A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Pensando e repensando com Ivanaldo Santos: O que deu errado na esquerda católica?

Pensando e repensando com Ivanaldo Santos: O que deu errado na esquerda católica?

Written By Beraká - o blog da família on terça-feira, 17 de abril de 2018 | 22:37




*Por Ivanaldo Santos (Filósofo)


Atualmente vemos dois movimentos que, mesmo sendo diferentes, em sua essência, terminam se completando:


O primeiro movimento é uma onda de críticas e de denúncias contra setores da esquerda católica e até mesmo contra a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Algumas dessas críticas e denúncias são vagas e até mesmo injustas. Sobre esse delicado momento da Igreja no Brasil Dom Fernando Rifan, Bispo da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney, em um equilibrado artigo, cujo título é Em defesa da CNBB, esclarece que, de um lado, “tem havido ultimamente muitas críticas e mesmo ofensas e insultos à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que requerem esclarecimentos, pois desorientam os católicos. [...]. Isso posto, recordamos que o espírito de fé e o respeito que o católico deve à hierarquia da Igreja impedem-no de tratar a Igreja como uma sociedade qualquer”. Do outro lado, “aos caríssimos irmãos no episcopado lembro humildemente que, mesmo exagerando e passando dos limites, os clamores dos fiéis leigos podem estar refletindo o sensus fidelium, que devemos escutar. Está na hora de recuperarmos o bom nome da nossa Conferência Episcopal. Não podemos tolerar pacificamente tantos abusos doutrinários e litúrgicos que vemos por aí, em nossas Igrejas, e que fazem tanto sofrer nossos fiéis. Será que eles não estão explodindo de tanto aguentar certas invencionices litúrgicas e aberrações doutrinárias?”.



O segundo movimento é uma forte inquietação dentro da esquerda católica com os acontecimentos políticos e sociais no Brasil e no mundo. Acontecimentos que conduziram, em muitas regiões do mundo, a decadência das esquerdas e no Brasil culmina com a decadência do Partido dos Trabalhadores (PT) e a prisão do ex-presidente da república e líder messiânico: o Sr. Luiz Inácio Lula da Silva, mais conhecida como Lula.


No Brasil, assim como em outras regiões do mundo, a esquerda católica acusa uma série de segmentos sociais pela decadência da esquerda culminando na prisão do líder messiânico Lula. Entre esses segmentos citam-se:  o neoliberalismo (uma espécie de religião do mercado e do consumo), a sociedade centrada no indivíduo, uma incompreensão dos cristãos diante da missão do próprio Jesus Cristo (seria Jesus Cristo um mero sindicalista ou coisa semelhante?), uma fé subjetiva e o que se convencionou chamar de “movimento conservador” liderado pelo Opus Dei.  



É necessário esclarecer que a esquerda católica não entende nada do que seja o “movimento conservador”.  Apesar do bom trabalho que o Opus Dei realiza com a juventude, a esquerda católica se comporta parecendo com o exército americano nas selvas do Vietnã, ou seja, apesar da forte superioridade militar ignorou as redes de túneis e outras estratégicas da guerrilha vietnamita. A consequência desse erro foi que o exército americano sofreu humilhantes derrotas militares. Algo semelhante está acontecendo com a esquerda católica: vive colocando a culpa numa entidade mágica chamada “Opus Dei” (e não no movimento católico do Opus Dei) e ignora a profundidade das “redes de túneis”.   


O fato é que desde a prisão do líder messiânico Lula que a esquerda católica acusa os cristãos de não entenderem nada do que seja a missão de Jesus Cristo e da Igreja. Ao que parece algo deu errado, e muito errado, dentro da estratégia da esquerda católica.Não está sendo criado uma espécie de “manual dos erros da esquerda católica”. No entanto, de forma sucinta, apresenta-se o grande erro da esquerda católica.


O problema central é que, ao menos nos últimos 12 meses, a esquerda católica tem feito apelos para o nível da fé, da caridade cristã, apela para a doutrina da Igreja. Tudo em nome de um projeto de mudança social, de igualdade social radical, uma espécie de “socialismo cristão”.  Todo esse apelo, no entanto, parece inútil. Pois, os fiéis cristãos parecem ignorar esse repentino apelo a fé e a doutrina da Igreja.


Para entender o porquê desse apelo não está funcionando (e dificilmente vai funcionar) é necessário compreender a estratégia central da esquerda católica. Ela fez uma clara “opção preferencial” pela modernidade e pela vida material. Influenciada pela teologia da morte de Deus, pela teologia liberal europeia e pela interpretação marxista contida na teologia da libertação a esquerda católica renegou o princípio estabelecido pelo próprio Jesus Cristo de que Maria (a mulher que ungiu o corpo de Cristo, que contemplou o Salvador, etc) “escolheu a melhor parte” (cf. Lucas 10, 38-42), ou seja, o centro da Igreja é a vida espiritual, a busca pela conversão, pela piedade, pela mortificação, a vida eclesial e a caridade. Tudo isso, porque, como o próprio Cristo determinou, o Reino de Deus “não é deste mundo” (João 18, 36). 


A consequência de a esquerda católica ter feito uma “opção preferencial” pela modernidade, pela vida material é que houve uma mudança profunda (quase uma revolução) dentro do pensamento desse segmento da Igreja. Houve uma passagem radical da cosmovisão cristã tradicional (conversão, piedade, centralidade em Jesus Cristo, Reino de Deus, comunhão eclesial, caridade, missão, pregação do Evangelho, doutrina, etc) para a cosmovisão da modernidade (Estado, socialismo, marxismo, individualismo, sociedade secular, niilismo, hedonismo, etc).


Com a adesão radical à modernidade houve uma mudança profunda dentro da perspectiva de como a esquerda católica vê a Igreja. Por exemplo, a doutrina católica, herdada diretamente dos apóstolos, virou “dogmatismo alienante”, liturgia virou “cada um faz como quiser”, o altar da consagração virou “picadeiro de circo”,  catecismo virou “resquício autoritário do Concílio de Trento”, a Igreja foi transformada numa “instituição patriarcal e autoritária”, a Bíblia virou um “livro homofóbico”, espiritualidade virou uma mera “prática medieval”, a patrística virou “pensamento antigo”, Tomás de Aquino virou um pensador “superado e preso a Idade Média”, o tomismo virou uma forma de “pensar alienante e engessada”, o pensamento dos papas virou “pensamento autoritário da Igreja de Roma, coisa de europeu”, interpretação bíblica virou “cada um lê e interpreta como quiser”, o Reino de Deus virou “luta social e políticas públicas”, fé encarnada virou “fazer parte de algum partido político de esquerda e de movimentos sociais”, o papa virou o “último dos monarcas absolutistas”, o Vaticano deixou de ser a Santa Sé e passou a ser o “último reino absolutista” e assim sucessivamente. 



Nos últimos 40 ou 50 anos os fiéis católicos aprenderam que não importa a história da Igreja, a autoridade e a hierarquia da Igreja, que todo o magistério e a doutrina da Igreja podem ser simplesmente ignorados. O que importa é o que o indivíduo (e não mais o fiel da Igreja) pensa, sente, como ele vê e age dentro da sua realidade social. Dentro desse contexto, emergiu uma preocupação obsessiva com a dimensão social e um abandono, quase que completo, da dimensão espiritual.  De forma surpreendente nos últimos 12 meses, algo que se intensificou com a prisão do líder messiânico Lula, a esquerda católica vem a público cobrar dos fiéis um maior compromisso com a fé, uma maior obediência a hierarquia da Igreja. Nessa perspectiva, os fiéis têm o dever ético de seguir os bispos e, por causa disso, seguir as orientações a favor de líderes da esquerda nacional e internacional. Um bom exemplo disso foi o “showmissa” (algo novo para a Igreja e para a sociedade brasileira) onde padres e bispos católicos apresentavam o Lula como grande cristão, homem de muita fé e perseguido por questões políticas. O problema é como os fiéis da Igreja e mesmo os homens de boa fé que estão fora da Igreja poderão seguir e colocar em prática as fortes recomendações desses padres e bispos se, esses mesmos padres e bispos, passaram os últimos 40 ou 50 anos ensinando as pessoas que tudo que a Igreja falou nos últimos 2 mil anos é pura fantasia? Ensinando que tudo que importa é uma interpretação pessoal, subjetiva do Evangelho? Ensinando que tudo na Igreja é puro autoritarismo e medievalismo? Ensinando que o que importa é a dimensão social?


Como muito bem ensina o Evangelho, a esquerda católica está correta ao propagar que a “fé, por si só, se não for acompanhada de obras, está morta” (Tiago 2, 17) e que nem “todo aquele que diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus” (Mateus 7, 21). No entanto, o erro central da esquerda católica é acreditar que apenas as obras (dimensão social, movimentos sociais, etc) vão salvar o indivíduo. É preciso ver que as obras sem a fé também é morte, também é alienação. A esquerda católica errou ao pensar que poderá salvar o ser humano apenas com meras obras sociais. Esse erro fez que, hoje em dia, a esquerda católica clame por uma dimensão da fé que vá além do individual e do subjetivo, mas as multidões não ouvem mais a voz dessa estrutura da Igreja. A esquerda católica precisa se reencontrar com a Igreja e com Jesus Cristo. Logo Jesus Cristo que é “todo aquele que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna, e Eu o ressuscitarei no último dia” (João 6, 40) e, portanto, “não há salvação em nenhum outro ente, pois, em todo universo não há nenhum outro Nome dado aos seres humanos pelo qual devamos ser salvos!” (Atos 4, 12).


A esquerda católica precisa ter a coragem do Apóstolo Pedro quando afirmou: “Senhor, a quem iremos? Se só Tu tens  palavras de vida eterna” (João 6, 68).



*Prof, Dr Ivanaldo Oliveira dos Santos Filho, mais conhecido no meio acadêmico como Ivanaldo Santos, possui Graduação em Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1999), Especialização em Metafísica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2001), mestrado em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2002), doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2005), pós-doutorado em Estudos da Linguagem pela Universidade de São Paulo (2011) e pós-doutorado em Linguística pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2016). Atualmente é professor adjunto IV da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Tem experiência na área de Estudos da Linguagem, Linguística, Ensino e Educação, com ênfase em Filosofia da Linguagem, Filosofia Analítica e Análise do Discurso, atuando principalmente nos seguintes temas: Wittgenstein, jogos de linguagem, filosofia analítica, Foucault, leitura, dialética, Platão, Nietzsche, Tomás de Aquino, (neo)tomismo, filosofia contemporânea e análise cultural. É líder do Grupo de Estudos do Discurso (GRED) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, membro do GT Filosofia da Linguagem da ANPOF, sócio fundador da Sociedade Brasileira de Filosofia Analítica (SBFA), membro da Associação Brasileira de Linguística (ABRALIN) e membro do Instituto Jacques Maritain do Brasil (IJMB).

E-mail: ivanaldosantos@yahoo.com.br


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger