A mera veiculação, ou reprodução de matérias e entrevistas deste blog não significa, necessariamente, adesão às ideias neles contidas. Tal material deve ser considerado à luz do objetivo informativo deste blog, não sendo a simples indicação, ou reprodução a garantia da ortodoxia de seus conteúdos. Os comentários devem ser respeitosos e relacionados estritamente ao assunto do post. Toda polêmica desnecessária será prontamente banida. Todos os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam, de maneira alguma, a posição do blog. Não serão aprovados os comentários escritos integralmente em letras maiúsculas, ou CAIXA ALTA. A edição deste blog se reserva o direito de excluir qualquer artigo ou comentário que julgar oportuno, sem demais explicações. Todo material produzido por este blog é de livre difusão, contanto que se remeta nossa fonte.
Home » » Lições da Diocese de Marília : “BISPO AMEAÇADO PELA ALA ESQUERDA-PROGRESSISTA EM SUA PRÓPRIA DIOCESE”

Lições da Diocese de Marília : “BISPO AMEAÇADO PELA ALA ESQUERDA-PROGRESSISTA EM SUA PRÓPRIA DIOCESE”

Written By Beraká - o blog da família on segunda-feira, 15 de dezembro de 2014 | 17:24





Data de publicação: 15 de Dezembro de 2014 às 16h19


(Por Dom Pedro Carlos Cipolini)


“Na diocese de Marília Estado de São Paulo, o bispo diocesano, após os trâmites legais, inclusive com o parecer do Conselho de Presbíteros, após ouvir os católicos da paróquia que desejaram se manifestar, após processo demorado de diálogo, inclusive com o padre a ser transferido, usando de suas prerrogativas, transferiu o padre para outra paróquia.”



A partir daí, instalou-se na paróquia e na cidade, uma revolta que adquiriu dimensão nacional no noticiário:


Indo celebrar a missa e ministrar crisma a jovens da comunidade, o bispo foi desacatado durante a missa, vaiado, agredido com moeda jogada sobre o altar onde celebrava a Eucaristia.


Após a missa o bispo somente pode deixar a igreja matriz, sitiada pelos "fiéis", escoltado pela polícia, pois os pneus de seu carro foram furados pelos "fiéis".



Ao longo da história da Igreja já se viram destas cenas:


Santo Agostinho na autobiografia espiritual faz alusão ao episódio acontecido em 386 com Santo Ambrósio bispo de Milão (cf. Confissões IX,15). Cristãos hereges, seguidores do arianismo, que negava a divindade de Cristo, após tentativas de assassinar S. Ambrósio, sitiaram a catedral repleta de fiéis para celebrar a semana santa. Eram auxiliados pela guarda imperial, mandada para pressionar o bispo (a imperatriz era ariana). Durante oito dias, S. Ambrósio resistiu com os fiéis que ficaram ao seu lado, dentro da catedral, rezaram e cantaram até que a polícia e os hereges se retirassem. A fé venceu a força da ignorância e da violência.



No episódio de Marília, o bispo agiu com justiça dentro de suas prerrogativas:


A transferência de pároco não é comum, mas o bispo pode fazê-lo conforme o direito eclesiástico (cf. câns. 1740-1747). Nem sempre são possíveis explicações públicas, às vezes para preservar o próprio padre. Jogar moedas no altar consagrado, enquanto é celebrada a missa é profanação. Assim como apupos, ameaça física a um ministro sagrado, precisando o mesmo recorrer à polícia para garantir integridade, incitação ao ódio e aversão ao bispo diocesano, são atos estes, passíveis de penalidade segundo o Direito Canônico (cf. câns. 1364-1377). Pela prática que tenho, um fato como este, pode começar com a revolta do povo, mas se não é alimentado pelo padre não vai avante. Aí entra o personalismo, vitimismo, imaturidade, calúnia (acusar o bispo de racismo), etc.



Porém, quais as lições a tirar de tudo isso? São muitas, limito-me a três:



1)- Por primeiro deve-se constatar a situação social, na qual a luta de classes permeou totalmente nossa cultura no Brasil. Do pobre contra rico, operário contra patrão, subalterno contra autoridade, passou-se à luta de todos contra todos: a violência tomou conta. A culpa não é da desigualdade social segundo sociólogos, temos melhorado neste ponto e a violência não para de crescer. Ninguém pode ser contrariado, não se pode dizer não a ninguém. Neste clima o que se espera de um bispo? Que siga sempre a maioria: é "democrático". Mesmo quando um pequeno grupo agressivo incita a maioria e manobra a situação. O bispo seria o que dá aval à opinião da "maioria". Mas a Igreja é democracia ou "koinonia"? Comunhão e participação de todos na Igreja são necessárias, mas levando-se em conta o carisma e competência de cada um, inclusive do bispo que é pai e pastor. Aliás, a figura do bispo como pai é apreciada para apoiar e acolher, raramente para corrigir! Os fiéis tem direitos, mas o bispo também!



2)-Uma outra lição que se pode tirar é que, a compreensão da figura do bispo na Igreja deixa a desejar. Não há correta compreensão quanto ao seu carisma de presidência (ministerium regendi), na perspectiva da sucessão apostólica (cf. S. Clemente in Carta aos Coríntios – sec. I.). Na história da Igreja no Brasil percebe-se a paróquia e o pároco como figura central. No "paroquialismo" prescinde-se do Bispo (exceto para ordenar padres, nomeá-los e crismar fiéis), do Presbitério, e da Diocese como um todo. Basta a paróquia, na qual o pároco é o "papa, o bispo, o pároco" e mais alguma coisa. Assim, transferir um padre que achou graça diante dos fiéis, equivale a ameaçar a população, que passa a "raciocinar" com o emocional. A CNBB tem feito esforço para refletir sobre a paróquia, através de documento com título sugestivo: Comunidade de comunidades: uma nova paróquia. A conversão Pastoral da paróquia. Tive a satisfação de participar da elaboração deste documento. Concluo ser mais que urgente praticá-lo, principalmente no que toca à conversão paroquial. Será que nossa Igreja conseguirá superar o paroquialismo?




3)- Por último aponto a dificuldade na formação dos futuros sacerdotes. Refiro-me não só à casa de formação, mas, ao curso de filosofia e teologia. É de se notar a dificuldade que os padres tem de, após a ordenação, cumprir o que prometem ao bispo: obediência na fé. Na fé, porque tudo depende da fé, em se tratando de obediência na sequela Christi. A Igreja é toda apostólica, os fiéis devem participar da missão em virtude do batismo, mas quem garante a apostolicidade da Igreja é o bispo (cf. LG 18). Assim como os arianos não acreditavam na divindade de Cristo, muitos não acreditam que o Cristo que o bispo representa é Filho de Deus. Veem somente a parte humana do representado: não há mistério: Cristo é um homem como todos. Seu representante ocupa uma função, para a qual, nem precisaria, em tese, um sacramento (Ordenação). Este pensamento não é da Tradição católica. Dependendo do Curso de Teologia, e de como é ministrada a disciplina Teologia dos Sacramentos, os alunos saem com noção superficial dos fundamentos do presbiterado e episcopado.


O papa Francisco alertou recentemente:


"Nós bispos temos a tentação de receber sem discernimento os jovens que se apresentam... Por favor, é preciso analisar bem o percurso das vocações" (L´Osservatore Romano ed. Port. 09.X.2014 p.2).


A má formação tanto dos leigos como dos seminaristas tem suas consequências práticas como se vê.


Este tipo de episódio faz parte da vida dos bispos amigos da cruz e desejosos de cumprirem seu dever por amor a Cristo e à Igreja, e assim, "nos tornamos espetáculo do mundo, dos anjos e dos homens" (1Cor 4,9).


O bispo tem dever de ouvir a todos até as penúltimas palavras, mas não deve abdicar de dizer a última. O bispo é o Pastor de sua Igreja, sinal de sua unidade, não pode se considerar mero moderador entre as instâncias da diocese. Deve agir "segundo seus direitos e deveres pessoais de governo que o comprometem a decidir pessoalmente segundo consciência e verdade e não com base no peso numérico dos conselheiros" (cf. Congregação para os Bispos in AS n.160).


Diante de tudo isso cada um tira conclusões que se completam


Enfim, o card. Martini recomenda ao bispo na pós-modernidade que tenha integridade, lealdade, misericórdia (cf. in O Bispo, Paulus, 2014, p.60).

Cita o card. Siri que recomendava ao bispo cinco virtudes:


"primeiro a paciência, segundo a paciência, terceiro a paciência, quarto a paciência e quinto: a paciência com os que pedem para ter paciência".

Até agora não consegui falar com o bispo de Marília, mas em nome de Jesus desejo-lhe a PAZ, na unidade com todos os bons e verdadeiros fiéis e padres desta grande diocese.

Dom Pedro Carlos Cipollini - Bispo de Amparo (SP)

Fonte:http://www.diocesedemarilia.org.br/artigos/bispos-do-brasil/18130-licoes-da-diocese-de-marilia



*Caso queira saber mais e participar de nosso apostolado, bem como agendar palestras e cursos em sua paróquia, cidade,pastoral, e ou movimento da Igreja, entre em contato conosco  pelo e-mail:  


filhodedeusshalom@gmail.com
Curta este artigo :

Postar um comentário

Conforme a lei o blog oferece o DIREITO DE RESPOSTA a quem se sentir ofendido, desde que a resposta não contenha palavrões e ofensas de cunho pessoal e generalizados.Serão analisadas e poderão ser ignoradas e ou, excluídas.

Quem sou eu?

Minha foto
CIDADÃO DO MUNDO, NORDESTINO COM ORGULHO, Brazil
Neste Apostolado promovemos a “EVANGELIZAÇÃO ANÔNIMA", pois neste serviço somos apenas o Jumentinho que leva Jesus e sua verdade aos Povos. Portanto toda honra e Glória é para Ele.Cristo disse-nos:Eu sou o caminho, a verdade e a vida e “ NINGUEM” vem ao Pai senão por mim." ( João, 14, 6).Como Católicos,defendemos a verdade, contra os erros que, de fato, são sempre contra Deus.Cristo não tinha opiniões, tinha verdades, a qual confiou a sua Igreja, ( Coluna e sustentáculo da verdade – Conf. I Tim 3,15) que deve zelar por elas até que Cristo volte.Quem nos acusa de falta de caridade mostra sua total ignorância na Bíblia,e de Deus, pois é amor, e quem ama corrige, e a verdade é um exercício da caridade.Este Deus adocicado,meloso,ingênuo, e sentimentalóide,é invenção dos homens tementes da verdade, não é o Deus revelado por seu filho: Jesus Cristo.Por fim: “Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é nega-la” - ( Sto. Tomáz de Aquino)

As + lidas!

 
Support : Creating Website | Johny Template | Mas Template
Copyright © 2013. O BERAKÁ - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger