A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » , , » Quem obedece nunca erra? Bom,depende...

Quem obedece nunca erra? Bom,depende...

Written By Beraká - o blog da família on domingo, 16 de agosto de 2020 | 17:19





Em primeiríssimo lugar, é bom saber que a afirmativa de "quem obedece nunca erra",  é uma verdade relativa (depende do que? E a quem obedecer?) e não absoluta (ou seja, inquestionável).



O demônio é especialista em ocultar suas obras sob títulos honrosos e iludir os homens fazendo-os confundir vício e virtude, erro e verdade.E assim, “na noite da ignorância humana,neste confuso século, muitas obras parecem virtuosas e partos sobrenaturais da graça, que na verdade são vícios, ou, quando menos, puramente efeitos da natureza” (Pe. Bernardes).De modo especial, nos tempos atuais, uma das virtudes que mais têm sido falsificadas pelo maligno, é a obediência.




Sem dúvida alguma, a verdadeira obediência é de um valor incomparável, sobretudo a obediência às autoridades da Igreja. Mas, não é verdadeira virtude a obediência a ordens más, ou seja, que contradigam a Fé ou a Moral católica.



Quando os Santos e autores espirituais nos recomendam ter uma obediência cega a nossos superiores, estão se referindo a sermos cegos ao amor próprio, ao comodismo, às razões puramente naturais, etc., jamais recusando obedecer por causa destas coisas. Nunca, porém, se pode ser cego à Fé e à Moral, e obedecer ainda que passando por cima do que estas mandam ou proíbem.Em outras palavras, a obediência não nos exime da responsabilidade sobre nossos atos. Se alguma autoridade nos ordena algo que seja reprovável, “deve-se obedecer antes a Deus que aos homens” (At 5,29).


Ensina São Bernardo de Claraval:

    
“Aquele que faz o mal sob o pretexto de obediência, faz antes um ato de rebeldia do que de obediência”.



E São Tomás de Aquino:


“Nenhum preceito tem força de lei a não ser por sua ordem ao bem comum – Toda lei se ordena para a comum salvação dos homens e somente daí tem força e razão de lei, e, na medida em que falta a isso, não tem força de obrigar” (I-IIae., q. 90 e 96, a 6).



E também São Francisco de Sales:



“Muitos se enganaram redondamente...os quais julgaram que ela (a obediência) consistia em fazer a torto e a direito tudo o que nos pudesse ser mandado, ainda que fosse contra os mandamentos de Deus e da Santa Igreja” (Entretiens Spirituels, c. XI).



Diz ainda o Papa São Félix III (+492):



“É aprovar o erro não lhe resistir, é sufocar a verdade não a defender...Todo aquele que deixa de se opor a uma prevaricação manifesta pode ser tido como um cúmplice secreto” (citado por Leão XIII, em sua carta aos bispos italianos, de 8/XII/1892).




E a Declaração Coletiva dos Bispos alemães, confirmada pelo Beato Papa Pio IX, diz o seguinte:



“A Igreja Católica não é uma sociedade na qual é aceito aquele princípio imoral e despótico pelo qual se ensina que a ordem do superior em qualquer caso exime (os súditos) da responsabilidade pessoal” (Denz. Sch. 3116).



Completa Leão XIII:



“Desde que falta o direito de mandar ou o mandato é contrário à razão, à Lei eterna, à autoridade de Deus, então é legítimo desobedecer aos homens a fim de obedecer a Deus” (Encíclica Libertas Praestantissimum, n.15).



Logo, a obediência não é absoluta e não pode ser desculpa para se aceitar ser cúmplice dos crimes que nestes tempos, muito infelizmente, a cada dia se cometem em nossas paróquias e dioceses, sob a benção de maus pastores. Numa palavra: não é válido, em nome de uma obediência mal compreendida, cooperar com a “auto-demolição da Igreja”, com a propagação da “fumaça de satanás” que “penetrou no Templo de Deus”, segundo a expressão do papa Paulo VI.








O Papa só é infalível, quando fala ex cathedra.




Mas não fala ex cathedra a todo momento.E não falando ex cathedra pode perfeitamente errar. Normalmente falando, é claro que não é lícito resistir ao Santo Padre, o Papa, mas, se suas determinações estiverem em desacordo com o Depósito da Fé sempre professada, torna-se necessário, então, imitar a São Paulo, que também se viu constrangido a resistir a São Pedro, o primeiro Papa (cf. Gál. 2, 11-14).




Veja-se o que diz o célebre Suarez (+1617), chamado de “Doctor Eximius” por diversos Papas:



“Se o Papa baixar uma ordem contrária aos bons costumes, não se há de obedecer-lhe; se tentar fazer algo manifestamente contrário à justiça e ao bem comum, será lícito resistir-lhe” (De Fide, dist. X, sect. VI, n.16).



E São Roberto Belarmino o atesta:



“É lícito resistir ao Pontífice que tentasse destruir a Igreja. Digo que é lícito resistir-lhe não fazendo o que ordena e impedindo a execução de sua vontade” (De Romano Pontifice, lib. II, c. 29).




Desta afirmação de um santo proclamado Doutor pela Igreja, a qual examinou e aprovou todos os seus escritos, se infere a perfeita possibilidade de um Papa, apesar do carisma da infalibilidade, tentar destruir a Igreja, bem como a liceidade de resistir-lhe.O mesmo Santo aprovou a 15ª proposição dos teólogos de Veneza, na qual dizia que:



“quando o Soberano Pontífice fulmina uma sentença de excomunhão que é injusta ou nula, não se deve recebê-la”.



São Godofredo de Amiens e Santo Hugo de Grenoble, juntamente com outros bispos reunidos no Sínodo de Vienne (1112), resistiram ao Papa São Pascoal II (+ 1118) na questão das investiduras, e escreveram-lhe:




“Se, como absolutamente não cremos, escolherdes uma outra via, e vos negardes a confirmar as decisões de nossa paternidade, valha-nos Deus, pois assim nos estareis afastando de vossa obediência” (citado por Bouix, Tract. de Papa, t. II, p. 650).



O Papa Honório I (+638), por sua vez, foi, depois de morto, condenado como traidor da Igreja por um outro Papa, São Leão II (+683):




“Anatematizamos Honório, que não ilustrou esta Igreja Apostólica com a doutrina da Tradição Apostólica, mas permitiu, por uma sacrílega traição, fosse maculada a Fé imaculada (...) e não extinguiu, como convinha à sua autoridade apostólica, a chama insipiente da heresia, mas a fomentou por sua negligência” (Denz. Sch. 563).



Na própria Ladainha de todos os Santos a Igreja reza:




“Que Vos digneis conservar na Santa Religião o Sumo Pontífice e todas as Ordens da Hierarquia Eclesiástica, nós Vos rogamos, ouvi-nos, Senhor!”




Logo é possível que o Papa venha a se afastar da Santa Religião.Aqueles que defendem uma obediência irresponsável às autoridades religiosas, talvez tivessem ficado do lado de Aarão quando ele comandou a adoração ao bezerro de ouro (cf. Ex 32, 1-6), ou do lado de Caifás e dos príncipes dos sacerdotes que condenaram Jesus à morte (cf. Mt 27, 20).



Preste-se atenção ao que disse o Cardeal Charles Journet:



“Nem sempre é exato dizer de maneira um pouco simplista: ‘onde está o Papa está a Igreja’, ou ‘é necessário obedecer ao Papa sem restrições mesmo no âmbito em que ele não é infalível’. Esta solução é mais fácil e mais cômoda. De fato, quando o Papa aborda certos assuntos reformáveis, mesmo em união com um Concílio, ele não pode engajar e de fato não engaja, a plenitude de sua Autoridade Suprema. Ele não é, portanto, Papa em toda a extensão do sentido em que entendemos a fórmula ‘onde está Pedro está a Igreja’. Em tempos tranqüilos e serenos, isto não suscita nenhum problema especial. Em tempos de crise, porém, a coisa já não é mais assim. É, portanto, perfeitamente concebível, em certos momentos difíceis, que um cristão que goze de especial clarividência, como Santo Atanásio no tempo do Arianismo, se separe das opções oficiais feitas pela Hierarquia em sua maioria(...) Isto não significa de modo algum que se separe da Igreja ou mesmo da comunhão com o Papado, no sentido mais misterioso e profundo da palavra, mesmo se, em tal caso particular, esse Papa decretasse o contrário e proferisse uma excomunhão” (citado em L’Obéissance dans l’Eglise, Lucien Méroz, Ed. Martin , conf. Le Chardonnet, jun/1990).




O Cardeal Journet cita o heróico bispo Santo Atanásio, hoje Doutor da Igreja, mas em vida excomungado (Denz. Sch. 138, 141 e 142) pelo Papa Libério (+366), papa que traíra a Igreja, passando a apoiar os hereges semi-arianos e a perseguir Santo Atanásio por não fazer o mesmo. O Santo, porém, resistiu e continuou o seu ministério, ordenando padres e, provavelmente, até bispos, contra a vontade do Papa.


E o Cardeal Ratzinger, hoje Papa emérito Bento XVI, afirmou:



“É possível e até necessário criticar os ensinamentos do Papa, se não estiverem suficientemente baseados na Escritura e no Credo, ou seja, na fé da Igreja Universal” (O Novo Povo de Deus, S. Paulo, Paulinas, 1974, pg. 140).




Aos que defendem uma obediência cega e irresponsável a tudo o que seja ordenado por um Papa, convém perguntar se a amante do Papa Alexandre VI (+1503) também devia obedecer-lhe quando este, por carta, a ameaçou de excomunhão caso ela não voltasse a pecar com ele... (cf. Iota Unum, Romano Amério, t. I, n. 19).



Obediência ou cumplicidade?



“Quando o pastor se transforma em lobo, compete primeiramente ao rebanho se defender” (D. Guéranger, L’Anneé Liturgique, na festa de S. Cirilo de Jerusalém).




Juramos fidelidade e obediência perfeita ao Santo Padre, o Papa, e aos Bispos em comunhão com ele, mas não nos é lícito aceitar novidades que contradigam, na teoria ou na prática, a doutrina de sempre. Novidades contra as quais lutaremos como nos for possível.Não podemos confundir “a Igreja Católica, Romana, Eterna, com a Roma humana e susceptível de ser invadida por inimigos vestidos de púrpura”.



Obediência na hierarquia da Igreja



PERGUNTA:

Nome: Alexandre
Enviada em:09/04/2003
Local:São Paulo - SP,
Religião:Católica
Idade:29 anos
Escolaridade:Pós-graduação concluída



“Dileto amigo, tenho dúvidas quanto a obediencia dentro da hierarquia da Igreja, como: quem deve obedecer a quem? se existem limites nesta obediencia, se existem casos de abuso de autoridade e qual é a providencia que a Igreja tomas nestes casos. Não falo do voto de obediência dos religiosos, já bastante esclarecido pelo direito canonico, mas da obediencia em relação ao papa, aos cardeais, aos bispos, aos padres e diaconos seculares e aos leigos.Agradeço desde já sua atenção”



RESPOSTA:


Muito prezado Alexandre, salve Maria!

A solução do problema que você me coloca é relativamente fácil de ser explanada e compreendida. Difícil de ser executada, na prática, pela delicadeza do problema proposto. Você conhece a resposta de São Pedro ao Sumo Sacerdote judeu que proibiu aos Apóstolos de fazer milagres e de ensinar o cristianismo:


"Deve-se obedecer antes a Deus do que aos homens". (Atos dos Apóstolos 5, 29).



Como você sabe bem, segundo a doutrina católica:

-Todo poder vem de Deus.

-Mais do que qualquer outro poder, o do Papa provém diretamente de Cristo Deus. "O Papa é o doce Cristo na terra", como dizia Santa Catarina de Siena.

-Também o poder dos Bispos provém diretamente dos Apóstolos, e, por meio deles, provém de Cristo, Deus e Homem.

Uma desobediência formal ao que determina o Papa é pecado gravíssimo, e se a desobediência chegar ao grau de negar a própria autoridade do Papa como Vigário de Cristo na terra, ela se constitui em cisma, que é um pecado ainda maior.

Isto significa que devemos sempre obedecer ao Papa e aos Bispos diocesanos, em união com o Papa, em tudo o que eles ordenam segundo a Fé a lei de Deus e da Igreja.

Também a obediência aos pais é obrigatória pelo quarto mandamento da Lei de Deus, e desobedecer aos pais, em matéria grave, é pecado mortal.

Entretanto, a obediência a qualquer autoridade - Papa, Bispos, pais, governantes, mestres - é condicionada a Deus, que dá o poder a toda e a qualquer autoridade.

Todo poder vem de Deus, mas se a autoridade manda fazer alguma coisa contra a lei de Deus e contra a verdade, ela corta seu laço com Deus, e sua ordem perde a autoridade. Assim, se um pai manda que seu filho vá vender maconha, o filho não tem que obedecer.

Se um governante manda cometer um crime, o súdito não deve obedecer, pois se obedecer será cúmplice no crime.

Por exemplo, os alemães na Segunda Guerra Mundial, mesmo os oficiais do exército alemão, não deveriam obedecer às ordens de Hitler de prender e matar os judeus, só por serem judeus. Quem obedeceu a Hitler, executando os crimes que ele mandou, foi cúmplice dele em seus crimes de genocídio.

Os mesmo princípios se aplicam à Igreja!

Se um padre orienta algo contra a fé e a moral, como a prática do adultério consentido, corrupção em nome de uma ideologia, invasões, depredações de patrimônios públicos e privados, ensinar que a prática homossexual não é pecado, mas um dom, que é necessário tirar a culpa do pecado para poder entregar-se a libertinagem sexual, ou se ensina algo contra a fé, não deve ser nem obedecido, nem muito menos acatado, em seu ensinamento errado.


Outro exemplo: o Bispo Dom Casáldaliga escreveu poemas contrários ao direito de propriedade, e de incentivo a revolta e luta armada não de defesa, mas de ataque, quando no Chiapas orientou que o pobre quando pega em armas deve ser respeitado. Nisto ele não deve nem ser ouvido, e nem obedecido quando mandava algo que contrariava a doutrina católica. No mais, quando ele mandasse o que está de acordo com a Fé, deveria sempre ser obedecido.



























O Papa também deve sempre ser obedecido, a não ser que mande fazer algo diretamente contra a Fé ou contra a moral. Por exemplo, o Papa Alexandre VI tinha capangas aos quais mandava que assassinassem os seus inimigos. É claro que esses homens não deveriam obedecer ao papa Alexandre VI - o Papa Bórgia - quando ele mandava praticar um crime. Se, por hipótese, então, um Papa mandasse fazer algo contrário à Fé ou aos dez mandamentos, não se deveria acatá-lo, porque, nesses casos, ele estaria mandando fazer algo contra Deus, e "deve-se obedecer antes a Deus do que aos homens", como ensinou o Papa São Pedro.

Em matéria de fé, São Paulo ensina o mesmo ao dizer:


"Se um anjo do céu vier ensinar um Evangelho diferente, que seja anátema" (Gal. 1, 8).

É claro que isso só ocorre em raríssimos casos! Por exemplo, os que se revoltaram contra a Declaração Dominus Jesus do Papa João Paulo II, pecaram pelo menos por desobediência, senão contra a Fé. Este mesmo santo papa, João Paulo II, determinou que se voltasse a colocar os confessionários nas Igrejas, e que a confissão particular voltasse a ser praticada como sempre fora. Poucos sacerdotes obedeceram a essa ordem do Papa. Os outros padres desobedeceram em matéria grave. Também, o santo Papa João Paulo II escreveu uma encíclica sobre a Eucaristia, proibindo dar a comunhão a hereges ou a amasiados. Quem desobedecer a isso, pecará.E rezemos para que todos obedeçam ao Papa em tudo o que ele mandar como Vigário de Cristo, ensinando a doutrina de Cristo, porque o Papa é verdadeiramente Cristo na terra.

Viva o Papa!!!

In Corde Jesu, semper,

Orlando Fedeli





O DIÁLOGO É O NOVO NOME DA CARIDADE




A palavra autoridade vem do latim auctus, particípio passado de augere, isto é, aumentar, fazer crescer, acrescentar



É importante a etimologia (origem) das palavras porque elas nos ajudam a trazer a questão para o seu justo termo. Toda autoridade acrescenta algo às pessoas com quem se relaciona.   Vivemos em instituições que têm uma determinada organização e, necessariamente, pessoas que exercem algum tipo de autoridade sobre as outras. O excesso de autoridade é o autoritarismo, quando quem manda o faz sem apontar razões para a obediência. A falta de autoridade revela um absenteísmo da pessoa. Este absenteísmo pode ser de dois tipos:


1)-O primeiro, a ausência e a omissão de quem deveria exercer a autoridade e não o faz.


2)-O segundo é a pessoa que deveria exercer autoridade e não o faz por incompetência ou por falta de bom senso para exercê-la.


O importante, porém, é que quem manda exerça sua autoridade sem imposição e quem obedece exerça sua liberdade sem subordinação, submissão ou subserviência.



Quem obedece nunca erra...Será?



É bom se convencer que é difícil mandar e é difícil obedecer, a não ser que tudo seja feito com a máxima racionalidade e amorabilidade. Estive num supermercado e, de repente, me chamou a atenção o procedimento de uma mãe com seu filho pequeno de cerca de cinco anos. O menino colocou determinado produto no carrinho. Quando a mãe viu, chamou o filho e começou a dialogar com ele. A conversa foi nestes termos:


“A mamãe tem uma lista de produtos para comprar. Fizemos juntos em casa. Se nós levarmos este produto que você colocou no carrinho vamos ter que deixar fora algum outro produto da lista”.




A conversa foi tão tranquila que o menino colocou o produto novamente na prateleira. A conclusão a que cheguei foi que o diálogo é uma presença viva nesta família. Uma criança pequena também tem condições de entender certas coisas através do raciocínio.




Quem obedece nunca erra, desde que quem manda tenha juízo, bom senso e capacidade de diálogo.



Obedecer a quem realmente é digno e moralmente justo na ordenança



Diante de alguém que se respeita, além da estima nasce fácil e espontaneamente também a obediência, porque é um grande prazer obedecer a quem honrosamente merece. A alma busca essa obediência, tem fome e sede dela, como o corpo tem fome e sede de alimentos e de bebida. Pelo contrário, deseja encontrar algo por que viver, a estrela em torno da qual gravitar, a paixão fundamental da vida.A liberdade não quer ser perenemente livre no sentido de desatada, desprendida, solta, mas quer, pelo contrário, doar-se, comprometer-se seriamente, apaixonar-se e, portanto, ligar-se. Poder-se-ia dizer consagrar-se, no sentido de quem encontrou algo ao qual entregar feliz o seu total respeito e que, portanto, experimenta como sagrado.



Há coisas que se impõem por si, arrebatam, é um processo natural




Por isso a verdade, a beleza e a bondade não precisam mandar nada, porque atraem, cativam, atam, pelo simples fato de ser. Por isso, no Sistema Preventivo de Dom Bosco é muito forte a criação do ambiente educativo. Ambiente não são as paredes, os espaços... Ambiente é o calor humano, a ternura, a razoabilidade, o consenso, o convencimento, a religiosidade. Tais são os pais, os professores, os colegas, as pessoas significativas, as autoridades... Obedecer neste contexto acrescenta (augere).





“Vocês devem ser como um pai entre seus filhos”, dizia Dom Bosco.




Numa carta escreveu que ser “superior” significa ser “educador”, isto é, ser “pai, irmão e amigo” para os jovens. “Cada jovem que chega a uma de nossas casas deve considerar seus colegas como irmãos e seus educadores como quem ocupa o lugar de seus pais”. Sua serenidade imperturbável, sua amistosa cordialidade, sua compreensão de um coração jovem e sua percepção instintiva das necessidades particulares lhe permitiam falar de uma maneira que chegava diretamente ao coração. A maneira como tratava cada pessoa mostrava uma sensibilidade e uma preocupação incríveis e era uma prova instantânea de amor e respeito.



O novo em gestação nos subterrâneos do mundo




O que acontece é que, hoje, estamos realmente com crise de autoridade mais que crise de obediência. Um mínimo de dignidade de quem exerce cargos públicos seria lógico e normal. No entanto, a corrupção e a apropriação do patrimônio público e privado andam soltas.




Neste sentido se pergunta: quem está em crise, a autoridade ou os cidadãos comuns?




O povo tem o governo que merece, se diz. No entanto, com um povo analfabeto, sobrevivente, com direitos cortados, como se pode exigir que tenha discernimento? Ainda mais com a avalanche milionária de publicidade falseando a realidade! O eleitor não é mais um cidadão a ser convencido, mas um espectador a ser seduzido.Dentro deste contexto os adolescentes e jovens também são massa de manobra. No entanto, nos subterrâneos do mundo, estão sendo gestados projetos diferentes de exercício da autoridade em todos os âmbitos: familiar, social, político, econômico, religioso, cultural.


Dom Bosco tinha um posicionamento claro diante das autoridades. Mais vale uma obediência crítica e esclarecida do que uma obediência subserviente.



Quando faço o batizado de uma criança sempre agradeço aos pais por terem colocado um filho ou filha no mundo. Isto é sinal de que ainda têm esperança no futuro. É possível, sim, um mundo mais humano e mais decente para as novas gerações. Neste sentido é importante dizer que o maior problema do mundo não são as novas gerações, mas as velhas gerações que custam a aprender respeito e dignidade. Quem quiser respeito que se faça respeitar.




O cliente nem sempre tem razão!



Existe um princípio de qualidade total que diz que “o cliente sempre tem razão”. Isto pode ser verdadeiro nas transações comerciais. Em educação, não. De fato, a educação sempre pressupõe a interferência de pessoas significativas que chamamos de educadores e do ambiente do entorno em que vivem.




Costuma-se fazer uma distinção entre temperamento e caráter




a)-Por temperamento entende-se uma disposição inata e particular de cada pessoa, pronta a reagir aos estímulos ambientais; é a maneira interna de ser e agir de uma pessoa.


b)-Já o caráter é formado durante as etapas do desenvolvimento psicoafetivo, pelas quais passa a criança desde a gestação.



Para a sua formação, incluem tanto os elementos geneticamente herdados (temperamento) como também os adquiridos do meio ambiente no qual a criança está inserida.


A educação visa formar o caráter da pessoa tendo como ponto de partida o seu temperamento. Neste sentido é que se diz que o educando nem sempre tem razão porque precisa ser ajudado a formar seu caráter a partir do seu temperamento e das influências do ambiente.





















Padre Pietro Broccardo, grande estudioso de Dom Bosco, escreveu um livro intitulado Dom Bosco:




"Profundamente homem, profundamente santo. Falando de seu temperamento ele diz que “Dom Bosco não era, por natureza, o homem paciente, manso e amável que conhecemos”. Afirma ainda que ele tinha “inclinação à ira e à impetuosidade, com tendência à autonomia, à demasiada estima de si, à afirmação obstinada das próprias convicções, à impetuosa irascibilidade”. Estas eram algumas das qualidades do seu temperamento. No entanto, através dos processos educativos de sua mãe, da catequese paroquial, no seminário, no Colégio Eclesiástico, na vida, ele foi canalizando isto que poderia ser um estorvo em seu ministério educativo e pastoral numa riqueza incomum. Daí brotaram seu espírito empreendedor, sua proatividade, as convicções entusiásticas. Isto é caráter".























Quando eu queria que minha mãe me deixasse ir a um local ou fazer alguma coisa, eu dizia: "Mas mãe, todo mundo já está fazendo assim..." E minha mãe na sua pedagogia da experiência de vida dizia: "Quer dizer que se todo mundo for comer " b o s t a" você vai também, só porque todos estão comendo?..." Uma criança, um adolescente ou um jovem precisa de quem saiba apostar no temperamento das pessoas para a construção de seu caráter. Gosto muito de trabalhar com duas palavras: fixação e flutuação. As novas gerações gostam de flutuação. As pessoas mais institucionalizadas gostam mais de fixação. A coordenação desses dois elementos é fundamental para formar o caráter das pessoas:



-A flutuação é importante porque relativiza o que não é fundamental, ou seja, aquilo que não passam de pontos de vistas pessoais.


-A fixação é importante porque torna fundamental o que se quer relativizar, principalmente aquilo que poe em risco a nossa salvação e a verdadeira libertação do pecado e não da culpa.


Então, o educador disciplina as novas gerações coordenando fixação e flutuação numa medida bem adequada.



Fonte:https://boletimsalesiano.org.br/materias/acao-social/item/10921-manda-quem-pode-e-obedece-quem-precisa-autoridade-e-autoritarismo.html


------------------------------------------------------







Apostolado Berakash – Se você gosta de nossas publicações e caso queira saber mais sobre determinado tema, tirar dúvidas, ou até mesmo agendar palestras e cursos em sua Igreja, grupo de oração, paróquia, cidade, pastoral, e ou, movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:






filhodedeusshalom@gmail.com


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido(a), desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Os comentários serão analisados criteriosamente e poderão ser ignorados e ou, excluídos.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino) “Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao vosso nome dai glória...” (Salmo 115,1)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger