisivamente para o desenvolvimento social e econômico do Rio Grande do Norte. Reproduzo este discurso aqui na íntegra, pois a sua difusão contribui para dar conhecimento e esclarecer à sociedade civil sobre a real importância da manutenção desta universidade, bem como o verdadeiro papel da academia na sociedade.




DISCURSO DE AGRADECIMENTO À UERN


Magnífico Reitor Professor Doutor Pedro Fernandes Ribeiro Neto, Excelentíssima Senhora Prefeita Doutora Rosalba Ciarlini Rosado,Digníssimas autoridades executivas, legislativas, judiciárias, acadêmicas, culturais, militares e civis, aqui presentes ou representadas,Nobres professores e servidores técnico-administrativos, Distinto corpo discente...


Senhoras e senhores,



“Segundo os historiadores, a Academia nasceu à sombra dos mosteiros e conventos. Também não foi diferente no Brasil. No dia 11 de agosto de 1827, o Imperador Dom Pedro I assinou um decreto imperial, criando dois cursos de Direito: um em Olinda (PE) e o outro em São Paulo (SP). A Faculdade de Olinda foi instalada no Mosteiro de São Bento. Acredita-se que a cidade pernambucana foi credenciada por conta do Seminário de Olinda, fundado pelo bispo Azeredo Coutinho, em 1789, cuja excelência das disciplinas ministradas sinalizava um esboço do ensino superior. A Faculdade de Direito de São Paulo nasceu no Convento de São Francisco, no largo do mesmo nome, berço de tantos luminares e renomados juristas. Até então, nossos estudantes cruzavam o Atlântico para estudar na secular Universidade de Coimbra. Por causa da independência, os brasileiros passaram a ser discriminados pelos cidadãos da antiga metrópole.




A Universidade, criação medieval, nasceu embalada pelo som dos sinos abaciais, enquanto síntese do divino e do profano, do transcendente e do imanente, do douto e do popular. Não foi de outro modo no Rio Grande do Norte e neste rincão de Santa Luzia. Despontara assim o ensino superior com o intuito de preservar a nossa cultura, abrir horizontes e contribuir para a solidificação de nossa verdadeira identidade. A Academia surge com a missão de pensar a brasilidade, partindo de problemas reais, contextualizada num momento de hostilidade social e política, bem como menosprezo ao nosso povo. Pode-se verificar que a Academia irrompe como resposta aos anseios dos jovens e luz para uma nova sociedade.



A Igreja, de um modo ou de outro, sempre abrigou a Academia. Nosso estado segue esta tradição. É importante enfatizar o pioneirismo da Escola de Serviço Social de Natal, uma marca da Igreja. Em Caicó foi semelhante. Ali, o Centro de Estudos Superiores do Seridó – CERES, órgão vinculado à Universidade Federal do Rio Grande do Norte – UFRN foi acolhido e instalado no momento de sua criação pela diocese seridoense, no antigo prédio do Seminário Cura d´Ars. Vale lembrar que na instalação daquela unidade da UFRN, a Igreja se fez também presente na pessoa de uma religiosa e cinco sacerdotes concursados como docentes, dentre os doze que compunham o clero diocesano da época. Nesta Terra de Santa Luzia, a Universidade nasceu sob as bênçãos de sua padroeira e da Igreja. A presença marcante de nossos presbíteros foi decisiva para a criação da Fundação Universidade Regional do Rio Grande do Norte, precursora da atual UERN. Não há como esquecer o professor João Batista Cascudo Rodrigues e o prefeito Raimundo Soares de Sousa, que desde o primeiro momento contaram com as bênçãos e o apoio marcante dos padres Sátiro, Américo, Alfredo, Raimundo Gurgel, José Freire, Francisco Sales, Hamilcar e Alcir, José Nobre, Edson Cabral e Raimundo Oswaldo. Mais de um terço de nosso clero estava no nascedouro da Universidade Regional do Rio Grande do Norte e estão entre os pioneiros desta importante instituição universitária, como docentes fundadores.



Ficarão gravados o brilho, o empenho e a dedicação de nosso ícone maior da educação, o abnegado apóstolo do ensino de qualidade, nosso querido Padre Sátiro Dantas Cavalcanti. Por seus esforços, enquanto reitor, a UERN foi estadualizada e devidamente reconhecida pelo Ministério da Educação pela Portaria Ministerial 874/93, posteriormente credenciada ex-vi do Decreto 24.748/2014, assinado pela eminente mossoroense Dra. Rosalba Ciarlini Rosado, quando governadora do estado e recredenciada recentemente pelo Decreto Nº 27.902/2018, como determinam as normas vigentes.



A Universidade tem uma grande responsabilidade e seu papel é relevante perante a sociedade. Importa citar dentre tantas realizações, a formação dos educadores das instituições de ensino públicas e privadas, de nível fundamental e médio deste estado. Os licenciados, diplomados pela UERN atingem mais de oitenta por cento dos graduados que compõem a nominata dos professores listados em processos que visam à autorização de cursos localizados no oeste potiguar e tramitam na Secretaria de Estado da Educação e da Cultura e no egrégio Conselho Estadual de Educação. É oportuno lembrar que os primeiros cursos de Medicina e Odontologia, em cidades do interior do Rio Grande do Norte, longe da Capital, foram criados e continuam ministrados pela UERN.



Dados do INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA e do FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA – FBSP informam que, em 2017, ocorreram no Brasil mais de 60.000 homicídios, estando os jovens entre as principais vítimas. Em cada dez pessoas assassinadas no mundo, uma é brasileira. Dentre várias causas, os especialistas apontam a baixa escolaridade. OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA DO RIO GRANDE DO NORTE – OBVIO registrou, em 2017, neste estado, 2408 mortes oriundas de condutas letais intencionais, das quais 90% são jovens. Neste cenário triste e desumano, surge a UERN como um farol de esperança. No ano passado, ela diplomou cerca de 1.500 alunos, tornando-os aptos à inserção no mercado de trabalho, contribuindo assim para diminuir a nefasta estatística das mortes. É importante que isto seja registrado. Segundo análises analisadas, o graduado de nível superior tem 40% a menos de chance de ser vítima da violência. Cabe afirmar que a educação torna-se um dos antídotos contra essa realidade deletéria.



A Universidade deve ser a transmissora da ética e da liberdade. Liberdade para pensar, criar, ensinar, criticar e construir. Não se pode esquecer que ela lida com o saber. E este é livre. No entanto, procura-se, não raro, encarcerar a Academia nos grilhões das ideologias e de outros interesses alheios à missão acadêmica. Já no Estado Novo, ao ser promulgado o estatuto do magistério superior, afirmava-se a imprescindível autonomia universitária, como expressão da liberdade. Ela é inarredável para que possa exercer plenamente suas funções e cumprir sua autêntica vocação. Autonomia entendida não como privilégio ou soberania, e sim como prerrogativa de responsabilidade e criatividade, independência e distância de tudo aquilo que busca manipular o pensar e o saber.



A UERN foi pioneira na tarefa de interiorizar o ensino superior. Já no ato de seu reconhecimento, há vinte e cinco anos, contava com Campi situados em Assú, Patu e Pau dos Ferros, demonstrando compromisso com as comunidades mais distantes, sequiosas do saber e do fazer. Vale enfatizar que a UERN, ao longo desses cinquenta anos de história de educação, tem procurado ir até o povo. Vem provando a sua responsabilidade social de Universidade para todos. Assim, a Igreja de Mossoró deseja agradecer. E nosso agradecimento é proferido também em nome de todos os que hoje são homenageados com diversas distinções.



Sabe-se que a sociedade hodierna vive momentos de transformação decorrentes da necessidade de compatibilizar ou mudar valores de uma ordem mundial em transição, na chamada Era do Saber, da Informação e Automação. Neste contexto, a Academia não é exceção. Há um consenso sobre a importância da Universidade para o desenvolvimento de nosso país, não obstante os custos das atividades relacionadas diretamente com a produção do saber inovador. A visão de Universidade secular – à qual cabe proteger o conhecimento, a ciência e a pesquisa – tem sido confrontada com outra. E segundo ela, a Universidade seria uma instituição criada para atender às demandas de uma sociedade impulsionada cada vez mais pela economia de mercado. Mesmo diante de tais pressões, a UERN tem procurado exercer sua vocação histórica e manter a liberdade de pensar e gerar novos conhecimentos, que lhe são característicos. Assim, participa da efetiva melhoria da qualidade de vida dos habitantes do oeste potiguar e parte de outras regiões norte-rio-grandenses. O custo operacional das atividades da UERN e a crescente complexidade da produção científica têm obrigado nossa Universidade a refletir sobre a necessidade da elaboração de um novo projeto acadêmico, político e administrativo para assegurar os recursos públicos, que garantam seu funcionamento adequado e justo. Manter a identidade da Universidade – enquanto propicia efetivamente saberes e desencadeia o desenvolvimento humano, social e econômico – vem sendo o novo desafio da UERN.



Hoje, pode-se verificar que as necessidades colocadas pela democratização do ensino, em termos de investimentos expressivos em infraestrutura e recursos humanos, nem sempre são atendidas em patamares adequados. É sabido que a UERN tem sido chamada a promover a inclusão social, dialogar com o setor produtivo, reformular grades curriculares, criar novos cursos, estreitar os laços com a sociedade e participar mais ativamente do desenvolvimento humano, social e econômico.Percebe-se, portanto, que esta Universidade tem se deparado com diferentes demandas e isso a tem forçado a repensar e redefinir o seu papel, em busca de um modelo que dê conta de sua missão e das expectativas da sociedade. E aqui, queremos como pastor estender a mão da Igreja. Hoje, tentamos também responder a estes desafios e problemas por meio de nossa querida Faculdade Católica do Rio Grande do Norte. E deste modo, de mãos dadas, possamos firmar uma parceria frutífera, em que se pensam o homem e a sociedade.


(D.Mariano e padres da Diocese de Mossoró-RN)


O título que agora recebemos é acima de tudo uma homenagem à Igreja e ao clero mossoroense. A eles dedicamos esta honraria em reconhecimento ao seu empenho em prol da vida acadêmica e universitária. Queremos mais uma vez expressar nosso agradecimento, não somente o meu, mas o de todos os agraciados hoje com as honrarias e distinções acadêmicas. O título concedido é a proclamação da partilha dos sonhos e desejos, dos projetos e realizações desse marco da Educação potiguar: a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Muito obrigado. Deus abençoe a todos e Santa Luzia ilumine a caminhada da UERN!”


Mossoró, 28 de setembro de 2018. Dom Mariano Manzana-Bispo Diocesano


Apostolado Berakash

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger