A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Os especialista Robert Royal e o Teólogo e Canonista Ed.Peters Não gostaram do Amoris Laetitia do Papa Francisco

Os especialista Robert Royal e o Teólogo e Canonista Ed.Peters Não gostaram do Amoris Laetitia do Papa Francisco

Written By Beraká - o blog da família on sábado, 9 de abril de 2016 | 10:17




Eu suma o Papa Francisco não desprezou os ensinamentos da Igreja sobre casamento e aborto. Mas novamente temos problemas enormes em alguns argumentos ambíguos do Papa Francisco, que podem ser considerados erros básicos de Doutrina Católica. A ambiguidade é uma característica perigosa em matéria de doutrina sobre fé e moral.




Quando eu quero saber sobre os aspectos canônicos de um documento da Igreja, eu recorro a Edward Peters no site In the Light of the Law. Peters é renomado mundialmente, acostumado a dar aulas para bispos e cardeais até em Roma. Procuro fugir da falácia da autoridade, olhando outras fontes, mas em geral Peters é mais convincente e profundo que o resto. Aqui mostro a opinião de Peters e também de outro especialista Robert Royal, presidente do instituto católico Faith & Reason, que admira o Papa Francisco,mas com ressalvas.


Fica evidente que Peters não gostou de Amoris Laetitia sobre a família.Robert Royal, outro católico renomado, autor de diversos livros, também viu coisas muito preocupantes no texto do Papa.


Primeiro vamos aos argumentos de Peters. vou fazer um resumo:




1. Primeiro, Peters achou que o texto não estava tão bem escrito, nem tão lógico, e com muitas platitudes, mas disse que o Papa Francisco é assim mesmo, não é claro e apela para platitudes(s.f.Propriedade do que é banal; que apresenta banalidade; trivial. Qualidade do que se apresenta de maneira medíocre; inexpressividade.Etm. do francês: platitude).




2. Depois, ele trata dos problemas canônicos do texto. Eu ressalto as letras "a",  "d" e "e". O erro mais crasso para mim é a letra "e":


a) Sobre comunhão para divorciados que se casaram novamente - Peters diz que o Papa Francisco não aprovou a comunhão, mas também o Papa não reiterou claramente o ensinamento da Igreja. Outro problema é que o Papa usa a expressão "casamento irregular", quando a Igreja usa a expressão "pseudo-casamento" (FALSO CASAMENTO) para uniões que não são reconhecidas pela Igreja. Além disso, o Papa colocou a palavra irregular entre parênteses, como querendo dizer que ele não considerava irregular.




b) O Papa Francisco ainda falando sobre os divorciados que vivem em segunda união civil comentou sobre a sugestão canônica de que eles vivessem como irmãos, e usa uma passagem de Gaudium et Spes que trata do período de abstinência sexual entre casamentos reconhecidos pela Igreja. Peters disse que o Papa Francisco usou de "forma errada e perigosa" (serious misuse) a Gaudium et Spes, uma vez que a Igreja considera adultério a segunda união, ou até mesmo o desejo por outra pessoa, principalmente se esta outra pessoa já for casada, conforme nos alerta o próprio Cristo:
Mateus 5,27-28:"Vocês ouviram o que foi dito: 'Não adulterarás'.Mas eu digo: Qualquer que olhar para uma mulher e desejá-la, já cometeu adultério com ela no seu coração.”(Imagine duas pessoas convivendo sobre o mesmo teto, ainda que como irmãos?...).




c) O Papa Francisco falando de casamentos cristãos, como reflexo da união entre Cristo e a Igreja, disse que algumas formas de casamentos contradizem essa união e outras realizam essa união pelo menos em parte. Peters disse que o Papa deveria ter elaborado mais este ponto, pois formas de união que contradizem a união de Cristo e a Igreja são adúlteras e pseudo-casamentos e formas de união que realizam pelos menos em parte são todas formadas pelo casamento natural entre homens e mulheres. Essas duas formas não são variações de um mesmo tema, são dois tipos completamente diferentes. O Papa não deixou isto muito claro o que certamente gerará controvérsias teologógicas e pastorais.




d) O Papa Francisco disse que alguns casamentos de divorciados podem exibir fidelidade, generosidade e compromisso cristão". Peters aqui questiona: “como um casamento considerado adúltero pela Igreja pode exibir fidelidade e compromisso cristão ?”




e) O Papa diz que "ninguém pode ser condenado para sempre, porque essa não é a lógica do Evangelho". Peters disse que pelo contrário: é justamente esta a lógica do evangelho para aqueles que não querem seguir o estreito caminho da Salvação, no qual alguém pode sim ser condenado para sempre ao inferno, caso esta pessoa tome deliberadamente e conscientemente esta opção de optar pelo caminho largo e das facilidades propostas pelo demônio.


f) Na passagens sobre a educação sexual dos jovens, Peters ressalta que o Papa não faz nenhuma menção sobre os direitos dos pais nessa importante área. Ele deveria ter feito pela circusntâncias atuais.




Robert Royal achou o texto "Bonito, Emocionante, mas AMBÍGUO:


Os dois últimos parágrafos de Royal ressaltam que o texto do Papa Francisco é muito ambíguo e por isso traz problemas para a Igreja.


Vejamos esses dois últimos parágrafos de Robert Royal, que dizem que o Papa Francisco em Amoris Laetitia não segue o que disse o cardeal Newman:


“Newman afirmou que a Igreja deve ser clara nos seus ensinamentos”,porém, o Papa Francisco neste documento deu um entender que está mais interessado em trazer conforto para as pessoas do que em buscar a conversão para o que Cristo ensinou sobre casamento.


O beato Newman condenou aquele que busca demasiadamente o conforto das pessoas esquecendo o caminho da santidade, e como já dizia Santo Agostinho: “A verdade sempre na caridade, mas jamais negar a verdade em nome da caridade...”



Amados irmãos e irmãs Não tenho a intenção de passar-me como voz oficial da Igreja, caso aconteça alguma falha no meu ensinamento,a exemplo de São Tomás de Aquino,digo:



“Se, por ignorância, ensinei algo errado e contrário a sagrada tradição dos apóstolos e ao sagrado magistério Petrino, revogo tudo e submeto todos meus escritos ao julgamento da Santa mãe Igreja" (Santo Tomás de Aquino).


Aguardemos portanto os frutos deste documento na vida prática da Igreja antes de fazermos julgamentos precipitados ao documento e ao nosso querido Papa Francisco, e rezemos pelo seu ministério, pedindo o auxílio e intercessão de Maria.


"Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo !!! E Viva o Papa !!!"


Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger