A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Nem sempre existe solução fácil para problema difícil

Nem sempre existe solução fácil para problema difícil

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 16 de junho de 2018 | 00:10





Isto é fato, nunca se deixe levar por promessas fantásticas é métodos mágicos. Se buscamos a solução legitima de um problema ou situação, busquemos traçar os objetivos e metas exequíveis para tal feito. Esteja preparado, pois barreiras enormes poderão surgir, e saiba que não existe solução fácil para problema difícil, já dizia Descartes. Essa frase está reverberando a mais de 400 anos e o adverso junto ao revés continuam lado a lado, esse qual implantou um "chip" em cada profissional, programando seu córtex pré-frontal com a seguinte instrução:





“Faz ai de qualquer jeito e põe para funcionar ”



Essa é a cultura do “Jeitinho Brasileiro” (Cultura do clips e da fita crepe, da gambiarra e do armengue) que pra mim é puro Autoflagelo psíquico, e o mesmo que ter um movimento anarquista dentro de si mesmo indo contra a tudo o que aprendeu. Investimos massivamente em tempo, esforço e conhecimento adquirido para depois fazer as coisas de qualquer jeito? Procurando o caminho fácil para resolvermos problemas difíceis? Muitos erros e sofrimentos de nossos dias, acontecem por querermos dar “soluções fáceis para problemas difíceis”, agravando ainda mais os problemas, ao invés de solucioná-los. Quanto mais difícil é um problema, tanto mais difícil será a sua solução, pois não há solução fácil quando o problema é difícil. Há sempre duas maneiras de solucionar um problema: a primeira, será “fácil”: improvisada, rápida, cômoda, egoísta e sem sacrifícios; a segunda, será “difícil”: demorada, planejada, árdua e dispendiosa. A segunda será eficaz e duradoura; a primeira, inócua e falsa. Fazendo-se uma análise dos graves problemas que o homem de hoje enfrenta, é fácil observar como ele tem optado pela primeira maneira. Por isso sofre. É fácil, por exemplo, retirar o pobre da rua; contudo, é difícil retirar a miséria do pobre; promovê-lo, esta é a medida difícil e correta. É fácil, por exemplo, diminuir o número de comensais em uma mesa; contudo, é difícil aumentar a quantidade de alimentos e repartí-los com amor; porém, esta é a solução certa e eficaz.






O QUE SÃO SOLUÇÕES FÁCEIS PARA PROBLEMAS DIFÍCEIS?



É mais fácil conseguir provas incrimanatórias para o estabelecimento de culpabilidade através da tortura e intimidação, porém, é mais difícil conseguir estas mesmas provas, através da perícia e de um longo e minucioso trabalho de investigação. É fácil limitar o número de nascimentos, é fácil esterilizar homens e mulheres em massa, é fácil distribuir pílulas e camisinhas; contudo, é difícil implantar uma eficaz e digna paternidade responsável. É fácil praticar um aborto e eliminar uma vida, mas é difícil aceitar, respeitar, amar e educar um ser humano, independente da forma e circunstância como ele foi concebido.  É fácil condenar um criminoso à pena de morte, é difícil reeducá-lo e apostar na sua recuperação. É fácil eliminar um assassino, linchá-lo até a morte; é difícil matar o crime e salvar o criminoso. É fácil fazer a guerra, difícil manter a paz duradoura É fácil distribuir preservativos e seringas para se evitar a AIDS; é difícil ensinar as pessoas sobre o emprego correto da moral, do sexo responsável e o valor da castidade. É fácil propor o divórcio para um casal em crise; mas é difícil reconciliá-lo no perdão, no amor na aceitação dos limites e das mudanças; mas esta supostamente, é a verdadeira solução. É fácil eliminar as crianças delinquentes das ruas, sob o pretexto de se coibir o crime; mas é difícil educar essas crianças e indicar-lhes o sentido da vida, dos seus direitos e deveres perante a sociedade, mesmo que lhes tirem.É fácil e rápido apressar a morte de um paciente terminal, com a eutanásia; mas é difícil respeitar a vida e seu Autor até o último instante, fazendo deste sofrimento uma oblação. É fácil fazer discursos políticos, mas é difícil eliminar o déficit público, usar bem os impostos arrecadados, evitar o empreguismo, o nepotismo, a corrupção e o desperdício que atolam a nação. É fácil liberar os baixos instintos e paixões; mas é difícil dominá-los para que eles não nos escravizem. É fácil fazer justiça com as próprias mãos, mas é difícil optar por aquilo que é justo e ético, e esperar que ela seja feita pela lei e pelo direito, sob pena de sepultarmos a civilização. É mais fácil propor o fim de quem pensa diferente, seja de esquerda, ou direita, como propôs Mauro Iasi, professor da UFRJ, sindicalista e militante do PCB através uma boa espingarda, uma boa bala, uma boa pá e uma boa cova, porém, é mais difícil ver o que tem de bom através do diálogo e conciliação, o que estas duas visões de mundo, tem a propor como solução para os graves problemas sociais da humanidade. É fácil invadir terras e prédios, sob o pretexto de que há má distribuição de rendas, etc, mas o difícil promover a reforma agrária justa e necessária, dentro da lei e da ordem, para que não haja ainda mais violência, luta de classes e injustiça. Enfim, é fácil dar uma solução cômoda, rápida, inócua para um problema; mas é difícil, árduo e demorado, dar uma solução eficaz para o mal. A Igreja Católica, e o Papa, serão sempre muito criticados e incompreendidos porque as soluções que propõem para os graves problemas da humanidade, são difíceis, assim como o são os seus males. Mas são soluções eficazes. Quando, por exemplo, Martinho Lutero, com seu revanchismo e orgulho, precipitou  a revolução protestante, e causou a divisão dos Cristãos dentro da Igreja, esta mesma Igreja foi sábia e soube realizar um Concílio, o de Trento, que durou 18 longos anos (1545-1563), para examinar cada ponto que fora questionado. Isto é prudência; isto é uma solução séria para um problema muito sério. Os frutos desse Concílio foram enormes, até hoje. Dele surgiu o Catecismo Romano, o primeiro da Igreja, que só agora, depois de 430 anos, é substituído pelo Catecismo da Igreja Católica, outorgado pelo Papa João Paulo II. As soluções sérias são eficazes duradouras; geradas no sofrimento, na oração, na paciência, na prudência, nas lágrimas, no diálogo, na compreensão recíproca,etc.Quando Papa João XXIII quis renovar a Igreja, e fazer o  “aggiornamento”, não convocou apenas alguns poucos cardeais, para durante alguns poucos dias tratar do assunto. Não! Ele convocou todos os 2.600 Bispos do mundo todo, durante três anos seguidos (1962-1965), no Concílio Vaticano II, que demorada e exaustivamente, sob a luz do Espírito de Cristo, com muita oração, estudo, trabalho, e diálogo, analisar a questão. Por isso, hoje, após mais de trinta anos, o Concílio Vaticano II continua a dar os seus frutos, e os dará ainda por muitos anos. Uma solução eficaz! A pressa é inimiga da perfeição, diz o ditado popular.



Precisamos aprender com a sabedoria chinesa que diz:



“Se queres colher por um ano, semeia o grão. Se queres colher por dez anos, planta árvores. Se queres colher por cem anos, educa o povo”.


Não há solução fácil para problema difícil. Toda vez que agirmos desta maneira, além de não resolvermos o problema, o agravaremos ainda mais. Esta é a pior tendência do homem moderno; querer resolver todos os problemas de maneira rápida, com solução imediatista, atropelando o tempo, a moral, os costumes, a fé, e o próprio Deus.  Por fim se dá conta de que correu em vão.Talvez o primeiro passo para se chegar a uma solução correta e eficaz seja o reconhecimento que os problemas costumam se apresentar de forma dissimulada. Ou seja, o que pensamos que seja o problema pode não ser o problema real.



Na década de 1950, o transporte marítimo enfrentava sérios problemas causados pelos custos elevados que ameaçavam seu futuro. Os especialistas em transporte marítimo concentraram seus esforços para tornar os navios mais econômicos durante as viagens entre portos. Apesar de investirem em navios maiores, mais rápidos e na redução da tripulação, os custos continuaram a crescer. A solução somente surgiu com uma abordagem mais ampla do problema de custos elevados, analisando todo o processo de transporte marítimo, incluindo também as etapas de carga e descarga. A abordagem anterior tinha desprezado os elevados custos de espera nos portos para carga e descarga, agravado pelo congestionamento causado por navios maiores e mais rápidos. O uso de containers foi uma das medidas chaves para a solução do problema. Apesar do crescimento do mercado internacional nas décadas seguintes, os custos diminuíram cerca de 60%.Porque demoraram tanto tempo para resolver o problema? Simples: ninguém se importou em questionar qual era o verdadeiro problema. Todos assumiram que a solução era navios maiores e mais rápidos, e não consideraram a redução do tempo de espera e de operação nos portos. O problema real só foi solucionado quando alguém fez as perguntas certas e examinou a situação sob diferentes perspectivas.


Você tem enfrentado dilemas que parecem impossíveis de serem resolvidos? Já tentou soluções que têm se revelado ineficazes?



Se sim, talvez você não tenha feito as perguntas certas e tenha tentado resolver o problema errado. Talvez esteja faltando uma abordagem mais ampla do problema sob novas perspectivas que revelem todas as sua nuances e resultem em ideias inovadoras.Vamos expor aqui as sugestões dos especialistas:




Phoenix Checklist: como definir problemas e planejar soluções



No livro Thinkertoys, Michael Michalko apresenta a Phoenix Checklist, uma engenhosa lista de perguntas usada para estimular o pensamento criativo na abordagem de problemas e desafios. Dado um determinado desafio, as perguntas do checklist podem ser usadas para penetrar no problema e ampliar seu entendimento. As perguntas forçam o solucionador de problemas a olhar o problema sob diferentes ângulos e a “pensar fora da caixa” (think outside the box). O checklist é dividido em duas seções: O Problema e O Plano. Use o checklist como uma base para montar sua lista pessoal de perguntas e siga os seguintes passos:



1.Escreva seu desafio: isole o desafio ou problema que você deseja examinar e está empenhado em solucionar.


2.Faça suas perguntas: use o chekclist para dissecar o desafio ou problema sob as diferentes maneiras que possa imaginar.


3.Anote suas respostas: soluções, necessidades de informações, ideias para avaliação e análise, etc.


PHOENIX CHECKLIST – PERGUNTAS CERTAS PARA O PROBLEMA


-Por que é necessário resolver o problema?

-Que benefícios terá pela solução do problema?

-O que é desconhecido?

-O que você ainda não compreende?

-Que informação você tem?

-O que não é o problema?

-A informação que tenho é suficiente? Ou insuficiente? Redundante? Ou contraditória?

-Você pode fazer um diagrama? Ou um desenho do problema?

-Quais são as fronteiras/limites do problema?

-Você pode separar as várias partes do problema? Você pode descrevê-las? Quais são as relações entre as partes do problema?

-Quais são as constantes (coisas que não podem ser mudadas) do problema?

-Você já viu este problema antes?

-Suponha que você encontre um problema relacionado ao seu que já tenha sido solucionado. Você pode usar o mesmo método de solução?

-Você pode reformular a apresentação de seu problema? De quantas maneiras diferentes você pode apresentá-lo? Mais genérico? Mais específico? As regras podem ser mudadas?

-Quais são as melhores, piores e mais prováveis conjecturas que você pode imaginar?

O PLANO PARA A SOLUÇÃO


-Você pode resolver todo o problema? Ou apenas parte do problema? O que especificamente, pode ser mensurado e resolvido?

-Que solução gostaria de ter? Você pode desenhá-la?

-Que parcela do desconhecido/incerto você pode determinar?

-O que você pode deduzir como solução, da informação que tem?

-Você usou toda a informação na solução?

-Você levou em consideração todas as informações e opiniões essenciais relacionadas ao problema?

-Que técnicas de criatividade você pode usar para gerar ideias? Quantas técnicas diferentes?

-Você pode visualizar o resultado? Quantos tipos diferentes de resultados você pode visualizar?

-De quantas maneiras diferentes você tentou solucionar o problema?

-O que outros fizeram na solução com sucesso?

-O que deve ser feito? Quem deve fazê-lo? Como? Onde? Quando?

-O que você precisa fazer a curto, médio e longo prazo?

-Quem será responsável por isto nestas etapas de curto, médio e longo prazos?


-Você pode usar este problema para resolver outro problema?

-Como você poderá saber se foi bem sucedido?



A aplicação do checklist é como colocar o problema na palma de sua mão, manuseá-lo e examiná-lo sob diferentes ângulos. Você pode virá-lo de cabeça para baixo, olhar por cima, por baixo e pelos lados. Você pode se afastar e tentar ver o todo, ou se aproximar e examinar todos os detalhes importantes. Se você tomou rumos calculados seguiu a instrução e meios necessários, fez tudo que era possível e ao seu alcance, e fez de seus passos um aprendizado sólido, e não usou teu próximo como escada, então pacifique seu coração, sabendo que se queremos resultados diferentes, temos que fazer coisas diferentes, pois se fazemos sempre as mesmas coisas, é lógico que teremos sempre os mesmos resultados.



Há um outro provérbio que nos ensina:

“Tudo que fazemos sem contar com o tempo, ele se incumbe de destruir”. 


São João Paulo II, que enfrentou muitos problemas difíceis durante seu longo pontificado, nos ensinou com sua vida que, as soluções propostas por Cristo para os graves problemas da humanidade, são difíceis, mas jamais decepcionam. E Jesus nosso sábio mestre e Sr continua a nos dizer:


“Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduzem à perdição…  Estreita porém é a porta e apertado o caminho da vida” (Mt 7,13-14).

Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger